CABOS DE AL­TA PRES­SÃO PA­RA APOIO ÀS EM­PRE­SAS PETROLÍFERAS Inau­gu­ra­da fá­bri­ca de um­bi­li­cais

Jornal de Angola - - CULTURA - EDIVALDO CRIS­TÓ­VÃO

A pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol inau­gu­rou on­tem no Lo­bi­to a se­gun­da fa­se da úni­ca fá­bri­ca de um­bi­li­cais (cabos de al­ta pres­são) em Áfri­ca, que ser­ve de apoio às em­pre­sas petrolíferas e vai re­du­zir os cus­tos de pro­du­ção do pe­tró­leo no país e ou­tras re­giões do con­ti­nen­te.

O in­ves­ti­men­to da fá­bri­ca es­tá ava­li­a­do em 42 mi­lhões de dó­la­res, sen­do uma par­ce­ria en­tre a So­nan­gol, An­go­flex e Te­ch­nip As­so­ci­a­ti­on. Cons­truí­da nu­ma área de 53.200 me­tros qua­dra­dos, tem dois car­ros­séis com ca­pa­ci­da­de de ar­ma­ze­nar 2.500 to­ne­la­das ca­da.

Isa­bel dos San­tos afir­mou que es­te in­ves­ti­men­to vai re­du­zir sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te os cus­tos de pro­du­ção do pe­tró­leo e per­mi­te tam­bém ter um bar­ril mais ba­ra­to no mer­ca­do na­ci­o­nal.

“Es­ta­mos sa­tis­fei­tos com es­te pro­jec­to. É uma re­fe­rên­cia em Áfri­ca, tem uma ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir um­bi­li­cais até 27 qui­ló­me­tros de com­pri­men­to, que per­mi­te re­vo­lu­ci­o­nar to­dos os cam­pos que es­tão em ex­plo­ra­ção, não só em An­go­la co­mo tam­bém no Gol­fo da Gui­né e em paí­ses pro­du­to­res de pe­tró­leo co­mo a Ni­gé­ria. Te­mos um pro­du­to pa­ra ex­por­ta­ção, que vai dar aces­so a di­vi­sas e a no­vos mer­ca­dos”, dis­se.

A in­dús­tria petrolífera es­tá num pe­río­do di­fí­cil com a des­ci­da do pre­ço do pe­tró­leo, re­fe­riu, o que sig­ni­fi­ca que a ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­tos es­tá re­du­zi­da, mas apon­tou que an­tes da cri­se mui­tos pro­jec­tos já es­ta­vam em cur­so, e com ba­se nes­tes in­ves­ti­men­tos, “ago­ra só te­mos de ren­ta­bi­li­zar, in­ves­tir na pro­du­ção in­ter­na e pro­cu­rar ex­por­tar”.

A fá­bri­ca vai ser­vir tam­bém pa­ra os ope­ra­do­res in­ter­na­ci­o­nais que tra­ba­lham no país, uma vez que já exis­te uma gran­de pro­cu­ra do pro­du­to da fá­bri­ca de um­bi­li­cais.

A vi­são es­tra­té­gi­ca pa­ra ex­pan­são da Fá­bri­ca de Um­bi­li­cais do Lo­bi­to sur­giu em 2011, com o ob­jec­ti­vo de de­sen­vol­ver os cam­pos pe­tro­lí­fe­ros do país, fun­da­men­tal­men­te, em águas pro­fun­das e ul­tra­pro­fun­das, au­men­tan­do as­sim a sua ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de um­bi­li­cais de 100 qui­ló­me­tros pa­ra 200 qui­ló­me­tros por ano.

Cri­a­da em 2002, a An­go­flex Lda é uma em­pre­sa pres­ta­do­ra de ser­vi­ços no ra­mo pe­tro­lí­fe­ro. Tem co­mo do­mí­nio a fa­bri­ca­ção de tu­bos rí­gi­dos, de es­tru­tu­ras sub­ma­ri­nas e ser­vi­ços lo­gís­ti­cos na ba­se do Dan­de e a fa­bri­ca­ção de um­bi­li­cais de tu­bo de aço no Lo­bi­to. A em­pre­sa tem um to­tal de 425 tra­ba­lha­do­res, dos quais 206 efec­ti­vos e 119 co­la­bo­ra­do­res. Nos úl­ti­mos anos, fez um gran­de in­ves­ti­men­to na for­ma­ção dos seus qua­dros, o que per­mi­tiu al­can­çar um ní­vel de 100 por cen­to de tra­ba­lha­do­res na­ci­o­nais.

A fá­bri­ca, des­de a sua cri­a­ção em 2003, tem pro­du­zi­do pa­ra as ope­ra­do­ras mais pre­sen­tes no mer­ca­do pe­tro­lí­fe­ro an­go­la­no, co­mo a TO­TAL, BP, Che­vron, EXXON, ENI e a So­nan­gol.

Os rebeldes sí­ri­os re­cu­am no les­te de Ale­po, de­pois de te­rem per­di­do cer­ca de um ter­ço do ter­ri­tó­rio nas úl­ti­mas 48 ho­ras. O exér­ci­to sí­rio afir­mou on­tem ter re­to­ma­do o con­tro­lo so­bre o nor­des­te da ci­da­de, de­pois de ter avan­ça­do so­bre o bair­ro de al-Sakhour. A in­for­ma­ção foi con­fir­ma­da pe­lo Ob­ser­va­tó­rio Sí­rio dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, que evo­ca “a maior der­ro­ta pa­ra a opo­si­ção em Ale­po des­de 2012”. Com o avan­ço a nor­te, os mi­li­ta­res pre­ten­dem di­vi­dir a zo­na con­tro­la­da pe­los rebeldes, com mi­lha­res de pes­so­as a fu­gi­rem pa­ra sul.

KINDALA MA­NU­EL

Pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol (ao cen­tro) du­ran­te a inau­gu­ra­ção da úni­ca fá­bri­ca de um­bi­li­cais de Áfri­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.