A lon­ge­vi­da­de de Fi­del Cas­tro

Jornal de Angola - - PARTADA -

A úl­ti­ma vez que es­ti­ve em Cu­ba foi no ano de 2013. Fui in­te­gra­do nu­ma ex­ten­sa de­le­ga­ção da Cul­tu­ra que par­ti­ci­pou na Fei­ra do Li­vro de Ha­va­na. Angola foi o país ho­me­na­ge­a­do nes­se ano. Ali pu­de cons­ta­tar o amor que o po­vo cu­ba­no nu­tre pe­los li­vros e o pre­ço aces­sí­vel des­tes à bol­sa do ci­da­dão do ar­qui­pé­la­go. Pu­de, tam­bém, num do­min­go, de­lei­tar-me nas me­lho­res prai­as da Amé­ri­ca La­ti­na, dan­çar num clu­be noc­tur­no, as­sis­tir a um es­pec­tá­cu­lo de hu­mor, ter o pra­zer de ver as on­das ba­te­rem no pon­tão da gran­de ave­ni­da Ma­le­cón, pas­se­ar por Ha­ba­na Vi­e­ja, co­mer um pra­to tí­pi­co na Bo­de­gui­ta del Mé­dio, an­dar nos tá­xis Che­vro­let e Buick de mil no­ve­cen­tos e tro­co­pas­so. Mas na­da dis­so te­ria si­do pra­ze­ro­so, se não me ti­ves­sem brin­da­do com “la her­ma­na hos­pi­ta­li­dad”, no tra­to com as pes­so­as que nos acom­pa­nha­ram, nos en­con­tros que ti­ve­mos e na in­te­rac­ção com pes­so­as que nem se­quer es­ta­vam na nos­sa agen­da.

A mi­nha úni­ca frus­tra­ção foi não ter po­di­do en­tre­vis­tar “El Co­man­dan­te Fi­del Cas­tro”. Ti­nha ape­nas du­as per­gun­tas pa­ra con­ver­sar com Fi­del. A pri­mei­ra era per­gun­tar o que Fi­del pen­sa­va do Ho­mem do Fu­tu­ro, is­to é, pa­ra on­de ten­de­ria, na opi­nião do Co­man­dan­te, a evo­lu­ção da es­pé­cie hu­ma­na. Um ser al­ta­men­te po­de­ro­so em ter­mos men­tais? A se­gun­da per­gun­ta, de­cor­ren­te da pri­mei­ra, era o que é que ele pen­sa­va do fu­tu­ro da so­ci­e­da­de hu­ma­na, qual se­ria o pró­xi­mo es­tá­dio da ci­vi­li­za­ção. A bar­bá­rie? Ou o sal­to pa­ra uma no­va co­mu­ni­da­de com um sis­te­ma de go­ver­no mais equi­ta­ti­vo e ci­da­dãos com uma mo­ral mais ele­va­da?

Qu­e­ria per­gun­tar es­tas coi­sas a Fi­del, por­que, nos seus dis­cur­sos e dis­ser­ta­ções, Fi­del abar­ca mui­tos as­pec­tos da vi­da hu­ma­na na Ter­ra, com ên­fa­se pa­ra a po­lí­ti­ca, mas vi ne­le um gran­de fi­ló­so­fo e os fi­ló­so­fos pen­sam em qua­se tu­do, de mo­do que sei que ele já al­gu­ma vez pen­sou nes­tas ques­tões que gos­ta­ria de lhe co­lo­car.

In­fe­liz­men­te não con­se­gui fa­zer a en­tre­vis­ta que eu pre­ten­dia que fos­se o gran­de fu­ro da mi­nha car­rei­ra no jor­na­lis­mo cul­tu­ral.

No ano de 1983, es­ti­ve pe­la pri­mei­ra vez em Cu­ba, co­mo pro­fes­sor de lín­gua por­tu­gue­sa. De­sem­bar­quei na Ilha da Ju­ven­tu­de (de los Pi­nos) e vi­vi a mais gra­ta aven­tu­ra aca­dé­mi­ca da mi­nha vi­da. Cu­ba sem­pre foi po­bre e as­se­di­a­da, des­de o triun­fo da re­vo­lu­ção. Mas o po­vo cu­ba­no, prin­ci­pal­men­te as cri­an­ças e jo­vens, re­ce­bi­am do Es­ta­do uma aten­ção es­pe­ci­al. Nós vi­vía­mos to­dos, alu­nos e pro­fes­so­res, no edi­fí­cio da es­co­la. De­bai­xo do pré­dio da es­co­la, ha­via um vão en­tre os pi­la­res, on­de mo­ra­vam as ga­li­nhas que co­mía­mos. A di­e­ta va­ri­a­va, em­bo­ra não fos­se mui­to ri­ca. E, uma vez por se­ma­na, ía­mos des­bas­tar o ca­pim ao re­dor das to­ran­jas que cres­ci­am em gran­des ex­ten­sões, cir­cun­dan­do a es­co­la. As to­ran­jas eram gran­des e, ma­du­ras, eram ex­por­ta­das pa­ra o Ja­pão pro­du­zir per­fu­mes. Era um sis­te­ma que ali­a­va o estudo e o tra­ba­lho no cam­po. Um dia, con­traí uma in­fec­ção e fui con­sul­ta­do num hos­pi­tal e de­pois me­di­ca­do pe­la mé­di­ca da es­co­la. Não pa­guei um úni­co pe­so. Ha­via ali to­dos os ser­vi­ços, as­sis­tên­cia so­ci­al, e mui­ta dis­ci­pli­na e trans­pa­rên­cia. Em Cu­ba não éra­mos tra­ta­dos co­mo es­tran­gei­ros, mas sim, éra­mos “her­ma­nos”.

Fi­del Cas­tro vi­veu até aos 90 anos. O que é es­sa lon­ge­vi­da­de que to­dos in­ve­ja­mos, se­não o fru­to do pró­prio sis­te­ma de Saú­de que Fi­del im­ple­men­tou na gran­de Is­la del Ca­ri­be? Quer di­zer que o pró­prio lí­der da re­vo­lu­ção pe­la Saú­de e a edu­ca­ção do po­vo cu­ba­no, tam­bém co­lheu des­sa re­vo­lu­ção so­ci­al os be­ne­fí­ci­os. Mui­tos pre­si­den­tes fo­ram se tra­tar a Cu­ba. O fa­le­ci­do Hu­go Chá­vez es­te­ve lá. O gran­de Ma­ra­do­na es­te­ve lá. De Angola par­ti­ram mui­tos pa­ra cu­rar as ma­lei­tas do cor­po e da al­ma em Cu­ba. Mui­ta gen­te, ho­je, quan­do lem­bra ter es­ta­do em Cu­ba, só fa­la que lá não há car­ne de va­ca, só fran­go. Que não há ri­cos. Que fal­ta is­to e aqui­lo. Pou­ca gen­te re­co­nhe­ce um dos mai­o­res fei­tos po­lí­ti­cos de to­do o mun­do: dar Edu­ca­ção e Saú­de gra­tui­tas pa­ra to­da a po­pu­la­ção. São du­as coi­sas que nós, em Angola, de­ve­mos al­me­jar, de­ve­mos ins­cre­ver na agen­da po­lí­ti­co-so­ci­al. Eu não qu­e­ria mor­rer um dia, já bem ve­lho co­mo Fi­del, sem ver es­tas du­as con­quis­tas es­ta­be­le­ci­das em Angola. Es­te, con­fes­so, é o meu mai­or so­nho po­lí­ti­co.

Tu­do o que me foi da­do ver e vi­ver em Cu­ba é fru­to da re­vo­lu­ção cu­ba­na, con­du­zi­da por Fi­del e seus com­pa­nhei­ros da Si­er­ra Ma­es­tra. Fru­to do amor de Fi­del pe­lo seu po­vo. O que vi em Cu­ba era a pró­pria ima­gem de um fa­ze­dor da His­tó­ria, Fi­del Cas­tro, o po­lí­ti­co que a Ad­mi­nis­tra­ção ame­ri­ca­na não con­se­guiu der­ru­bar, no vas­to quin­tal dos EUA que é a Amé­ri­ca La­ti­na.

Fi­del Cas­tro mor­reu. De to­do o la­do cho­ve­ram elo­gi­os e tam­bém crí­ti­cas fe­ro­zes. Mas uma coi­sa é cer­ta e in­con­tes­tá­vel. Es­tá aí à vis­ta de to­da a gen­te. Quem mais apoi­ou os afri­ca­nos na der­ra­dei­ra lu­ta con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo e o apartheid foi Fi­del Cas­tro e o po­vo cu­ba­no. Por is­so, na Na­mí­bia, bem no cen­tro de Windho­ek, exis­te a ave­ni­da Fi­del Cas­tro. Não foi a gran­de e po­de­ro­sís­si­ma Amé­ri­ca, não se­nho­ra.

Ago­ra que o mais ve­lho Fi­del Cas­tro mor­reu, só me res­ta fa­lar com o es­pí­ri­to de­le. Sei que quan­do se tem uma gran­de ad­mi­ra­ção por al­guém e se de­se­ja fa­lar com es­sa pes­soa, quan­do es­sa pes­soa es­tá mui­to no nos­so pen­sa­men­to, os es­pí­ri­tos se co­mu­ni­cam. Por is­so, com o pas­sar do tem­po, Fi­del Cas­tro, ago­ra que já re­pou­sa das in­ten­sas li­des em Cu­ba, vai me dar as res­pos­tas que lhe qu­e­ria pe­dir em 2013.

Has­ta si­em­pre, Co­man­dan­te!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.