Ac­to de sa­bo­ta­gem con­tra a Pe­tran­gol

Jornal de Angola - - PARTADA -

So­bre os cus­tos eco­nó­mi­cos do ac­to de sa­bo­ta­gem do re­gi­me de apartheid à Re­fi­na­ria da Pe­tran­gol, Douw Steyn e Ar­né So­der­lund, au­to­res do li­vro “Iron Fist From The Sea: South Afri­ca's Se­a­bor­ne Rai­ders 1978-1988”, afir­mam que a ava­li­a­ção fi­nal das SADF de­mons­trou que 23 dos 56 tan­ques da Pe­tran­gol, con­ten­do 85 por cen­to de GLP, a mai­or par­te de ga­so­li­na, 80 por cen­to de ga­só­leo pe­sa­do, 100 por cen­to de JP1 e 20 por cen­to de stock de JP4, fo­ram des­truí­dos ou fi­ca­ram se­ri­a­men­te da­ni­fi­ca­dos. Tal ava­li­a­ção es­ti­mou a per­da to­tal de com­bus­tí­vel em 60 mi­lhões de li­tros e o pre­juí­zo to­tal, em ter­mos de in­fra-es­tru­tu­ras, em va­lo­res não in­fe­ri­o­res a 36,5 mi­lhões dó­la­res.

A ques­tão que na al­tu­ra se co­lo­cou era sa­ber quem pa­ga­ria os 36,5 mi­lhões dó­la­res. A Áfri­ca do Sul, que pla­ne­ou, pre­pa­rou e exe­cu­tou a Ope­ra­ção Kers­lig, ou a UNITA, que dis­se pe­la bo­ca de Sa­vim­bi: “We blew up the re­fi­nery” (Nós re­ben­tá­mos a re­fi­na­ria), ci­ta­do a 30 de No­vem­bro de 1981 pe­lo jor­nal “Star”, pu­bli­ca­do em Jo­a­nes­bur­go.

Para se per­ce­ber o im­pac­to do ata­que, é pre­ci­so no­tar que de­pois de os sul-afri­ca­nos te­rem des­truí­do os tan­ques de com­bus­tí­vel no Lo­bi­to, com a Ope­ra­ção Ama­zon, em Agos­to de 1980, a Re­fi­na­ria da Pe­tran­gol, em Lu­an­da, pas­sou a pro­du­zir gran­de par­te das ne­ces­si­da­des bá­si­cas de com­bus­tí­vel do país.

Os sul-afri­ca­nos acre­di­ta­vam que des­truin­do es­te im­por­tan­te pon­to es­tra­té­gi­co, que, por si­nal, era a úni­ca re­fi­na­ria ope­ra­ci­o­nal em An­go­la, o país fi­ca­ria de­pen­den­te de pro­du­tos pe­tro­lí­fe­ros re­fi­na­dos im­por­ta­dos, o que agra­va­ria de for­ma ex­po­nen­ci­al a vi­da dos an­go­la­nos mer­gu­lha­dos nu­ma gu­er­ra que ab­sor­via gran­de par­te dos re­cur­sos do país.

As­sim, por um la­do, os sul-afri­ca­nos es­ta­vam con­vic­tos de que es­ta ope­ra­ção se­ria um ru­de gol­pe para a eco­no­mia an­go­la­na, com im­pac­to di­rec­to na gu­er­ra que es­ta­va a ser tra­va­da con­tra a sub­ver­são ar­ma­da in­ter­na pra­ti­ca­da pe­los guer­ri­lhei­ros da FNLA e da UNITA, e, por ou­tro la­do, acre­di­ta­vam que a mes­ma po­de­ria de­sen­co­ra­jar o apoio que o go­ver­no de An­go­la pres­ta­va à SWAPO e ao ANC, que ti­nham as su­as ba­ses, po­lí­ti­cas e mi­li­ta­res, na República Po­pu­lar de An­go­la.

É nes­te con­tex­to que as SADF en­car­re­ga­ram o seu 1º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to, uma uni­da­de de For­ças Es­pe­ci­ais, de re­a­li­zar um es­tu­do mi­nu­ci­o­so so­bre a re­fi­na­ria e ar­re­do­res e, so­bre­tu­do, de ana­li­sar a vi­a­bi­li­da­de de um ata­que à Re­fi­na­ria da Pe­tran­gol.

De­vi­do à dis­tân­cia en­tre Lu­an­da e Lan­ge­ba­an, uma ci­da­de da pro­vín­cia de Wes­tern Ca­pe, Áfri­ca do Sul, não ha­via tempo su­fi­ci­en­te para a re­a­li­za­ção de du­as ope­ra­ções dis­tin­tas, pe­lo que foi de­ci­di­do exe­cu­tar uma ope­ra­ção com­bi­na­da de re­co­nhe­ci­men­to e ata­que.

O 1º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to das SADF re­a­li­za­ria o re­co­nhe­ci­men­to e o ata­que aos al­vos den­tro da re­fi­na­ria, en­quan­to o 4º Re­gi­men­to de Re­co­nhe­ci­men­to for­ne­ce­ria os bar­cos, as su­as tri­pu­la­ções e uma equi­pa para pro­te­ger a área de in­fil­tra­ção e de re­ti­ra­da do gru­po de as­sal­to.

A ca­rac­te­rís­ti­ca fun­da­men­tal da mis­são exi­gia que ela de­via ser uma ope­ra­ção se­cre­ta e pla­ne­a­da de for­ma que a res­pon­sa­bi­li­da­de fos­se atri­buí­da à UNITA, para que a ca­pa­ci­da­de ma­rí­ti­ma clan­des­ti­na da República Sul-Afri­ca­na não fos­se pos­ta em cau­sa em ca­so de fra­cas­so.

Es­te se­gun­do por­me­nor de­mons­tra, cla­ra­men­te, à se­me­lhan­ça do su­ce­di­do em ou­tras oca­siões, a as­tú­cia ma­qui­a­vé­li­ca do re­gi­me de apartheid que con­ti­nu­a­va a apre­go­ar que não ti­nha tro­pas a ope­rar em An­go­la e a pos­tu­ra opor­tu­nis­ta e ser­vil de Jo­nas Sa­vim­bi e da UNITA, que as­su­mi­am, de pei­to aber­to, os lou­ros de uma ope­ra­ção que não foi nem en­gen­dra­da e nem re­a­li­za­da por si – co­men­tam ana­lis­tas an­go­la­nos.

É, po­rém, de to­dos co­nhe­ci­do – acres­cen­tam – que Jo­nas Sa­vim­bi e a sua UNITA não po­di­am ter nem ho­mens cri­te­ri­o­sa­men­te pre­pa­ra­dos, nem se­quer uma sim­ples ca­noa para fa­ze­rem uma tra­ves­sia de zo­nas tão lon­gín­quas, des­de as ba­ses na­vais sul-afri­ca­nas, às quais nem mes­mo os ci­da­dãos ne­gros sul-afri­ca­nos ti­nham aces­so li­vre, tal era o sis­te­ma de re­pres­são que o apartheid im­pu­nha.

De res­to, re­for­çam, do que se co­nhe­ce das tro­pas da UNITA nun­ca fi­ze­ram qual­quer ata­que vin­do do al­to mar, nem mes­mo de uma praia em to­da a ex­ten­são do li­to­ral de An­go­la, que é de 1.600 qui­ló­me­tros.

Co­mo de­mons­tra­ção do aci­ma re­fe­ri­do, nem mes­mo na des­trui­ção da Ba­se do Ku­an­da, im­plan­ta­da no Soyo, a tro­pa da UNITA uti­li­zou o mar. Ela par­tiu da Ser­ra da Kan­da, ope­ran­do no tri­ân­gu­lo Fi­co, Tom­bo­co e Qu­e­lo, pas­san­do de­pois pe­la re­gião do Sum­ba, Pân­ga­la, to­man­do a di­rec­ção de Ki­fu­que­na até à se­gun­da li­nha de de­fe­sa do Soyo, tal co­mo nos tes­te­mu­nhou o te­nen­te-ge­ne­ral Má­rio In­glês, co­lo­ca­do no Soyo de­pois da des­trui­ção da Ba­se e vin­do da Re­gião Mi­li­tar Ca­bin­da, on­de de­sem­pe­nhou o car­go de che­fe do Es­ta­do-Mai­or.

Exe­cu­ção da Ope­ra­ção

En­tre o dia 25 e 28 de No­vem­bro de 1981, foi re­a­li­za­da a ac­ção de Re­co­nhe­ci­men­to para a Ope­ra­ção Kers­lig, que cum­priu, com su­ces­so, to­dos os ob­jec­ti­vos tra­ça­dos pe­lo Al­to Co­man­do Po­lí­ti­co, de Se­gu­ran­ça e Mi­li­tar sul-afri­ca­no, sem que ne­nhum po­ten­ci­al de com­pro­me­ti­men­to da ope­ra­ção ti­ves­se si­do re­gis­ta­do.

Mas, se­gun­do di­zem Douw Steyn e Ar­né So­der­lund na sua obra, a ac­ção de re­co­nhe­ci­men­to foi mar­ca­da por um mis­to de apre­en­são e nos­tal­gia no seio dos sul-afri­ca­nos, por­que, pre­ci­sa­men­te seis anos an­tes, em No­vem­bro de 1975, 26 mem­bros do Exér­ci­to su­la­fri­ca­no ti­nham si­do eva­cu­a­dos de emer­gên­cia pe­la fra­ga­ta SAS Pre­si­den­te Re­fi­na­ria da Pe­tran­gol foi al­vo de sa­bo­ta­gem na de­no­mi­na­da “Ope­ra­ção Can­dle Light” Steyn no Am­bri­ze­te, após a Ba­ta­lha de Ki­fan­gon­do, de­ter­mi­nan­te para a in­de­pen­dên­cia de An­go­la a 11 de No­vem­bro de 1975.

Aque­le mo­men­to de nos­tal­gia foi es­pe­ci­al­men­te re­vi­vi­do pe­lo comandante Kinghorn, mem­bro de uma das equi­pas de ata­que da Ope­ra­ção Kers­lig, ha­ven­do quem di­ga que is­so de­mons­tra a per­ti­nên­cia da apli­ca­ção do adá­gio po­pu­lar, se­gun­do o qual “o cri­mi­no­so vol­ta sem­pre ao lo­cal do cri­me”.

O epi­só­dio do Am­bri­ze­te ocor­re no âm­bi­to da Ope­ra­ção Sa­van­nah, de­sen­ca­de­a­da pe­la Áfri­ca do Sul em 1975 para co­lo­car a UNITA no po­der, e tem a par­ti­cu­la­ri­da­de de re­ve­lar que ela foi re­a­li­za­da em du­as di­rec­ções: na di­rec­ção Sul, que foi tra­va­da no Ebo, e na di­rec­ção Nor­te, que foi tra­va­da em Ki­fan­gon­do, pois o comandante Kinghorn fez par­te dos 26 mem­bros do Exér­ci­to agres­sor sul-afri­ca­no eva­cu­a­do no Am­bri­ze­te. No fi­nal, os sul-afri­ca­nos fo­ram der­ro­ta­dos, tan­to na Ba­ta­lha de Ki­fan­gon­do co­mo na Ba­ta­lha do Ebo!

É in­te­res­san­te re­cor­dar ho­je o que dis­se, de­pois da der­ro­ta in­fli­gi­da pe­las FAPLA, o en­tão comandante das SADF, ge­ne­ral Cons­tand Vil­jo­en, quan­do se re­fe­riu àque­la noi­te de No­vem­bro de 1975: “Pos­so di­zer ho­nes­ta­men­te que foi a noi­te mais di­fí­cil da mi­nha car­rei­ra ope­ra­ci­o­nal”.

Vol­te­mos à Ope­ra­ção Kers­lig. De­pois de to­dos os as­pec­tos or­ga­ni­za­ti­vos te­rem si­do ali­nha­va­dos, o Al­to Co­man­do Po­lí­ti­co, de Se­gu­ran­ça e Mi­li­tar sul-afri­ca­no de­ter­mi­nou o pe­río­do de 30 de No­vem­bro de 1981 co­mo o “Dia D” para a re­a­li­za­ção da Ope­ra­ção.

É im­por­tan­te sa­li­en­tar que, an­tes po­rém, os ele­men­tos do gru­po de as­sal­to “en­co­men­da­ram as su­as al­mas”. A quem? Só po­de­ria ser ao di­a­bo, por­que quais cru­za­dos dos no­vos tem­pos, ti­nham de des­truir An­go­la, con­si­de­ra­da por eles a tes­ta avan­ça­da do co­mu­nis­mo na Áfri­ca Aus­tral. Cou­be a um dos au­to­res do li­vro que vi­mos ci­tan­do, Douw Steyn, na al­tu­ra ca­pi­tão, pro­nun­ci­ar a ora­ção e ao ca­pi­tão “Kok­kie” De Kock, 2º comandante do gru­po de as­sal­to, que vi­ria, pou­co tempo de­pois, a en­con­trar a mor­te, fa­zer a lei­tu­ra do Sal­mo 23 da Bí­blia, cu­jo tex­to se trans­cre­ve: “1. O Se­nhor é o meu pas­tor, na­da me fal­ta. 2. Em ver­des pra­dos me faz des­can­sar, e con­duz-me às águas re­fres­can­tes. 3. Re­con­for­ta a mi­nha al­ma, guia-me pe­los ca­mi­nhos rec­tos, por amor do Seu No­me. 4. Mes­mo que atra­ves­se os va­les som­bri­os, ne­nhum mal te­me­rei, por­que es­tais co­mi­go; o Vos­so bas­tão e o Vos­so ca­ja­do dão-me con­for­to.5. Pre­pa­rai-me um ban­que­te fren­te aos meus ad­ver­sá­ri­os. Un­gi com óleo a mi­nha ca­be­ça e a mi­nha

DR

Ca­pa do li­vro que con­ta de­ta­lha­da­men­te a his­tó­ria das agres­sões do exér­ci­to sul-afri­ca­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.