Ban­co re­gu­la­dor tem bo­as prá­ti­cas

Jornal de Angola - - PARTADA -

O ali­nha­men­to do Ban­co Nacional de Angola (BNA) com as me­lho­res prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais, exer­cen­do mai­or in­ter­ven­ção e su­per­vi­são no sis­te­ma fi­nan­cei­ro, cons­ti­tui um ins­tru­men­to de­ter­mi­nan­te pa­ra a me­lho­ria da si­tu­a­ção ban­cá­ria em Angola, in­di­ca a con­sul­to­ra KPMG. O re­fle­xo des­ta ten­dên­cia é o re­for­ço da su­per­vi­são pru­den­ci­al e com­por­ta­men­tal.

O BCP pre­ci­sa de um au­men­to de ca­pi­tal de 1.000 mi­lhões de eu­ros que de­vem ser pa­gos pe­la So­nan­gol, mas a pe­tro­lí­fe­ra an­go­la­na não apro­vou em Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção o au­men­to do ca­pi­tal, já que o ac­to exi­ge a au­to­ri­za­ção pré­via do BCE (Ban­co Central Eu­ro­peu) pa­ra ter 30 por cen­to do BCP, es­cre­veu a im­pren­sa lu­sa.

A pre­ten­são do BCP tem a fi­na­li­da­de de dei­xar a So­nan­gol com os mes­mos di­rei­tos que os chi­ne­ses da Fo­sun. A So­nan­gol opôs-se ao úl­ti­mo au­men­to de ca­pi­tal, por­que, se o apro­vas­se, co­mo não po­de ir além dos 20 por cen­to nes­te mo­men­to no ca­pi­tal do BCP, vol­ta­ria a di­luir ain­da mais a sua par­ti­ci­pa­ção ac­ci­o­nis­ta. De­pois do au­men­to de ca­pi­tal por ‘pri­va­te pla­ce­ment’ que per­mi­tiu a en­tra­da da Fo­sun, es­tes pas­sa­ram a mai­o­res ac­ci­o­nis­tas do ban­co com 16,7 por cen­to (a So­nan­gol di­luiu pa­ra 14,9).

O BCP ti­nha pre­pa­ra­do um au­men­to de ca­pi­tal mui­to superior ao que foi apro­va­do em Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, pa­ra a en­tra­da da Fo­sun, de 175 mi­lhões de eu­ros. Ten­do a So­nan­gol se opos­to ao au­men­to de ca­pi­tal do BCP, a assembleia ge­ral que vai dis­cu­tir a al­te­ra­ção do li­mi­te de vo­tos de 20 pa­ra 30 por cen­to foi adi­a­da pa­ra 19 de De­zem­bro, na es­pe­ran­ça de que até lá ha­ja luz ver­de do re­gu­la­dor ban­cá­rio eu­ro­peu.

Fon­tes co­nhe­ce­do­ras do pro­ces­so di­zem que a au­to­ri­za­ção do BCE vai ser pa­cí­fi­ca, mas tam­bém é ver­da­de que, ten­do au­to­ri­za­do em tem­po re­cor­de a en­tra­da da Fo­sun no BCP (em três me­ses), o BCE ain­da não deu luz ver­de ao pe­di­do da So­nan­gol e tem o sis­te­ma fi­nan­cei­ro an­go­la­no na ca­te­go­ria de ele­va­do ris­co (des­de que o re­ti­rou da lis­ta da equi­va­lên­cia da su­per­vi­são ban­cá­ria com o BCE).

O ban­co li­de­ra­do por Nu­no Ama­do pre­ci­sa de 750 mi­lhões de eu­ros pa­ra pa­gar os CoCo´s que ain­da de­ve ao Es­ta­do. Luís Mar­ques Men­des dis­se à SIC: “ao que apu­rei, o BCP vai pa­gar ao Es­ta­do, o mais tar­dar até Fe­ve­rei­ro de 2017, os 750 mi­lhões de eu­ros do em­prés­ti­mo que o Es­ta­do lhe fez.” O BCP ti­nha em Se­tem­bro um rá­cio de ‘com­mon equity ti­er 1’ (Cet1) de 9,5 por cen­to, na ver­são ‘fully im­ple­men­ted’. Com a en­tra­da da Fo­sun e com o au­men­to de ca­pi­tal ine­ren­te, pas­sou pa­ra 10 por cen­to. Se pa­ga­rem os CoCo´s, pas­sam a um rá­cio de ca­pi­tal de oi­to por cen­to e o ban­co tem o ob­jec­ti­vo de che­gar a 2018 com 11 por cen­to de Cet1 (fully im­ple­men­ted).

Sen­do os ac­ti­vos pon­de­ra­dos pe­lo ris­co de 37,8 mil mi­lhões de eu­ros, os três pon­tos per­cen­tu­ais que o ban­co pre­ci­sa pa­ra um Cet1 de 11 por cen­to re­pre­sen­tam um au­men­to de ca­pi­tal de 1.000 mi­lhões de eu­ros (750 mi­lhões dos CoCo´s e mais um por cen­to dos RWA - ac­ti­vos pon­de­ra­dos pe­lo ris­co).

O BCP po­de op­tar por fa­zer mai­or lim­pe­za do ba­lan­ço, atra­vés de im­pa­ri­da­des pa­ra cré­di­to. O ban­co já tem uma co­ber­tu­ra de NPE (ati­vos pro­ble­má­ti­cos) de qua­se 100 e de 60 por cen­to sem con­tar­mos com os co­la­te­rais, uma das mai­o­res co­ber­tu­ras do sis­te­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.