Cró­ni­ca de Luis Al­ber­to Fer­rei­ra

Jornal de Angola - - PARTADA -

“Has­ta si­em­pre, Co­man­dan­te!”. É a ex­ten­são do do­mí­nio da lu­ta, di­ria o fran­cês Mi­chel Hou­el­le­becq. “Has­ta si­em­pre, Co­man­dan­te!”. É a ex­ten­são mo­ral e in­te­lec­tu­al do do­mí­nio da co­e­rên­cia. Fi­del Cas­tro de­fen­deu a Re­vo­lu­ção Cu­ba­na. Im­buí­do dos có­di­gos de hon­ra à al­tu­ra de ho­mens da sua ecu­mé­ni­ca di­men­são re­vo­lu­ci­o­ná­ria.

En­con­trei Fi­del em to­das as la­ti­tu­des do pla­ne­ta. Sul­cos in­te­lec­tu­ais e aní­mi­cos do ho­mem que, no sé­cu­lo XX, a tu­do re­sis­tiu - no­to­ri­a­men­te aves­so a trans­for­mar em pa­pel mo­lha­do o seu pro­jec­to li­ber­tá­rio fun­da­men­tal pa­ra Cu­ba: edu­ca­ção e saú­de. Com o pri­ma­do da es­co­la e da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, in­ves­ti­men­tos na con­di­ção hu­ma­na. Nu­ma ro­do­via de trai­do­res in­ter­nos e cons­pi­ra­do­res ex­ter­nos: “dis­si­den­tes” pa­gos e anal­fa­be­tos fun­ci­o­nais va­gue­an­do, no es­tran­gei­ro, em li­nhas se­cun­dá­ri­as, na mo­dor­ra do pa­ter­na­lis­mo su­fi­ci­en­te. Fi­del sem­pre es­te­ve na li­nha da fren­te. Dei­xou o mun­do, o pi­or dos mun­dos por ele vi­vi­do, inal­can­ça­do até 2008 pe­las 638 ten­ta­ti­vas de as­sas­si­na­to ur­di­das pe­la CIA e pe­las ma­fi­as cu­ba­nas alhei­as à es­co­la­ri­da­de, à cul­tu­ra, ao de­sen­vol­vi­men­to igua­li­tá­rio. Tem­pos hou­ve em que um dos “tro­féus” ex­tra­mu­ros da dis­si­dên­cia ili­te­ra­ta con­sis­tiu na me­ra exi­bi­ção de “fu­gi­ti­vos”. Dois ou três des­por­tis­tas cu­ba­nos em di­gres­são no es­tran­gei­ro de­ser­ta­vam do seio da co­mi­ti­va, so­li­ci­ta­vam “asi­lo po­lí­ti­co” e de­sa­pa­re­ci­am de ce­na. Não há me­mó­ria de um só dos de­ser­to­res ter al­can­ça­do, no país “aco­lhe­dor”, o mí­ni­mo resquí­cio de no­to­ri­e­da­de. Mas há mé­di­cos cu­ba­nos com­pro­me­ti­dos com o seu país e a exer­ce­rem no es­tran­gei­ro, do Brasil aos ter­ri­tó­ri­os da do­lo­ro­sa re­sis­tên­cia da Re­pú­bli­ca Ára­be Sah­rauí (RASD). As ar­tes, con­gra­çan­do a cri­an­ça, o ado­les­cen­te, o adul­to, flo­res­cem em Cu­ba com a ale­gria es­ti­val da es­pe­ran­ça - do in­fin­dá­vel cau­dal de op­ti­mis­mo que nos re­ve­lou um Fi­del Cas­tro igual a si pró­prio aos 20 anos, aos 30, aos 40, aos 50, aos 60, aos 70, aos 80, aos 90 anos. O Fi­del que, a 13 de Agos­to pas­sa­do, a to­dos lem­bra­va que “o ca­pi­ta­lis­mo” em vo­ga “não con­se­gue se­quer im­pe­dir que os jo­vens con­ti­nu­em a des­truir-se no con­su­mo de dro­gas”. Os cu­ba­nos, emo­ci­o­na­dos, es­cu­tam ago­ra com re­li­gi­o­si­da­de “La Can­ción del Ele­gi­do” (“A Can­ção do Elei­to”), que de­ve­mos ao can­to ape­la­ti­vo de Síl­vio Ro­drí­guez e às es­tro­fes do pró­prio Fi­del. Num mun­do ór­fão de qua­se tu­do, Fi­del con­se­gue ser o mais ir­re­pro­chá­vel dos gran­des no­tá­veis da po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal. Não é oci­o­so ne­le iden­ti­fi­car o lí­der po­lí­ti­co ab­so­lu­to do sé­cu­lo XX. Por mais que se quei­ra ou não, o mo­de­lo crí­ti­co vi­gen­te des­de an­tes e de­pois da agres­são ao Vi­et­na­me e ou­tras in­fer­na­li­da­des ci­frou-se, de fac­to, no es­tar ou não es­tar con­tra Fi­del. O mun­do gi­rou e ter­gi­ver­sou em tor­no des­ta inu­si­ta­da cons­tan­te. Com Fi­del ou con­tra Fi­del. Com ou con­tra Fi­del pe­ro­ra­ram opi­nan­tes de to­dos os seg­men­tos da ge­o­gra­fia pla­ne­tá­ria. De to­dos os ex­trac­tos so­ci­ais, até os anal­fa­be­tos “me­lho­res”, os da ale­ga­da fun­ci­o­na­li­da­de. Fi­del, en­tre­men­tes, gal­va­ni­zou po­vos, que o ou­vi­ram fa­lar “de mui­ta gen­te que se põe de jo­e­lhos e de po­vos que não do­bram a cer­viz e não re­nun­ci­am à sua dig­ni­da­de hu­ma­na”. Que o ou­vi­ram per­gun­tar, mais do que nun­ca per­ti­nen­te: “Pa­ra que ser­ve en­tão a Ci­vi­li­za­ção? Pa­ra que ser­ve a cons­ci­ên­cia do ho­mem? Pa­ra que ser­vem en­tão as Na­ções Uni­das?”. Adol­fo Pé­rez Es­qui­vel, ac­ti­vis­ta ar­gen­ti­no dos di­rei­tos hu­ma­nos e No­bel da Paz, de Fi­del re­cor­da uma con­ver­sa lon­ga, “até às 3 da ma­nhã”. Con­ver­sa que lhe per­mi­tiu iden­ti­fi­car no Co­man­dan­te “a pa­ci­ên­cia do ar­te­são” e a co­ra­gem se­re­na de quem sou­be “en­fren­tar o im­pé­rio”. Es­qui­vel, por fim, ex­cla­ma­ria pa­ra Fi­del: “Re­sis­tis­te a tu­do!”. E não foi em vão, co­mo re­co­nhe­ce Lu­la da Sil­va: “Fi­del foi o nos­so ba­lu­ar­te quan­do as mais san­gren­tas di­ta­du­ras tri­pu­di­a­vam na Amé­ri­ca La­ti­na”. Er­nes­to Sam­per, ac­tu­al pre­si­den­te da UNASUR, re­co­nhe­ce que Fi­del foi “co­e­ren­te na sua lu­ta, fa­ce aos de­sen­vol­vi­men­tos mun­di­ais”. E Ig­na­cio Ra­mo­net, por ex­ce­lên­cia o jor­na­lis­ta eu­ro­peu da trin­chei­ra dos di­rei­tos, um dos pou­cos que en­tre­vis­ta­ram o Co­man­dan­te, ce­de à pul­são do fas­cí­nio ir­res­trin­gí­vel: “Fi­del mor­reu, mas é imor­tal. Do seu le­ga­do de lu­ta fi­ca­nos es­sa ad­ver­tên­cia for­ta­le­cen­te: que ca­da ci­da­dão te­nha cons­ci­ên­cia da sua con­di­ção so­ci­al”. À rei­te­ra­ção des­ta as­ser­ti­va “pe­cam”, por au­sên­cia ir­re­me­diá­vel, gran­des ci­da­dãos do mun­do co­mo Ga­bri­el Gar­cía Már­quez, ami­go de Fi­del, Ro­ger Ga­raudy, fi­ló­so­fo fran­cês au­tor de 50 li­vros e fa­le­ci­do em 2012, ou Mau­ri­ce Bishop, pri­mei­ro-mi­nis­tro da mi­nús­cu­la Re­pú­bli­ca de Gra­na­da vil­men­te as­sas­si­na­do a 19 de Ou­tu­bro de 1983 pou­co an­tes da co­ni­ven­te in­va­são, a 25 do mes­mo mês, pe­la avi­a­ção e “co­man­dos” dos Es­ta­dos Uni­dos. Ro­nald Re­a­gan, o “cow­boy” de Hollywo­od, man­da­va no pla­ne­ta.

Nos anos de 1990, re­a­li­zei no Mé­xi­co uma pe­re­gri­na­ção pe­los lu­ga­res que Fi­del e o “Che” fre­quen­ta­ram até ao dia em que ali ad­qui­ri­ram, au­xi­li­a­dos por me­xi­ca­nos, o na­vio “Granma - fun­da­men­tal pa­ra a lu­ta re­vo­lu­ci­o­ná­ria a par­tir da Si­er­ra Ma­es­tra. Fi­del ter­tu­li­a­va no ve­lho “Ca­fé Cen­tral”, na Ci­da­de do Mé­xi­co. E tor­na­ra-se pre­sen­ça as­sí­dua na uni­da­de fa­bril açu­ca­rei­ra de Za­ca­te­pec, no Es­ta­do de Mo­re­los. En­co­ra­jou na açu­ca­rei­ra a cul­tu­ra sin­di­cal, por meio de pre­lec­ções que os ope­rá­ri­os da fá­bri­ca ja­mais ol­vi­da­ram. Nes­te ca­pí­tu­lo, o es­pa­ço pa­ra co­no­ta­ções é um ver­gel de en­si­na­men­tos. O na­vio “Granma”, che­ga­do ao li­to­ral de Cu­ba, en­ca­lhou nos “cayu­e­los” da praia das Co­ro­na­das. A avi­a­ção mi­li­tar do re­gi­me fas­cis­ta de Ful­gen­cio Bau­tis­ta me­tra­lhou, sem pi­e­da­de, os cer­ca de 80 ex­pe­di­ci­o­ná­ri­os idos do Mé­xi­co, en­tre os quais Fi­del e o “Che”. Com ape­nas 21 so­bre­vi­ven­tes e apoi­a­dos por cam­po­ne­ses da cin­tu­ra da Si­er­ra Ma­es­tra, Fi­del e o po­vo de Cu­ba ini­ci­a­ram a epo­peia que Cris­ti­na Fer­nán­dez de Kir­ch­ner, ex-Pre­si­den­te da Ar­gen­ti­na, si­tua, com pa­la­vras de ho­je, na “His­tó­ria Gran­de”. Os me­xi­ca­nos cor­ro­bo­ram-na. Co­mo sín­te­se da eloquên­cia, a man­che­te do diá­rio me­xi­ca­no “La Jor­na­da”: “Par­tiu o úl­ti­mo Gran­de do sé­cu­lo XX”. Eu di­ria: “O lí­der ab­so­lu­to do sé­cu­lo XX”. Fi­del, co­mo mui­tos de nós, du­vi­da­va de uma “paz” mun­di­al ob­ti­da no meio de 900 mi­lhões de anal­fa­be­tos. Daí o ISIS. Daí o Bo­ko Ha­ram. E não só.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.