De­so­be­di­ên­cia à or­dem po­de cau­sar pro­ble­mas

Jornal de Angola - - CULTURA -

A ten­ta­ti­va de Lewis Ha­mil­ton cri­ar con­di­ções pa­ra po­der che­gar ao tí­tu­lo mun­di­al dei­xou os res­pon­sá­veis da Mer­ce­des com­ple­ta­men­te em pé de guer­ra e a sua ati­tu­de po­de vol­tar-se con­tra si. O tri­cam­peão do mun­do de F1 de­sa­fi­ou as or­dens que lhe vi­nham do mu­ro das bo­xes e, na fren­te da cor­ri­da, re­du­ziu o rit­mo de mo­do a que os pi­lo­tos atrás de Ni­co Ros­berg, que era se­gun­do clas­si­fi­ca­do, se pu­des­sem apro­xi­mar de­le e des­sa for­ma pas­sá­lo, o que Ha­mil­ton pre­ci­sa­va pa­ra ain­da po­der as­pi­rar a ser campeão. Paddy Lowe e To­to Wolff já mos­tra­ram o seu de­sa­gra­do com a si­tu­a­ção, que era pou­co me­nos que inevitável, pois a Mer­ce­des não po­de ser in­gé­nua ao pon­to de achar que o in­glês não iria ex­plo­rar ao má­xi­mo as su­as hi­pó­te­ses de ser campeão.

Mas fi­nal o que acon­te­ceu? Ni­co Ros­berg par­tiu pa­ra es­ta cor­ri­da com 12 pon­tos de avan­ço. Pa­ra Lewis Ha­mil­ton che­gar ao tí­tu­lo, pre­ci­sa­va de dois car­ros en­tre o seu lu­gar de lí­der, que con­se­guiu, e Ros­berg, que não po­de­ria fi­car no pó­dio. Por is­so, Ha­mil­ton, que não ti­nha con­tro­lo so­bre o que Ros­berg pu­des­se fa­zer, foi man­ten­do o mais pos­sí­vel o pe­lo­tão da fren­te jun­to, pois com car­ros per­to de Ros­berg, as pos­si­bi­li­da­des de es­te ser pas­sa­do exis­ti­am sem­pre. Se du­ran­te a cor­ri­da, a mar­gem de Ros­berg pa­ra os seus per­se­gui­do­res va­ri­ou mui­to, já mais pa­ra o fi­nal, Ha­mil­ton re­du­ziu de­cla­ra­da­men­te o an­da­men­to e per­mi­tiu a Vet­tel e a Vers­tap­pen che­ga­rem aos ‘es­ca­pes’ do Mer­ce­des nº6. Foi aqui que os res­pon­sá­veis da Mer­ce­des ins­truí­ram Ha­mil­ton a au­men­tar o rit­mo, pois o que ele es­ta­va a fa­zer era cri­ar con­di­ções pa­ra a Mer­ce­des, even­tu­al­men­te, per­der a cor­ri­da. Is­to era o pon­to de vis­ta de To­to Wolff e de Paddy Lowe, mas Ha­mil­ton te­ve sem­pre tu­do de­bai­xo de con­tro­lo e is­so só dei­xa­ria de es­tar ca­so Vet­tel pas­sas­se Ros­berg, pois aí o triunfo da Mer­ce­des fi­ca­va mes­mo em xeque, já que com o DRS não era mui­to di­fí­cil Vet­tel pas­sar tam­bém Ha­mil­ton.

Só que a cor­ri­da che­gou ao fim. Vet­tel re­ve­lou no fi­nal que nem se­quer con­se­guiu pas­sar Ros­berg por­que es­te tam­bém apro­vei­ta­va bem o ‘re­bo­que’ de Ha­mil­ton e abria o DRS. Ago­ra, os ho­mens da Mer­ce­des es­tão “pi­or que es­tra­ga­dos” com Ha­mil­ton e já se fa­la em cas­ti­go exem­plar ou mes­mo des­pe­di­men­to. Ago­ra res­ta per­ce­ber o que vai acon­te­cer. O que su­ce­deu aca­ba por ser na­tu­ral, ain­da mais quan­do se es­tá a lu­tar por um tí­tu­lo mun­di­al. A equi­pa es­tá a ten­tar fa­zer per­ce­ber que es­tá aci­ma do pi­lo­to, mas es­te ‘de­sa­fi­ou’ a pró­pria equi­pa. O que vai acon­te­cer ain­da não sa­be­mos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.