Ar­te ru­pes­tre

Jornal de Angola - - LAZER -

Ar­te ru­pes­tre é o ter­mo que de­no­mi­na as re­pre­sen­ta­ções ar­tís­ti­cas pré-his­tó­ri­cas re­a­li­za­das em paredes, te­tos e ou­tras su­per­fí­ci­es de ca­ver­nas e abri­gos ro­cho­sos, ou mes­mo so­bre su­per­fí­ci­es ro­cho­sas ao ar li­vre. A ar­te ru­pes­tre di­vi­de­se em dois ti­pos: a pin­tu­ra ru­pes­tre, com­po­si­ções re­a­li­za­das com pig­men­tos, e a gra­vu­ra ru­pes­tre, ima­gens gra­va­das em in­ci­sões na pró­pria ro­cha.

Em ge­ral, tra­zem re­pre­sen­ta­ções de ani­mais, plan­tas e pes­so­as, e si­nais grá­fi­cos abs­tra­tos, às ve­zes usa­dos em com­bi­na­ção. A sua in­ter­pre­ta­ção é di­fí­cil e es­tá cer­ca­da de con­tro­vér­sia, mas pen­sa-se cor­ren­te­men­te que pos­sam ilus­trar ce­nas de ca­ça, ri­tu­al, quo­ti­di­a­no, ter ca­rác­ter má­gi­co, e ex­pres­sar, co­mo uma es­pé­cie de lin­gua­gem vi­su­al, con­cei­tos, sím­bo­los, va­lo­res e cren­ças.

Por tu­do is­so, mui­tos pes­qui­sa­do­res atri­bu­em à ar­te pré-his­tó­ri­ca fun­ções e ca­rac­te­rís­ti­cas com­pa­rá­veis às da ar­te co­mo ho­je é lar­ga­men­te en­ten­di­da, em­bo­ra ha­ja uma ten­dên­cia re­cen­te de subs­ti­tuir a de­no­mi­na­ção “ar­te” ru­pes­tre por “re­gis­tro” ru­pes­tre, con­si­de­ran­do a in­cer­te­za que cer­ca o seu sig­ni­fi­ca­do. Per­ma­ne­ce, de to­do mo­do, co­mo tes­te­mu­nho pre­ci­o­so de cul­tu­ras que exer­cem gran­de fas­cí­nio con­tem­po­ra­ne­a­men­te mas são ain­da pou­co co­nhe­ci­das.

Qu­an­do Marcelino Sanz de Sau­tu­o­la en­con­trou pe­la pri­mei­ra vez as pin­tu­ras da ca­ver­na de Al­ta­mi­ra, na Es­pa­nha, em tor­no de 150 anos atrás, elas fo­ram con­si­de­ra­das co­mo frau­de pe­los aca­dé­mi­cos. Com ba­se no no­vo pen­sa­men­to darwi­ni­a­no so­bre a evo­lu­ção das es­pé­ci­es, con­si­de­rou-se que os pri­mi­ti­vos hu­ma­nos não po­di­am ser su­fi­ci­en­te­men­te avan­ça­dos pa­ra cri­ar ar­te. Émi­le Car­tai­lhac, um dos mais res­pei­ta­dos his­to­ri­a­do­res da Pré-His­tó­ria do fi­nal do sé­cu­lo XIX, acre­di­ta­va que as pin­tu­ras ti­nham si­do for­ja­das pe­los cri­a­ci­o­nis­tas (que sus­ten­ta­vam a cri­a­ção do ho­mem por Deus) pa­ra apoi­ar as su­as idéi­as e ri­di­cu­la­ri­zar Darwin, mas de­pois ele veio a re­tra­tar-se, re­co­nhe­cen­do a sua au­ten­ti­ci­da­de.

Re­cen­tes ava­li­a­ções têm ates­ta­do uma gran­de an­ti­gui­da­de nas fi­gu­ras pré-his­tó­ri­cas en­con­tra­das. Es­ti­ma-se que a ar­te ru­pes­tre co­me­çou qu­an­do o ho­mem de CroMag­non se es­ta­be­le­ceu na Eu­ro­pa des­lo­can­do o ho­mem de Ne­an­derthal, apa­re­cen­do no pe­río­do Au­rig­na­ci­a­no e flo­res­cen­do es­pe­ci­al­men­te nos pe­río­dos So­lu­tre­a­no e Mag­da­le­ni­a­no do Pa­le­o­lí­ti­co, sen­do pro­va­vel­men­te pos­te­ri­or ao apa­re­ci­men­to de ob­jec­tos “ar­tís­ti­cos” mó­veis, co­mo ar­te­fac­tos em os­so ou pe­dra es­cul­pi­da. Po­rém, o con­cei­to de Pré-His­tó­ria é di­fe­ren­te qu­an­do apli­ca­do à Eu­ro­pa e às ou­tras par­tes do mun­do, pois es­tá ba­se­a­do for­te­men­te so­bre as ca­rac­te­rís­ti­cas da cultura ma­te­ri­al e não na cro­no­lo­gia.

Na Eu­ro­pa a His­tó­ria ini­cia em tor­no de oi­to mil anos, qu­an­do sur­gi­ram os pri­mei­ros re­gis­tros de uma for­ma em­bri­o­ná­ria de es­cri­ta. Nas Amé­ri­cas, se­gun­do Fu­na­ri&No­el­li, é pré-his­tó­ri­co tu­do o que veio an­tes da che­ga­da dos eu­ro­peus no fi­nal do sé­cu­lo XV, em­bo­ra os mai­as pos­suíam es­cri­ta, os as­te­cas uma pro­to-es­cri­ta e os in­cas um sis­te­ma de re­gis­to de even­tos e con­ta­bi­li­da­de atra­vés de cor­das com nós.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.