A UNITA nas elei­ções na­mi­bi­a­nas

No “day after” dos Acor­dos de No­va Ior­que e nos 15 me­ses de­ci­si­vos que le­va­ram à in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia (21 de Mar­ço de 1990), o mês de No­vem­bro de 1989 des­ta­cou-se co­mo o mo­men­to da ma­te­ri­a­li­za­ção de um dos ob­jec­ti­vos que le­va­ram à cri­a­ção da UNTAG: a

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SÉ RI­BEI­RO |

O mês de No­vem­bro de 1989 de­via ser, em prin­cí­pio, um mês de ale­gria pa­ra o po­vo na­mi­bi­a­no, da­do o gran­de mo­men­to elei­to­ral que es­ta­va pres­tes a vi­ver. Mas o mês co­me­çou de for­ma som­bria. A 1 de No­vem­bro de 1989, os sul-afri­ca­nos fi­ze­ram re­cur­so, uma vez mais, à sua sem­pre pre­sen­te pro­pa­gan­da de es­ti­lo “Go­eb­bels”, co­lo­can­do os seus mi­li­ta­res acan­to­na­dos em es­ta­do de aler­ta.O pre­tex­to pa­ra tal foi, ou­tra vez, uma fal­sa in­va­são de mi­li­ta­res da SWAPO de An­go­la pa­ra a Na­mí­bia, na vés­pe­ra das elei­ções, com o be­ne­plá­ci­to da UNTAG.

No en­tan­to, a SWAPO não se dei­xou cair no mes­mo en­go­do que a apa­nhou a 1 de Abril de 1989, quan­do as SADF lan­ça­ram a “Ope­ra­ção Merlyn” con­tra guer­ri­lhei­ros da SWAPO “in­fil­tra­dos” no seu pró­prio país. Um tra­ba­lho apu­ra­do fei­to pe­lo Co­mi­té de In­te­li­gên­cia da UNTAG pro­vou que as acu­sa­ções de in­va­são eram fal­sas e in­fun­da­das, cir­cuns­cre­ven­do-se a uma ten­ta­ti­va de­li­be­ra­da de de­sin­for­ma­ção lan­ça­da pe­las for­ças su­la­fri­ca­nas opos­tas à in­de­pen­dên­cia, no in­tui­to de per­pe­tu­a­rem a sua pre­sen­ça no Su­do­es­te Africano.

Não atin­gin­do o seu ob­jec­ti­vo e sen­do cla­ra­men­te des­mas­ca­ra­dos os pla­nos de Pre­tó­ria pe­lo Co­mi­té de In­te­li­gên­cia da UNTAG, o mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros sul-africano, “Pik” Botha, é for­ça­do a reu­nir-se a 4 de No­vem­bro com o pre­si­den­te da SWAPO, Sam Nu­jo­ma, em Windho­ek, e a ad­mi­tir que as de­cla­ra­ções por si pro­fe­ri­das a 1 de No­vem­bro eram in­fun­da­das.

An­tes dis­so, a 2 de No­vem­bro, o Pre­si­den­te Ken­neth Kaun­da, da Zâm­bia, re­a­fir­mou a po­si­ção to­ma­da pe­lo Se­cre­tá­rio de In­for­ma­ção da SWAPO, di­zen­do que a ale­ga­ção sul-afri­ca­na de in­fil­tra­ção de guer­ri­lhei­ros da SWAPO na Na­mí­bia era um pre­tex­to pa­ra in­va­dir o ter­ri­tó­rio e im­pe­dir a SWAPO de ga­nhar as elei­ções.

Fra­cas­sa­da a úl­ti­ma car­ta­da ra­cis­ta, em No­vem­bro de 1989 con­cre­ti­zou-se fi­nal­men­te o di­rei­to do po­vo na­mi­bi­a­no de es­co­lher di­rec­ta­men­te e de for­ma li­vre os seus go­ver­nan­tes. En­tre 7 e 11 de No­vem­bro de 1989, os na­mi­bi­a­nos fo­ram às ur­nas vo­tar na­que­les que os iri­am re­pre­sen­tar na As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te e, con­se­quen­te­men­te, di­ri­gir os des­ti­nos do país.

Cum­pria-se as­sim a cé­le­bre fra­se pro­fé­ti­ca pro­fe­ri­da pe­lo Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to de que “na Na­mí­bia, no Zim­babwe e na Áfri­ca do Sul es­tá a con­ti­nu­a­ção da nos­sa lu­ta”. Ter­mi­na­vam os 31 anos sob do­mí­nio ger­mâ­ni­co (1884–1915) e os 74 anos sob do­mí­nio sul-africano (1915–1989). O po­vo na­mi­bi­a­no con­se­guia, en­fim, ob­ter a sua tão an­si­a­da au­to­de­ter­mi­na­ção.

Três di­as de­pois das elei­ções, no âm­bi­to da sua mis­são, o Re­pre­sen­tan­te Es­pe­ci­al das Na­ções Uni­das na Na­mí­bia, Mart­ti Ah­ti­sa­a­ri, cer­ti­fi­cou que o pro­ces­so elei­to­ral ti­nha si­do li­vre e jus­to e pu­bli­cou os re­sul­ta­dos fi­nais: a SWAPO ob­te­ve 57,3 por cen­to dos vo­tos, a DTA 28,6 por cen­to e a UDF 5,6 por cen­to.

Com re­sul­ta­dos tão ex­pres­si­vos, a SWAPO ga­ran­tiu 41 dos 72 lu­ga­res na As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te, ape­sar de um úl­ti­mo e con­cer­ta­do es­for­ço sul-africano pa­ra fa­zer pen­der a ten­dên­cia de vo­to a seu fa­vor, ao trans­por­tar mi­lha­res de ci­da­dãos bran­cos sul-afri­ca­nos e an­go­la­nos mi­li­tan­tes da UNITA pa­ra a Na­mí­bia a fim de vo­ta­rem con­tra a SWAPO e a fa­vor da De­mo­cra­tic Tur­nhal­le Al­li­an­ce (DTA), um par­ti­do que co­la­bo­rou es­trei­ta e cri­mi­no­sa­men­te com o re­gi­me de apartheid, que não con­se­guiu ga­ran­tir mais do que 21 lu­ga­res na As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te, mas im­pe­diu a SWAPO de atin­gir a mai­o­ria ab­so­lu­ta.

No seu li­vro “Cro­no­logy of Na­mi­bi­an His­tory – From Prehis­to­ri­cal ti­mes to In­de­pen­dent Na­mi­bia”, Klaus Di­erks (1936-2005), um en­ge­nhei­ro e his­to­ri­a­dor nas­ci­do em Ber­lim e que se tor­nou mem­bro do Co­mi­té Cen­tral da SWAPO, re­fe­re que os re­sul­ta­dos sur­pre­en­den­tes al­can­ça­dos pe­la DTA nas elei­ções só fo­ram pos­sí­veis gra­ças à in­ter­ven­ção sul-afri­ca­na.

Klaus Di­erks dou­to­rou-se na Áfri­ca do Sul com uma te­se so­bre a in­fra-es­tru­tu­ra rodoviária da “Na­mí­bia”, quan­do pro­fe­rir es­te no­me era con­si­de­ra­do uma he­re­sia e abriu uma guer­ra con­tra as fal­si­fi­ca­ções his­tó­ri­cas do re­gi­me do apartheid so­bre o pe­ri­o­do an­te­ri­or à che­ga­da dos eu­ro­peus e mis­si­o­ná­ri­os ao ter­ri­tó­rio.

Após a in­de­pen­dên­cia, Klaus che­gou ao car­go de mi­nis­tro na­mi­bi­a­no das Obras Pú­bli­cas, Trans­por­tes e Co­mu­ni­ca­ções e mi­nis­tro das Mi­nas e Ener­gia.

Na “Cro­no­lo­gia da His­tó­ria Na­mi­bi­a­na”, ele es­cre­ve o se­guin­te: “Os re­sul­ta­dos da elei­ção são anun­ci­a­dos: SWAPO 57,3%, DTA 28,6%, UDF 5,6%, ACN 3,5%, NPF 1,6%, FCN 1,6%, NNF 0,8 %, SWAPO-D 0,5%, CDA 0,4% e NNDP 0,1%. Mais de 97% dos elei­to­res re­gis­ta­dos, 701.483 dos quais fo­ram às ur­nas. A SWAPO, ao al­can­çar mais de 57% ga­nhou 41 dos 72 lu­ga­res na As­sem­bleia. Ao al­can­çar mais de 28% dos vo­tos e 21 lu­ga­res na As­sem­bleia, a DTA con­se­guiu blo­que­ar os dois ter­ços de mai­o­ria da SWAPO. Dos 23 dis­tri­tos elei­to­rais, a DTA ga­nhou 14, a SWAPO 8 (in­cluin­do os três mai­o­res, Ovam­bo­land, Ka­van­go e Windho­ek) e a UDF 1. O ele­va­do ín­di­ce de vo­ta­ção da DTA é re­sul­ta­do de um es­for­ço con­cer­ta­do su­la­fri­ca­no que con­sis­tiu no trans­por­te de mi­lha­res de ‘bran­cos’su­la­fri­ca­nos e an­go­la­nos mi­li­tan­tes da UNITA pa­ra a Na­mí­bia, a fim de vo­ta­rem con­tra a SWAPO. Os dois lí­de­res dos mai­o­res par­ti­dos, Sam Nu­jo­ma e Misha­ke Muyon­go, acei­tam os re­sul­ta­dos da elei­ção co­mo li­vres e jus­tos”.

Fi­ca as­sim con­fir­ma­da pa­ra a His­tó­ria mais um cri­me de Jo­nas Sa­vim­bi: a par­ti­ci­pa­ção de ele­men­tos da UNITA no pro­ces­so elei­to­ral na­mi­bi­a­no, nu­ma de­mons­tra­ção cla­ra de que es­te mo­vi­men­to con­ti­nu­ou a ser um ins­tru­men­to dó­cil do re­gi­me ra­cis­ta sul-africano mes­mo de­pois da der­ro­ta es­tron­do­sa que as FAPLA in­fli­gi­ram às SADF e às FA­LA na Ba­ta­lha do Cui­to Cu­a­na­va­le, tra­va­da no Tri­ân­gu­lo do Tum­po a 23 de Mar­ço de 1988.

No pe­río­do pos­te­ri­or aos Acor­dos de No­va Ior­que, ce­le­bra­dos a 22 de De­zem­bro de 1988, a UNITA au­xi­li­ou a uni­da­de de con­tra-sub­ver­são “Ko­e­vo­et” na ca­ça aos guer­ri­lhei­ros da SWAPO.

É ho­je con­sen­su­al en­tre os es­tu-

di­o­sos da His­tó­ria da Áfri­ca Aus­tral que, se a DTA ven­ces­se as elei­ções na­mi­bi­a­nas de No­vem­bro de 1989, com os vo­tos re­cru­ta­dos dos bran­cos sul-afri­ca­nos e dos an­go­la­nos mi­li­tan­tes da UNITA, cer­ta­men­te im­plan­ta­ria em Windho­ek um go­ver­no obe­di­en­te às pre­ten­sões sul-afri­ca­nas e, con­se­quen­te­men­te, com is­so cri­a­ria as con­di­ções pa­ra que o re­gi­me ra­cis­ta su­la­fri­ca­no, no­va­men­te com o ter­ri­tó­rio na­mi­bi­a­no à sua mer­cê, des­se o pas­so se­guin­te no seu pla­no de uma cons­te­la­ção de Es­ta­dos gi­ran­do à vol­ta do apartheid: co­lo­car a UNITA no po­der em An­go­la.

Mas o ter­re­no já era des­fa­vo­rá­vel ao re­gi­me de apartheid. A 21 de No­vem­bro de 1989, em con­for­mi­da­de com o Pla­no da Re­so­lu­ção 435/78 do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, e co­mo con­sequên­cia na­tu­ral do pro­ces­so elei­to­ral, a re­cém-elei­ta As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te re­a­li­zou a sua pri­mei­ra ses­são, a 21 de No­vem­bro de 1989, pa­ra dis­cu­tir os pas­sos que ain­da de­ve­ri­am ser tri­lha­dos pa­ra a con­su­ma­ção efec­ti­va da in­de­pen­dên­cia. Es­ta ses­são foi mar­ca­da pe­la cri­a­ção do Co­mi­té de Re­dac­ção Cons­ti­tu­ci­o­nal, pre­si­di­do por Ha­ge Gein­gob, na al­tu­ra di­rec­tor da cam­pa­nha elei­to­ral da SWAPO, ac­tu­al­men­te Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca da Na­mí­bia. Es­te Co­mi­té te­ve co­mo mis­são pri­mor­di­al ela­bo­rar a No­va Cons­ti­tui­ção pa­ra a Re­pú­bli­ca da Na­mí­bia, com ba­se nos Prin­cí­pi­os Cons­ti­tu­ci­o­nais pro­pos­tos pe­lo Gru­po de Con­tac­to do Oci­den­te, em 1982.

O po­der da in­for­ma­ção

O mês de No­vem­bro de 1989 foi ob­jec­to tam­bém de um es­tu­do pu­bli­ca­do pe­la re­vis­ta bri­tâ­ni­ca “In­ter­na­ti­o­nal Jour­nal of In­tel­li­gen­ce and Coun­ter-In­tel­li­gen­ce”, in­ti­tu­la­do “The Uni­ted Na­ti­ons and Th­re­ats to Na­mi­bia’s In­de­pen­den­ce, 1989 – As Na­ções Uni­das e as Ame­a­ças à In­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia, 1989”, que abor­da as du­as gran­des “cri­ses” en­fren­ta­das pe­la UNTAG e en­fa­ti­za as di­fe­ren­ças que mar­ca­ram a sua ac­tu­a­ção ao lon­go de­las. O es­tu­do des­cre­ve im­por­tan­tes por­me­no­res e che­ga às con­clu­sões se­guin­tes:

• A Cri­se de Abril, con­subs­tan­ci­a­da na in­fil­tra­ção de guer­ri­lhei­ros da SWAPO na Na­mí­bia a par­tir de An­go­la, que re­sul­tou na res­pos­ta sul-afri­ca­na atra­vés da “Ope­ra­ti­on Merlyn” que fez mais de 300 mor­tos, foi pro­vo­ca­da pe­la in­su­fi­ci­ên­cia do efec­ti­vo da UNTAG e pe­la ine­xis­tên­cia de um ór­gão de in­te­li­gên­cia. Es­tes fac­tos li­mi­ta­ram, em gran­de me­di­da, a ac­tu­a­ção da UNTAG, cu­jos mo­ni­to­res de­sar­ma­dos ti­ve­ram de ser re­ti­ra­dos das áre­as de com­ba­te, abrin­do alas pa­ra que as SADF per­pe­tras­sem o mas­sa­cre de­li­be­ra­do de guer­ri­lhei­ros da SWAPO;

• Con­tra­ri­a­men­te ao su­ce­di­do em Abril, na Cri­se de No­vem­bro, pou­cos di­as an­tes das elei­ções cons­ti­tuin­tes, quan­do o mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros sul-africano, “Pik” Botha, anun­ci­ou que cen­te­nas de com­ba­ten­tes da SWAPO es­ta­vam no­va­men­te pres­tes a cru­zar a fron­tei­ra an­go­la­na com a Na­mí­bia, a UNTAG es­ta­va já com­ple­ta­men­te des­do­bra­da e, mais im­por­tan­te ain­da, con­ta­va já com o seu pró­prio Co­mi­té de In­te­li­gên­cia, pe­lo que ti­nha mei­os pa­ra exa­mi­nar as men­sa­gens in­ter­cep­ta­das e con­du­zir uma in­ves­ti­ga­ção im­par­ci­al, com­ple­ta­men­te in­de­pen­den­te e, aci­ma de tu­do, des­pro­vi­da das in­ter­fe­rên­ci­as sul-afri­ca­nas.

A ac­tu­a­ção do Co­mi­té de In­te­li­gên­cia da UNTAG ca­rac­te­ri­zou-se­se, pri­mei­ra­men­te, na ava­li­a­ção das men­sa­gens in­ter­cep­ta­das pe­las Na­ções Uni­das, fei­ta por es­pe­ci­a­lis­tas da ONU e da Áfri­ca do Sul, se­gui­da da des­lo­ca­ção ao ter­re­no de uma equi­pa de ve­ri­fi­ca­ção cons­ti­tuí­da por re­pre­sen­tan­tes das Na­ções Uni­das, da Áfri­ca do Sul e de An­go­la. Es­ta equi­pa te­ve a mis­são de in­ves­ti­gar a fron­tei­ra em bus­ca de si­nais, tais co­mo pe­ga­das, fo­guei­ras de res­tos de ali­men­tos que pu­des­sem in­di­ci­ar um gru­po de for­ças de guer­ri­lha ou al­gu­ma re­cen­te tra­ves­sia. O Co­mi­té de In­te­li­gên­cia da UNTAG de­fen­dia que era fun­da­men­tal en­vol­ver os pró­pri­os in­ter­ve­ni­en­tes nas in­ves­ti­ga­ções pa­ra que a Áfri­ca do Sul, a SWAPO e An­go­la pu­des­sem con­fir­mar a im­par­ci­a­li­da­de da UNTAG.

Nes­tas con­di­ções, a res­pos­ta da UNTAG des­mas­ca­rou com­ple­ta­men­te a úl­ti­ma car­ta­da dos sul-afri­ca­nos que ten­ta­vam, a to­do o cus­to, per­pe­tu­ar a sua pre­sen­ça no Su­do­es­te Africano. Em sín­te­se, es­te es­tu­do re­al­ça a im­por­tân­cia da exis­tên­cia de um ór­gão de “in­te­li­gên­cia” nu­ma ope­ra­ção de ma­nu­ten­ção de paz, já que es­te ór­gão ga­ran­tiu que o pro­ces­so de re­co­lha e tra­ta­men­to da in­for­ma­ção fos­se re­ves­ti­do de “im­par­ci­a­li­da­de” e “au­to­no­mia”, ele­men­tos fun­da­men­tais pa­ra que a en­ti­da­de me­di­a­do­ra, a UNTAG, gran­je­as­se res­pei­to das par­tes en­vol­vi­das e con­se­guis­se le­var a bom por­to o pro­ces­so de paz.

Li­ções pa­ra mis­sões de paz

A ex­pe­ri­ên­cia da Na­mí­bia for­ne­ceu li­ções va­li­o­sas pa­ra as fu­tu­ras ope­ra­ções de ma­nu­ten­ção da paz da ONU. Al­gu­mas de­las fo­ram sen­do apli­ca­das de­pois da Cri­se de Abril de 1989, co­mo se­jam, a per­cep­ção de que as Na­ções Uni­das es­ta­vam cla­ra­men­te con­di­ci­o­na­das na to­ma­da de de­ci­são pe­la sua de­pen­dên­cia de fon­tes da in­te­li­gên­cia sul-afri­ca­na e era fun­da­men­tal cri­ar um Cen­tro Mi­li­tar de In­for­ma­ção ou um Cen­tro de Aná­li­se da Mis­são Con­jun­ta pa­ra ga­ran­tir uma boa in­te­li­gên­cia/in­for­ma­ção so­bre as mis­sões de ma­nu­ten­ção de paz. Ou­tras li­ções a acau­te­lar pe­los es­pe­ci­a­lis­tas em fu­tu­ras ope­ra­ções de ma­nu­ten­ção de paz das Na­ções Uni­das são a ex­plo­ra­ção na ple­ni­tu­de das no­vas tec­no­lo­gi­as (imagens de sa­té­li­te e fo­to­gra­fia aé­rea) na ac­ti­vi­da­de de mo­ni­to­ri­za­ção. Po­rém, di­zem os es­pe­ci­a­lis­tas, du­as dé­ca­das de­pois da UNTAG, as Na­ções Uni­das con­ti­nu­am mui­to de­fi­ci­en­tes no uso de tec­no­lo­gi­as de mo­ni­to­ri­za­ção, es­pe­ci­al­men­te em com­pa­ra­ção com or­ga­ni­za­ções mi­li­ta­res mo­der­nas, co­mo a OTAN.

Ou­tra gran­de li­ção apren­di­da e a ser apli­ca­da – su­bli­nham os es­pe­ci­a­lis­tas – é ain­da a ne­ces­si­da­de de um ga­bi­ne­te de in­te­li­gên­cia na se­de da ONU, em No­va Ior­que, já que em 1989 o Ga­bi­ne­te de Pes­qui­sa e Re­co­lha de In­for­ma­ção es­ta­va so­bre­car­re­ga­do com ou­tras ta­re­fas. Em vir­tu­de da sua inac­ti­vi­da­de, em 1992 a ONU cri­ou uma Ga­bi­ne­te de Ope­ra­ções pa­ra a trans­mis­são de re­la­tó­ri­os em tem­po útil e a ela ane­xou um ór­gão de in­te­li­gên­cia, que se tor­na ho­je fun­da­men­tal fa­ce às no­vas ame­a­ças do ex­tre­mis­mo e à ne­ces­si­da­de de pro­tec­ção das li­ber­da­des dos ci­da­dãos e das ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas.

Ci­da­dã na­mi­bi­a­na exer­ce pe­la pri­mei­ra vez o di­rei­to de es­co­lher os seus le­gí­ti­mos re­pre­sen­tan­tes

ONU PHO­TO | MIL­TON GRANT

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.