Mi­lhões de cri­an­ças ór­fãs nas du­as úl­ti­mas dé­ca­das

En­vi­a­do das Na­ções Uni­das exor­ta con­go­le­ses a apoi­a­rem re­a­li­za­ção de elei­ções pa­cí­fi­cas

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM

Nas du­as úl­ti­mas du­as dé­ca­das, mais de qua­tro mi­lhões de cri­an­ças per­de­ram pe­lo me­nos um dos pais na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go de­vi­do ao ci­clo con­ti­nu­a­do de vi­o­lên­cia, no­ti­ci­ou, on­tem, a agên­cia de no­tí­ci­as As­so­ci­a­ted Press (AP).

Se­gun­do a fon­te, que re­fe­re que mais de 26 mi­lhões de ór­fãos vi­vem no Áfri­ca Oci­den­tal e Cen­tral, on­de a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go es­tá si­tu­a­da, es­te é o se­gun­do maior nú­me­ro no mun­do de ór­fãos, a se­guir ao Sul da Ásia, co­mo re­fe­rem da­dos ofi­ci­ais das Na­ções Uni­das.

AAs­so­ci­a­ted Press re­fe­re que es­sas cri­an­ças cres­ce­ram no seio de con­fron­tos ali­men­ta­dos por con­fli­tos ét­ni­cos e pe­la lu­ta por re­cur­sos mi­ne­rais va­li­o­sos, que com a des­trui­ção des­tas fa­mí­li­as, ór­fãos são for­ça­dos a cui­dar de si pró­pri­os e dos seus ir­mãos mais no­vos, al­guns são vul­ne­rá­veis ao re­cru­ta­men­to por gru­pos ar­ma­dos e mui­tos en­fren­tam a ex­plo­ra­ção se­xu­al num país on­de a vi­o­la­ção se tor­nou co­mum.

“São os ór­fãos com uma his­tó­ria de vi­o­lên­cia des­de 1994. É uma ge­ra­ção de ví­ti­mas que con­ti­nua. E as cri­an­ças per­dem a sua his­tó­ria na vi­o­lên­cia”, la­men­tou Fran­cis­ca Ichim­paye, mo­ni­tor sé­ni­or do cen­tro “En Avant Les En­fants” Inu­ka.

Vi­o­lên­cia ét­ni­ca

A no­tí­cia da As­so­ci­a­ted Press foi di­vul­ga­da no mes­mo dia em que 34 ci­vis mor­re­ram du­ran­te um ata­que à al­deia de Luhan­ga, cen­tro da pro­vín­cia do Ki­vu do Nor­te, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te ha­bi­ta­da por hu­tus, por mi­lí­ci­as de et­nia nan­de na Re­pú­bli­ca

Cri­an­ças or­fãs for­ça­das a cui­dar de si e dos ir­mãos mais no­vos na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go es­tão vul­ne­rá­veis a gru­pos rebeldes

De­mo­crá­ti­ca do Con­go, se­gun­do um ba­lan­ço ofi­ci­al pro­vi­só­rio.O ad­mi­nis­tra­dor lo­cal dis­se que a al­deia foi ata­ca­da de ma­dru­ga­da por rebeldes mai-mai Ma­zem­be, gru­po de “au­to­de­fe­sa” Nan­de.

“Co­me­ça­ram a ata­car a po­si­ção das FARDC (For­ças Ar­ma­das con­go­le­sas). En­quan­to is­so, ou­tro gru­po exe­cu­tou a po­pu­la­ção com ar­mas bran­cas ou ba­las. Um dos ata­can­tes foi mor­to”, afir­mou. Es­te ata­que foi re­a­li­za­do de­pois de os mei­os de co­mu­ni­ca­ção con­go­le­ses no­ti­ci­a­rem que, só em Ou­tu­bro, de­ze­nas de pes­so­as mor­re­ram, cen­te­nas de con­go­le­ses fo­ram fe­ri­dos e mais de 150 es­co­las fo­ram in­cen­di­a­das na pro­vín­cia de Tan­ga­ni­ca, les­te da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, de­vi­do ao con­fli­to ét­ni­co en­tre ban­tus e pig­meus.

Há anos que a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go es­tá mer­gu­lha­da nu­ma lu­ta en­tre gru­pos rebeldes que es­pa­lham di­a­ri­a­men­te o ter­ror en­tre a po­pu­la­ção lo­cal, ape­sar dos es­for­ços do exér­ci­to e das for­ças da mis­são da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das no país (MONUSCO) pa­ra con­tro­lar a si­tu­a­ção.

Elei­ções cre­dí­veis

No fim-de-se­ma­na, o en­vi­a­do es­pe­ci­al da ONU pa­ra os Gran­des La­gos pe­diu às vá­ri­as par­tes do pro­ces­so elei­to­ral na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), pa­ra de­mons­tra­rem com­pro­mis­so e fle­xi­bi­li­da­de, por­que “to­dos pre­ci­sam es­tar pron­tos pa­ra aju­dar a re­a­li­zar elei­ções pa­cí­fi­cas” na­que­le país da Áfri­ca Cen­tral. Said Djin­nit fa­la­va no fi­nal de uma vi­si­ta de qua­tro di­as à RDC, na qual reu­niu com as au­to­ri­da­des con­go­le­sas, re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de ci­vil e ou­tras for­ças do país pa­ra, en­tre ou­tros as­sun­tos, sa­ber co­mo me­lhor apoi­ar os es­for­ços da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal Na­ci­o­nal do Con­go (Cen­co), que quer alar­gar o con­sen­so e a in­clu­são na cons­tru­ção do pro­ces­so po­lí­ti­co e elei­to­ral con­go­lês com ba­se no Acor­do Po­lí­ti­co Glo­bal, as­si­na­do em 18 de Ou­tu­bro.

Said Djin­nit tam­bém reu­niu-se com o pri­mei­ro-mi­nis­tro-de­sig­na­do Samy Ba­di­ban­ga e lem­brou que a RDC es­tá num mo­men­to de vi­ra­gem na sua his­tó­ria, ra­zão pe­la qual “to­dos de­vem aju­dar a pro­mo­ver elei­ções cre­dí­veis”.

Ao Go­ver­no e aos lí­de­res con­go­le­ses, exor­tou a apro­vei­ta­rem o ins­tan­te po­lí­ti­co “pa­ra cons­truir a con­fi­an­ça que con­du­za a ne­go­ci­a­ções exi­to­sas e pa­cí­fi­cas”. O en­vi­a­do es­pe­ci­al da ONU foi acom­pa­nha­do por mem­bros da Mis­são de Es­ta­bi­li­za­ção no Con­go e pe­lo en­vi­a­do do Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das na RDC, Ma­man Si­di­kou.

Na se­ma­na pas­sa­da, a ONU en­vi­ou à RDC o seu sub­se­cre­tá­rio-ge­ral pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos pa­ra pro­cu­rar so­lu­ções pa­ra que as elei­ções ge­rais ago­ra mar­ca­das pa­ra Abril de 2018 se­jam li­vres e jus­tas.

A RDC es­tá num pe­río­do de tran­si­ção po­lí­ti­ca, com um go­ver­no in­te­ri­no li­de­ra­do pe­lo pre­si­den­te ces­san­te, Jo­seph Ka­bi­la, e um pri­mei­ro-mi­nis­tro oriun­do da opo­si­ção, Samy Ba­di­ban­ga, des­ti­na­do a pre­pa­rar elei­ções ge­rais cre­dí­veis.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.