Cen­tro de trei­no de Kle­mac vai cre­den­ci­ar ma­ri­nhei­ros

Con­ven­ção STCW Man­ni­la Amend­ment co­me­ça a ser apli­ca­da em Ja­nei­ro pró­xi­mo

Jornal de Angola - - PARTADA - AR­MAN­DO ES­TRE­LA |

O Cen­tro Ma­rí­ti­mo Kle­mac de­sen­vol­ve no país ci­clos de for­ma­ção, pa­ra ac­tu­a­li­zar as cer­ti­fi­ca­ções dos ma­ri­nhei­ros que ac­tu­am no mer­ca­do an­go­la­no, de acor­do com as exi­gên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais da Con­ven­ção STCW Man­ni­la Am­mend­ment 2010.

A Con­ven­ção STCW Man­ni­la Amend­ment 2010, que en­trou em vi­gor no dia 1 de Ja­nei­ro de 2012, abran­ge to­dos os ma­ri­nhei­ros, des­de ofi­ci­ais do to­po a ma­ri­nhei­ros de ba­se, des­de que na­ve­guem em águas in­ter­na­ci­o­nais ou lo­cais e ob­ser­vem os cri­té­ri­os da se­gu­ran­ça ma­rí­ti­ma in­ter­na­ci­o­nal.

Uma tran­si­ção pa­ra a sua ri­go­ro­sa im­ple­men­ta­ção foi da­da pa­ra um pe­río­do de cin­co anos, de­ven­do ago­ra ser ob­ser­va­da em to­das as águas ter­ri­to­ri­ais a par­tir do dia 1 de Ja­nei­ro de 2017. Até à da­ta, o Cen­tro de For­ma­ção Ma­rí­ti­mo Kle­mac, cer­ti­fi­ca­do pe­lo INEFOP, IMPA, MLC 2006, ape­nas cre­den­ci­ou per­to de du­zen­tos ma­ri­nhei­ros, na sua mai­o­ria pes­so­al afec­to à So­nan­gol.

A par­tir de Fe­ve­rei­ro de 2017, to­dos os ma­ri­nhei­ros de­vem ter a cer­ti­fi­ca­ção com­pul­si­va­men­te, an­tes de em­bar­ca­rem pa­ra os na­vi­os, pla­ta­for­mas offsho­res, en­tre ou­tros mei­os de na­ve­ga­ção ma­rí­ti­ma. A não ob­ser­vân­cia des­sa con­ven­ção por qual­quer ma­ri­nhei­ro vai re­sul­tar na apli­ca­ção de mul­tas, de acor­do com as leis ma­rí­ti­mas na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais.Por for­ça dis­so, o pes­so­al ma­rí­ti­mo de­ve apre­sen­tar evi­dên­ci­as de ter re­a­li­za­do a for­ma­ção em ins­ti­tui­ções cre­den­ci­a­das pe­las ad­mi­nis­tra­ções re­co­nhe­ci­das pe­la Con­ven­ção Ma­rí­ti­ma In­ter­na­ci­o­nal (IMO).

For­ma­ção e cer­ti­fi­ca­ção

Os ma­ri­nhei­ros de­vem es­tar ha­bi­li­ta­dos nos te­mas “Pro­fi­ci­ency in Sur­vi­val craft and Res­cue Bo­at other than fast Res­cue Bo­ats (BST Cer­ti­fi­ca­te 6 month sea ser­vi­ce / 18 ye­ars old)”, “De­sig­na­ted Se­cu­rity Du­ti­es Cour­se (DSD)”e “Ba­sic Sa­fety Trai­ning (SOLAS FULL)”.

A for­ma­ção in­clui pa­co­tes, co­mo “Ba­sic Trai­ning for li­qui­fi­ed gas tan­ker car­go ope­ra­ti­ons (BST Cer­ti­fi­ca­te)”, “Ba­sic Trai­ning For Oil and Che­mi­cal Tan­ker Car­go Ope­ra­ti­ons (BST Cer­ti­fi­ca­te)”, “Ad­van­ced Fi­re Figh­ting (BST Cer­ti­fi­ca­te)”, “Ad­van­ced Fi­re Figh­ting (BST Cer­ti­fi­ca­te)”, “Ad­van­ced Trai­ning for oil tan­ker car­go ope­ra­ti­ons (OCFAM Cer­ti­fi­ca­te)”, “Se­cu­rityT­rai­ning for Se­a­fa­rers” e “ECDIS: Ty­pe Spe­ci­fic Trai­ning/JRC Jan-701/901M”.

Na for­ma­ção e cer­ti­fi­ca­ção, o cen­tro an­go­la­no in­te­ra­ge com par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais eu­ro­peus e asiá­ti­cos, que cre­den­ci­am os for­man­dos em no­me da Kle­mac, com cer­ti­fi­ca­ção re­co­nhe­ci­da a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal e de acor­do com o Man­ni­la Am­mend­ment 2010. Em con­fe­rên­cia di­plo­má­ti­ca ma­rí­ti­ma de 1978, foi adop­ta­da uma con­ven­ção in­ter­na­ci­o­nal, pa­ra ga­ran­tir maior efi­ci­ên­cia na for­ma­ção, cer­ti­fi­ca­ção e vi­gi­lân­cia pa­ra ma­ri­nhei­ros no exer­cí­cio das su­as ac­ti­vi­da­des no mar, de mo­do a ga­ran­tir maior se­gu­ran­ça do pes­so­al ma­rí­ti­mo, dos mei­os de trans­por­te ma­rí­ti­mo e da preservação das águas do mar. A con­ven­ção foi ajus­ta­da em 1995 e em 2010 foi fei­to úl­ti­mo ar­ran­jo, que foi in­ti­tu­la­do “STCW Ma­ni­la Am­mend­ment 2010”.

Os paí­ses que têm fa­ci­li­da­des de ins­ti­tui­ções ou cen­tros de for­ma­ção ma­rí­ti­ma re­co­nhe­ci­das pe­las ad­mi­nis­tra­ções re­gis­ta­das pe­la IMO (In­ter­na­ti­o­nal Ma­ri­ti­me Or­ga­ni­za­ti­on), ti­ve­ram um gran­de avan­ço na ob­ser­vân­cia des­ta con­ven­ção, ten­do mui­tos de­les re­no­va­do, até Ou­tu­bro des­te ano, as cer­ti­fi­ca­ções e for­ma­ção de 95 por cen­to dos seus ma­ri­nhei­ros.

Al­guns paí­ses co­mo An­go­la, que não têm vá­ri­as ins­ti­tui­ções a ofe­re­cer for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca pa­ra o pes­so­al da ma­ri­nha, en­con­tram ho­je gran­des di­fi­cul­da­des de o fa­zer, prin­ci­pal­men­te ago­ra que o país vi­ve uma con­jun­tu­ra de es­cas­sez de di­vi­sas, que po­di­am per­mi­tir o re­cur­so à ou­tros paí­ses vi­zi­nhos. Com is­so, a 1 de Ja­nei­ro de 2017 fi­ca agra­va­do o pro­ble­ma pa­ra as em­pre­sas li­ga­das ao sec­tor ma­rí­ti­mo, fun­da­men­tal­men­te pa­ra os ma­ri­nhei­ros in­de­pen­den­tes.

ED­MUN­DO EUCÍLIO

Paí­ses co­mo An­go­la en­con­tram ho­je gran­des di­fi­cul­da­des de ofe­re­cer for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca pa­ra o pes­so­al da ma­ri­nha mercante

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.