Os nos­sos di­rei­tos e os di­rei­tos dos ou­tros

SINALAGMA

Jornal de Angola - - OPINIÃO - KUMUÊNHO DA ROSA |

A ideia de ser­mos de­ten­to­res de di­rei­tos, ou se­ja, da fa­cul­da­de de, “de per si”, por ac­ção ou omis­são, pra­ti­car­mos ac­tos de que re­sul­tem fac­tos ju­ri­di­ca­men­te aten­dí­veis, de­ve ser acom­pa­nha­da pe­la as­sun­ção do res­pec­ti­vo de­ver, se­ja, de acei­tar­mos que tam­bém te­mos obri­ga­ções às quais não nos po­de­mos de­mi­tir. É o tal sinalagma. O “to­ma lá da cá”, no dis­cur­so po­pu­lar.

Tra­du­zin­do. A um di­rei­to co­lo­ca­se um cor­res­pon­den­te de­ver. Ape­nas o re­cor­te de uma re­la­ção con­tra­tu­al, ain­da que abs­trac­ta­men­te con­si­de­ra­da. É, pois, ab­so­lu­ta­men­te er­ra­do, di­ria mes­mo des­pi­ci­en­do, rei­vin­di­car di­rei­tos, des­con­si­de­ran­do os de­ve­res e obri­ga­ções. Di­go is­to a pro­pó­si­to de um te­ma que tem an­da­do mui­to à bai­la nos úl­ti­mos di­as. Fa­lo da con­vo­ca­ção de um pro­tes­to por um gru­po de pes­so­as, al­guns ju­ris­tas, por si­nal, que se di­zem ofen­di­dos com um ac­to do Presidente da Re­pú­bli­ca, Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, pra­ti­ca­do no âm­bi­to do seu po­der dis­cri­ci­o­ná­rio.

Um te­ma as­saz in­te­res­san­te, não tan­to pe­la ma­té­ria que ele en­cer­ra – exer­cí­cio e con­fli­to de di­rei­tos fun­da­men­tais, tão am­pla­men­te de­ba­ti­dos e tão as­ser­ti­va­men­te co­lo­ca­dos em ter­mos de téc­ni­ca le­gis­la­ti­va pe­lo nos­so le­gis­la­dor cons­ti­tuin­te mas pe­los no­mes que es­tão en­vol­vi­dos nes­sa tra­ma, que pro­me­te dei­xar mar­cas na his­tó­ria do po­der ju­di­ci­al. Co­mo de res­to ocor­re sem­pre que um tri­bu­nal superior se pro­nun­cia pe­la pri­mei­ra vez e de for­ma ab­so­lu­ta­men­te iné­di­ta so­bre uma si­tu­a­ção que lhe é re­que­ri­da.

Ora es­tá cla­ro que to­da a po­lé­mi­ca em tor­no des­te “não as­sun­to” só exis­tiu por­que quem se diz ofen­di­do com o ac­to de no­me­a­ção da en­ge­nhei­ra Isa­bel dos San­tos, que é, di­ga-se de pas­sa­gem, uma ges­to­ra de cré­di­tos fir­ma­dos e de al­ta re­fe­rên­cia no mun­do em­pre­sa­ri­al, de­ci­diu lan­çar mão a um di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te pro­te­gi­do, só que, ao que se per­ce­be, pa­ra um fim com­ple­ta­men­te di­ver­so da­que­le que alu­diu nos ape­los à ma­ni­fes­ta­ção.

Ao que tu­do in­di­ca, o ar­gu­men­to da ile­ga­li­da­de do ac­to es­tá a ser aban­do­na­do pe­los que se di­zi­am ofen­di­dos pe­la no­me­a­ção de Isa­bel dos San­tos. O que es­tá a ba­ter ago­ra, per­do­em-me a gra­ci­nha, é a ac­tu­a­ção do Tri­bu­nal Su­pre­mo. Se res­pon­deu ou não con­for­me o de­se­jo dos ofen­di­dos. Afi­nal, co­lhe ou não o ar­gu­men­to de de­ne­ga­ção de jus­ti­ça? Es­tá cla­ro que não. E por aqui­lo que se sa­be, e é pú­bli­co, o pe­di­do não foi li­mi­nar­men­te re­jei­ta­do, pe­lo que se in­fe­re, sal­vo me­lhor opi­nião, es­tar em cur­so o cor­res­pon­den­te pro­ces­so e que o Tri­bu­nal de­ve­rá pro­nun­ci­ar-se a pro­pó­si­to, co­me­çan­do por di­zer, mais coi­sa me­nos coi­sa, se tem com­pe­tên­cia pa­ra co­nhe­cer o ca­so e se exis­te de fac­to ma­té­ria pa­ra jul­gar, nos ter­mos da lei.

Lon­ge de pre­ten­der an­te­ci­par­me à de­ci­são de um ór­gão a to­dos os tí­tu­los so­be­ra­no e in­de­pen­den­te, con­tra­ri­a­men­te ao que ale­gou o dig­no ju­ris­ta Mar­co­li­no Mo­co, um dos ros­tos vi­sí­veis do pro­tes­to, es­tá mais do que vis­to que não há ob­jec­ti­va­men­te ele­men­tos que con­du­zam à ideia de ile­ga­li­da­de no ac­to de no­me­a­ção. Ain­da que por hi­pó­te­se, e con­si­de­ran­do que nin­guém é do­no da ver­da­de ab­so­lu­ta, tal ac­to do Presidente da Re­pú­bli­ca es­ti­ves­se ao al­can­ce de uma lei subs­tan­ti­va, co­mo é a Lei da Pro­bi­da­de.

Mas dei­xe­mos as con­si­de­ra­ções ju­rí­di­cas pa­ra os ju­ris­tas, pois o que nos traz aqui são as­pec­tos, di­ria, se­cun­dá­ri­os, mas que sem­pre in­te­res­sa olhar com a de­vi­da aten­ção. Ora, to­dos nós te­mos di­rei­tos, mas tam­bém te­mos de­ve­res. E no ca­so da no­me­a­ção de Isa­bel dos San­tos, pa­ra presidente do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol, é de res­pei­tar o di­rei­to de qual­quer ci­da­dão ma­ni­fes­tar o seu sen­ti­men­to em re­la­ção ao ac­to em si, mas é inad­mis­sí­vel que al­guém, se­ja quem for, se ar­ro­gue o di­rei­to de di­tar re­gras aos tri­bu­nais.

Pois é. Ago­ra que o as­sun­to pa­re­ce ar­ru­ma­do, por­que já nem se­quer se fa­la de ile­ga­li­da­de no ac­to de no­me­a­ção, já que não exis­te ob­jec­ti­va­men­te es­se ví­cio, acho per­ti­nen­te tra­zer aqui o que con­si­de­ro ser as re­ais mo­ti­va­ções dos ci­da­dãos que se di­zem “cha­te­a­dos” com a no­me­a­ção de Isa­bel dos San­tos. Se­rá de ig­no­rar os si­nais de mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas nes­ta no­ve­la? Sin­ce­ra­men­te não. Exis­tem sim si­nais cla­ros de que, mes­mo que não se­jam to­dos, pe­lo me­nos al­guns dos “ofen­di­dos” com a no­me­a­ção de Isa­bel dos San­tos abor­dam o te­ma, pri­mei­ro, co­mo ar­ma de ar­re­mes­so con­tra a pes­soa da no­me­a­da e de quem no­me­ou, o que é a to­dos os tí­tu­los re­pro­vá­vel.

De­pois, e is­so é ain­da mais re­le­van­te, é que tal ex­pe­di­en­te es­te­ja a ser apro­vei­ta­do por es­tas pes­so­as pa­ra dar al­gum fô­le­go à car­rei­ra po­lí­ti­ca, já que es­ta­mos às por­tas de um ano de elei­ções e é a al­tu­ra pro­pen­sa a epi­só­di­os des­tes. O tem­po vai cer­ta­men­te en­car­re­gar­se de ti­rar a lim­po es­sa ques­tão, não fos­sem já co­nhe­ci­dos os ape­ti­tes po­lí­ti­cos de al­guns dos ci­da­dãos en­vol­vi­dos nes­sa tra­ma.

Mas, con­ve­nha­mos, is­so não é ne­nhum pe­ca­do mor­tal. Qual­quer ci­da­dão an­go­la­no, in­di­vi­du­al ou co­lec­ti­va­men­te con­si­de­ra­do, é li­vre de ter as­pi­ra­ções po­lí­ti­cas. É um di­rei­to con­sa­gra­do na pró­pria Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca de Angola e a nin­guém es­tá proi­bi­da tal fa­cul­da­de. Mas há, co­mo re­fe­ri no iní­cio, o cor­res­pon­den­te de­ver, no ca­so, de acei­tar que ou­tros ci­da­dãos não se­jam pre­ju­di­ca­dos (nem pri­vi­le­gi­a­dos, ob­vi­a­men­te) em ra­zão da sua as­cen­dên­cia fa­mi­li­ar. Prin­cí­pio da Igual­da­de.

Ora aí es­tá, ob­jec­ti­va­men­te fa­lan­do, que ra­zões te­mos pa­ra ig­no­rar as pro­vas de ca­pa­ci­da­de e com­pe­tên­cia da­das pe­la ci­da­dã Isa­bel dos San­tos? Não es­ta­rão os juí­zos que põem em cau­sa sua no­me­a­ção pa­ra PCA da So­nan­gol ei­va­dos de mo­ti­va­ções me­ra­men­te sub­jec­ti­vas, por ser fi­lha do Presidente da Re­pú­bli­ca? Se­rá que o di­rei­to de nos sen­tir­mos “ofen­di­dos” (ou cha­te­a­dos) é bas­tan­te pa­ra exi­gir que al­guém se­ja pri­va­do do di­rei­to fun­da­men­tal de ser tra­ta­do e res­pei­ta­do co­mo um ci­da­dão igual aos ou­tros? Não me pa­re­ce, sin­ce­ra­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.