O sha­re não é nos­so có­di­go

Jornal de Angola - - OPINIÃO - CA­E­TA­NO JÚ­NI­OR |

O apre­sen­ta­dor de um pro­gra­ma, nu­ma rá­dio lu­an­den­se, anun­ci­a­va al­te­ra­ções na gre­lha de vo­os da com­pa­nhia an­go­la­na de ban­dei­ra, a TAAG, ao mes­mo tem­po que da­va con­ta da aber­tu­ra ou re­a­ber­tu­ra de ou­tros des­ti­nos. A da­da al­tu­ra, in­for­mou que a trans­por­ta­do­ra ope­ra­va, em co­desha­re, pa­ra ou­tros paí­ses e enu­me­rou as li­nhas aé­re­as com as quais se­ri­am par­ti­lha­dos os ci­ta­dos vo­os.

En­tre as pes­so­as que ou­vi­am a rá­dio, al­guém dis­se que não ti­nha en­ten­di­do a par­te fi­nal da in­for­ma­ção, por­que des­co­nhe­cia quer o sig­ni­fi­ca­do quer a ex­pres­são “co­desha­re” (par­ti­lha de có­di­go, em tra­du­ção li­vre do In­glês). A ocor­rên­cia re­me­te-nos, pois, pa­ra a ne­ces­si­da­de de se re­pen­sar a uti­li­za­ção de es­tran­gei­ris­mos ou em­prés­ti­mos, so­bre­tu­do quan­do os con­tex­tos so­ci­al e si­tu­a­ci­o­nal da va­ri­a­ção lin­guís­ti­ca o de­sa­con­se­lham. Afi­nal, pa­ra a ca­bal re­a­li­za­ção da co­mu­ni­ca­ção, é fun­da­men­tal ade­quar a lin­gua­gem do dis­cur­so ao meio a que se des­ti­na ou à cir­cuns­tân­cia em que se de­sen­vol­ve.

Com efei­to, o ex­ces­si­vo uso de ex­pres­sões e ter­mos es­tran­gei­ros na co­mu­ni­ca­ção diá­ria tem le­va­do ruí­dos ao pro­ces­so de com­pre­en­são, que o le­sam e, em con­sequên­cia, tor­nam-no pou­co efi­caz. Aliás, o re­cur­so a ga­li­cis­mos, an­gli­cis­mos ou la­ti­nis­mos che­ga a ser abu­si­vo, nu­ma si­tu­a­ção em que a Lín­gua Ofi­ci­al reú­ne lé­xi­co ca­paz de res­pon­der às exi­gên­ci­as de uma abor­da­gem mais fun­ci­o­nal.

Pa­ra se tor­nar com­pre­en­sí­vel ou per­meá­vel à co­mu­ni­ca­ção, o Por­tu­guês nem sem­pre pre­ci­sa do am­pa­ro de ter­mos ou ex­pres­sões de con­gé­ne­res, al­gu­mas das quais lhe fo­ram de ex­tre­ma uti­li­da­de à ori­gem, em tem­pos que já lá vão. O fa­lar lu­so er­gueu-se ten­do co­mo fun­da­ções o La­tim, o Gre­go, o Ára­be, o Fran­cês, en­tre ou­tros, que o aju­da­ram a cons­truir a gra­má­ti­ca e o lé­xi­co. As­sim, são su­fi­ci­en­tes pa­la­vras tão co­nhe­ci­das e or­di­ná­ri­as co­mo guer­ra, ban­do, al­fa­ce, ar­ma­zém ou ta­bli­er - cu­jo sur­gi­men­to se per­de no ema­ra­nha­do da edi­fi­ca­ção da pró­pria Lín­gua -, pa­ra ser re­co­nhe­ci­da a in­fluên­cia que o Por­tu­guês re­ce­beu de fa­la­res de ou­tros lu­ga­res e po­vos.

A es­tas ve­lhas in­fluên­ci­as são ago­ra in­cor­po­ra­dos no­vos ter­mos ou ex­pres­sões, es­sen­ci­al­men­te do in­glês ame­ri­ca­no, que o ad­ven­to das tec­no­lo­gi­as faz vin­gar e que ho­je se re­ve­lam qua­se in­con­tor­ná­veis no pro­ces­so de co­mu­ni­ca­ção: e-mail, chat, shop­ping, pi­er­cing, me­e­ting... e, cer­ta­men­te, ou­tros mais vi­rão com o tem­po. Afi­nal, são os fa­lan­tes quem de­ter­mi­na a so­bre­vi­vên­cia ou a ex­tin­ção de uma Lín­gua, sem­pre in­flu­en­ci­a­dos por fac­to­res cul­tu­rais, so­ci­ais, ge­o­grá­fi­cos, eco­nó­mi­cos e até po­lí­ti­cos.

Con­tu­do, a ex­pres­são “co­desha­re” não é nem po­pu­lar, nem in­con­tor­ná­vel na co­mu­ni­ca­ção em Por­tu­guês. Ela en­qua­dra-se na lin­gua­gem téc­ni­ca, por­tan­to, do do­mí­nio de um gru­po pro­fis­si­o­nal. As­sim, sem­pre que é le­va­da a um pú­bli­co he­te­ro­gé­neo, co­mo o é o de uma rá­dio, de­ve me­re­cer o de­vi­do en­qua­dra­men­to ou sim­ples­men­te ser tra­du­zi­da.

As­sim co­mo “co­desha­re”, ou­tros es­tran­gei­ris­mos des­ne­ces­sá­ri­os pre­en­chem a co­mu­ni­ca­ção diá­ria, in­clu­si­ve na Im­pren­sa. Cu­ri­o­so é ob­ser­var que obras so­bre Jor­na­lis­mo re­pro­vam a prá­ti­ca, além de acon­se­lha­rem, so­bre­tu­do pa­ra a no­tí­cia, uma lin­gua­gem sim­ples e ob­jec­ti­va. Ma­nu­ais en­si­nam tam­bém que to­da a in­for­ma­ção de in­te­res­se pú­bli­co de­ve ter em con­ta o ci­da­dão me­nos es­cla­re­ci­do.

Mas a re­a­li­da­de sur­ge, amiú­de, nas ves­tes de ad ae­ter­num, mo­dus ope­ran­di, wha­te­ver, fe­ed back, know how, pay per vi­ew, bud­get, au point ou de um gre­go qual­quer, pa­ra o des­nor­te de ou­vin­tes, te­les­pec­ta­do­res ou lei­to­res. É pre­ci­so re­ter que o re­cur­so abu­si­vo a es­tran­gei­ris­mos so­bre­va­lo­ri­za e enal­te­ce a lín­gua e a cul­tu­ra alhei­as, na mes­ma pro­por­ção em que su­bal­ter­ni­za ele­men­tos iden­ti­tá­ri­os de um po­vo. Pa­ra exal­tar tra­ços do fa­lar an­go­la­no, por exem­plo, o vo­cá­bu­lo bwe fá-lo me­lhor que mu­ch, so, many, very ou qual­quer ou­tro an­gli­cis­mo com a mes­ma se­mân­ti­ca.

Em mui­tas si­tu­a­ções, os ter­mos im­por­ta­dos jus­ti­fi­cam-se ape­nas pa­ra sa­tis­fa­zer o ego de quem os uti­li­za, no afã de evi­den­ci­ar que tem o que cha­ma­ria ap­pro­a­ch (es­ti­lo ou jei­to em li­dar com al­go, no ca­so a lín­gua); se­ri­am tam­bém for­mas de apre­go­ar uma pre­ten­sa cul­tu­ra ge­ral ou até po­li­glo­tis­mo. Na ver­da­de, es­tes es­tran­gei­ris­mos di­fi­cil­men­te acres­cem va­lor à in­for­ma­ção. In­fe­liz­men­te, mui­ta gen­te acre­di­ta ain­da que a in­te­lec­tu­a­li­da­de é me­di­da pe­lo uso de pa­la­vras eru­di­tas e de es­tran­gei­ris­mos de to­da a sor­te.

Nes­te con­tex­to, o sha­re não é nos­so có­di­go. Em con­cre­to, a com­po­si­ção da pa­la­vra (co­desha­re) tra­duz a par­ti­lha de pas­sa­gei­ros en­tre com­pa­nhi­as aé­re­as, com ba­se num acor­do de co­o­pe­ra­ção. Des­co­di­fi­ca­do o que, pa­ra mui­tos, po­dia ser um enig­ma, sai re­for­ça­do o pos­tu­la­do se­gun­do o qual uma co­mu­ni­ca­ção efi­caz le­va a en­ten­di­men­to ou com­pre­en­são fá­cil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.