Pro­du­to ban­cá­rio agre­ga­do com au­men­to con­si­de­rá­vel

Jornal de Angola - - ECONOMIA - AR­MAN­DO ES­TRE­LA |

O pro­du­to ban­cá­rio agre­ga­do do sec­tor re­gis­tou em 2015 um cres­ci­men­to de 39,7 por cen­to, po­ten­ci­a­do pe­lo acrés­ci­mo de 51 da mar­gem com­ple­men­tar, re­ve­la a em­pre­sa de con­sul­to­ria KPMG na sua aná­li­se des­te ano ao sec­tor ban­cá­rio an­go­la­no.A KPMG in­di­ca ain­da que a mar­gem fi­nan­cei­ra das ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as an­go­la­nas cres­ceu cer­ca de 31 por cen­to, co­mo re­sul­ta­do do cres­ci­men­to nos pro­vei­tos de créditos, em 18,6, e nos pro­vei­tos de tí­tu­los e va­lo­res mo­bi­liá­ri­os, em 79.

O cres­ci­men­to nos cus­tos dos de­pó­si­tos em cer­ca de 14 por cen­to e a re­du­ção nos pro­vei­tos de apli­ca­ções de li­qui­dez, em apro­xi­ma­da­men­te 28, con­di­ci­o­na­ram um de­sem­pe­nho su­pe­ri­or, ten­do a mar­gem com­ple­men­tar cres­ci­do 51, o in­cre­men­to mais ele­va­do do pe­río­do 20102015. Es­se in­di­ca­dor é po­ten­ci­a­do por um cres­ci­men­to dos re­sul­ta­dos com ope­ra­ções cam­bi­ais, de 83 por cen­to, fru­to da evo­lu­ção do kwan­za fa­ce ao dó­lar e do ele­va­dor va­lor de tí­tu­los in­de­xa­dos emi­ti­dos pe­lo Es­ta­do e to­ma­do pe­las ins­ti­tui­ções.

No ano pas­sa­do, a mar­gem fi­nan­cei­ra cor­res­pon­deu a 54,4 por cen­to da es­tru­tu­ra do pro­du­to ban­cá­rio, con­tra os 57,8 do ano an­te­ri­or, en­quan­to a mar­gem com­ple­men­tar per­fez 45,6, con­tra 42,2 de 2014. O rácio cost-to-in­co­me ci­frou-se em 42,3 por cen­to em 2015, re­gis­tan­do o me­lhor va­lor do pe­río­do 2010-2015.

Con­tu­do, a con­sul­to­ra KPMG con­clui que a me­lho­ria ve­ri­fi­ca­da é re­fle­xo de um cres­ci­men­to do pro­du­to ban­cá­rio, de 39,7, su­pe­ri­or aos cus­tos ope­ra­ti­vos (15), mui­to in­flu­en­ci­a­do pe­los re­sul­ta­dos de ope­ra­ções fi­nan­cei­ras.

A ren­ta­bi­li­da­de do sec­tor re­gis­tou ní­veis se­me­lhan­tes aos apre­sen­ta­dos no ano tran­sac­to. Tan­to o re­tor­no dos ac­ti­vos mé­di­os (ROAA), co­mo o dos ca­pi­tais pró­pri­os (ROE) re­gis­ta­ram em 2015 va­lo­res se­me­lhan­tes aos de 2014. O ROE ci­frou-se nos 14,3 por cen­to, en­quan­to a ren­ta­bi­li­da­de dos ac­ti­vos mé­di­os fi­xou-se nos 1,6, um acrés­ci­mo de 0,03 pon­tos per­cen­tu­ais e 0,04, res­pec­ti­va­men­te.

A em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­la aná­li­se, a KPMG, sa­li­en­ta que, ape­sar do cres­ci­men­to re­le­van­te dos re­sul­ta­dos das ope­ra­ções fi­nan­cei­ras e da mar­gem fi­nan­cei­ra, tem exis­ti­do uma pre­o­cu­pa­ção cres­cen­te das ins­ti­tui­ções em pre­pa­ra­rem-se ain­da mais, pa­ra fa­zer fa­ce à evo­lu­ção ne­ga­ti­va do ci­clo eco­nó­mi­co, atra­vés do re­for­ço ex­pres­si­vo do ní­vel de pro­vi­si­o­na­men­to das car­tei­ras de cré­di­to.

Os ní­veis de sol­va­bi­li­da­de do sec­tor con­ti­nu­am a apre­sen­tar uma ten­dên­cia cres­cen­te, uma vez que no ano pas­sa­do o rácio de sol­va­bi­li­da­de pa­ra o agre­ga­do do sec­tor ban­cá­rio foi de 30,3 por cen­to, ou se­ja, 7,2 e 9,7 pon­tos per­cen­tu­ais acima do ve­ri­fi­ca­do em 2014 e 2013, res­pec­ti­va­men­te.

O re­for­ço dos ní­veis de sol­va­bi­li­da­de de­ve tra­du­zir-se nu­ma mai­or ro­bus­tez do sec­tor ban­cá­rio na­ci­o­nal, su­por­tan­do o cum­pri­men­to do li­mi­te mí­ni­mo exi­gi­do pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la, de dez por cen­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.