Pro­du­tos do cam­po in­cluí­dos na me­ren­da es­co­lar na Huí­la

Pro­gra­ma do Exe­cu­ti­vo tem con­tri­buí­do para o au­men­to do nú­me­ro de cri­an­ças nas sa­las de au­la

Jornal de Angola - - PARTADA - ARÃO MAR­TINS |

A ad­mi­nis­tra­do­ra mu­ni­ci­pal da Humpata, na pro­vín­cia da Huí­la, de­fen­deu na­que­la cir­cuns­cri­ção, a ne­ces­si­da­de de in­cluir-se no pacote da me­ren­da es­co­lar pro­du­tos do cam­po, cul­ti­va­dos lo­cal­men­te, evi­tan­do que se gas­te avul­ta­das so­mas de di­nhei­ro na com­pra de ali­men­tos.

Pau­la Nas­so­ne, que fa­la­va no ac­to de apre­sen­ta­ção do pro­gra­ma pi­lo­to a ser im­ple­men­ta­do pe­lo Exe­cu­ti­vo e o go­ver­no pro­vin­ci­al, que con­ta com a par­ce­ria da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das para a Ali­men­ta­ção e a Agri­cul­tu­ra (FAO) e da Em­bai­xa­da da Itá­lia, re­co­nhe­ceu o po­ten­ci­al agrí­co­la di­ver­si­fi­ca­do do mu­ni­cí­pio, cu­ja pro­du­ção po­de ser ca­da vez mais va­lo­ri­za­da.

O mu­ni­cí­pio da Humpata, si­tu­a­do a 22 qui­ló­me­tros a oes­te da ci­da­de do Lu­ban­go, pro­duz em gran­de es­ca­la ba­ta re­na, ce­bo­la, ce­nou­ra, pi­men­ta, fei­jão e pe­ra, além de er­vi­lha, ma­çã, re­po­lho, cou­ves, alho, ba­ta­ta-do­ce e man­di­o­ca, in­cluin­do mi­lho e mas­sam­ba­la.

No âm­bi­to do pro­gra­ma de de­sen­vol­vi­men­to agro-pe­cuá­rio dos mu­ni­cí­pi­os, ex­pli­cou que fo­ram ins­ta­la­dos vá­ri­os pro­jec­tos agroin­dus­tri­ais de re­fe­rên­cia, vi­ra­dos es­sen­ci­al­men­te para a pro­du­ção e trans­for­ma­ção de pro­du­tos lo­cais que, re­fe­riu, a se­rem in­cluí­dos na me­ren­da es­co­lar po­dem pro­por­ci­o­nar uma saú­de ali­men­tar acei­tá­vel aos alu­nos.

A ad­mi­nis­tra­do­ra mu­ni­ci­pal da Humpata dis­se que a con­cep­ção da me­ren­da es­co­lar cons­ti­tui uma das es­tra­té­gi­as con­ce­bi­das pe­lo Exe­cu­ti­vo, com vis­ta a dar uma resposta, re­la­ti­va­men­te aos di­rei­tos da cri­an­ça, con­subs­tan­ci­a­dos na cri­a­ção de con­di­ções fa­vo­rá­veis à sua edu­ca­ção, ins­tru­ção e apren­di­za­gem.

A cri­a­ção do pro­gra­ma me­ren­da es­co­lar, de acor­do com a res­pon­sá­vel, con­tri­bui para a mo­ti­va­ção de alu­nos nas es­co­las du­ran­te o pe­río­do de au­las, daí a ne­ces­si­da­de de con­ti­nu­ar-se a re­vi­ta­li­zar e cri­ar mais si­ner­gi­as para me­lho­rar a di­e­ta ali­men­tar. O su­per­vi­sor pro­vin­ci­al de pro­mo­ção de Saú­de, Jú­lio Ma­da­le­no, dis­se ser im­por­tan­te a apos­ta em ali­men­tos sau­dá­veis para se ga­ran­tir uma boa saú­de e nu­tri­ção para os alu­nos e re­al­çou que o pro­gra­ma me­ren­da es­co­lar tem con­tri­buí­do para o au­men­to de cri­an­ças nas sa­las de au­la.

Pro­mo­ção de ac­ções

Jú­lio Ma­da­le­no ga­ran­tiu que o Go­ver­no vai con­ti­nu­ar a pro­mo­ver ac­ções que vi­sam os bons há­bi­tos ali­men­ta­res. O res­pon­sá­vel pe­la ela­bo­ra­ção de pro­jec­tos da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das para a Ali­men­ta­ção e Agri­cul­tu­ra (FAO), Mat­teo To­ni­ni, dis­se que o Go­ver­no de An­go­la e par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais es­tão a de­sen­vol­ver pro­gra­mas que vi­sam re­du­zir a de­pen­dên­cia das im­por­ta­ções ali­men­ta­res e va­lo­ri­zar a pro­du­ção lo­cal.

Mat­teo To­ni­ni re­co­nhe­ceu a im­por­tân­cia do pro­gra­ma me­ren­da es­co­lar que tem es­ti­mu­la­do as cri­an­ças a ade­ri­rem ao en­si­no obri­ga­tó­rio e mo­ti­va­do as fa­mí­li­as das áre­as ru­rais e pe­ri-ur­ba­nas a dei­xa­rem os fi­lhos ir à es­co­la.Des­de 2002 que a FAO tem de­sen­vol­vi­do em An­go­la pro­gra­mas-pi­lo­to de me­ren­da es­co­lar com pro­du­tos lo­cais. A ideia é que, se­gun­do o res­pon­sá­vel, o Exe­cu­ti­vo e par­cei­ros so­ci­ais de­di­quem ao pro­gra­ma me­ren­da es­co­lar uma aten­ção es­pe­ci­al, sem pre­ci­sa­rem de apli­car gran­des re­cur­sos fi­nan­cei­ros na com­pra de ali­men­tos. Su­bli­nhou que os pro­du­tos po­dem ser ad­qui­ri­dos na co­mu­ni­da­de a um pre­ço con­ven­ci­o­nal e até mais sau­dá­vel.

A FAO es­tá com­pro­me­ti­da com a er­ra­di­ca­ção da fo­me que atin­ge ac­tu­al­men­te cer­ca de 795 mi­lhões de pes­so­as no mun­do (216 mi­lhões me­nos que em 1990-92), daí o em­pe­nho da or­ga­ni­za­ção para se atin­gir as me­tas sus­ten­tá­veis de de­sen­vol­vi­men­to, apro­va­das pe­la As­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das em Se­tem­bro de 2015.

A Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das para a Ali­men­ta­ção e a Agri­cul­tu­ra es­tá igual­men­te com­pro­me­ti­da com a adap­ta­ção da pro­du­ção de ali­men­tos, a di­ver­si­fi­ca­ção da agri­cul­tu­ra, as mu­dan­ças cli­má­ti­cas e os efei­tos dos desastres que sur­gem des­ta ame­a­ça mun­di­al, que é um fac­tor de­ter­mi­nan­te para a es­ta­bi­li­da­de dos paí­ses.

O res­pon­sá­vel FAO es­cla­re­ceu que, no qua­dro da co­o­pe­ra­ção com a Itá­lia, exis­tem es­tra­té­gi­as e as­pec­tos ope­ra­ci­o­nais que con­tri­bu­em para a im­ple­men­ta­ção do Qua­dro do Pro­gra­ma de Co­o­pe­ra­ção com An­go­la 2013-2017, atra­vés de pro­gra­mas bi­la­te­rais e da sua con­tri­bui­ção para o Fun­do Eu­ro­peu para o De­sen­vol­vi­men­to (FED).

ARÃO MAR­TINS/HUMPATA

Fa­mí­li­as das áre­as ru­rais e pe­ri-ur­ba­nas es­tão mo­ti­va­das a dei­xa­rem os fi­lhos ir à es­co­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.