Pro­vín­cia ne­ces­si­ta de mi­lha­res de pro­fes­so­res

Ins­cri­ções e re­co­lha de pro­ces­sos in­di­vi­du­ais de­cor­rem há já al­guns di­as e ter­mi­na no pró­xi­mo mês

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - VALTER GOMES | Uíge

Pe­lo me­nos, 998 tra­ba­lha­do­res, en­tre pro­fes­so­res, pes­so­al ad­mi­nis­tra­ti­vo, mo­to­ris­tas e au­xi­li­a­res de lim­pe­za são ad­mi­ti­dos, nos pró­xi­mos di­as, no sec­tor da Edu­ca­ção, na pro­vín­cia do Uíge, anun­ci­ou on­tem o di­rec­tor pro­vin­ci­al do sec­tor.

Ma­nu­el Zan­ga­la dis­se que o pro­ces­so de se­lec­ção, ins­cri­ções e re­co­lha de pro­ces­sos in­di­vi­du­ais de­cor­re des­de se­gun­da-fei­ra e ter­mi­na em De­zem­bro do ano em cur­so. O di­rec­tor pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção do Uíge avan­çou que o en­qua­dra­men­to de no­vos pro­fes­so­res é a con­ti­nu­a­ção do con­cur­so pú­bli­co de in­gres­so ocor­ri­do em 2014, sus­pen­so por ra­zões fi­nan­cei­ras.

“O nú­me­ro de téc­ni­cos re­cru­ta­dos em 2014 se­rá acres­ci­do em mais 998 tra­ba­lha­do­res, en­tre pro­fes­so­res e fun­ci­o­ná­ri­os ad­mi­nis­tra­ti­vos. Des­ta vez, a pri­o­ri­da­de se­rá pa­ra os téc­ni­cos su­pe­ri­o­res es­pe­ci­a­li­za­dos em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção, en­quan­to os de ní­vel mé­dio vão ser con­si­de­ra­dos aque­les que con­cor­re­ram em 2014”, es­cla­re­ceu.

Ma­nu­el Zan­ga­la acre­di­ta que o nú­me­ro de pro­fes­so­res a se­rem ad­mi­ti­dos na pro­vín­cia, pa­ra se­rem dis­tri­buí­dos pe­los 16 mu­ni­cí­pi­os e 31 co­mu­nas que a com­põem, vai aju­dar a mi­ni­mi­zar a in­su­fi­ci­ên­cia de téc­ni­cos que se ve­ri­fi­ca em vá­ri­as lo­ca­li­da­des da re­gião.

“Sa­be­mos que o nú­me­ro ain­da não se­rá su­fi­ci­en­te pa­ra cor­res­pon­der com a de­man­da de alu­nos ma­tri­cu­la­dos to­dos os anos nes­ta par­ce­la do ter­ri­tó­rio nacional, uma vez que a pro­vín­cia ne­ces­si­ta, no mí­ni­mo, de três mil pro­fes­so­res”, dis­se.

O res­pon­sá­vel do sec­tor da Edu­ca­ção no Uíge su­bli­nhou que o go­ver­no lo­cal es­tá pre­o­cu­pa­do com a fal­ta de pro­fes­so­res em vá­ri­as lo­ca­li­da­des da pro­vín­cia.

“Te­mos um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de es­co­las e pro­fes­so­res, mas os nú­me­ros não sa­tis­fa­zem a po­pu­la­ção es­tu­dan­til, vis­to que, na me­di­da em que cres­ce o nú­me­ro de ha­bi­tan­tes na pro­vín­cia, o nú­me­ro de alu­nos cres­ce sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te. Daí a ne­ces­si­da­de de con­ti­nu­ar­mos a tra­ba­lhar pa­ra o au­men­to do nú­me­ro de es­co­las e pro­fes­so­res”, sus­ten­tou.

A pro­vín­cia con­tro­la 1.241 es­co­las do ensino pri­má­rio, en­quan­to as do I e II ci­clo têm dis­po­ní­veis 6.703 sa­las. No pre­sen­te ano, fo­ram ma­tri­cu­la­dos 497 mil e 391 alu­nos, cu­ja for­ma­ção é as­se­gu­ra­da por 13.318 pro­fes­so­res.

Des­ta­ca­do pa­pel do pro­fes­sor

A vi­ce-go­ver­na­do­ra pa­ra o Sec­tor Po­lí­ti­co e So­ci­al do Uíge des­ta­cou, ter­ça-fei­ra, o pa­pel do pro­fes­sor na for­ma­ção das no­vas ge­ra­ções e qua­dros que con­tri­bu­em pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país, com vis­ta ao bem-es­tar das fa­mí­li­as.

Ma­ria Fer­nan­des da Sil­va fa­la­va no ac­to pro­vin­ci­al das co­me­mo­ra­ções do Dia do Edu­ca­dor, as­si­na­la­do a 22 de No­vem­bro, e dis­se que o pro­fes­sor é um com­po­nen­te im­por­tan­te na vi­da das co­mu­ni­da­des, por ser um agen­te de de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al. “Qual­quer so­ci­e­da­de, pa­ra atin­gir um cres­ci­men­to acei­tá­vel ne­ces­si­ta de bons téc­ni­cos, so­bre­tu­do pro­fes­so­res, que pos­sam re­vo­lu­ci­o­nar o de­sen­vol­vi­men­to in­te­lec­tu­al dos alu­nos, uma vez que o pro­fes­sor é o ele­men­to que pos­sui a ar­te de en­si­nar, pa­ra en­ri­que­cer o in­te­lec­to do in­di­ví­duo, exer­cí­cio que re­quer uma qua­li­fi­ca­ção aca­dé­mi­ca in­ques­ti­o­ná­vel, res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al e com­pro­mis­so”, dis­se.

Ma­ria da Sil­va su­bli­nhou que ser pro­fes­sor é uma pro­fis­são no­bre. “É o es­pe­lho de uma na­ção, cu­ja per­so­na­li­da­de de­ve ser cons­ti­tuí­da por ac­ções po­si­ti­vas, pos­tu­ra exem­plar, sa­ber fa­zer, sa­ber es­tar e sa­ber ser”, re­fe­riu.

Na opi­nião da go­ver­nan­te, o Dia do Edu­ca­dor não de­ve ser co­me­mo­ra­do ape­nas pe­los pro­fes­so­res e alu­nos, mas sim por to­dos aque­les que têm a in­cum­bên­cia de trans­mi­tir bons há­bi­tos e cos­tu­mes, co­mo os pais, ti­os, en­ti­da­des re­li­gi­o­sas, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e pes­so­as sin­gu­la­res com ca­pa­ci­da­de e boa con­du­ta so­ci­al.

Pe­diu aos alu­nos pa­ra es­tu­da­rem ca­da vez mais, pa­ra ele­va­rem o ní­vel aca­dé­mi­co e tec­no­ló­gi­co, con­tri­buin­do des­ta for­ma pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país. “Exor­ta­mos a to­dos aque­les que de­sen­vol­vem prá­ti­cas ou idei­as ne­ga­ti­vas que pe­ri­gam o de­sen­vol­vi­men­to do ensino, pa­ra que aban­do­nem tais ma­ni­fes­ta­ções, pois, são fac­to­res que atra­sam o pro­gres­so da pro­vín­cia”, ape­lou.

EDMUNDO EUCÍLIO

Nú­me­ro de pro­fes­so­res a se­rem ad­mi­ti­dos vai aju­dar a mi­ni­mi­zar a in­su­fi­ci­ên­cia de téc­ni­cos que se ve­ri­fi­ca em vá­ri­as lo­ca­li­da­des da re­gião

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.