Me­di­das do BNA me­lho­ram sis­te­ma fi­nan­cei­ro

Con­sul­to­ra saú­da al­te­ra­ções re­gu­la­men­ta­res que pro­mo­vem a ple­na apli­ca­ção do acor­do de Ba­si­leia II

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

O ali­nha­men­to do Ban­co Nacional de Angola (BNA) com as me­lho­res prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais, exer­cen­do mai­or in­ter­ven­ção e su­per­vi­são no sis­te­ma fi­nan­cei­ro, cons­ti­tui um ins­tru­men­to de­ter­mi­nan­te pa­ra a me­lho­ria da si­tu­a­ção ban­cá­ria em Angola, in­di­ca a con­sul­to­ra KPMG .

“Re­fle­xo des­ta ten­dên­cia é o re­for­ço da su­per­vi­são pru­den­ci­al e com­por­ta­men­tal, a pu­bli­ca­ção de di­rec­ti­vas, avi­sos e ins­tru­ti­vos re­fe­ren­tes à po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e cam­bi­al, à ac­ti­vi­da­de ban­cá­ria, ao com­ba­te ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, a adop­ção ple­na das IAS/IFRS, bem co­mo o re­for­ço da no­va re­gu­la­ção fis­cal so­bre ope­ra­ções com o ex­te­ri­or”, re­fe­re.

A con­sul­to­ra saú­da as al­te­ra­ções re­gu­la­men­ta­res que o BNA vai pro­mo­ver pa­ra a “im­ple­men­ta­ção ple­na do acor­do de Ba­si­leia II”, in­cluin­do no­vas re­gras pa­ra cal­cu­lar o “rá­cio de sol­va­bi­li­da­de re­gu­la­men­tar”. Na aná­li­se ao sec­tor ban­cá­rio em Angola, a KPMG iden­ti­fi­ca um to­tal de 12 de­sa­fi­os que es­tes ban­cos têm de en­fren­tar no fu­tu­ro, des­ta­can­do em pri­mei­ro lu­gar o “re­for­ço do pro­ces­so de ges­tão de co­la­te­rais e im­pac­to na de­ter­mi­na­ção da im­pa­ri­da­de de acor­do com as IFRS.”

Pa­ra a au­di­to­ra, a al­te­ra­ção pa­ra es­tas no­vas nor­mas le­van­ta ques­tões so­bre co­mo “o pro­vi­si­o­na­men­to da car­tei­ra de cré­di­to vai ser efec­tu­a­do”, po­den­do “a fal­ta de fi­a­bi­li­da­de da in­for­ma­ção so­bre co­la­te­rais im­pli­car a in­ca­pa­ci­da­de das ins­ti­tui­ções os uti­li­za­rem co­mo mi­ti­ga­dor de ris­co e, nes­ta ba­se, um es­for­ço adi­ci­o­nal de im­pa­ri­da­de com im­pac­to nas con­tas de ex­plo­ra­ção dos ban­cos.”

A KPMG ape­la pa­ra os ban­cos co­mer­ci­ais re­for­ça­rem os ní­veis de exi­gên­cia e ri­gor em re­la­ção à re­gu­la­ri­da­de e qua­li­da­de da in­for­ma­ção fi­nan­cei­ra pres­ta­da pe­los seus cli­en­tes, nu­ma al­tu­ra em que o mer­ca­do re­gis­ta o apa­re­ci­men­to de inú­me­ras pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas, as­sen­tes em fi­nan­ci­a­men­to ban­cá­rio. “Es­tas em­pre­sas, ape­sar do ape­ti­te, ain­da es­tão nu­ma fa­se em­bri­o­ná­ria em ter­mos da sua ca­pa­ci­da­de de ges­tão e or­ga­ni­za­ti­va, bem co­mo da in­for­ma­ção fi­nan­cei­ra re­gu­lar”, aler­ta.

No seu úl­ti­mo estudo so­bre a ban­ca em Angola, a em­pre­sa de au­di­to­ria iden­ti­fi­ca a ino­va­ção dos pro­du­tos de ser­vi­ços ban­cá­ri­os e a apos­ta no ne­gó­cio se­gu­ra­dor co­mo ala­van­ca de mai­o­res lu­cros, bem co­mo de­fen­de a ges­tão de pro­ces­sos de ne­gó­cio, os mo­de­los da ges­tão de ris­co, a “even­tu­al in­tro­du­ção do IVA no or­de­na­men­to tri­bu­tá­rio an­go­la­no” e a pró­pria ges­tão do cré­di­to e os im­pac­tos da adop­ção das IFRS.

Em ter­mos pru­den­ci­ais, a KPMG des­ta­ca co­mo de­sa­fi­os pa­ra a ban­ca de Angola a “me­lho­ria do pro­ces­so de pre­pa­ra­ção de in­for­ma­ção fi­nan­cei­ra e pru­den­ci­al”, tam­bém as­so­ci­a­da às exi­gên­ci­as das nor­mas IFRS em ter­mos de de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras. “A al­te­ra­ção re­le­van­te do ní­vel das di­vul­ga­ções e a sua com­ple­xi­da­de, as al­te­ra­ções es­pe­ra­das ao ní­vel do pe­rí­me­tro de con­so­li­da­ção e da har­mo­ni­za­ção dos pro­ces­sos e po­lí­ti­cas co­lo­cam de­sa­fi­os re­le­van­tes às ins­ti­tui­ções”, sin­te­ti­za a au­di­to­ra.

“As ins­ti­tui­ções te­rão de re­por­tar os rá­ci­os de sol­va­bi­li­da­de, com al­te­ra­ções nas me­to­do­lo­gi­as de quan­ti­fi­ca­ção dos re­qui­si­tos e na de­fi­ni­ção de ele­men­tos ele­gí­veis pa­ra fun­dos pró­pri­os, fa­ce ao en­qua­dra­men­to ac­tu­al, o que con­fi­gu­ra de­sa­fi­os ao ní­vel do tra­ta­men­to da in­for­ma­ção de su­por­te, de­vi­do à mai­or gra­nu­la­ri­da­de da in­for­ma­ção e plu­ra­li­da­de das me­to­do­lo­gi­as de quan­ti­fi­ca­ção.”

Cres­ce cré­di­to mal­pa­ra­do

Os ban­cos an­go­la­nos têm vis­to os ní­veis de cré­di­to ven­ci­do cres­ce­rem de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va des­de 2012, com a KPMG a es­ti­mar um cres­ci­men­to anu­al de 26 por cen­to no mal­pa­ra­do pre­sen­te nos ba­lan­ços dos ban­cos an­go­la­nos des­de aque­le ano. O vo­lu­me de cré­di­to ven­ci­do du­pli­cou des­de 2012, o que cor­res­pon­de a um cres­ci­men­to anu­al de 26 por cen­to. No úl­ti­mo ano, o cré­di­to ven­ci­do re­gis­tou um au­men­to de 8,8 por cen­to, sa­li­en­ta a con­sul­to­ra na “Aná­li­se ao sec­tor ban­cá­rio an­go­la­no”, num estudo ago­ra apre­sen­ta­do por Ví­tor da Cu­nha Ri­bei­ri­nho, He­ad of Au­dit & Fi­nan­ci­al Ser­vi­ces da KPMG.

O le­van­ta­men­to da au­di­to­ra par­tiu de um uni­ver­so de 27 ban­cos a ope­rar no mer­ca­do an­go­la­no, uma fa­tia que re­pre­sen­ta a qua­se to­ta­li­da­de do sec­tor fi­nan­cei­ro (93 por cen­to) do país. Mas, ape­sar da su­bi­da do cré­di­to mal­pa­ra­do, a ban­ca an­go­la­na con­ti­nua com um cré­di­to dis­po­ní­vel. No ano pas­sa­do, o cré­di­to bru­to cres­ceu mais 9,5 por cen­to, o que re­pre­sen­ta uma es­ta­bi­li­da­de em re­la­ção aos anos an­te­ri­o­res.

“O rá­cio de cré­di­to ven­ci­do man­te­ve-se sen­si­vel­men­te cons­tan­te [em 2015], re­gis­tan­do um de­crés­ci­mo de 0,1 p.p.”, apon­ta a KPMG, si­tu­an­do-se em cer­ca de 11 por cen­to. A ren­ta­bi­li­da­de do sec­tor, tam­bém as­so­ci­a­da ao cres­ci­men­to do cré­di­to, é ou­tro pon­to em que a ban­ca an­go­la­na tem mos­tra­do re­si­li­ên­cia, com os re­sul­ta­dos lí­qui­dos agre­ga­dos a cres­ce­rem 19,8 por cen­to gra­ças à “evo­lu­ção cam­bi­al re­gis­ta­da em 2015, por cres­cen­tes vo­lu­mes de pro­vei­tos re­la­ti­vos ao cré­di­to con­ce­di­do e pro­gres­si­vos ní­veis de efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal”, sin­te­ti­za a au­di­to­ra.

No top da ban­ca an­go­la­na as­so­ci­a­do à me­lho­ria da ren­ta­bi­li­da­de do sec­tor es­tá o cres­ci­men­to da pe­ne­tra­ção dos ser­vi­ços ban­cá­ri­os en­tre a po­pu­la­ção an­go­la­na. Ape­sar de ain­da não ter os va­lo­res re­fe­ren­tes a 2015, a KPMG apon­ta que o ín­di­ce de ‘ban­ca­ri­za­ção’ dos an­go­la­nos che­gou a 47 por cen­to em 2014, o do­bro dos va­lo­res re­gis­ta­dos em 2012.

O au­men­to da uti­li­za­ção de ser­vi­ços fi­nan­cei­ros por par­te da po­pu­la­ção an­go­la­na tem le­va­do igual­men­te a uma mai­or di­lui­ção do pe­so das mai­o­res ins­ti­tui­ções. Os cin­co mai­o­res ban­cos an­go­la­nos pas­sa­ram de uma fa­tia de 73 por cen­to do to­tal de ac­ti­vos em 2013, pa­ra uma de 69 no fi­nal do ano pas­sa­do, sa­li­en­ta a con­sul­to­ra, ve­ri­fi­can­do-se o mes­mo “ao ní­vel do cré­di­to con­ce­di­do e de­pó­si­tos.”

Em re­la­ção aos ban­cos que li­de­ram o mer­ca­do, des­ta­que pa­ra o de Fo­men­to Angola (BFA), ban­co de que o BPI es­pe­ra ce­der a mai­o­ria a mui­to bre­ve tre­cho, e pa­ra o BIC. O BFA é o ban­co lí­der em de­pó­si­tos, o se­gun­do em ac­ti­vos to­tais e o quin­to em cré­di­to, sen­do o lí­der em ter­mos de re­sul­ta­dos lí­qui­dos - 37,86 mil mi­lhões de kwan­zas.

No ran­king dos lu­cros, o Ban­co BIC sur­ge ime­di­a­ta­men­te a se­guir ao Ban­co de Fo­men­to Angola, com 27,65 mil mi­lhões de kwan­zas de re­sul­ta­do em 2015, os­ten­tan­do a quar­ta po­si­ção em ac­ti­vos e em de­pó­si­tos e o lu­gar de bron­ze no cré­di­to to­tal. Já o Ban­co Cai­xa Ge­ral Angola e o Ban­co Mil­len­nium Angola sur­gem em quin­to e oi­ta­vo, em ter­mos de lu­cro ob­ti­do em 2015.

JOÃO GOMES

Em­pre­sa de au­di­to­ria in­ter­na­ci­o­nal ape­la pa­ra os ban­cos co­mer­ci­ais re­for­ça­rem os ní­veis de exi­gên­cia pa­ra evi­ta­rem o cré­di­to mal­pa­ra­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.