Mis­são na Itá­lia pro­cu­ra li­qui­dez

GO­VER­NA­DOR EM VI­SI­TA À ITÁ­LIA Val­ter Fi­li­pe garante de­ter­mi­na­ção no com­ba­te ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) es­tá em­pe­nha­do em for­ta­le­cer as re­la­ções com os ban­cos cor­res­pon­den­tes eu­ro­peus para a cri­a­ção de con­di­ções e fa­ci­li­da­des de en­tra­da de li­qui­dez, atra­vés de ope­ra­ções de fi­nan­ci­a­men­to aos ban­cos co­mer­ci­ais e às em­pre­sas an­go­la­nas. Em vi­si­ta à Itá­lia, des­de sá­ba­do, o go­ver­na­dor do Ban­co Cen­tral, Val­ter Fi­li­pe, ga­ran­tiu que o BNA es­tá em­pe­nha­do em es­tan­car a fu­ga de di­vi­sas e im­por a éti­ca no sis­te­ma fi­nan­cei­ro.

O Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) es­tá em­pe­nha­do em for­ta­le­cer as re­la­ções com os ban­cos cor­res­pon­den­tes eu­ro­peus para a cri­a­ção de con­di­ções e fa­ci­li­da­des de en­tra­da de li­qui­dez, atra­vés de ope­ra­ções de fi­nan­ci­a­men­to aos ban­cos co­mer­ci­ais e às em­pre­sas an­go­la­nas.

Em vi­si­ta à Itá­lia, des­de sá­ba­do, o go­ver­na­dor do BNA, Val­ter Fi­li­pe, re­a­li­za en­con­tros com o go­ver­na­dor da Ban­ca Ita­lia, Ig­na­zio Vis­co, e com o de­le­ga­do do Ban­co Uni­cre­dit, Gui­do Mun­zi, o se­gun­do mai­or ban­co pri­va­do ita­li­a­no.

Vál­ter Fi­li­pe ga­ran­tiu, num en­con­tro com em­pre­sá­ri­os ita­li­a­nos na se­de da Agência para a Pro­mo­ção no Ex­te­ri­or e a In­ter­na­ci­o­na­li­za­ção das Em­pre­sas Ita­li­a­nas (ICE), que o BNA es­tá em­pe­nha­do em com­ba­ter e su­pe­rar o bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, bem co­mo es­tan­car a fu­ga de di­vi­sas e im­por a éti­ca no sis­te­ma fi­nan­cei­ro do país.

Vál­ter Fi­li­pe re­fe­riu que o BNA tra­ba­lhou na me­lho­ria do sis­te­ma fi­nan­cei­ro, po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e pro­tec­ção das di­vi­sas, afim de se evi­tar uma cri­se cam­bi­al.

Con­si­de­ran­do “a Itá­lia um país es­tra­té­gi­co para a eco­no­mia an­go­la­na de­vi­do ao seu mo­de­lo ba­se­a­do na pe­que­na e mé­dia em­pre­sa”, con­vi­dou os ita­li­a­nos a in­ves­ti­rem em An­go­la, par­ti­cu­lar­men­te no sec­tor agro­pe­cuá­rio. A des­lo­ca­ção do go­ver­na­dor do BNA en­qua­dra-se no re­for­ço da co­o­pe­ra­ção com o ban­co cen­tral da Itá­lia, no­me­a­da­men­te na pre­ven­ção e com­ba­te ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e fi­nan­ci­a­men­to ao ter­ro­ris­mo.

Ho­je, úl­ti­mo dia da vi­si­ta, o go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la tem agen­da­do um en­con­tro com o ad­mi­nis­tra­dor de­le­ga­do da Agência Ita­li­a­na de Cré­di­to à Ex­por­ta­ção (SACE, Ser­vi­zi As­si­cu­ra­ti­vi del Com­mer­cio Es­te­ro, na lín­gua ita­li­a­na), Ales­san­dro De­cio.

A SACE, fun­da­da em 1977, co­mo en­ti­da­de pú­bli­ca sob o con­tro­lo do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia e Fi­nan­ças (MEF), é uma so­ci­e­da­de por ac­ções no mer­ca­do de se­gu­ros de cré­di­to a cur­to pra­zo.

No mes­mo dia, en­con­tra-se com o de­le­ga­do do Ban­co In­te­sa San Pa­o­lo, o mais im­por­tan­te ban­co pri­va­do ita­li­a­no. No co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do na vés­pe­ra da vi­si­ta, jus­ti­fi­ca-se que a ida da de­le­ga­ção, que in­clui a As­so­ci­a­ção An­go­la­na de Ban­cos, vi­sa ain­da res­ta­be­le­cer a con­fi­an­ça, cre­di­bi­li­da­de e in­tro­du­ção de me­lho­ri­as na pre­ven­ção e com­ba­te ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e fi­nan­ci­a­men­to ao ter­ro­ris­mo, bem co­mo na es­tra­té­gia de ob­ten­ção de re­gu­la­ção e su­per­vi­são equi­va­len­te.

Com o mes­mo pro­pó­si­to, re­pre­sen­tan­tes de ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras ban­cá­ri­as an­go­la­nas es­ti­ve­ram em Ou­tu­bro pas­sa­do, em Washing­ton (EUA), on­de man­ti­ve­ram con­tac­to com as­so­ci­a­ções de ban­cos e re­gu­la­do­res ame­ri­ca­nos, ca­sos do Bank of Ame­ri­ca, Ban­co de Ex­por­ta­ções e Im­por­ta­ções dos Es­ta­do Uni­dos, Uni­ted Bank, Ci­ti­bank e Ca­pi­tal One. O re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la co­mo en­ti­da­de cre­dí­vel de su­per­vi­são é um as­sun­to par­ti­cu­lar­men­te re­le­van­te para a ban­ca an­go­la­na, que de­vi­do à pres­são in­ter­na­ci­o­nal tem si­do afas­ta­da do aces­so ao mer­ca­do de di­vi­sas (dó­la­res).

Há pre­ci­sa­men­te um ano foi no­ti­ci­a­do que a Re­ser­va Fe­de­ral dos Es­ta­dos Uni­dos de­ci­diu suspender a ven­da de dó­la­res a ban­cos com se­de em An­go­la, de­vi­do à ale­ga­da con­tí­nua vi­o­la­ção das re­gras de re­gu­la­ção do sec­tor.

A Itá­lia foi o pri­mei­ro país da Eu­ro­pa Oci­den­tal a re­co­nhe­cer a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal de An­go­la, no dia 18 de Fe­ve­rei­ro de 1976, e a 4 de Ju­nho do mes­mo ano es­ta­be­le­ce­ram-se as re­la­ções di­plo­má­ti­cas.

As re­la­ções de co­o­pe­ra­ção exis­ten­tes en­tre An­go­la e Itá­lia ti­ve­ram o seu iní­cio em Agos­to de 1977, com a as­si­na­tu­ra de um me­mo­ran­do que ins­ti­tuiu a Co­mis­são Bi­la­te­ral, en­tão Co­mis­são Mis­ta de Co­o­pe­ra­ção, ao que se se­gui­ram a subs­cri­ção de uma de­ze­na de ins­tru­men­tos ju­rí­di­cos, nos do­mí­ni­os eco­nó­mi­co, téc­ni­co, cul­tu­ral e ci­en­tí­fi­co.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, o BNA tem au­men­ta­do a ven­da de di­vi­sas ao mer­ca­do pri­má­rio, vi­san­do as­se­gu­rar o abas­te­ci­men­to de bens e ser­vi­ços e evi­tar a su­bi­da cres­cen­te de pre­ços. Co­mo con­sequên­cia das me­di­das com­bi­na­das com o Exe­cu­ti­vo, o mer­ca­do re­gis­ta uma que­da li­vre dos pre­ços dos pro­du­tos da cesta bá­si­ca em to­das as pro­vín­ci­as do país, che­ga­do na mai­o­ria dos ca­sos a atin­gir os 50 por cen­to dos pra­ti­ca­dos nos úl­ti­mos três me­ses.

FRANCISCO BER­NAR­DO

Go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la tem ho­je en­con­tros com ban­quei­ros ita­li­a­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.