In­dús­tria me­ta­lúr­gi­ca im­pul­si­o­na a eco­no­mia

500 mi­lhões é a fac­tu­ra­ção anu­al da An­gol­tec Fá­bri­ca lo­ca­li­za­da no Ca­cu­a­co cons­trói pos­tos mó­veis de abas­te­ci­men­to de com­bus­tí­vel a par­tir de con­ten­to­res

Jornal de Angola - - PARTADA - EDIVALDO CRIS­TÓ­VÃO |

A apos­ta na ino­va­ção e di­ver­si­fi­ca­ção das áre­as de ne­gó­cio é tam­bém uma pre­o­cu­pa­ção do Exe­cu­ti­vo que vê nis­so uma for­ma de im­pul­si­o­nar o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­tá­vel. É com ba­se nes­sa fi­lo­so­fia que sur­ge pe­las mãos da An­gol­tec um con­jun­to de no­vos pro­du­tos que vão fa­zen­do a di­fe­ren­ça quer co­mo so­lu­ção pa­ra ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas de um mer­ca­do até en­tão inex­plo­ra­do, quer co­mo ne­gó­cio ren­tá­vel e só­li­do.

Per­ten­ça do Gru­po Pe­tro­tec, a An­gol­tec de­di­ca-se a pro­du­zir so­lu­ções mo­du­la­res pa­ra uni­da­des in­dus­tri­ais, co­mer­ci­ais e re­si­den­ci­ais, en­vol­ven­do a reu­ti­li­za­ção de con­ten­to­res ma­rí­ti­mos usa­dos. O no­vo pro­du­to tem o se­lo “Fei­to em Angola”, cri­a­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia pa­ra pro­mo­ver a pro­du­ção nacional.

Com es­ta apos­ta, cu­jo in­ves­ti­men­to ron­da os qua­tro mi­lhões de dó­la­res, o país pas­sou a ter ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir re­ser­va­tó­ri­os de abas­te­ci­men­to de com­bus­tí­veis pa­ra to­do o mer­ca­do nacional, es­tru­tu­ras me­tá­li­cas pa­ra pos­tos mó­veis ou con­ten­to­ri­za­dos. A em­pre­sa pre­ten­de a par­tir do pró­xi­mo ano co­me­çar a ex­por­tar as pri­mei­ras uni­da­des pa­ra a Áfri­ca do Sul e Moçambique.

Tra­ta-se de um pro­du­to que ga­ran­te so­lu­ções prá­ti­cas e que aju­dam a tor­nar ain­da mais viá­veis os in­ves­ti­men­tos, prin­ci­pal­men­te no co­mér­cio. A ino­va­ção re­su­me-se no apro­vei­ta­men­to de con­ten­to­res de car­ga marítima, trans­for­man­do­os em pe­que­nos edi­fí­ci­os que po­dem ser­vir de es­cri­tó­ri­os, lo­jas ou dar lu­gar a ha­bi­ta­ções.

As es­tru­tu­ras po­dem ser pro­vi­só­ri­as ou de­fi­ni­ti­vas e pos­su­em uma ga­ran­tia de re­sis­tên­cia e du­ra­bi­li­da­de se­me­lhan­te à de uma ca­sa cons­truí­da com ma­te­ri­ais con­ven­ci­o­nais. Pa­ra a cri­a­ção des­tas es­tru­tu­ras a An­gol­tec reu­ti­li­za con­ten­to­res ma­rí­ti­mos e trans­for­ma-os na sua in­dús­tria me­ta­lo­me­câ­ni­ca, lo­ca­li­za­da no mu­ni­cí­pio de Ca­cu­a­co.

A fá­bri­ca tem ca­pa­ci­da­de pa­ra pro­du­zir pe­lo me­nos dois mol­des por se­ma­na e o cus­to de ca­da um va­ria de acor­do com a ne­ces­si­da­de do cli­en­te. Ve­zes há que sur­gem cli­en­tes que sa­bem bem o que que­rem e são exi­gen­tes ao pon­to de en­co­men­dar com­po­nen­tes di­fe­ren­tes. Es­sa ca­rac­te­ri­za­ção tem in­fluên­cia no pre­ço fi­nal. To­da­via, exis­te um pre­ço ini­ci­al pa­ra ca­da mol­du­ra que é de um mi­lhão e 750 mil kwan­zas.

Num con­tex­to de crise eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, é de to­do in­te­res­san­te o exem­plo da An­gol­tec, jus­ta­men­te pe­lo per­fil do ne­gó­cio. Fa­bri­car e co­mer­ci­a­li­zar pos­tos de abas­te­ci­men­to mó­veis em con­ten­to­res, pa­ra dis­tri­bui­ção de com­bus­tí­veis lí­qui­dos tem si­do um dos pon­tos for­tes da car­tei­ra de ne­gó­ci­os e co­bre uma par­ce­la sig­ni­fi­ca­ti­va da pro­cu­ra dos ser­vi­ços da em­pre­sa.

Mas os ges­to­res da An­gol­tec sa­bem que não bas­ta que o pro­du­to se­ja uma no­vi­da­de no mer­ca­do pa­ra que te­nha pro­cu­ra. Por is­so foi fei­to um in­ves­ti­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo nos pa­drões de qua­li­da­de. A cons­tru­ção dos equi­pa­men­tos é fei­ta se­gun­do pa­drões de qua­li­da­de in­ter­na­ci­o­nais. Além dis­so, de­sen­vol­veu-se a com­po­nen­te da as­sis­tên­cia téc­ni­ca em to­do o ter­ri­tó­rio nacional, ten­do em con­ta jus­ta­men­te o fac­to de os pro­du­tos An­gol­tec es­ta­rem es­pa­lha­dos por to­do o país.

Um dos pro­du­tos mais so­li­ci­ta­dos, e que apa­re­ce co­mo uma es­pé­cie de co­que­lu­che da fá­bri­ca, é o re­ser­va­tó­rio me­tá­li­co aé­reo, equi­pa­do com um pos­to de abas­te­ci­men­to de com­bus­tí­veis.

Na ver­da­de, a fá­bri­ca tem ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir to­do o ti­po de es­tru­tu­ras me­tá­li­cas e quem con­fir­ma é o di­rec­tor exe­cu­ti­vo da in­dús­tria, Rui Baía. “Em épo­ca de de­sa­ce­le­ra­ção da eco­no­mia é im­por­tan­te di­ver­si­fi­car as áre­as de ac­ti­vi­da­des pa­ra cri­ar e man­ter pos­tos de tra­ba­lho, ga­ran­tir mai­or ofer­ta e ter a cer­te­za de que cri­a­mos so­lu­ções sus­ten­tá­veis à me­di­da das ne­ces­si­da­des do mer­ca­do”, su­bli­nha.

Rui Baía re­ve­la que a ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de re­ser­va­tó­ri­os pa­ra com­bus­tí­veis de gran­des di­men­sões é de dois ou três por dia. E po­de che­gar a 500 uni­da­des por ano. Em re­la­ção à cons­tru­ção de so­lu­ções mo­du­la­res, a ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da ac­tu­al per­mi­te pro­du­zir até 100 uni­da­des por ano. Is­so nu­ma pri­mei­ra fa­se e com ape­nas um tur­no de tra­ba­lho.

Ac­tu­al­men­te a fo­lha de sa­lá­ri­os da em­pre­sa con­ta com 45 tra­ba­lha­do­res, mas o po­ten­ci­al que exis­te per­mi­te che­gar aos 65 fun­ci­o­ná­ri­os por ca­da tur­no, no to­tal. Con­tas fei­tas, a em­pre­sa po­de em­pre­gar até 200 co­la­bo­ra­do­res, to­da­via a fal­ta de car­ga ou vo­lu­me de tra­ba­lho tem con­di­ci­o­na­do a con­tra­ta­ção de mais efec­ti­vos.

Con­ten­to­res

A An­gol­tec tem as fá­bri­cas e ar­ma­zéns ins­ta­la­dos em seis pa­vi­lhões de 1.250 me­tros qua­dra­dos ca­da. A ma­té­ria-pri­ma pa­ra cons­tru­ção mo­du­lar de­pen­de da quan­ti­da­de de con­ten­to­res dis­po­ní­vel. Os de­pó­si­tos ou tan­ques de com­bus­tí­veis são fei­tos atra­vés de cha­pas de fer­ro que nor­mal­men­te são im­por­ta­das da Eu­ro­pa e Áfri­ca do Sul ou por ve­zes ad­qui­ri­das no mer­ca­do nacional.

Rui Baía con­si­de­ra o ne­gó­cio “ren­tá­vel e sus­ten­tá­vel”. Em 2015, a An­gol­tec te­ve uma fac­tu­ra­ção de 500 mi­lhões de kwan­zas. Es­te ano tem con­se­gui­do man­ter o vo­lu­me dos ne­gó­ci­os, fru­to da di­ver­si­fi­ca­ção das ac­ti­vi­da­des, que po­dem fa­zer atin­gir a mes­ma ci­fra ou mais.

O fac­to de em dez anos a em­pre­sa con­ti­nu­ar a in­ves­tir e de­sen­vol­ver no­vas so­lu­ções é de­mons­tra­ti­vo de que o pro­jec­to tem per­nas pa­ra an­dar. E o res­pon­sá­vel as­so­cia a is­so o fac­to de, com mai­or ou me­nor es­for­ço, man­ter os pos­tos de tra­ba­lho.

To­do o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção das ac­ti­vi­da­des vi­sa man­ter o ní­vel dos pos­tos de tra­ba­lho, co­mo me­lho­rar as su­as con­di­ções, a qua­li­da­de de pro­du­tos e man­ter uma tec­no­lo­gia de pon­ta. Pa­ra o pró­xi­mo ano, a em­pre­sa pre­vê a cons­tru­ção de mais um pa­vi­lhão pa­ra au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção da in­dús­tria.

Vi­to­ri­no Da­la, de 44 anos, vi­ve no mu­ni­cí­pio de Ca­cu­a­co e tra­ba­lha há mais de oi­to anos na An­gol­tec co­mo ser­ra­lhei­ro e sol­da­dor. Dis­se à re­por­ta­gem do Jor­nal de Angola que gos­ta de fa­zer par­te des­te pro­jec­to e o que ga­nha dá pa­ra sus­ten­tar a sua fa­mí­lia.

Al­ba­no João, de 51 anos, re­si­de no bair­ro da Pe­tran­gol e diz que a sua vi­da mu­dou des­de que ob­te­ve es­te em­pre­go, há seis anos. O ser­ra­lhei­ro diz que o bom am­bi­en­te de tra­ba­lho é um dos gran­des in­cen­ti­vos pro­fis­si­o­nais, além do fac­to de o em­pre­go em si ga­ran­tir a ren­da que lhe per­mi­te sus­ten­tar a sua fa­mí­lia. “Dá pa­ra pa­gar os es­tu­dos e sa­tis­fa­zer ou­tras ne­ces­si­da­des. Há seis anos foi-me da­da es­sa opor­tu­ni­da­de e to­dos os di­as de­mons­tro a mi­nha gra­ti­dão por is­so”, as­si­na­la.

So­lu­ção mo­du­lar

A no­va so­lu­ção mo­du­lar vai sa­tis­fa­zer as ne­ces­si­da­des in­dus­tri­ais, co­mer­ci­ais e até re­si­den­ci­ais do mer­ca­do an­go­la­no. Con­ten­to­res ma­rí­ti­mos dão lu­gar a imó­veis pa­ra um nú­me­ro in­fi­ni­to de uti­li­da­des. Es­te no­vo con­cei­to po­de ser apli­ca­do a es­cri­tó­ri­os, lo­jas e até à ha­bi­ta­ção, per­mi­tin­do au­men­tar a es­tru­tu­ra sem­pre que for con­ve­ni­en­te, acres­cen­tan­do, pa­ra tal, no­vos es­pa­ços.

As es­tru­tu­ras são cri­a­das a par­tir da reu­ti­li­za­ção de con­ten­to­res ma­rí­ti­mos e ca­da uni­da­de é per­so­na­li­za­da, quer nos aca­ba­men­tos in­te­ri­o­res e ex­te­ri­o­res, quer na com­bi­na­ção de ti­po­lo­gi­as, po­den­do evo­luir pa­ra áre­as de mai­or di­men­são de acor­do com as ne­ces­si­da­des. Atra­vés de so­lu­ções de iso­la­men­to tér­mi­co, cli­ma­ti­za­ção pas­si­va, ori­en­ta­ção so­lar, en­tre ou­tras tec­no­lo­gi­as, os mó­du­los con­se­guem man­ter con­for­to tér­mi­co, pa­ra ga­ran­tir a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca e di­mi­nuir con­su­mos de ar con­di­ci­o­na­do.

A apos­ta da An­gol­tec na ino­va­ção, sus­ten­ta­bi­li­da­de e di­ver­si­fi-

ca­ção das áre­as de ne­gó­cio es­ti­ve­ram na ba­se da cri­a­ção des­te pro­du­to, que não só acres­cen­ta va­lor ao mer­ca­do e à eco­no­mia nacional mas tam­bém ga­ran­te so­lu­ções prá­ti­cas, viá­veis e sus­ten­tá­veis pa­ra os em­pre­en­de­do­res.

As no­vas es­tru­tu­ras já es­tão dis­po­ní­veis no mer­ca­do e pre­vê-se a pro­du­ção de 100 uni­da­des até fi­nal de 2017. A uni­da­de fa­bril já tem ca­pa­ci­da­de pa­ra pro­du­zir du­as uni­da­des por se­ma­na e ga­ran­tir a en­tre­ga en­tre uma a qua­tro se­ma­nas.

A An­gol­tec exe­cu­ta o pro­ces­so com­ple­to de trans­for­ma­ção des­de a ma­té­ria-pri­ma à fa­bri­ca­ção e apli­ca­ção no cli­en­te, cen­tran­do a sua ac­ti­vi­da­de no fa­bri­co de equi­pa­men­tos e es­tru­tu­ras me­tá­li­cas, bem co­mo no de­sen­vol­vi­men­to de so­lu­ções tec­no­ló­gi­cas ade­qua­das às ne­ces­si­da­des de to­dos os sec­to­res do mer­ca­do: da dis­tri­bui­ção e re­ta­lho da in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra, cons­tru­ção, ali­men­tar, en­tre ou­tros.

Per­ten­cen­te ao gru­po Pe­tro­tec, no mer­ca­do an­go­la­no des­de 1997, tra­ba­lha nos sec­to­res de de­sen­vol­vi­men­to e im­ple­men­ta­ção de so­lu­ções tec­no­ló­gi­cas ino­va­do­ras, fun­ci­o­nais e sus­ten­tá­veis. É uma das me­lho­res na cons­tru­ção de pos­tos de abas­te­ci­men­to, as­sis­tên­cia téc­ni­ca, de­sen­vol­vi­men­to de so­lu­ções pa­ra o ar­ma­ze­na­men­to e dis­tri­bui­ção de com­bus­tí­veis, fa­bri­co de re­ser­va­tó­ri­os e es­tru­tu­ras me­tá­li­cas e pros­pec­ção, cap­ta­ção, tra­ta­men­to e dis­tri­bui­ção de água.

Tec­no­lo­gia sus­ten­ta­da

Além das ca­rac­te­rís­ti­cas an­te­ri­or­men­te apre­sen­ta­das, a pro­du­ção e trans­for­ma­ção de so­lu­ções mo­du­la­res com ba­se em con­ten­to­res ma­rí­ti­mos, de­ve dar res­pos­ta não só às exi­gên­ci­as pro­gra­má­ti­cas de ca­da ti­pi­fi­ca­ção (co­mer­ci­al, re­si­den­ci­al, per­so­na­li­za­da), mas tam­bém pro­por­ci­o­nar a uti­li­za­ção de mei­os tec­no­ló­gi­cos au­tó­no­mos que pos­sam res­pon­der aos de­sa­fi­os pre­sen­tes e fu­tu­ros no cam­po da sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal.

Co­mo exem­plo dis­so, é a pos­si­bi­li­da­de de in­cor­po­rar sis­te­mas au­tó­no­mos pa­ra pro­du­ção de ener­gia eléc­tri­ca, re­cor­ren­do à ins­ta­la­ção de pai­néis fo­to­vol­tai­cos, que pe­las su­as ca­rac­te­rís­ti­cas po­dem au­xi­li­ar na pro­du­ção de par­te, se­não na to­ta­li­da­de, da ener­gia ne­ces­sá­ria pa­ra ali­men­tar di­a­ri­a­men­te um ou mais mó­du­los.

Ac­tu­al­men­te exis­tem sis­te­mas fo­to­vol­tai­cos au­tó­no­mos, de al­ta fi­a­bi­li­da­de e efi­ci­ên­cia. A sua sim­ples mon­ta­gem tor­na os mes­mos adap­tá­veis em fun­ção das ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas. Com cus­to re­du­zi­do e ma­nu­ten­ção qua­se ine­xis­ten­te, não ne­ces­si­tam de re­cor­rer aos com­bus­tí­veis fós­seis pa­ra o apoio à pro­du­ção eléc­tri­ca.

Ou­tra pos­si­bi­li­da­de no tra­ta­men­to da cli­ma­ti­za­ção é o re­cur­so a sis­te­mas cons­tru­ti­vos que apro­vei­tem os re­cur­sos na­tu­rais do lo­cal, tal co­mo a ven­ti­la­ção na­tu­ral dos mó­du­los, pro­por­ci­o­na­da pe­lo efei­to de con­vec­ção (tec­no­lo­gia que con­sis­te na cri­a­ção de uma cai­xa de ar na ba­se do edi­fí­cio que obri­ga o ar mais fres­co a su­bir e a re­fri­ge­rar o lo­cal), a uti­li­za­ção de ele­men­tos de som­bre­a­men­to na co­ber­tu­ra e nas fa­cha­das (tal com ti­ras de ma­dei­ra ou de ou­tro ma­te­ri­al, dis­pos­tas a uma de­ter­mi­na­da dis­tân­cia, per­mi­tin­do en­trar a luz mas não o sol), o apro­vei­ta­men­to de águas plu­vi­ais e a co­ber­tu­ra ver­de/ajar­di­na­da.

Va­lor am­bi­en­tal

To­dos es­tes sis­te­mas vi­sam dar res­pos­ta às ne­ces­si­da­des de con­for­to e exi­gên­ci­as ac­tu­ais, sem­pre equa­ci­o­nan­do a ra­ci­o­na­li­za­ção de mei­os e de re­cur­sos, cri­an­do au­to­no­mia de ca­da cons­tru­ção e res­pei­tan­do o am­bi­en­te. É im­por­tan­te re­fe­rir que há um efei­to no­ci­vo no am­bi­en­te quan­do os con­ten­to­res em “fim de vi­da” fi­cam aban­do­na­dos em por­tos se­cos. Com um gran­de im­pac­to vi­su­al, fi­cam ex­pos­tos a pos­sí­veis con­ta­mi­na­ções do so­lo.

Es­ti­ma-se que anu­al­men­te se­jam aba­ti­dos 2,4 mi­lhões de con­ten­to­res ma­rí­ti­mos em to­do o mun­do, que na mai­o­ria dos ca­sos es­tão em bo­as con­di­ções. Uma vez que é mais ba­ra­to ad­qui­rir um no­vo con­ten­tor na Ásia do que re­pa­tri­ar um con­ten­tor, os con­ten­to­res aca­bam por ser aba­ti­dos no lo­cal de des­car­ga.

A vi­da útil de um con­ten­tor pa­ra o mer­ca­do náu­ti­co é de apro­xi­ma­da­men­te oi­to anos ten­do uma vi­da re­al de 100 anos, o que ge­ra em mé­dia 92 anos de “inu­ti­li­da­de for­ça­da”. Es­tes lo­cais de ar­ma­ze­na­men­to cri­am im­pac­to vi­su­al ne­ga­ti­vo. Um con­ten­tor é em 99 por cen­to cons­ti­tuí­do por aço pa­ti­ná­vel, co­mer­ci­al­men­te de­sig­na­do por Cor­ten, cu­ja du­ra­bi­li­da­de é con­si­de­ra­da de 100 anos.

A ca­ma­da pa­ti­ná­vel da su­per­fí­cie do Cor­ten im­pe­de a sua cor­ro­são, ape­nas em ca­sos ex­cep­ci­o­nais de má dre­na­gem le­va a con­ta­mi­na­ções lo­ca­li­za­das. A con­cen­tra­ção do pro­ces­so de cons­tru­ção num só lo­cal per­mi­te evi­tar a mul­ti­pli­ci­da­de de es­ta­lei­ros e de en­tu­lhos de cons­tru­ção. Es­ta so­lu­ção le­va ain­da à eco­no­mia de re­cur­sos, tal co­mo, areia, ti­jo­lo, ci­men­to e fer­ro. Per­mi­te tam­bém man­ter a per­me­a­bi­li­da­de do so­lo.

Apli­ca­bi­li­da­de

Os mó­du­los têm uma apli­ca­ção re­si­den­ci­al e co­mer­ci­al pas­san­do por ha­bi­ta­ção fa­mi­li­ar, sa­ni­tá­ri­os, re­fei­tó­ri­os, lo­jas, ca­fés, pos­tos de tu­ris­mo, ge­la­da­ri­as, bun­ga­lows, pos­tos de ven­da, ho­téis, hos­tels, mo­tel, pos­tos de com­bus­tí­veis, lo­jas de con­ve­ni­ên­cia, es­cri­tó­ri­os, en­tre ou­tros. O pe­so de um mó­du­lo va­ria en­tre dois mil e qua­tro mil qui­lo­gra­mas. As di­men­sões dos mó­du­los po­dem va­ri­ar em 30 e 45 me­tros qua­dra­dos, o que cor­res­pon­de a ti­po­lo­gi­as T1 e T2.

Os mó­du­los são es­tru­tu­ral­men­te ro­bus­tos se as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas per­mi­tem uma ele­va­da mo­bi­li­da­de, uma vez que o trans­por­te é fei­to com re­cur­so a mei­os con­ven­ci­o­nais de trans­por­te de car­ga e des­car­ga. Pa­ra ga­ran­tir a cli­ma­ti­za­ção é pos­sí­vel dis­por de so­lu­ções de pai­néis fo­to­vol­tai­cos (que tor­nam o mó­du­lo in­de­pen­den­te ener­ge­ti­ca­men­te), sis­te­mas de ven­ti­la­ção pas­si­va (sem re­cur­so a mei­os me­câ­ni­cos co­mo por exem­plo ven­toi­nhas ou ar con­di­ci­o­na­do), apro­vei­ta­men­to de águas plu­vi­ais (apro­vei­ta­men­to das águas da chu­va pa­ra sa­ni­tá­ri­os), iso­la­men­tos tér­mi­cos e pa­las/per­si­a­nas som­bre­a­do­ras, de­vi­da­men­te di­men­si­o­na­dos, iso­la­men­to acús­ti­co, en­tre ou­tros.

A An­gol­tec dá pri­o­ri­da­de à re­ci­cla­gem e reu­ti­li­za­ção de con­ten­to­res ma­rí­ti­mos, re­ti­ran­do do am­bi­en­te es­tru­tu­ras aban­do­na­das ou em “fim de vi­da”. Des­ta for­ma, o “li­xo” vi­su­al de con­ten­to­res di­mi­nui, ga­ran­tin­do a sua re­ci­cla­gem e pre­ços mais com­pe­ti­ti­vos na ven­da dos mó­du­los. Pa­ra­le­la­men­te é tam­bém pri­vi­le­gi­a­da a uti­li­za­ção de ma­te­ri­ais e pro­du­tos bi­o­de­gra­dá­veis.

O equi­pa­men­to sai da fá­bri­ca con­cluí­do, sen­do trans­por­ta­do e po­si­ci­o­na­do no lo­cal/área de­fi­ni­do pre­vi­a­men­te. Uma vez po­si­ci­o­na­do, são fei­tos os tes­tes de fun­ci­o­na­li­da­de. Pa­ra ga­ran­tir a sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal é pos­sí­vel in­cor­po­rar sis­te­mas au­tó­no­mos pa­ra pro­du­ção de ener­gia eléc­tri­ca, re­cor­ren­do à ins­ta­la­ção de pai­néis fo­to­vol­tai­cos que po­dem au­xi­li­ar na pro­du­ção de par­te, ou na to­ta­li­da­de, da ener­gia ne­ces­sá­ria pa­ra ali­men­tar di­a­ri­a­men­te um ou mais mó­du­los.

Ou­tra pos­si­bi­li­da­de no tra­ta­men­to da cli­ma­ti­za­ção é o re­cur­so a sis­te­mas cons­tru­ti­vos que apro­vei­tem os re­cur­sos na­tu­rais do lo­cal, tal co­mo a ven­ti­la­ção na­tu­ral dos mó­du­los, pro­por­ci­o­na­da pe­lo efei­to de con­vec­ção (tec­no­lo­gia que con­sis­te na cri­a­ção de uma cai­xa de ar na ba­se do edi­fí­cio que obri­ga o ar mais fres­co a su­bir e a re­fri­ge­rar o lo­cal), a uti­li­za­ção de ele­men­tos de som­bre­a­men­to na co­ber­tu­ra e nas fa­cha­das (tal com ti­ras de ma­dei­ra ou de ou­tro ma­te­ri­al, dis­pos­tas a uma de­ter­mi­na­da dis­tân­cia, que per­mi­tem en­trar a luz mas não o Sol), o apro­vei­ta­men­to de águas plu­vi­ais (pa­ra uti­li­za­ção no sa­ne­a­men­to), a co­ber­tu­ra ver­de/ajar­di­na­da.

O pro­ces­so de tra­ta­men­to de re­sí­du­os só­li­dos e lí­qui­dos pas­sa pe­la uti­li­za­ção de fos­sa sép­ti­ca ou li­ga­ção à re­de. Os ma­te­ri­ais uti­li­za­dos de­pen­dem da cus­to­mi­za­ção pre­ten­di­da pe­lo cli­en­te (fer­ro­sos, inox, alu­mí­ni­os, ma­dei­ras, vi­nis, vi­dros, en­tre ou­tros de me­nor ex­pres­são).

AAn­gol­tec – Me­ta­lo­me­câ­ni­ca de Angola exe­cu­ta o pro­ces­so com­ple­to de trans­for­ma­ção des­de a ma­té­ria-pri­ma à fa­bri­ca­ção e apli­ca­ção no cli­en­te, cen­tran­do a sua ac­ti­vi­da­de no fa­bri­co de equi­pa­men­tos e es­tru­tu­ras me­tá­li­cas, bem co­mo no de­sen­vol­vi­men­to de so­lu­ções tec­no­ló­gi­cas ade­qua­das às ne­ces­si­da­des de to­dos os sec­to­res de mer­ca­do, da dis­tri­bui­ção e re­ta­lho da in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra e da cons­tru­ção, à in­dús­tria ali­men­tar.

O po­si­ci­o­na­men­to da em­pre­sa po­ten­cia a di­fe­ren­ci­a­ção pe­lo ri­go­ro­so cum­pri­men­to dos com­pro­mis­sos em tem­po e for­ma, as­su­min­do­se co­mo fa­bri­can­te nacional que pro­duz de acor­do com as mais exi­gen­tes nor­mas in­ter­na­ci­o­nais. To­dos os pro­du­tos An­gol­tec são cer­ti­fi­ca­dos pe­lo Pro­gra­ma “Fei­to em Angola”, atra­vés do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia de Angola.

Um pou­co de His­tó­ria

Após a Se­gun­da Guerra Mun­di­al, tor­nou-se fun­da­men­tal a ra­ci­o­na­li­za­ção de cus­tos e mei­os pa­ra dar res­pos­ta à cres­cen­te pro­cu­ra de bens a se­rem trans­por­ta­dos. Nes­te con­tex­to, sur­ge em 1956 uma no­va abor­da­gem ao trans­por­te de mer­ca­do­ri­as. O seu in­ven­tor foi o nor­te-ame­ri­ca­no Mal­con McLe­an, a sua in­ven­ção fi­cou co­nhe­ci­da por “Ship­ping Con­tai­ner”, em por­tu­guês sig­ni­fi­ca Con­ten­tor Ma­rí­ti­mo.

Par­tin­do de uma ti­pi­fi­ca­ção de “cai­xas”, on­de de uma for­ma prá­ti­ca po­dem se aco­mo­dar qua­se to­do o ti­po de bens, pa­ra pos­te­ri­or­men­te se­rem ex­pe­di­dos tan­to por ro­tas ter­res­tres co­mo ma­rí­ti­mas, es­te no­vo con­cei­to aca­bou por re­vo­lu­ci­o­nar per­ma­nen­te­men­te o co­mér­cio mun­di­al, afir­man­do-se des­de 1970 co­mo a prin­ci­pal for­ma de trans­por­te, sen­do a sua ver­ten­te marítima a que me­lhor es­pe­lha to­do o con­cei­to, quer pe­la sua op­ti­mi­za­ção de cus­tos, co­mo pe­la sua ca­pa­ci­da­de de vo­lu­me de car­ga.

A cons­tru­ção do con­ten­tor ma­rí­ti­mo tem co­mo prin­ci­pal ob­jec­ti­vo res­pon­der à ne­ces­si­da­de de pro­te­ger de for­ma efi­ci­en­te a car­ga ne­le con­ti­da, tan­to nas vi­a­gens ma­rí­ti­mas em que tem de re­sis­tir às gran­des ad­ver­si­da­des me­te­o­ro­ló­gi­cas, as­sim co­mo no seu trans­por­te ter­res­tre e ar­ma­ze­na­men­to em por­tos de car­gas, on­de por ve­zes têm de per­ma­ne­cer lar­gos pe­río­dos de tem­po e re­sis­tir às in­tem­pé­ri­es que pos­sam ocor­rer.

Co­mo tal, ca­rac­te­ri­za-se pe­la sua ro­bus­tez e es­ta­bi­li­da­de es­tru­tu­ral (po­dem su­por­tar o em­pi­lha­men­to de até dez uni­da­des), for­ma­da por um “fra­me” re­sis­ten­te em per­fis de aço, com­ple­ta­da pe­lo re­ves­ti­men­to em cha­pa de aço ca­ne­la­da, a qual vem re­for­çar a re­sis­tên­cia de to­do o con­jun­to.

É de as­si­na­lar a lon­ge­vi­da­de que es­tas cons­tru­ções po­dem atin­gir, re­sis­tin­do com fa­ci­li­da­de aos im­pac­tos que ocor­rem em fun­ção da mo­vi­men­ta­ção das mes­mas. Tam­bém e pro­va­vel­men­te uma das su­as mai­o­res va­li­as é o fac­to de se tra­tar de um mó­du­lo uni­for­mi­za­do (as ver­sões mais cor­ren­tes são os con­ten­to­res de 20 e 40 pés), o que per­mi­te o seu ar­ma­ze­na­men­to com uma ra­ci­o­na­li­za­ção mui­to al­ta do es­pa­ço ne­ces­sá­rio pa­ra o mes­mo, tan­to em ter­ra co­mo no po­rão de um na­vio.

M. MACHANGONGO

Em­pre­sa an­go­la­na da área me­ta­lúr­gi­ca es­tá a pro­du­zir so­lu­ções mo­du­la­res pa­ra uni­da­des in­dus­tri­ais com re­cur­so à reu­ti­li­za­ção de con­ten­to­res ma­rí­ti­mos usa­dos

M. MACHANGONGO

An­gol­tec pro­duz va­ri­a­das so­lu­ções mo­du­la­res a par­tir da reu­ti­li­za­ção de con­ten­to­res ma­rí­ti­mos

M. MACHANGONGO

Mó­du­los têm múl­ti­plas uti­li­da­des e re­pre­sen­tam ac­tu­al­men­te um ne­gó­cio ren­tá­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.