Aban­do­no es­co­lar na Huí­la atin­giu ín­di­ces alar­man­tes

Um dos ob­jec­ti­vos do do­cu­men­to é me­lho­rar as es­tra­té­gi­as pa­ra o pró­xi­mo ano lec­ti­vo

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO LUHACO | Lu­ban­go

Pe­lo me­nos, 19 por cen­to dos alu­nos ins­cri­tos no en­si­no pri­má­rio a ní­vel da pro­vín­cia da Huí­la aban­do­nam as au­las, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por mo­ti­vos eco­nó­mi­cos, se­gun­do um es­tu­do so­bre as cau­sas do aban­do­no es­co­lar, re­cen­te­men­te efec­tu­a­do pe­lo Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção e De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção do Is­ced.

A apre­sen­ta­ção do re­fe­ri­do es­tu­do foi fei­ta nu­ma pa­les­tra alu­si­va ao Dia do Edu­ca­dor, as­si­na­la­do no pas­sa­do dia 22, e pa­ra o di­rec­tor pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção, Amé­ri­co Chi­co­te, o mes­mo vai aju­dar na me­lho­ria das es­tra­té­gi­as pa­ra o pró­xi­mo ano lec­ti­vo.

O re­fe­ri­do es­tu­do, que co­me­çou a ser ela­bo­ra­do em 2015, foi apre­sen­ta­do pe­lo co­or­de­na­dor do Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção do Is­ced, Hél­der Baú, que deu a co­nhe­cer as ra­zões que nes­ta par­ce­la do país con­cor­rem pa­ra es­te ín­di­ce de aban­do­no es­co­lar: “a pri­mei­ra ra­zão es­tá re­la­ci­o­na­da com ques­tões de na­tu­re­za eco­nó­mi­ca, co­mo por exem­plo a in­ca­pa­ci­da­de de ma­te­ri­al es­co­lar e o pa­ga­men­to de com­par­ti­ci­pa­ções. A ou­tra bar­rei­ra é da se­ca que di­mi­nuiu a ca­pa­ci­da­de das fa­mí­li­as em ge­ra­rem ren­da.”

Du­ran­te a sua dis­ser­ta­ção, Hél­der Baú ape­lou às ins­ti­tui­ções afins no sen­ti­do de re­do­bra­rem es­for­ços pa­ra ate­nu­ar es­ta si­tu­a­ção, pois o es­tu­do iden­ti­fi­cou os cus­tos da edu­ca­ção, “com maior in­ci­dên­cia nas zo­nas ru­rais, on­de há gran­de di­fi­cul­da­de em con­se­guir-se di­nhei­ro pa­ra pa­gar as des­pe­sas di­rec­tas, co­mo as com­par­ti­ci­pa­ções, ma­nu­al es­co­lar, ca­der­nos e lá­pis”, apon­tou.

“Uma boa par­te das es­co­las de cons­tru­ção de­fi­ni­ti­va pos­sui ape­nas uma ou du­as sa­las, o que não cor­res­pon­de à de­man­da exi­gi­da. Po­de­mos ver aqui den­tro des­te es­tu­do que num to­tal de 1.843, ape­nas 452 são es­co­las de cons­tru­ção de­fi­ni­ti­va, daí que den­tro das vá­ri­as po­lí­ti­cas pa­ra com­ba­ter a ex­clu­são, in­tro­du­ziu-se a me­ren­da es­co­lar pa­ra com­ba­ter a po­bre­za, vi­san­do a va­lo­ri­za­ção da edu­ca­ção e a con­so­li­da­ção dos apoi­os so­ci­ais já exis­ten­tes, a apos­ta na for­ma­ção de qua­dros, me­lho­rar a qua­li­da­de de en­si­no, a edu­ca­ção iti­ne­ran­te co­mo res­pos­ta a gru­pos so­ci­ais es­pe­cí­fi­cos, o re­ca­dras­tra­men­to de pro­fes­so­res, en­si­no bi­lin­gue, a mas­si­fi­ca­ção do re­gis­to de nas­ci­men­to e o apoio às cri­an­ças com ne­ces­si­da­des edu­ca­ti­vas es­pe­ci­ais”, su­bli­nhou.

Mais me­ni­nas a es­tu­dar

O co­or­de­na­dor do Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção do Is­ced do Lu­ban­go in­for­mou que o qua­dro que per­mi­tiu a or­ga­ni­za­ção des­ta pes­qui­sa foi o “mo­de­lo con­cep­tu­al e me­to­do­ló­gi­co da ini­ci­a­ti­va glo­bal pe­las cri­an­ças fo­ra da es­co­la”, con­ce­bi­do pe­lo Uni­cef-Unes­co. Es­te mo­de­lo des­ta­ca cin­co di­men­sões de ex­clu­são, tais co­mo cri­an­ças com ida­de de fre­quen­tar o en­si­no es­co­lar, mas que não fre­quen­tam, e cri­an­ças em ida­de de fre­quen­tar o en­si­no pri­má­rio e o pri­mei­ro ci­clo do en­si­no se­cun­dá­rio e em ris­co de aban­do­no, ten­do si­do des­ta­ca­dos os per­fis, as bar­rei­ras e as po­lí­ti­cas. Na re­co­lha de da­dos, en­tre­vis­ta­ram re­pre­sen­tan­tes de cri­an­ças fo­ra da es­co­la, pro­fes­so­res, en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção, igre­jas, cri­an­ças, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e ad­mi­nis­tra­ções lo­cais, en­tre ou­tros, em seis mu­ni­cí­pi­os se­lec­ci­o­na­dos, no­me­a­da­men­te Lu­ban­go, Cu­van­go, Ma­ta­la, Gam­bos, Ca­lu­quem­be e Jam­ba.

O es­tu­do ob­ser­va, por exem­plo, que den­tro da fai­xa etá­ria dos 5 e os 11 anos se po­de en­con­trar cer­ca de 551.981 cri­an­ças, das quais 381.045 fre­quen­tam o en­si­no pri­má­rio, o que cor­res­pon­de a 60 por cen­to. Na fai­xa etá­ria dos 12 aos 14 anos, das 170.303 cri­an­ças ape­nas 12.451 fre­quen­tam o pri­mei­ro ci­clo do en­si­no se­cun­dá­rio, que cor­res­pon­de a 7 por cen­to.

O es­tu­do de­ter­mi­nou que exis­tem mais ra­pa­ri­gas do que ra­pa­zes a fre­quen­ta­rem o en­si­no pri­má­rio. Por exem­plo, das 191.303 ape­nas 6.587 me­ni­nas es­ta­vam no pri­mei­ro ci­clo e, em re­la­ção aos ra­pa­zes, dos 189.742 que fre­quen­tam o en­si­no pri­má­rio só há 5.864 no pri­mei­ro ci­clo. Re­la­ti­va­men­te à pro­ba­bi­li­da­de de um alu­no que se es­cre­ve na pri­mei­ra clas­se con­cluir a no­na, há ape­nas 10 por cen­to de pos­si­bi­li­da­de de is­to ocor­rer, o que pa­ra o co­or­de­na­dor do es­tu­do “é um va­lor mui­to bai­xo.” “Em re­la­ção às ta­xas de es­co­la­ri­za­ção e ad­mis­são, nós va­mos ver que es­tas es­tão en­tre as mais al­tas do país. Te­mos mais ou me­nos 127 e 143 por cen­to, res­pec­ti­va­men­te, is­to quer di­zer que as cri­an­ças ins­cre­vem-se tar­di­a­men­te, na pri­mei­ra clas­se, com mais de 6 anos de ida­de”, ex­pli­cou Hél­der Baú.

ARIMATEIA BAP­TIS­TA | HUÍ­LA

O es­tu­do de­ter­mi­nou que exis­tem mais ra­pa­ri­gas do que ra­pa­zes a fre­quen­tar o en­si­no pri­má­rio em co­mu­ni­da­des da pro­vín­cia da Huí­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.