Cró­ni­ca de Luis Al­ber­to Fer­rei­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |*

De­trás do No­bel atribuído ao Pre­si­den­te da Colôm­bia pe­lo seu em­pe­nho, obri­ga­tó­rio, na pa­ci­fi­ca­ção do país, com a aju­da pre­ci­o­sa de Cu­ba, ser­pen­teia um som­brio pro­ces­so de in­ten­ções. Ajei­ta­do por “mão ocul­ta” mas de to­dos co­nhe­ci­da. As di­li­gên­ci­as do Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no Ju­an Ma­nu­el San­tos me­re­ce­ram, a seu tem­po, aplau­sos. Ele con­ti­nua, po­rém, à mer­cê de ma­no­bras de bas­ti­do­res que vão tra­du­zin­do, na Colôm­bia, um “au­tên­ti­co ba­nho de san­gue” pa­la­vras re­cen­tís­si­mas do jor­na­lis­ta An­to­nio Mo­ra­les, das pou­cas vo­zes in­de­pen­den­tes do país. O ca­ri­ca­to e des­con­cer­tan­te, nes­ta enor­mís­si­ma far­sa, é o fac­to de ter si­do atribuído o No­bel da paz ao Pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el San­tos em ple­na ocor­rên­cia de atro­ci­da­des que ti­nham co­mo al­vo os co­lom­bi­a­nos iden­ti­fi­ca­dos co­mo de­fen­so­res in­tran­si­gen­tes da pa­ci­fi­ca­ção. O jú­ri constituído por uns ca­va­lhei­ros ins­ta­la­dos no frio da No­ru­e­ga des­co­nhe­ce os ca­lo­res da mor­te na Colôm­bia - de­ze­nas de pes­so­as as­sas­si­na­das des­de a pro­cla­ma­ção do “êxi­to” das ne­go­ci­a­ções de paz em Ha­va­na. A atri­bui­ção do No­bel, nes­tas cir­cuns­tân­ci­as, fi­ca a re­pre­sen­tar uma ig­no­mí­nia as­sen­te em cum­pli­ci­da­des si­nis­tras de bas­ti­do­res. Não se tra­ta de um in­ci­ta­men­to à paz e à de­mo­cra­cia, tra­duz na re­a­li­da­de a “con­ve­ni­ên­cia” de quem pre­ten­de, a qual­quer pre­ço, de­ses­ta­bi­li­zar a Amé­ri­ca do Sul. Con­vém à es­tra­té­gia de de­ses­ta­bi­li­za­ção re­gi­o­nal que ame­a­ça acen­tu­ar­se, tam­bém, na Ve­ne­zu­e­la, na Bo­lí­via e no Equa­dor. En­quan­to na Argentina, Pe­rú, Chi­le, Bra­sil e Pa­ra­guai se exi­bem, à luz do dia, re­vi­ves­cên­ci­as de pen­dor fas­cis­ta. (He­be Bo­na­fi­ni, argentina, que no dia 4 de De­zem­bro pró­xi­mo fa­rá 88 anos, e é fun­da­do­ra da as­so­ci­a­ção Mães da Praça de Maio, tem si­do al­vo da bru­ta­li­da­de po­li­ci­al de­sa­ta­da pe­lo ac­tu­al pre­si­den­te, Mau­rí­cio Ma­cri, res­tau­ra­ci­o­nis­ta apoi­a­do e fe­li­ci­ta­do por Ba­rack Oba­ma. Nu­ma car­ta di­ri­gi­da ao Pa­pa Fran­cis­co, a ac­ti­vis­ta Bo­na­fi­ni aler­ta pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de se re­pe­tir, em Bu­e­nos Ai­res, a bar­bá­rie de 20 de De­zem­bro de 2001, de­ze­nas de “pi­bes” - ra­pa­zes - “as­sas­si­na­dos qu­an­do pro­tes­ta­vam” con­tra o ocul­tis­mo fa­vo­rá­vel aos ge­no­ci­das dos tem­pos de Vi­de­la, Vi­o­la, Mas­se­ra, Aram­bu­ru, Gui­do, On­ga­nía, La­nus­se, car­ni­cei­ros ines­que­cí­veis mas “úteis” pa­ra a me­mó­ria his­tó­ri­ca dos sul-ame­ri­ca­nos.

O que es­tá a acon­te­cer na Colôm­bia cau­sa re­vol­ta e as­som­bro. E é de­ve­ras pre­o­cu­pan­te. Um No­bel da paz que “flo­res­ce” num ba­nho de san­gue. Na pri­mei­ra quin­ze­na des­te mês, fo­ram as­sas­si­na­dos 17 ac­ti­vis­tas so­ci­ais que vi­nham par­ti­ci­pan­do em vi­gí­li­as pa­ra a de­fe­sa dos acor­dos de paz. As­sas­si­na­dos fo­ram, ain­da, no in­te­ri­or, em San­ta Ro­sa do Sul, 2 ex-guer­ri­lhei­ros das FARC con­ven­ci­dos de que os acor­dos ti­nham vin­do pa­ra fi­car. Co­me­ça a ser pos­to em cau­sa o pou­co que foi al­can­ça­do pe­lo lí­der co­lom­bi­a­no Ju­an Ma­nu­el San­tos. Tra­tan­do­se em­bo­ra de um po­lí­ti­co vin­cu­la­do ao “sis­te­ma” na­da edi­fi­can­te a pre­pon­de­rar des­de há mui­to na Colôm­bia, o Pre­si­den­te che­gou a con­quis­tar a sim­pa­tia e a con­fi­an­ça po­pu­la­res. Con­tu­do, co­mo ou­vi­mos do jor­na­lis­ta An­to­nio Mo­ra­les, “o ter­ro­ris­mo de Es­ta­do e as ac­ções cri­mi­no­sas dos pa­ra­mi­li­ta­res con­ti­nu­am in­fre­nes”. E “não há se­quer me­di­das ex­tra­or­di­ná­ri­as do Go­ver­no, ao mes­mo tem­po que da par­te da Jus­ti­ça não ve­mos ne­nhu­ma ur­gên­cia na iden­ti­fi­ca­ção e pu­ni­ção dos cri­mi­no­sos”. Ai­da Avel­la, ac­ti­vis­ta política, de­cla­rou ao ca­nal “Te­le­sur” que “os au­to­res dos as­sas­si­na­tos têm re­pre­sen­tan­tes no Par­la­men­to”. As­sem­bleia do­mi­na­da, des­de sem­pre, por uma ex­tre­ma-di­rei­ta cons­ti­tuí­da por eli­tes ri­ca­lha­ças des­cen­den­tes da “Con­quis­ta”. E que gu­ar­da, co­mo tro­féu de guer­ra, “200 anos de ex­clu­são dos opo­si­to­res”. Não é no­vi­da­de pa­ra quem quer que se­ja: 80 por cen­to dos cri­mes, na Colôm­bia, des­de o iní­cio do “con­fli­to” - ter­mo fa­vo­ri­to dos pu­ri­ta­nos da fre­gue­sia - têm vin­do a ser co­me­ti­dos, des­de há 52 anos, pe­lo Es­ta­do e pe­los pa­ra­mi­li­ta­res de ins­pi­ra­ção na­zi-fas­cis­ta. A pres­sa na atri­bui­ção do No­bel da paz só se ex­pli­ca pe­la au­sên­cia de es­crú­pu­los das mul­ti­na­ci­o­nais, dos gran­des “en­tu­si­as­tas” do fal­so “agi­gan­ta­men­to eco­nó­mi­co” da Colôm­bia. A Es­pa­nha, go­ver­na­da por ini­mi­gos ide­o­ló­gi­cos da Re­vo­lu­ção Bo­li­va­ri­a­na em cur­so na Ve­ne­zu­e­la, an­te­ci­pou-se mes­mo à atri­bui­ção do No­bel da paz ao Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no. Qu­an­do, em mais uma la­men­tá­vel in­ge­rên­cia ne­o­co­lo­ni­al, a Fun­da­ção Bom Go­ver­no (al­go que faz pen­sar …)e o gru­po, tam­bém es­pa­nhol, PRISA, de­ci­di­ram ali­ar-se e or­ga­ni­zar em Bo­go­tá, ca­pi­tal co­lom­bi­a­na, um “Fo­ro pa­ra apro­xi­mar o acor­do de paz dos ci­da­dãos co­lom­bi­a­nos”… Es­ta ver­da­dei­ra excentricidade re­sul­ta mais es­ton­te­an­te, ain­da, ao sa­ber-se que pa­ra mo­to­ri­zar tal ini­ci­a­ti­va os “or­ga­ni­za­do­res” mo­bi­li­za­ram, tam­bém, o ine­fá­vel diá­rio “El País”, do gru­po … PRISA. E a Rá­dio Ca­ra­col, co­lom­bi­a­na mas per­ten­cen­te, tam­bém, ao gru­po … PRISA. Tu­do gen­te “ami­ga” do tão pro­cla­ma­do “po­ten­ci­al eco­nó­mi­co” da Colôm­bia. En­co­mi­as­tas da Ali­an­ça do Pa­cí­fi­co, que no es­pa­ço de dois anos pro­du­ziu na Argentina, no Pe­rú e na pró­pria Colôm­bia no­vos va­ga­lhões de no­vos po­bres. De fac­to, as ne­go­ci­a­ções cor­re­ram de fei­ção, em Ha­va­na, no to­can­te ao que vi­ria a tra­du­zir-se afi­nal nu­ma sim­ples pri­mei­ra fa­se. O Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no, de­pois da as­si­na­tu­ra dos acor­dos, em Cu­ba, propôs a re­a­li­za­ção de um ple­bis­ci­to. Pre­ten­deu, com o re­fe­ren­do, de­fen­der-se e jus­ti­fi­car-se jun­to dos po­de­ro­sos sec­to­res que ali­men­tam o ter­ro­ris­mo de Es­ta­do e os fran­co-ati­ra­do­res pa­ra­mi­li­ta­res. Que to­da a so­ci­e­da­de se pro­nun­ci­as­se: “sim” ou “não” aos acor­dos. Ga­nhou o “não”, con­sequên­cia de mui­tas cir­cuns­tân­ci­as fe­ri­das pe­lo “sta­tu quo” co­lom­bi­a­no: ac­ção sub­ter­râ­nea da di­rei­ta fas­cis­ta co­man­da­da pe­lo ex-pre­si­den­te Ál­va­ro Uri­be, de­sin­for­ma­ção e re­cur­so à bo­a­ta­ria e, a co­ro­ar tu­do is­so: 63 por cen­to da po­pu­la­ção, ame­rín­di­os, ne­gros, cam­po­ne­ses pri­va­dos, pe­la for­ça, das su­as ter­ras, nem se­quer ti­ve­ram aces­so às me­sas do es­cru­tí­nio. A Colôm­bia é um mui­to sé­rio avi­so à na­ve­ga­ção. Um No­bel da paz flu­tua, té­tri­co, fo­ge-fo­ge, so­bre um char­co de san­gue hu­ma­no: o in­ju­rí­di­co e o imi­se­ri­cor­di­o­so - e a im­pos­tu­ra do ex­te­ri­or.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.