A união de fac­to

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Os ca­sais que vi­vem ma­ri­tal­men­te há mais de três anos po­dem le­ga­li­zar já a par­tir da pró­xi­ma se­ma­na a sua re­la­ção nas con­ser­va­tó­ri­as de Re­gis­to Ci­vil, pas­san­do es­ta a ter os mes­mos efei­tos le­gais que o ca­sa­men­to.

O nos­so Có­di­go da Fa­mí­lia pre­vê o re­co­nhe­ci­men­to da união de fac­to e es­ta­be­le­ce os pres­su­pos­tos le­gais pa­ra es­se re­co­nhe­ci­men­to. Dis­põe o ar­ti­go 113º do Có­di­go da Fa­mí­lia que “a união de fac­to só po­de­rá ser re­co­nhe­ci­da após o de­cur­so de três anos de co­a­bi­ta­ção con­se­cu­ti­va e qu­an­do se ve­ri­fi­quem os pres­su­pos­tos le­gais pa­ra a ce­le­bra­ção do ca­sa­men­to, de­sig­na­da­men­te quan­to à sin­gu­la­ri­da­de e à ca­pa­ci­da­de ma­tri­mo­ni­al”.

O fac­to de um ho­mem e uma mu­lher po­de­rem le­ga­li­zar ago­ra uma união de fac­to re­pre­sen­ta um gran­de avan­ço na nos­sa so­ci­e­da­de, na me­di­da em que no nos­so país há um nú­me­ro ele­va­do de ca­sais que não es­tão uni­dos pe­lo ca­sa­men­to for­ma­li­za­do.

A sau­do­sa ju­ris­ta Ma­ria do Car­mo Me­di­na es­cre­veu no seu li­vro, edi­ta­do em 2001, so­bre o Di­rei­to da Fa­mí­lia, que “no nos­so país, a mai­o­ria da po­pu­la­ção vi­ve em união de fac­to, não por ques­tões ide­o­ló­gi­cas ou de prin­cí­pi­os, mas por ra­zões de cultura e de tra­di­ção e de ine­xis­tên­cia dos ór­gãos de re­gis­to ci­vil ne­ces­sá­ri­os à le­ga­li­za­ção da sua união ou ain­da por ra­zões eco­nó­mi­cas (nas zo­nas ur­ba­nas)”.

A Cons­ti­tui­ção de An­go­la con­si­de­ra a fa­mí­lia “o nú­cleo fun­da­men­tal da or­ga­ni­za­ção da so­ci­e­da­de e é ob­jec­to de es­pe­ci­al pro­tec­ção do Es­ta­do, quer se fun­de em ca­sa­men­to, quer em união de fac­to en­tre ho­mem e mu­lher”. A união de fac­to tem dig­ni­da­de cons­ti­tu­ci­o­nal e é de lou­var a cir­cuns­tân­cia de as au­to­ri­da­des te­rem to­ma­do as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra a con­cre­ti­za­ção des­te pre­cei­to fun­da­men­tal.

A par­tir de ago­ra, o ho­mem e a mu­lher que vi­vem em união de fac­to po­dem re­co­nhe­cê-la, pe­lo que im­por­ta que os ci­da­dãos co­nhe­çam o re­gi­me ju­rí­di­co de um ins­ti­tu­to de gran­de re­le­vân­cia ao ní­vel das re­la­ções ju­rí­di­cas fa­mi­li­a­res.

É importante que as pes­so­as co­nhe­çam o al­can­ce e o sen­ti­do das nor­mas ju­rí­di­cas re­la­ti­vas à união de fac­to con­ti­das no nos­so Có­di­go da Fa­mí­lia, pa­ra que, qu­an­do vo­lun­ta­ri­a­men­te um ho­mem e uma mu­lher de­ci­di­rem re­que­rer o re­co­nhe­ci­men­to des­se ti­po de união pos­sam fa­zê-lo com o co­nhe­ci­men­to dos seus efei­tos pa­tri­mo­ni­ais e pes­so­ais.

Ten­do em con­ta o fac­to de exis­ti­rem mui­tas uniões fac­to no país não re­co­nhe­ci­das, é fun­da­men­tal que as en­ti­da­des do Es­ta­do e da so­ci­e­da­de ci­vil aju­dem, com o con­cur­so de es­pe­ci­a­lis­tas, no­me­a­da­men­te ju­ris­tas, as pes­so­as a per­ce­be­rem bem o que re­pre­sen­ta es­te re­co­nhe­ci­men­to pa­ra a vi­da das pes­so­as que vi­vem ma­ri­tal­men­te.

Ho­je são mui­tos os paí­ses que se pre­o­cu­pam em es­ta­be­le­cer nor­mas ju­rí­di­cas pa­ra o re­co­nhe­ci­men­to de uniões de fac­to exis­ten­tes fo­ra do ca­sa­men­to for­ma­li­za­do. Com vá­ri­os no­mes, a união de fac­to é re­co­nhe­ci­da por vá­ri­os paí­ses que en­ten­dem que o di­rei­to não de­ve dei­xar de fo­ra re­la­ções fa­mi­li­a­res mes­mo não le­ga­li­za­das em ac­tos ma­tri­mo­ni­ais for­ma­li­za­dos, a fim de se sal­va­guar­da­rem di­rei­tos e se exi­gi­rem obri­ga­ções.

Mui­tos Es­ta­dos en­ten­dem que o ca­sa­men­to for­ma­li­za­do não é a úni­ca for­ma de cons­ti­tuir fa­mí­lia, dan­do re­le­vân­cia nos seus or­de­na­men­tos ju­rí­di­cos ao fe­nó­me­no da união de fac­to, que, de acor­do com a ju­ris­ta Ma­ria do Car­mo Me­di­na, “en­cer­ra uma vi­vên­cia de ca­rác­ter du­ra­dou­ro en­tre um ho­mem e uma mu­lher, se­gun­do um fi­gu­ri­no ma­ri­tal, o que sig­ni­fi­ca que en­tre eles se es­ta­be­le­ce co­mu­nhão de ca­ma, me­sa e ha­bi­ta­ção, sem que, to­da­via, te­nham en­tre si ce­le­bra­do ca­sa­men­to”.

Com o iní­cio da le­ga­li­za­ção de uniões de fac­to no nos­so país, abre-se uma no­va era no âm­bi­to das re­la­ções ju­rí­di­cas fa­mi­li­a­res, e acre­di­ta-se que es­te pro­ces­so de re­co­nhe­ci­men­to ve­nha a con­tri­buir pa­ra a paz so­ci­al.

Não é se­gre­do pa­ra nin­guém que exis­tem no país di­ver­sos con­fli­tos que emer­gem da ex­tin­ção por di­ver­sas ra­zões de uma união de fac­to não re­co­nhe­ci­da. Com o re­co­nhe­ci­men­to das uniões de fac­to, o país po­de­rá aca­bar com mui­tas si­tu­a­ções de in­jus­ti­ça.

Os efei­tos do re­co­nhe­ci­men­to das uniões de fac­to pe­las con­ser­va­tó­ri­as de re­gis­to ci­vil ou pe­los tri­bu­nais (a pos­te­ri­o­ri) de­vem ser bem en­ten­di­dos pe­las pes­so­as, até por­que tal re­co­nhe­ci­men­to pro­duz to­dos os efei­tos do ca­sa­men­to com re­tro­ac­ti­vi­da­de à da­ta do iní­cio da união.

É po­si­ti­vo o fac­to de as nos­sas au­to­ri­da­des po­de­rem ini­ci­ar a le­ga­li­za­ção das uniões de fac­to, sen­do acon­se­lhá­vel que os ca­sais que pre­ten­dam le­ga­li­zar a sua si­tu­a­ção ma­ri­tal jun­to das con­ser­va­tó­ri­as de re­gis­to ci­vil con­sul­tem es­pe­ci­a­lis­tas ou en­ti­da­des do Es­ta­do em con­di­ções de for­ne­cer os de­vi­dos es­cla­re­ci­men­tos so­bre es­ta ma­té­ria.

Faz sen­ti­do que o nos­so Es­ta­do dê im­por­tân­cia ao re­co­nhe­ci­men­to das uniões de fac­to, ten­do em con­ta que é ne­ces­sá­rio as­se­gu­rar a es­ta­bi­li­da­de das fa­mí­li­as. Qu­e­re­mos to­dos que a nos­sa so­ci­e­da­de te­nha fa­mí­li­as es­tá­veis e que se­ja ga­ran­ti­do o de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so de to­dos os seus mem­bros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.