Fãs fa­zem de Edu­ar­do Paim ma­re­chal da ki­zom­ba

Jornal de Angola - - CULTURA - HONORATO SIL­VA |

A fes­ta dos “40 anos de car­rei­ra” de Edu­ar­do Paim, re­a­li­za­da sex­ta-fei­ra à noi­te no Cen­tro de Con­fe­rên­ci­as de Be­las (CCB), em Lu­an­da, com o se­lo do Show do Mês da No­va Ener­gia, cul­mi­nou num ver­da­dei­ro encontro de exal­ta­ção da an­go­la­ni­da­de. Des­de os fãs que ele­va­ram o en­tão Ge­ne­ral Kam­bu­en­go a Ma­re­chal do “exér­ci­to” im­pul­si­o­na­dor da ki­zom­ba, à de­mons­tra­ção de hu­mil­da­de de Ru­ca Van-Dúnem, sem per­der de vis­ta a no­ta­da pre­sen­ça de Isaías Sa­ma­ku­va, pre­si­den­te da Unita.

Cum­prir ho­rá­ri­os é a ima­gem de mar­ca da pro­mo­to­ra de even­tos cul­tu­rais que tem so­ma­do pon­tos pe­la qua­li­da­de dos es­pec­tá­cu­los. Pon­tu­al­men­te às 21h00, o ra­di­a­lis­ta Sa­lú Gon­çal­ves, mes­tre de ce­ri­mó­nia do con­cei­tu­a­do “du­as noi­tes, um show”, sau­dou os pre­sen­tes no gran­de an­fi­te­a­tro, ain­da meio cheio, e or­de­nou o cor­rer das cor­ti­nas. “Se­nho­ras e se­nho­res, pa­ra os vos­sos aplau­sos, Edu­ar­do Paim!”

Fez-se si­lên­cio, in­ter­rom­pi­do pou­co tem­po de­pois pe­lo ron­car de três po­ten­tes motores. Aca­ba­va de che­gar o gran­de ho­me­na­ge­a­do da noi­te, mon­ta­do nu­ma mo­to de al­ta ci­lin­dra­da, uma das su­as gran­des pai­xões pa­ra além da mú­si­ca, e es­col­ta­do por dois mem­bros dos “Ami­gos da Pi­ca­da”, or­ga­ni­za­ção an­go­la­na de mo­ta­res.

Benny, no te­cla­do, e Snack Sney Mayó, no pi­a­no, pu­xa­ram os pri­mei­ros acor­des da noi­te, pron­ta­men­te acom­pa­nha­dos por Pau­lo Rymy (ba­te­ria), Yas­ma­ne San­tos (per­cus­são), Pas­co­al (gui­tar­ra), Moyó Bass (bai­xo), Chico San­tos (con­gas), Ado­nis La­na (sa­xo­fo­ne), Rai­del Or­tiz (trom­pe­te), Lá­za­ro Gut­ter­rez (trom­bo­ne), Inês Vi­ei­ra, Ag­nes Ne­to e En­ri­que (sec­ção de cor­das). Es­ta­va em mar­cha a vi­a­gem pe­lo his­to­ri­al de um mú­si­co que te­ve a ou­sa­dia de con­tra­ri­ar as ten­dên­ci­as do­mi­nan­tes das dé­ca­das de 80 e 90, com uma mú­si­ca “mes­ti­ça”, pe­la va­ri­e­da­de de es­ti­los fun­di­dos ao “sem­ba”, as­su­mi­do co­mo tra­ve-mes­tra da fe­bre que vi­rou ban­dei­ra de An­go­la na Eu­ro­pa, Amé­ri­ca e Ásia. A sa­la do CCB en­cheu-se de mú­si­ca, “Ma­ra­vi­lha de Ilha” foi a pro­pos­ta de aber­tu­ra de Edu­ar­do Paim: “Do­min­go na Ilha/bate o sol e o cor­po fer­vi­lha/sa­be bem ti­rar a far­pe­la/mer­gu­lhar nes­ta praia be­la/ver as qui­tan­dei­ras/à es­pe­ra dos pes­ca­do­res/e os miú­dos nas brin­ca­dei­ras/ga­bi­rús pro­cu­ran­do amo­res...” No mes­mo tim­bre de voz de há qua­se três dé­ca­das, Ma­re­chal Kam­bu­en­go co­lo­cou em evi­dên­cia os tra­ços iden­ti­tá­ri­os da sua po­e­sia, cu­ja tex­tu­ra é do­mi­na­da por ver­sos com ri­mas em­pa­re­lha­das, ten­do sem­pre no cen­tro, ou quan­do va­ria co­mo pa­no de fun­do, a be­le­za fe­mi­ni­na, que du­ran­te mui­to tem­po foi no sen­ti­do de exal­tar a mu­lher an­go­la­na, pois ago­ra nu­ma di­men­são mais uni­ver­sal, es­ten­de o ca­ri­nho a “mu­sas” dou­tras la­ti­tu­des.

“Co­mo ela só tem ela”, te­ma pro­mo­ci­o­nal do seu pró­xi­mo dis­co, é pro­va dis­so. “...des­per­ta­do­ra de pai­xões/até já é te­ma de can­ções/Nga­na Nzam­bi foi bué fe­liz/ca­pri­cho-a da flor à raiz/quan­do fa­la pa­re­ce que can­ta/o can­to da ki­an­da que en­can­ta...” Mas a noi­te era de re­cor­da­ções. “Mi­nha Da­li­la”, “Chi­qui­ti­ta”/”Mi­nha vi­zi­nha/Ai se te agar­ro” (rap­só­dia) fo­ram os te­mas in­ter­pre­ta­dos a se­guir, com co­ros de Ana Ya­di­ra Ca­bañas, Nei­de e Madalena. Por ser sex­ta-fei­ra e a fa­mí­lia es­tar fi­nal­men­te com­ple­ta, de­pois da che­ga­da dos atra­sa­dos, “Pra nguen­da” deu as bo­as-vin­das ao fim-de-se­ma­na, uma vez li­vres, sá­ba­do e do­min­go, das exi­gên­ci­as do “che­fe cha­to”.

Pa­ra bai­xar um pou­co adre­na­li­na, a ban­da co­lo­cou no pra­to “Per­dão” e “Es­sa mu­la­ta”, an­tes do gran­de mo­men­to da noi­te, a ver­da­dei­ra co­ro­a­ção do “pai da ki­zom­ba”. Ru­ca VanDú­nem, no­me mui­to co­nhe­ci­do no cam­po ar­tís­ti­co, mas que pou­cos as­so­ci­am à pes­soa res­guar­da­da que é, su­biu ao pal­co de­bai­xo de uma gran­de ova­ção da pla­teia, so­bre­tu­do dos que vi­ve­ram no iní­cio dos anos 90 o mo­vi­men­to “Sem ki­gi­la”.

Num dis­cur­so cui­da­do, o pro­gra­ma­dor/te­cla­dis­ta des­vi­a­do da mú­si­ca pe­la en­ge­nha­ria me­câ­ni­ca, con­tou co­mo co­nhe­ceu o ído­lo, na fa­mo­sa CT1 da Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la, on­de o so­no­plas­ta Fer­rei­ra Mar­ques cap­ta­va o que Edu­ar­do Paim in­ven­ta­va de vá­ri­os ins­tru­men­tos mu­si­cais, is­so a par­tir de 1984/85. Após con­tar o re­en­con­tro em Lis­boa, a his­tó­ria do nas­ci­men­to do pri­mei­ro dis­co, Ru­ca VanDú­nem, em­pre­sá­rio bem-su­ce­di­do, dis­se: “Ele é o meu mes­tre. O meu pro­fes­sor. Uma pes­soa que não é in­ve­jo­sa e es­tá sem­pre pron­ta a aju­dar o pró­xi­mo. Eu me vou ajo­e­lhar e bei­jar-te a mão!”

“Som da ban­da”, “Car­ti­nha da sau­da­de” e “Maye maye”, com Ja­cin­to Tchi­pa, a re­cor­dar uma ve­lha ami­za­de, e “Foi aqui” pre­pa­ram o am­bi­en­te pa­ra Yo­la Se­me­do, a es­tre­la do Show do Mês da pró­xi­ma sex­ta-fei­ra e sá­ba­do no Royal Pla­za Ho­tel, em Ta­la­to­na, tra­zer de vol­ta Dady Ro­dri­gues, a mo­çam­bi­ca­na que ce­le­bri­zou o te­ma “É tão bom”.

Ra­di­an­te, o do­no da noi­te re­gres­sou ao pal­co, já de cal­ções, e can­tou “Cur­tir Lis­boa” e “O que so­nhei”, uma fan­ta­sia de cri­an­ça a an­te­ci­par na ima­gi­na­ção um país sem guer­ra. Ri­car­do Abreu, ou­tra fi­gu­ra do sec­tor fi­nan­cei­ro com pas­sa­gem mar­can­te pe­la mú­si­ca, foi em so­cor­ro do ami­go e com­pa­dre Ru­ca Van-Dúnem.

Co­mo se ti­ves­se en­sai­a­do, o pú­bli­co acom­pa­nhou o “can­tor oca­si­o­nal” da voz gu­tu­ral no “Ma­nhã de do­min­go”, mú­si­ca que mar­cou ado­les­cen­tes e jo­vens do iní­cio da de­mo­cra­cia: “...sol a ba­ter for­te nos te­lha­dos/le­van­ta uma nu­vem de pó/per­gun­tam os mais ve­lhos/o que é is­so?/al­guém res­pon­de/é o po­vo/a des­cer a Mar­gi­nal/a trans­bor­dar/de ale­gria/por cau­sa do sol bem for­te/que o le­va até à Ilha...”

No fi­nal lan­çou um enig­ma, ao di­zer que “era pa­ra ser nós to­dos”, dei­xan­do no ar a pos­si­bi­li­da­de de re­en­con­tro da gran­de fa­mí­lia “Sem ki­gi­la”, in­te­gra­da ain­da por Pau­lo Flo­res, Fer­nan­do Quin­tal, Lu­an­di­no Car­va­lho e Ma­ni­nho “Slow” Tei­xei­ra (bai­xo).

A noi­te foi trans­for­ma­da num mo­men­to de exal­ta­ção da an­go­la­ni­da­de, quan­do Edu­ar­do Paim agra­de­ceu a pre­sen­ça na sa­la de Isaías Sa­ma­ku­va, a pro­var que o país re­al não é o pin­ta­do na im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal.

“São sau­da­des” (Maya Co­ol), “Ro­sa bai­la”, “Quan­do fui a Ben­gue­la” e “Kan­den­gue” na voz de Qu­en­tal, com pe­di­do de bis, “Co­ra­ção par­ti­do”, “Lu­an­da, mi­nha ban­da”/”Zam­bi za”/”Do kai­aia” (rap­só­dia), “Re­te” (Je­an Philippe Marthely) e “Car­na­val” (SOS) fe­cha­ram o úl­ti­mo blo­co do es­pec­tá­cu­lo com mais de três ho­ras de du­ra­ção. A Cu­ca as­so­ci­ou-se à fes­ta, ao fa­zer uma ro­tu­la­gem es­pe­ci­al das gar­ra­fas em ho­me­na­gem a Ma­re­chal Kam­bu­en­go, que não se es­que­ceu de Fi­li­pe Zau, le­tris­ta de al­gu­mas can­ções por si mu­si­ca­das.

KINDALA MA­NU­EL

Can­tor e com­po­si­tor Edu­ar­do Paim ce­le­brou qua­tro dé­ca­das de car­rei­ra em apo­te­o­se

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.