Con­tra­cep­ti­vo mas­cu­li­no é adi­a­do

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A ci­ên­cia es­te­ve qua­se a ter um an­ti­con­cep­ci­o­nal mas­cu­li­no de al­ta efi­cá­cia, mas pes­qui­sa­do­res re­sol­ve­ram in­ter­rom­per os tes­tes após seis por cen­to dos par­ti­ci­pan­tes re­la­ta­rem efei­tos co­la­te­rais “in­to­le­rá­veis” co­mo de­pres­são, al­te­ra­ção do hu­mor, dor mus­cu­lar, va­ri­a­ção da lí­bi­do e ac­ne.

A pes­qui­sa foi pu­bli­ca­da re­cen­te­men­te no pe­rió­di­co ci­en­tí­fi­co “Jour­nal of Cli­ni­cal En­do­cri­no­logy and Me­ta­bo­lism”.

O me­di­ca­men­to foi tes­ta­do em 320 ho­mens e era apli­ca­do por meio de uma in­jec­ção. De acor­do com os ci­en­tis­tas, a quan­ti­da­de de es­per­ma­to­zói­des caiu pa­ra me­nos de um mi­lhão por mi­li­li­tro, um ní­vel con­si­de­ra­do in­fér­til pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), e per­ma­ne­ceu as­sim após 24 se­ma­nas do iní­cio dos tes­tes em 274 par­ti­ci­pan­tes.

Ou se­ja, a efi­cá­cia do mé­to­do foi de 96 por cen­to em uti­li­za­do­res con­tí­nu­os. Um to­tal de 75 por cen­to dos vo­lun­tá­ri­os dis­se­ram que ado­ta­ri­am o mé­to­do se ele es­ti­ves­se dis­po­ní­vel co­mer­ci­al­men­te. Ape­sar dos bons re­sul­ta­dos, o es­tu­do foi in­ter­rom­pi­do com an­te­ce­dên­cia por ór­gãos fis­ca­li­za­do­res de­vi­do aos ris­cos que ofe­re­cia à saú­de.

“É ne­ces­sá­rio fa­zer mais pes­qui­sas pa­ra avan­çar es­se con­cei­to até ao pon­to que es­se mé­to­do con­tra­cep­ti­vo se­ja am­pla­men­te dis­po­ní­vel pa­ra os ho­mens.

Ape­sar das in­je­ções se­rem efi­ca­zes na re­du­za­ção das ta­xas de gra­vi­dez, a com­bi­na­ção de hor­mo­nas pre­ci­sa de ser es­tu­da­da pa­ra se con­se­guir um avan­ço en­tre o equi­lí­brio de efi­cá­cia e se­gu­ran­ça”, afir­mou Ma­rio Phi­lip Reyes Fes­tin, mem­bro do de­par­ta­men­to de pes­qui­sas em re­pro­du­ção hu­ma­na da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) e um dos au­to­res do es­tu­do à pu­bli­ca­ção do En­do­cri­ne So­ci­ety, uma or­ga­ni­za­ção in­ter­na­ci­o­nal de en­do­cri­no­lo­gia.

Os an­ti­con­cep­ci­o­nais fe­mi­ni­nos tam­bém es­tão na mi­ra da co­mu­ni­da­de mé­di­ca e ge­ram con­tro­vér­sia.

Um es­tu­do pu­bli­ca­do em maio de 2016, na re­vis­ta es­pe­ci­a­li­za­da “The BMJ To­day”, mos­tra que as pí­lu­las an­ti­con­cep­ci­o­nais mais re­cen­tes têm um ris­co au­men­ta­do de aci­den­tes de­vi­do à trom­bo­se ve­no­sa.

Con­du­zi­da por pes­qui­sa­do­res bri­tâ­ni­cos, o es­tu­do ates­ta que as mu­lhe­res que to­mam con­tra­cep­ti­vos orais com­bi­na­dos que con­têm dros­pi­re­no­na, de­so­ges­trel, ges­to­de­no e ci­pro­te­ro­na têm um ris­co de trom­bo­se ve­no­sa qua­dru­pli­ca­do em re­la­ção àque­las que não to­mam pí­lu­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.