CARTAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ALFONSINA ABREU | NU­NES AL­FRE­DO | LUCRÉCIO ANTÓNIO |

Cam­pe­o­na­to de andebol

Es­tá a de­cor­rer no nos­so país o cam­pe­o­na­to africano de andebol feminino e es­pe­ro que as nos­sas se­nho­ras da se­lec­ção de An­go­la tor­nem a fa­zer de no­vo gran­des exi­bi­ções na­que­la com­pe­ti­ção con­ti­nen­tal e a con­quis­tar mais um tí­tu­lo.

As nos­sas an­de­bo­lis­tas já de­ram pro­vas da sua gran­de com­pe­tên­cia,não só em com­pe­ti­ções afri­ca­nas, mas tam­bém em cam­pe­o­na­tos do mun­do e em jo­gos olím­pi­cos. Acre­di­to que a nos­sa se­lec­ção fe­mi­ni­na de andebol há-de fa­zer um bom cam­pe­o­na­to, até por­que tem jo­ga­do­ras com mui­ta ex­pe­ri­ên­cia e um trei­na­dor de ele­va­do ní­vel.

Sin­to mui­to or­gu­lho da nos­sa se­lec­ção na­ci­o­nal de andebol. O andebol an­go­la­no é ho­je mui­to res­pei­ta­do no mun­do por­que trei­na­do­res, di­ri­gen­tes e jo­ga­do­ras tra­ba­lha­ram mui­to. O andebol feminino an­go­la­no evo­luiu mui­to por­que mui­tos tra­ba­lha­ram pa­ra que is­so acon­te­ces­se. Na­da vem por aca­so. Tem de se tra­ba­lhar ar­du­a­men­te pa­ra que ve­nham as vi­tó­ri­as.

Acho que o exem­plo do andebol de­via ser­vir de in­cen­ti­vo pa­ra que ou­tras mo­da­li­da­des se or­ga­ni­zas­sem me­lhor no sen­ti­do de con­se­guir­mos por exem­plo vi­tó­ri­as ao ní­vel do fu­te­bol, do atle­tis­mo, do hó­quei em pa­tins e das mo­da­li­da­des de lu­ta.

Acom­pa­nho o que acon­te­ce no desporto an­go­la­no e gos­ta­va que mui­ta coi­sa mu­das­se ao ní­vel das di­ver­sas mo­da­li­da­des que te­mos no país. As di­ver­sas fe­de­ra­ções des­por­ti­vas de­vem tra­ba­lhar mais pa­ra que An­go­la pos­sa ter mais mo­da­li­da­des a bri­lhar em Áfri­ca e no mun­do.

Obs­tru­ção de pas­sei­os

Acon­te­cem ain­da, com frequên­cia, trans­gres­sões ad­mi­nis­tra­ti­vas, na nos­sa ci­da­de ca­pi­tal, co­mo, por exem­plo, a obs­tru­ção de pas­sei­os pa­ra ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais ile­gais. É pre­ci­so im­pe­dir que os pas­sei­os se­jam usa­dos pa­ra ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al, im­pe­din­do que os peões pos­sam usá-los.

Os pas­sei­os não fo­ram fei­tos pa­ra se­rem trans­for­ma­dos em pra­ças. Há sí­ti­os apro­pri­a­dos pa­ra se fa­zer co­mér­cio. Aque­les que que­rem fa­zer co­mér­cio de­vem con­for­mar-se com o que a lei dis­põe em ma­té­ria de ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas. Tem de ha­ver or­dem no país.

O nos­so país tem re­gras e to­dos os ci­da­dãos têm a obri­ga­ção de as cum­prir. Nin­guém es­tá aci­ma da lei. Não se po­de per­mi­tir que se fa­ça por exem­plo co­mér­cio nas pas­sa­gens aé­re­as pa­ra peões. Não se de­ve fa­zer co­mér­cio em qual­quer lu­gar. A anar­quia não aju­da a re­sol­ver os nos­sos pro­ble­mas.

Os ci­da­dãos de­vem ha­bi­tu­ar-se a res­pei­tar a lei. Um país tem de vi­ver com or­dem. Um bom ci­da­dão, co­mo al­guém já es­cre­veu nes­te es­pa­ço, de­ve res­pei­tar as leis do nos­so país. Se to­dos res­pei­tar­mos as leis te­re­mos um país me­lhor.

A água e a ener­gia eléc­tri­ca

O abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel e de ener­gia eléc­tri­ca é uma das gran­des pri­o­ri­da­des das nos­sas au­to­ri­da­des. Es­cre­vo nes­te es­pa­ço pa­ra enal­te­cer to­do o es­for­ço que as nos­sas au­to­ri­da­des têm em­pre­en­di­do pa­ra que to­dos os an­go­la­nos de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne te­nham água e ener­gia eléc­tri­ca.

A água e a ener­gia eléc­tri­ca são im­por­tan­tes não só pa­ra sa­tis­fa­zer ne­ces­si­da­des bá­si­cas das fa­mí­li­as, mas tam­bém pa­ra con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co do país. Sa­be -se que há mui­tos em­pre­sá­ri­os que se que­rem ins­ta­lar em mui­tas re­giões do país, pa­ra re­a­li­zar ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas, mas pre­ci­sam de água po­tá­vel e de ener­gia eléc­tri­ca.

Te­nho es­pe­ran­ça de que as nos­sas au­to­ri­da­des hão-de re­sol­ver os pro­ble­mas de for­ne­ci­men­to de água e ener­gia em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, até por­que há o com­pro­mis­so dos go­ver­nan­tes de tra­ba­lhar pa­ra que An­go­la su­pe­re o sub­de­sen­vol­vi­men­to. Nós an­go­la­nos não que­re­mos con­ti­nu­ar a ser sub­de­sen­vol­vi­dos. Va­mos tra­ba­lhar pa­ra que a po­bre­za se­ja de­fi­ni­ti­va­men­te er­ra­di­ca­da do nos­so país.

Te­mos de ser sem­pre op­ti­mis­tas e acre­di­tar que nós, an­go­la­nos, po­de­mos aca­bar com a po­bre­za no nos­so país e ter uma vi­da de ele­va­da qua­li­da­de. Pau­la­ti­na­men­te,ha­ve­mos de re­sol­ver os nos­sos pro­ble­mas.As nos­sas di­fi­cul­da­des po­dem ser su­pe­ra­das.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.