Schulz quer con­cor­rer con­tra Mer­kel

LE­GIS­LA­TI­VAS NA ALE­MA­NHA Lí­der do Par­la­men­to Eu­ro­peu des­car­ta can­di­da­tu­ra a uma re­e­lei­ção

Jornal de Angola - - MUNDO -

O pre­si­den­te do Par­la­men­to Eu­ro­peu (PE), Mar­tin Schulz, anun­ci­ou on­tem que vai aban­do­nar a política eu­ro­peia e con­cor­rer nas pró­xi­mas le­gis­la­ti­vas ale­mãs, em 2017, con­tra a chan­ce­ler An­ge­la Mer­kel.

“Não vou con­cor­rer pa­ra pre­si­den­te do Par­la­men­to Eu­ro­peu no pró­xi­mo ano, irei can­di­da­tar-me ao Bun­des­tag ale­mão co­mo ca­be­ça de lis­ta do meu par­ti­do, o SPD, pe­la Re­nâ­nia do Nor­te/Vest­fá­lia”, anun­ci­ou Mar­tin Schulz, nu­ma de­cla­ra­ção à im­pren­sa, em Bru­xe­las.

“Não foi uma de­ci­são fá­cil”, sa­li­en­tou o po­lí­ti­co.

O SPD é ac­tu­al­men­te par­cei­ro da co­li­ga­ção go­ver­na­men­tal ale­mã li­de­ra­da por Mar­kel, que já anun­ci­ou a can­di­da­tu­ra a um quar­to man­da­to co­mo chan­ce­ler.

O Par­ti­do Po­pu­lar Eu­ro­peu, o mai­or gru­po po­lí­ti­co do PE, fe­li­ci­tou já Mar­tin Schulz pe­lo seu tra­ba­lho à frente do Par­la­men­to Eu­ro­peu (PE) e ga­ran­tiu que apre­sen­ta um “can­di­da­to con­vin­cen­te” à sua su­ces­são.

Nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa em Es­tras­bur­go, pou­co de­pois de Schulz anun­ci­ar que vai aban­do­nar a as­sem­bleia eu­ro­peia pa­ra se can­di­da­tar ao car­go de chan­ce­ler ale­mão no pró­xi­mo ano, o tam­bém ale­mão Man­fred We­ber, lí­der da ban­ca­da do PPE - que in­te­gra as de­le­ga­ções do PSD e CDS-PP ao Par­la­men­to Eu­ro­peu - su­bli­nhou o tra­ba­lho fei­to pe­lo seu com­pa­tri­o­ta so­ci­a­lis­ta à frente da as­sem­bleia, que, ad­mi­tiu, ga­nhou enor­me re­le­vân­cia nos úl­ti­mos cin­co anos. “Gos­ta­va, em no­me do gru­po, agra­de­cer o tra­ba­lho que (Mar­tin Schulz) fez pe­lo Par­la­men­to e pe­la Eu­ro­pa. Lu­tou de uma for­ma ex­tra­or­di­ná­ria pe­la Eu­ro­pa e nós res­pei­ta­mos mui­to is­so. O Par­la­men­to Eu­ro­peu be­ne­fi­ci­ou mui­to da sua li­de­ran­ça e compromisso. Nos úl­ti­mos cin­co anos, o Par­la­men­to ga­nhou mui­ta re­le­vân­cia e uma voz for­te, e es­se é um mé­ri­to que lhe per­ten­ce”, de­cla­rou We­ber.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre a cor­ri­da ao car­go que Schulz dei­xa va­go, We­ber dis­se que ho­je tra­ta-se so­bre­tu­do de pres­tar tri­bu­to ao tra­ba­lho fei­to pe­lo ain­da pre­si­den­te do PE, mas as­se­gu­rou que o Par­ti­do Po­pu­lar Eu­ro­peu apre­sen­ta um can­di­da­to for­te, na sequên­cia de “um pro­ces­so de­mo­crá­ti­co” no seio do gru­po.

Es­cu­san­do-se a con­fir­mar se ele pró­prio é can­di­da­to ao car­go, We­ber li­mi­tou-se a re­fe­rir que, den­tro da fa­mí­lia do PPE, há “mui­tos no­mes e bons can­di­da­tos” e vai ser se­gu­ra­men­te apre­sen­ta­do “um can­di­da­to con­vin­cen­te”.

We­ber su­bli­nhou no en­tan­to que o mais importante é afas­tar de even­tu­ais pos­tos de de­ci­são os “ex­tre­mis­tas e po­pu­lis­tas” com as­sen­to na as­sem­bleia, cu­jo pro­pó­si­to é “des­truir a Eu­ro­pa”.

“A mi­nha pri­o­ri­da­de é es­sa”, as­se­gu­rou. Po­lí­ti­cos do PPE já ocu­pam a pre­si­dên­cia do Con­se­lho Eu­ro­peu (Do­nald Tusk) e da Co­mis­são Eu­ro­peia (Je­an-Clau­de Junc­ker).

Mar­tin Schulz é de­pu­ta­do ao PE des­de 1994 e en­tre 2004 e 2012 foi o lí­der da ban­ca­da so­ci­a­lis­ta no he­mi­ci­clo eu­ro­peu. Foi elei­to pre­si­den­te do Par­la­men­to Eu­ro­peu em 17 de Ja­nei­ro de 2012.

AFP

Mar­tin Schulz dei­xa o Par­la­men­to Eu­ro­peu pa­ra dis­pu­tar a cor­ri­da elei­to­ral no seu país de ori­gem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.