Paz e es­ta­bi­li­da­de na RCA são ana­li­sa­das em ci­mei­ra

MI­NIS­TRO DAS RE­LA­ÇÕES EX­TE­RI­O­RES RE­PRE­SEN­TA CHE­FE DE ES­TA­DO NO GA­BÃO De­cla­ra­ções de Ge­or­ges Chi­ko­ti à mar­gem da ce­ri­mó­nia de acre­di­ta­ção de em­bai­xa­do­res

Jornal de Angola - - PARTADA - CÂNDIDO BESSA |

A se­gu­ran­ça e es­ta­bi­li­da­de da República Cen­tro Afri­ca­na (RCA) é ho­je ava­li­a­da nu­ma ci­mei­ra a de­cor­rer em Li­bre­vil­le, Ga­bão, na qual o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ge­or­ges Chi­ko­ti, re­pre­sen­ta o Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, na qua­li­da­de de Pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal da Re­gião dos Gran­des La­gos (CIRGL).Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa após a ce­ri­mó­nia de acre­di­ta­ção, pe­lo Pre­si­den­te da República, dos em­bai­xa­do­res da Tai­lân­dia, Es­lo­vá­quia, Ca­na­dá, Mau­rí­ci­as, Geór­gia e Irão, Ge­or­ges Chi­ko­ti afir­mou que a pre­sen­ça de An­go­la mos­tra o em­pe­nho em apoi­ar o pro­ces­so de con­so­li­da­ção da paz e es­ta­bi­li­da­de em cur­so e tra­duz o en­ga­ja­men­to em acom­pa­nhar a apli­ca­ção do Plano Na­ci­o­nal para a Paz e Re­cons­tru­ção para aque­le país.

A se­gu­ran­ça e es­ta­bi­li­da­de da República Cen­tro Afri­ca­na é ho­je ava­li­a­da nu­ma ci­mei­ra a de­cor­rer em Li­bre­vil­le, Ga­bão, na qual o mi­nis­tro Ge­or­ges Chi­ko­ti re­pre­sen­ta o Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, na qua­li­da­de de Pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal da Re­gião dos Gran­des La­gos.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa após a ce­ri­mó­nia de acre­di­ta­ção, pe­lo Pre­si­den­te da República, dos em­bai­xa­do­res da Tai­lân­dia, Es­lo­vá­quia, Ca­na­dá, Mau­rí­ci­as, Geór­gia e

Irão, Ge­or­ges Chi­ko­ti afir­mou que a pre­sen­ça de An­go­la mos­tra o em­pe­nho em apoi­ar o pro­ces­so de con­so­li­da­ção da paz e es­ta­bi­li­da­de em cur­so e tra­duz o en­ga­ja­men­to em acom­pa­nhar a apli­ca­ção do Plano Na­ci­o­nal para a Paz e Re­cons­tru­ção para aque­le país.

O Pre­si­den­te da República Cen­tro Afri­ca­na es­te­ve em Lu­an­da no prin­cí­pio des­te mês e afir­mou mes­mo que An­go­la ser­ve de mo­de­lo para o seu país, pe­la for­ma co­mo sou­be mos­trar ao mun­do a von­ta­de do seu po­vo em vi­rar a pá­gi­na de um pas­sa­do som­brio e para ser o que é ho­je: “um gi­gan­te ad­mi­ra­do, co­bi­ça­do e ao mes­mo tempo res­pei­ta­do por to­da a gen­te”.

Elei­to em Fe­ve­rei­ro des­te ano, em elei­ções que mar­ca­ram o fim de um lon­go pro­ces­so de tran­si­ção po­lí­ti­ca, Tou­a­dé­ra ad­mi­tiu que a si­tu­a­ção na RCA “ain­da é frá­gil”, mas que vi­ve ul­ti­ma­men­te al­gu­ma tran­qui­li­da­de gra­ças a uma “vas­ta efu­são de so­li­da­ri­e­da­de”, que en­vol­veu or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais e re­gi­o­nais e par­cei­ros bi­la­te­rais co­mo An­go­la.

Em vi­si­ta ofi­ci­al a An­go­la, a pri­mei­ra des­de que as­su­miu o car­go, Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra con­si­de­rou a oca­sião so­be­ra­na para ex­pres­sar “pes­so­al­men­te” a sua gra­ti­dão pe­lo apoio “mul­ti­fa­ce­ta­do e di­ver­si­fi­ca­do” dis­po­ni­bi­li­za­do pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o seu Go­ver­no e os an­go­la­nos de um mo­do ge­ral, para que a RCA con­se­guis­se dar sequên­cia à tran­si­ção e se­guis­se em fren­te. A ci­mei­ra de Li­bre­vil­le re­a­li­za-se se­ma­na e meia após uma no­va on­da de vi­o­lên­cia ter dei­xa­do um saldo de 85 pes­so­as as­sas­si­na­das, 76 fe­ri­das e qua­se 11 mil pes­so­as a dei­xa­rem a ci­da­de de Bria. O conselheiro es­pe­ci­al da ONU para Pre­ven­ção do Ge­no­cí­dio, Ada­ma Di­eng, afir­mou que os ci­vis es­tão a ser al­vo de­vi­do à sua et­nia ou re­li­gião. Ho­mens ar­ma­dos fa­zem bus­cas nas ca­sas, ma­tam, rou­bam e se­ques­tram os re­si­den­tes. Os sol­da­dos de paz da Mis­são da ONU na República Cen­tro Afri­ca­na, Mi­nus­ca, fo­ram en­vi­a­dos a Bria para con­tro­lar o hos­pi­tal e pro­te­ger os ci­vis. O pró­prio re­pre­sen­tan­te do se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU para a RCA vi­a­jou para a área na quin­ta­fei­ra e fez um ape­lo ao fim ime­di­a­to da vi­o­lên­cia.

A vi­o­lên­cia eclo­diu nu­ma al­tu­ra em que o país es­tá em­pe­nha­do na con­cre­ti­za­ção do Plano Na­ci­o­nal de Paz e Re­cons­tru­ção que tem co­mo ob­jec­ti­vos o for­ta­le­ci­men­to do Es­ta­do, nor­ma­li­za­ção da vi­da pú­bli­ca, ga­ran­tia da es­ta­bi­li­da­de so­ci­al, re­cons­tru­ção eco­nó­mi­ca e com­ba­te à po­bre­za.

A República Cen­tro Afri­ca­na con­se­guiu, atra­vés de uma con­fe­rên­cia de do­a­do­res re­a­li­za­da há du­as se­ma­nas em Bru­xe­las, ar­re­ca­dar 2,9 mil mi­lhões de dó­la­res para o ar­ran­que da re­cons­tru­ção e do de­sen­vol­vi­men­to do país. O mon­tan­te su­pe­ra o di­nhei­ro con­se­gui­do em con­fe­rên­ci­as de 2014, que an­ga­ri­a­ram 496 mi­lhões de dó­la­res, e de 2015, com 280 mi­lhões de dó­la­res.

O mi­nis­tro Ge­or­ges Chi­ko­ti, que es­te­ve pre­sen­te na con­fe­rên­cia, afir­mou que An­go­la se so­li­da­ri­za com a República Cen­tro Afri­ca­na e apoia o pro­ces­so de con­so­li­da­ção da paz e es­ta­bi­li­da­de em cur­so. “Po­de­mos jun­tos con­tri­buir para trans­for­mar a RCA num ca­so de su­ces­so com­bi­na­do e par­ti­lha­do com to­dos os ami­gos e par­cei­ros”, dis­se o mi­nis­tro, para acres­cen­tar: “de­ve­mos, com as nos­sas ac­ções, com­ple­men­tar os es­for­ços in­ter­nos do Go­ver­no da RCA, ten­den­tes a cri­ar as con­di­ções de se­gu­ran­ça e es­ta­bi­li­da­de, de re­a­li­za­ção de im­por­tan­tes in­ves­ti­men­tos e de na­tu­re­za fi­nan­cei­ra, co­mo no ca­pi­tal hu­ma­no e no acom­pa­nha­men­to de to­da a apli­ca­ção do seu pro­gra­ma.”

O mi­nis­tro afir­mou que a República Cen­tro Afri­ca­na vi­ve ho­je um no­vo ci­clo po­lí­ti­co cu­ja vi­são es­tra­té­gi­ca, es­pe­lha­da no Plano Na­ci­o­nal de Paz e Re­cons­tru­ção apre­sen­ta­do, fo­ca no for­ta­le­ci­men­to do Es­ta­do, nor­ma­li­za­ção da vi­da pú­bli­ca, ga­ran­tia da es­ta­bi­li­da­de so­ci­al, re­cons­tru­ção eco­nó­mi­ca e com­ba­te à po­bre­za. “Os ga­nhos al­can­ça­dos até aqui, mes­mo im­por­tan­tes, são ain­da re­la­ti­vos. O pro­ces­so de de­sar­ma­men­to, des­mo­bi­li­za­ção e rein­ser­ção deve ser um fac­to para que a união e a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal se tor­nem efec­ti­vas e se­jam o pó­lo de con­ver­gên­cia de to­dos os ac­to­res po­lí­ti­cos, vi­san­do con­so­li­dar a pla­ta­for­ma de­mo­crá­ti­ca, na qual to­dos po­de­rão li­vre­men­te ex­pres­sar as su­as idei­as e de­fen­der os seus le­gí­ti­mos in­te­res­ses”, en­fa­ti­zou.

Ge­or­ges Chi­ko­ti afir­mou que as con­di­ções de vi­da da mai­o­ria da po­pu­la­ção cen­tro-afri­ca­na são di­fí­ceis, par­ti­cu­lar­men­te nas zo­nas ru­rais e na pe­ri­fe­ria dos cen­tros ur­ba­nos, con­si­de­ran­do que são, na sua gran­de par­te, pe­que­nos cam­po­ne­ses, de­sem­pre­ga­dos, jo­vens que não en­con­tram tra­ba­lho, re­for­ma­dos e ido­sos sem re­cur­sos.

Diplomacia ac­tu­an­te

O mi­nis­tro Ge­or­ges Chi­ko­ti afir­mou que a acre­di­ta­ção de 18 em­bai­xa­do­res pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos em ape­nas três dias mos­tra o di­na­mis­mo e o re­co­nhe­ci­men­to de An­go­la na pre­si­dên­cia da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal da Re­gião dos Gran­des La­gos e co­mo mem­bro não per­ma­nen­te do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das.

As ce­ri­mó­ni­as co­me­ça­ram na sex­ta-fei­ra com a acre­di­ta­ção do no­vo re­pre­sen­tan­te da União Eu­ro­peia, To­mas Ulicnk, e os em­bai­xa­do­res do Su­dão, dos Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos, da Fran­ça e do Egip­to.

Na se­gun­da-fei­ra, en­tre­ga­ram as car­tas cre­den­ci­ais os em­bai­xa­do­res de Is­ra­el, do Bra­sil, Mar­ro­cos, Ará­bia Sau­di­ta, Ban­gla­desh e Sri Lan­ka, os três úl­ti­mos com o es­ta­tu­to de não re­si­den­tes. On­tem, os acre­di­ta­dos fo­ram Por­chai Dan­vi­vatha­na, da Tai­lân­dia, Monica To­ma­so­vi­co­va, da Es­lo­vá­quia, Ku­mar Gup­ta, do Ca­na­dá, Je­an Pi­er­re Juhu­mun, das Mau­rí­ci­as, Be­ka Dva­li, da Ge­or­gia, e Moh­sen Mo­vahe­di Gho­mi, do Irão. To­dos são não re­si­den­tes.

ROGÉRIO TUTI

Mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res re­pre­sen­ta o Che­fe de Es­ta­do na Ci­mei­ra de Li­bre­vil­le

ROGÉRIO TUTI

Di­plo­ma­ta ira­ni­a­no foi um dos seis em­bai­xa­do­res acre­di­ta­dos on­tem pe­lo Pre­si­den­te da República Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.