Ensino de lín­guas na­ci­o­nais apli­ca­do em to­da a pro­vín­cia

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

O co­or­de­na­dor nacional de lín­guas do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, An­tó­nio Cha­muhon­go, de­fen­deu na vi­la de Qui­cu­lun­go, se­de do mu­ni­cí­pio com o mes­mo no­me, pro­vín­cia do Cuanza Nor­te, o re­for­ço do ensino das lín­guas de Angola em to­das as es­co­las do país.

Em de­cla­ra­ções à Angop, no ter­mo de um en­con­tro de es­cla­re­ci­men­to com os pro­fes­so­res so­bre o uso das lín­guas na­ti­vas nas es­co­las, An­tó­nio Cha­muhon­go afir­mou que ca­da po­vo tem uma cul­tu­ra e es­sa trans­mi­te­se atra­vés de uma lín­gua, ra­zão pe­la qual de­ve-se pri­mar pe­lo seu ensino. Pa­ra si, “o ensino das lín­guas de Angola as­su­me im­por­tân­cia re­le­van­te, por­que é mais fá­cil co­mu­ni­car-se e ins­truir a cri­an­ça na sua pró­pria lín­gua do que num idi­o­ma alheio”.

O es­pe­ci­a­lis­ta em lín­guas de Angola in­for­mou que o Go­ver­no an­go­la­no apos­ta no ensino das lín­guas na­ti­vas, um es­for­ço que con­ta com o apoio da Unes­co e da União Afri­ca­na. A di­ver­si­da­de das lín­guas fa­la­das em Angola exi­ge uma pa­dro­ni­za­ção ba­se­a­da na le­ga­li­da­de.

An­tó­nio Cha­muhon­go sa­li­en­tou na oca­sião que a de­sig­na­ção lín­guas de Angola subs­ti­tuiu a an­te­ri­or de­no­mi­na­ção de lín­guas na­ci­o­nais, ter­mi­na­da em 2010, com a en­tra­da em vi­gor da Cons­ti­tui­ção, que re­vo­gou a lei nº 13/2001.

O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção pu­bli­cou a lei 17/16, on­de o con­cei­to de Lín­guas Na­ci­o­nais foi subs­ti­tuí­do por Lín­guas de Angola e já dis­põe de ma­te­ri­ais pa­ra a sua im­ple­men­ta­ção em to­das as es­co­las na­ci­o­nais. An­tó­nio Cha­muhon­go pe­diu aos ci­da­dãos pa­ra con­tri­buí­rem na pre­ser­va­ção das lín­guas na­ti­vas, atra­vés da es­cri­ta de pro­vér­bi­os, po­e­mas e ou­tros mei­os.

A pro­vín­cia do Cuanza Nor­te já be­ne­fi­cia há al­gum tem­po da im­ple­men­ta­ção do pro­gra­ma do ensino das lín­guas de Angola, no­me­a­da­men­te, o kim­bun­du. Po­rém, cons­ta­tou-se que po­pu­la­ções nos mu­ni­cí­pi­os do Bo­lon­gon­go, Qui­cu­lun­go e Ban­ga ti­nham re­jei­ta­do o ensino des­ta lín­gua nas es­co­las, por ser a me­nos fa­la­da na­que­las cir­cuns­cri­ções.

O en­con­tro de es­cla­re­ci­men­to com os pro­fes­so­res des­ti­nou-se a ul­tra­pas­sar, na ba­se do di­a­lo­go, o im­pas­se que os pro­fes­so­res en­con­tra­vam por par­te da po­pu­la­ção que re­jei­ta­va o ensino do kim­bun­du nas es­co­las e que de­fen­di­am o apren­di­za­do do dihun­go (uma va­ri­an­te do ki­kon­go), por ser a mais fa­la­da na re­gião.

En­tre­tan­to, pre­va­le­ceu o kim­bun­du, co­mo a lín­gua de Angola a ser en­si­na­da nas es­co­las lo­cais, por ser o idi­o­ma pa­dro­ni­za­do no qua­dro da sis­te­ma­ti­za­ção das lín­guas na­ti­vas.

Ac­ti­vi­da­de idên­ti­ca se­rá re­a­li­za­da no de­cur­so da pró­xi­ma se­ma­na nos mu­ni­cí­pi­os do Bo­lon­gon­go e Ban­ga, igual­men­te ha­bi­ta­dos, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, por po­vos do gru­po et­no­lin­guís­ti­co “Hun­go”, um sub­gru­po do ki­kon­go.

No en­con­tro par­ti­ci­pa­ram res­pon­sá­veis do sec­tor da Edu­ca­ção e pro­fes­so­res da cir­cuns­cri­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.