Pe­di­dos fun­dos pa­ra a in­dus­tri­a­li­za­ção

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Se­cre­tá­rio-Ge­ral ces­san­te da ONU, des­ta­cou no Dia da In­dus­tri­a­li­za­ção de Áfri­ca, as­si­na­la­do na se­ma­na pas­sa­da, a im­por­tân­cia de o Mun­do mo­bi­li­zar fun­dos “pa­ra uma in­dus­tri­a­li­za­ção in­clu­si­va e sus­ten­tá­vel” do con­ti­nen­te.

Ao fa­lar so­bre a efe­mé­ri­de, Ban Ki-mo­on tam­bém exor­tou os paí­ses afri­ca­nos a abra­çar po­lí­ti­cas trans­for­ma­do­ras, in­cen­ti­var o cres­ci­men­to do sec­tor pri­va­do, fa­ci­li­tar as iniciativas empresariais, au­men­tar o in­ves­ti­men­to e ge­rar par­ce­ri­as du­ra­dou­ras.

Os in­ves­ti­do­res, de­fen­deu o lí­der da ONU, pre­ci­sam de fi­nan­ci­ar pro­gra­mas, pro­jec­tos, em­pre­sas e re­cur­sos hu­ma­nos da re­gião. “Nos úl­ti­mos 20 anos, o con­ti­nen­te te­ve um cres­ci­men­to do PIB com­bi­na­do de uma mé­dia de 4,7 por cen­to por ano. Ape­sar da le­ve de­sa­ce­le­ra­ção após a bai­xa dos pre­ços dos bens bá­si­cos, as con­di­ções de fi­nan­ci­a­men­to mais res­tri­ti­vas e se­cas em 2015, a Áfri­ca ain­da es­tá en­tre as re­giões com o cres­ci­men­to mais rá­pi­do no Mun­do”, re­cor­dou. Ban Ki­mo­on su­bli­nhou que a Áfri­ca é um con­ti­nen­te jo­vem, “com uma mé­dia de ida­des abai­xo de 20 anos”.

O Se­cre­tá­rio-Ge­ral ces­san­te da ONU propôs a cri­a­ção de “mi­lhões de no­vos em­pre­gos de al­ta pro­du­ti­vi­da­de por ano” pa­ra o con­ti­nen­te cum­prir a Agen­da 2063 da União Afri­ca­na, que pro­jec­ta “uma Áfri­ca prós­pe­ra, com cres­ci­men­to in­clu­si­vo e de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel”.

Pa­ra tal, dis­se ser ne­ces­sá­rio “ace­le­rar a in­dus­tri­a­li­za­ção e a ex­pan­são da ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va e de va­lor, pa­ra sus­ten­tar um mai­or cres­ci­men­to eco­nó­mi­co no con­ti­nen­te”. Pes­qui­sas re­ve­lam que a pro­du­ção e a in­dús­tria “não são so­men­te as mais im­por­tan­tes fon­tes de em­pre­go, mas tam­bém têm um efei­to mul­ti­pli­ca­dor po­si­ti­vo”. Ban Ki-mo­on re­for­çou es­se pon­to de vis­ta, ao su­bli­nhar que to­do o tra­ba­lho na in­dús­tria trans­for­ma­do­ra “po­de cri­ar pe­lo me­nos ou­tros dois pos­tos de em­pre­go em ou­tros sec­to­res”.

Na se­ma­na pas­sa­da, re­pre­sen­tan­tes de vá­ri­as en­ti­da­des que par­ti­ci­pa­ram num se­mi­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal so­bre os flu­xos fi­nan­cei­ros ilí­ci­tos no con­ti­nen­te afri­ca­no de­nun­ci­a­ram que tran­sac­ções ile­gais en­vol­vem qua­se o do­bro da aju­da pú­bli­ca ao de­sen­vol­vi­men­to.

No se­mi­ná­rio, re­a­li­za­do em Nai­ro­bi, ca­pi­tal do Qué­nia, a res­pon­sá­vel de Iniciativas Es­pe­ci­ais do se­cre­ta­ri­a­do exe­cu­ti­vo da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca pa­ra a Áfri­ca, Opo­ku-Men­sah, de­fen­deu que o pro­ble­ma de­ve ser abor­da­do de for­ma co­e­ren­te e co­or­de­na­da e ci­tou in­ter­ve­ni­en­tes e iniciativas em cur­so e em car­tei­ra a ní­vel na­ci­o­nal, re­gi­o­nal e glo­bal.

Os flu­xos fi­nan­cei­ros ilí­ci­tos em Áfri­ca tor­na­ram-se uma gran­de pre­o­cu­pa­ção “pe­lo seu im­pac­to e di­men­são ne­ga­ti­vos na agen­da de de­sen­vol­vi­men­to e na go­ver­na­ção do con­ti­nen­te”, con­cluiu o se­mi­ná­rio. Es­ti­ma-se que as per­das em Áfri­ca atin­jam 50 mil mi­lhões de dó­la­res por ano, o equi­va­len­te a cer­ca do do­bro da aju­da pú­bli­ca ao de­sen­vol­vi­men­to. Opo­ku-Men­sah su­bli­nhou que o con­ti­nen­te es­tá a dar “pas­sos con­cre­tos” pa­ra uma abor­da­gem co­e­ren­te de com­ba­te aos flu­xos ilí­ci­tos, fri­san­do que mui­to ain­da pre­ci­sa de ser fei­to, e re­co­men­dou uma co­or­de­na­ção nas ac­ções na­ci­o­nais e con­ti­nen­tais pa­ra ge­rar e di­fun­dir co­nhe­ci­men­tos so­bre o te­ma, re­for­çar a ca­pa­ci­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal, as re­gras de ac­ção e a mo­bi­li­za­ção de re­cur­sos.

Os par­ti­ci­pan­tes ana­li­sa­ram a apli­ca­ção das re­co­men­da­ções do re­la­tó­rio do Pai­nel de Al­to Ní­vel so­bre o Flu­xo Ilí­ci­to de Ca­pi­tais, as ac­ções de com­ba­te ao pro­ble­ma, de­fi­ni­ram o tra­ba­lho em re­la­ção a es­ses pro­gra­mas e apro­va­ram os ter­mos de iniciativas con­jun­tas afri­ca­nas.

En­tre­tan­to, o es­tu­do “Des­blo­que­an­do o Po­ten­ci­al Afri­ca­no: Re­la­ção en­tre Go­ver­na­ção Efec­ti­va e Po­bre­za”, pu­bli­ca­do na se­ma­na pas­sa­da em Jo­a­nes­bur­go, con­cluiu que, com uma go­ver­na­ção efec­ti­va em Áfri­ca, “60 mi­lhões de afri­ca­nos po­dem ver re­du­zi­dos os ní­veis da po­bre­za até 2050”.

A pes­qui­sa de Ci­a­ra Au­coin e Za­chary Don­nen­feld, re­fe­re que uma me­lhor go­ver­na­ção tem efei­tos so­bre a po­bre­za ex­tre­ma que afec­ta o con­ti­nen­te, so­bre­tu­do a re­gião da Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na, a mais afec­ta­da pe­la po­bre­za no Mun­do.

O es­tu­do ana­li­sou os efei­tos da go­ver­na­ção efec­ti­va, do aces­so me­lho­ra­do do sis­te­ma de sa­ne­a­men­to e da eli­mi­na­ção das doenças trans­mis­sí­veis na vi­da das pes­so­as, com vis­ta a de­ter­mi­nar o que re­al­men­te tem im­pac­to na re­du­ção dos ín­di­ces da po­bre­za no con­ti­nen­te e con­cluiu que a go­ver­na­ção efec­ti­va “es­tá no to­po”.

Nas con­di­ções ac­tu­ais, os ín­di­ces glo­bais de po­bre­za ex­tre­ma na Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na apon­tam pa­ra 65 por cen­to até ao ano de 2030, ad­ver­te o es­tu­do.

JOÃO GO­MES

Elec­tri­fi­ca­ção é apon­ta­da co­mo pri­o­ri­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.