O su­ces­so dos em­pre­sá­ri­os

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Um pres­ti­gi­a­do em­pre­sá­rio an­go­la­no, António Mos­qui­to, aca­ba de ser dis­tin­gui­do no Brasil pe­la co­mu­ni­da­de afro-bra­si­lei­ra, pe­los seus fei­tos em prol do pro­gres­so. É sem­pre mo­ti­vo de or­gu­lho de qual­quer an­go­la­no quan­do um seu com­pa­tri­o­ta é va­lo­ri­za­do nou­tros con­ti­nen­tes pe­lo seu tra­ba­lho ao ní­vel de qual­quer área, que te­nha im­pac­to na vi­da de mui­tas pes­so­as den­tro e fo­ra do nos­so país. O su­ces­so de um dos nos­sos com­pa­tri­o­tas na vi­da em­pre­sa­ri­al de­ve ser me­re­ce­dor de des­ta­que, até por­que não é to­dos os di­as que um an­go­la­no é re­co­nhe­ci­do pe­lo seu tra­ba­lho nu­ma área com­ple­xa co­mo é o em­pre­sa­ri­a­do.

É bom sa­ber que há ins­ti­tui­ções dou­tros paí­ses que re­co­nhe­cem a ca­pa­ci­da­de em­pre­en­de­do­ra de em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos e não he­si­tam em atri­buir mérito ao seu tra­ba­lho em prol do de­sen­vol­vi­men­to.

An­go­la é um país que es­tá em fa­se de re­cons­tru­ção. É im­por­tan­te que ha­ja em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos com ini­ci­a­ti­vas de vul­to e que es­te­jam per­ma­nen­te­men­te dis­po­ní­veis pa­ra aju­dar o nos­so país a cres­cer. O mérito dos nos­sos em­pre­sá­ri­os de­ve ser tam­bém re­co­nhe­ci­do no nos­so país, até por­que te­mos an­go­la­nos que têm con­tri­buí­do imen­so pa­ra que An­go­la se­ja um país au­to-su­fi­ci­en­te em ter­mos, por exem­plo, de pro­du­ção de inú­me­ros pro­du­tos agrí­co­las.

Te­mos de con­fi­ar na ca­pa­ci­da­de dos nos­sos em­pre­sá­ri­os e te­mos de os va­lo­ri­zar e in­cen­ti­var pa­ra que eles pos­sam ser­vir ca­da vez me­lhor as co­mu­ni­da­des. As em­pre­sas são es­sen­ci­ais no de­sen­vol­vi­men­to de qual­quer país. São as em­pre­sas, mé­di­as, pe­que­nas ou gran­des, que fa­zem ala­van­car o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co.Nes­te mo­men­to em que atra­ves­sa­mos uma cri­se eco­nó­mi­ca fi­nan­cei­ra, te­mos de pres­tar aten­ção às ini­ci­a­ti­vas das nos­sas em­pre­sas e dos nos­sos em­pre­sá­ri­os. É im­por­tan­te, por exem­plo, que se in­cen­ti­ve o sur­gi­men­to de mi­cro-em­pre­sas, for­ma­li­zan­do-as, a fim de que es­tas pos­sam ter a opor­tu­ni­da­de de aces­so ao cré­di­to ban­cá­rio.

Um nú­me­ro ele­va­do de em­pre­sas ren­tá­veis no nos­so país é ga­ran­tia de exis­tên­cia de fa­mí­li­as com uma fon­te de ren­di­men­to per­ma­nen­te. Que­re­mos to­dos que ha­ja no nos­so pais fa­mí­li­as es­tá­veis e uma das for­ças pa­ra que ha­ja es­ta­bi­li­da­de é que ha­ja em­pre­gos que po­dem ser pro­por­ci­o­na­dos por em­pre­sas. Quan­to mais em­pre­sas ti­ver­mos no país mais em­pre­gos te­re­mos, o que é bom pa­ra as fa­mí­li­as.

António Mos­qui­to deu a en­ten­der na ce­ri­mó­nia em que foi dis­tin­gui­do co­mo em­pre­sá­rio do ano pe­la co­mu­ni­da­de afro-bra­si­lei­ra que era ne­ces­sá­rio que sur­gis­sem mais em­pre­sá­ri­os, ao afir­mar que “es­te tro­féu se­ja um exem­plo pa­ra as no­vas ge­ra­ções”. Nes­tas su­as pa­la­vras es­tá im­plí­ci­to um ape­lo a to­dos os po­ten­ci­ais em­pre­sá­ri­os que quei­ram abra­çar a ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va. Que­re­mos que ha­ja mais em­pre­sá­ri­os que pos­sam pro­jec­tar o no­me de An­go­la além-fron­tei­ras, por­que acre­di­ta­mos que há inú­me­ros agen­tes eco­nó­mi­cos ca­pa­zes de, co­mo António Mos­qui­to, re­a­li­zar fei­tos re­le­van­tes em prol do de­sen­vol­vi­men­to do nos­so país.

Os jo­vens an­go­la­nos que que­rem en­ve­re­dar pe­la ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al de­vem ter sem­pre a hu­mil­da­de de apren­der com os mais con­sa­gra­dos.

A ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al é uma ac­ti­vi­da­de que exi­ge tra­ba­lho ár­duo, e era bom que os que es­tão a co­me­çar a tra­ba­lhar em pro­jec­tos pro­du­ti­vos te­nham cons­ci­ên­cia de que é pre­ci­so es­ta­rem dis­po­ní­veis pa­ra apren­der mui­to com os que já pas­sa­ram por mui­tas di­fi­cul­da­des. Mui­tos em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos que es­tão no to­po pas­sa­ram por mo­men­tos mui­to di­fí­ceis, mas a sua ou­sa­dia e per­sis­tên­cia fi­ze­ram com que che­gas­sem ao êxi­to. Na­da se con­se­gue sem tra­ba­lho. Um em­pre­sá­rio ou po­ten­ci­al em­pre­sá­rio tem sem­pre pe­la fren­te uma sé­rie de pro­ble­mas por re­sol­ver, uns mais com­ple­xos do que ou­tros, so­bre­tu­do ago­ra que atra­ves­sa­mos uma cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra.

Os jo­vens que que­rem ser em­pre­sá­ri­os de­vem es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra en­fren­tar mui­tos obs­tá­cu­los na sua ac­ti­vi­da­de. Não é fá­cil a vi­da em­pre­sa­ri­al. O im­por­tan­te é que ha­ja von­ta­de pa­ra su­pe­rar as di­fi­cul­da­des. O país pre­ci­sa de em­pre­sá­ri­os que se­jam ca­pa­zes de su­pe­rar obs­tá­cu­los, em quais­quer cir­cuns­tân­ci­as. O nos­so país, a exem­plo de ou­tros Es­ta­dos, pre­ci­sa de em­pre­sá­ri­os de ele­va­do ní­vel e sem­pre ani­ma­dos pe­la von­ta­de de ser­vir as nos­sas po­pu­la­ções. Os em­pre­sá­ri­os são uma par­te im­por­tan­te da so­lu­ção de mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas eco­nó­mi­cos. O Es­ta­do não po­de nem de­ve fa­zer tu­do. Têm de ser os em­pre­sá­ri­os a re­sol­ver mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas, por via da ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va. O Es­ta­do não po­de nem de­ve dar em­pre­go a to­da a gen­te. Os re­cur­sos fi­nan­cei­ros de que o Es­ta­do dis­põe são es­cas­sos. Eis a ra­zão por que se de­ve in­cen­ti­var sem he­si­ta­ções o sur­gi­men­to de mui­tas em­pre­sas no país.

A dis­tin­ção re­ce­bi­da pe­lo em­pre­sá­rio an­go­la­no António Mos­qui­to no Brasil, co­mo em­pre­sá­rio do ano, vai fa­zer com que mui­tos jo­vens em­pre­sá­ri­os se con­ven­çam de que va­le a pe­na tra­ba­lhar em prol do pro­gres­so e da pros­pe­ri­da­de do país. Os em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos de­vem ter em vis­ta a sua res­pon­sa­bi­li­da­de no pro­ces­so de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la. O su­ces­so dos nos­sos em­pre­sá­ri­os apro­vei­ta a to­dos os an­go­la­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.