Con­ver­sas ou­vi­das

Jornal de Angola - - PARTADA -

Es­ta­va nos chi­ne­ses. Um aten­dia pe­que­nos ser­vi­ços ti­po fo­to­có­pi­as e que­jan­dos. O ou­tro ti­nha três jo­vens adul­tos e fa­bri­ca­va bro­chu­ras. Dei uma es­prei­ta­de­la de virada rá­pi­da do olho. Te­ses de dou­to­ra­men­to não se­ri­am mas, pe­las ilus­tra­ções, se­ben­tas ou apon­ta­men­tos de uni­ver­si­tá­ri­os de in­for­má­ti­ca. E co­me­ça­ram na con­ver­sa, ó chi­nês, não tens ti­do apa­gões? Na­da, ter ge­ra­dor. E sa­bes que o ge­ra­dor faz po­lui­ção? O chi­nês riu-se, dan­do a im­pres­são de se­rem ami­gos co­nhe­ci­dos. Olha, Xang, o mun­do an­da a di­mi­nuir o car­bo­no, se o Trump dei­xar mas há um tra­ta­do mun­di­al e uma das ci­da­des do mun­do que dei­ta mais au­men­to no efei­to es­tu­fa é Lu­an­da. Ó pá, ca­la-te que a pi­or foi um res­pon­sá­vel apa­re­cer na te­le­vi­são a di­zer que ti­nham aca­ba­do os apa­gões e a fal­ta de água, pas­sa­ram três dias e tu­do bem. De­pois vol­ta­ram os apa­gões. Er­ro (fa­lou ou­tro). O que o mu­a­ta fa­lou e eu vi é que ti­nham aca­ba­do os apa­gões. E en­tão? En­tão di­go eu que ma­te­má­ti­ca e tem­po­ral­men­te se re­fe­ria aos apa­gões do pas­sa­do, es­ses é que ti­nham aca­ba­do. Vo­cês ou­vem mal as coi­sas e de­pois há confusão, cla­ro nin­guém po­de aca­bar com uma coi­sa que não exis­te, quer di­zer, aca­ba­ram os apa­gões que ti­ve­mos.

O chi­nês ia ra­pi­dan­do as fo­lhas de uma das bro­chu­ra. Ve­ri­fi­quei que uma já es­ta­va en­ca­der­na­da e pron­ta. Pe­los vis­tos fal­ta­vam du­as. E eu ia tam­bém ao mes­mo e es­pe­ra­va, cal­ma­men­te, in­te­res­sa­do na con­ver­sa da­que­les três que eu su­pu­nha es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os que pros­se­gui­ram as­sim: cer­to que o sis­te­ma ener­gé­ti­co não so­bre­vi­ve sem ma­nu­ten­ção e os apa­gões são ne­ces­sá­ri­os para que se fa­ça ma­nu­ten­ção, em su­ma, para ha­ver ma­nu­ten­ção é pre­ci­so apa­gões. Vai-te li­xar que lá em mi­nha ca­sa, a nos­sa mãe, para ajus­tar a tor­ci­da do can­de­ei­ro, ti­ra a cha­mi­né, acen­de uma ve­la, apa­ga o can­de­ei­ro, cor­ta a tor­ci­da, lim­pa a cha­mi­né, re­a­cen­de o can­de­ei­ro e re­põe a cha­mi­né. De­sa­pa­ga­mos rá­pi­do, bem rá­pi­do da nos­sa bar­ra­gem que po­dia ser me­lhor. Tens ra­zão e a bar­ra­gem de Cam­bam­be, no Kwan­za Nor­te já fez cin­quen­ta anos, an­das bem in­for­ma­do meu e acho que não cus­ta­va na­da ar­ran­ja­rem mais uma ca­dei­ra so­bre apa­gões. Não con­cor­do, de­ve­ria ser so­bre bar­ra­gens. O meu pai diz que não per­ce­be a ra­zão de te­rem dei­xa­do de im­por­tar can­de­ei­ros pe­tro­max em vez de pei­xe por­tu­guês. O quê? Sim, pei­xe-es­pa­da pre­to, dou­ra­das e ro­ba­los … e ou­tras coi­sas e só para al­guns gran­des es­pa­ços co­mo cha­mam e uma nos­sa vi­zi­nha fa­la que nun­ca en­trou no não te que­ro olha só es­tas três re­vis­tas com pu­bli­ci­da­de de ca­ba­zes para o na­tal, o mais pe­que­no é de 6.500, le­va pre­sun­to e quei­jo, é o ca­baz fres­cos, a se­guir é o pra­ta que le­va bué de coi­sas, co­mi­das, be­bi­das, azei­te de oli­vei­ra e já cus­ta 12.000, lo­go de­pois tem o de 58.000, que é o ru­bi que tem bué de coi­sas e o pre­mium, es­se não ca­be em mi­nha ca­sa e deve se pre­ci­so uma car­ri­nha para le­var para ca­sa, mal­ta! An­das com os pa­péis de pu­bli­ci­da­de de ca­ba­zes mas eu acho que o me­lhor é o da So­nan­gol que foi me­lho­ra­do e eu gos­ta­va de ver um. Ago­ra é a mi­nha vez de fa­lar que li e vi fo­to­gra­fia lu­mi­no­sa no jor­nal um pro­jec­to ener­gé­ti­co na­ci­o­nal, uma es­pé­cie de união de to­das as bar­ra­gens, fe­no­me­nal, o meu pai diz que nes­se tempo ele já não es­ta­rá cá, o pai tem a ma­nia que vai mor­rer no tempo dos apa­gões e adi­an­ta que o pro­ble­ma que es­ta­mos com ele é to­dos os dias se fa­lar no que se vai fa­zer em gran­de em vez de fa­lar no que já se fez e mui­to e não adi­an­tar pro­mes­sas de ma­nei­ra que pa­re­cem coi­sas de an­te­on­tem e vão con­ti­nu­ar ama­nhã. Olha, de­fei­to des­ses ca­ba­zes é não te­rem can­de­ei­ros ou ve­las. Na­da, meu, o de­fei­to é não ha­ver mas­sa para os com­prar… olhem, vol­tan­do aos apa­gões que de­ve­ri­am ser con­si­de­ra­dos pa­tri­mó­nio cul­tu­ral na­ci­o­nal, eu acho que ago­ra ain­da va­mos ter apa­gões para pou­par e no dia de na­tal e fim de ano a luz bri­lhar de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne.

O chi­nês ter­mi­nou a úl­ti­ma bro­chu­ra. Fez con­tas e pa­ga­ram. En­trou um ca­pi­tão da po­lí­cia: “bom dia dou­tor Ma­nu­el Rui, é uma hon­ra co­nhe­cê-lo pes­so­al­men­te.” “Gra­to e um aperto de mão.” Aí fa­lou um dos jo­vens.” Tam­bém sa­bía­mos quem era e co­mo o dou­tor é es­cri­tor e faz aque­las cró­ni­cas no Jor­nal de An­go­la, es­tá­va­mos a con­ver­sar nu­ma es­ti­ga de pro­pó­si­to pois já le­mos uma cró­ni­ca sua so­bre apa­gões.”

“Para mim é mais do que um ca­baz…” “…Pre­mium.” “Exac­ta­men­te, pre­mium e nós po­de­mos car­re­gá-lo aqui, nem é pre­ci­so, fi­que com es­sa re­vis­ta de pu­bli­ci­da­de, tem uma mon­ta­nha de vi­nhos, olhe só, três gar­ra­fas 22.500 paus. Ain­da an­dam nu­ma te­le­vi­são tu­ga a fa­lar na nos­sa po­bre­za, tem mui­ta gen­te ri­ca. Eu, se pu­des­se, man­da­va uma ca­bra­za­da des­sas para o pes­so­al des­sa te­le­vi­são. Eles não men­ti­ram mas só dis­se­ram um bo­ca­do pe­que­no da ver­da­de. E is­so é pi­or que men­tir.

Foi a mi­nha vez de man­dar fa­zer uma te­se de dou­to­ra­men­to de Luís Gai­vão, so­bre a mi­nha obra, de­fen­di­da com dis­tin­ção e so­le­ni­da­de na his­tó­ri­ca Sa­la dos Ca­pe­los da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra. A mi­nha uni­ver­si­da­de. Aí, en­quan­to o chi­nês pas­sa­va da dis­que­te para pa­pel, pen­sei em en­vi­ar ao Luís es­ta te­se de ale­gria e es­ti­ga dos jo­vens fu­tu­ro do meu país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.