E sa­bo­ta­gem con­tra a Pe­tran­gol

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

ta­ça trans­bor­da. 6. A gra­ça e a bon­da­de hão-de acom­pa­nhar-me to­dos os dias da mi­nha vi­da. A mi­nha mo­ra­da se­rá a ca­sa do Se­nhor ao lon­go dos dias”...

Em se­gui­da, os ele­men­tos do gru­po de as­sal­to cum­pri­men­ta­ram­se e de­se­ja­ram en­tre si boa sor­te para a ope­ra­ção.

O ata­que e os da­nos

No “Dia D”, na noi­te de 30 de No­vem­bro, ele­men­tos das For­ças Es­pe­ci­ais sul-afri­ca­nas, uni­for­mi­za­dos com ca­mu­fla­dos das FAPLA e com os seus ros­tos pin­ta­dos de ne­gro, avan­ça­ram para os di­ver­sos al­vos pré-de­fi­ni­dos, vi­san­do des­truir a re­fi­na­ria. Por vol­ta das 23h57, to­das as equi­pas es­ta­vam den­tro da área al­vo.

No en­tan­to, a exe­cu­ção do plano não acon­te­ceu co­mo pre­vis­to, uma vez que a re­a­li­da­de no ter­re­no con­tras­ta­va com os da­dos que pos­suíam. Ain­da as­sim, os as­sal­tan­tes co­me­ça­ram a co­lo­car os ex­plo­si­vos nos al­vos pre­vi­a­men­te de­fi­ni­dos.

Às 00h12 ou­viu-se uma ex­plo­são, o que in­di­ca­va que al­go ter­ri­vel­men­te er­ra­do ti­nha acon­te­ci­do, pois o plano era co­lo­car to­dos os ex­plo­si­vos e só de­to­ná-los de­pois da re­ti­ra­da ser efec­tu­a­da.

Três ele­men­tos das For­ças Es­pe­ci­ais sul-afri­ca­nas fo­ram ví­ti­mas des­tas ex­plo­sões. O ca­pi­tão De Kock, che­fe de uma das equi­pas das For­ças Es­pe­ci­ais, foi atin­gi­do mor­tal­men­te e dois mem­bros da sua equi­pa, os ca­bos “Klop­pi­es” Klop­pers e Pi­et “Va­at­jie” Van Zyl, fi­ca­ram gra­ve­men­te fe­ri­dos. Di­an­te da si­tu­a­ção ge­ra­da, por vol­ta das 00h35, as qua­tro equi­pas en­vi­a­das para a re­a­li­za­ção da Ope­ra­ção Kers­lig, à ex­cep­ção do ca­pi­tão De Kock, ba­te­ram em re­ti­ra­da e di­ri­gi­ram-se para a área de re­co­lha.

Em­bo­ra a Re­fi­na­ria da Pe­tran­go­la ti­ves­se so­fri­do da­nos im­por­tan­tes, os ob­jec­ti­vos tra­ça­dos pe­lo re­gi­me de apartheid não fo­ram atin­gi­dos. Para is­so, con­cor­re­ram al­guns as­pec­tos. En­tre eles, o fac­to de se te­rem re­gis­ta­do fa­lhas subs­tan­ci­ais no pro­ces­so de re­co­lha de in­for­ma­ção so­bre o al­vo. No ter­re­no, no­me­a­da­men­te, os pi­la­res da re­fi­na­ria que os ope­ra­ci­o­nais en­con­tra­ram fo­ram cons­truí­dos de for­ma di­fe­ren­te do es­pe­ra­do, a tor­re es­ta­va er­gui­da nu­ma pla­ta­for­ma e o seu aces­so, ao con­trá­rio da in­for­ma­ção re­ce­bi­da, era pe­las es­ca­das, ao la­do de uma sa­la de con­tro­lo di­ri­gi­da por, pe­lo me­nos, seis pes­so­as.

“Era im­pos­sí­vel ace­der à ba­se da tor­re sem ser des­co­ber­to. O recurso a fon­tes ex­ter­nas, no­me­a­da­men­te, fon­tes di­plo­má­ti­cas oci­den­tais, re­la­tó­ri­os das com­pa­nhi­as pe­tro­lí­fe­ras en­vol­vi­das na in­dús­tria de re­fi­na­ção, ve­lhos ma­pas, anún­ci­os e ar­ti­gos de im­pren­sa, em vez de fon­tes pri­má­ri­as, que nes­te ca­so se­ri­am as mais ade­qua­das para as­se­gu­rar o êxi­to da mis­são, foi de­ter­mi­nan­te para o fra­cas­so na ob­ten­ção da me­lhor in­for­ma­ção e, con­se­quen­te­men­te, para que os ob­jec­ti­vos tra­ça­dos pe­lo Al­to Co­man­do Po­lí­ti­co, de Se­gu­ran­ça e Mi­li­tar Sul-Afri­ca­no, que era pro­vo­car da­nos com efei­tos a lon­go pra­zo, não fos­sem atin­gi­dos”, des­ta­cam as con­clu­sões da Ope­ra­ção Kers­lig.

Após a Ope­ra­ção, o comandante da mis­são, An­dré Best­bi­er, em com­pa­nhia dos che­fes das equi­pas que par­ti­ci­pa­ram, co­or­de­nou a ava­li­a­ção pre­li­mi­nar do que ha­via si­do al­can­ça­do, ten­do con­cluí­do que, em­bo­ra a mes­ma ti­ves­se cau­sa­do da­nos às ins­ta­la­ções de ar­ma­ze­na­men­to, em es­pe­ci­al ao GLP (Gás Li­que­fei­to de Pe­tró­leo), os ex­plo­si­vos não fo­ram co­lo­ca­dos co­mo ti­nha si­do pre­vis­to e a mai­or par­te do da­no afec­tou prin­ci­pal­men­te os stocks e não as ins­ta­la­ções de pro­du­ção, o que, em cer­ta me­di­da, di­mi­nuiu o va­lor es­tra­té­gi­co do ata­que, pois os efei­tos fo­ram de cur­to pra­zo, por­que, três me­ses de­pois, a Re­fi­na­ria da Pe­tran­gol es­ta­va no­va­men­te ope­ra­ci­o­nal.

Ou­tro re­vés re­gis­ta­do pe­los su­la­fri­ca­nos foi a mor­te do ca­pi­tão De Kock e os gra­ves fe­ri­men­tos de dois ele­men­tos das For­ças Es­pe­ci­ais du­ran­te a aven­tu­ra. “Is­to sen­tiu-se par­ti­cu­lar­men­te a 5 de De­zem­bro de 1981, quan­do os res­tan­tes mem­bros re­gres­sa­ram à sua uni­da­de em Dur­ban, in­con­so­lá­veis e mo­ral­men­te aba­ti­dos, pois, em­bo­ra ti­ves­sem so­fri­do bai­xas no pas­sa­do, pe­la pri­mei­ra vez não con­se­gui­ram re­cu­pe­rar o cor­po de um ca­ma­ra­da que tom­bou em com­ba­te”, lê-se na obra “Iron Fist From The Sea: South Afri­ca's Se­a­bor­ne Rai­ders 1978-1988”, de Douw Steyn e Ar­né So­der­lund.

Ime­di­a­ta­men­te após a re­a­li­za­ção da Ope­ra­ção Kers­lig, a UNITA rei­vin­di­cou a res­pon­sa­bi­li­da­de do ata­que. Se­gun­do o jor­nal “Star”, na sua edi­ção do dia 30 de No­vem­bro de 1981, o lí­der pró-oci­den­tal da UNITA, Jo­nas Sa­vim­bi, afir­mou que as su­as tro­pas in­cen­di­a­ram a mai­or re­fi­na­ria de pe­tró­leo de An­go­la nos ar­re­do­res da ca­pi­tal, Lu­an­da.

“We blew up the re­fi­nery, mem­bers of our clan­des­ti­ne cells ha­ve at­tac­ked the re­fi­nery of Pe­tran­gol, and the fi­res are still bur­ning. (Nós re­ben­tá­mos a re­fi­na­ria. Mem­bros das nos­sas cé­lu­las clan­des­ti­nas ata­ca­ram a re­fi­na­ria da Pe­tran­gol e as cha­mas ain­da con­ti­nu­am)”, dis­se Sa­vim­bi, ci­ta­do pe­lo “Star”, con­fir­man­do as acu­sa­ções fre­quen­tes de gen­te de boa-fé de que to­da a es­tra­té­gia da UNITA é ba­se­a­da na men­ti­ra e é um pe­ri­go con­fi­ar na sua di­rec­ção.

“Na ver­da­de, a ten­dên­cia da UNITA de se apro­pri­ar dos lou­ros das ope­ra­ções re­a­li­za­das pe­las for­ças sul-afri­ca­nas cons­ti­tuía uma jo­ga­da de in­te­res­se co­mum, en­tre a Áfri­ca do Sul e a UNITA. Para a Áfri­ca do Sul, is­so per­mi­tia-lhe con­ti­nu­ar a afir­mar que não ti­nha tro­pas des­do­bra­das no ter­ri­tó­rio an­go­la­no, ne­gan­do as­sim qual­quer acu­sa­ção de agres­são. Para a UNITA, in­te­res­sa­va de­fen­der es­ta po­si­ção por uma ques­tão de jac­tân­cia da sua ima­gem, so­bre­tu­do para ten­tar de­mons­trar que as su­as for­ças pos­suíam a ca­pa­ci­da­de de re­a­li­zar ope­ra­ções an­fí­bi­as, al­go que para a UNITA de Jo­nas Sa­vim­bi não pas­sou de uma en­ce­na­ção utó­pi­ca e me­ga­ló­ma­na, pois sa­be­mos do me­do im­preg­na­do no seu ADN, re­la­ti­vo ao po­der in­son­dá­vel de Ka­lun­ga, o mar, não tão aces­sí­vel quan­to os mai­o­res rios de An­go­la. A ra­zão fun­da­men­ta­da des­ta afir­ma­ção es­tá no fac­to de que nun­ca a Ma­ri­nha de gu­er­ra sul-afri­ca­na uti­li­zou for­ças da UNITA se­não para com­ba­ter as FAPLA no Cu­an­do Cu­ban­go e a SWAPO no Cu­ne­ne”, co­men­tou­nos, a pro­pó­si­to, um pres­ti­gi­a­do es­tu­di­o­so an­go­la­no li­ga­do a as­sun­tos de de­fe­sa.

Após o ata­que, o Go­ver­no an­go­la­no não se fez ro­ga­do. O seu mi­nis­tro dos Pe­tró­le­os, te­nen­te-co­ro­nel Pe­dro de Cas­tro Van-Dú­nem “Loy”, ime­di­a­ta­men­te des­men­tiu a po­si­ção as­su­mi­da pe­la UNITA, afir­man­do ter-se tra­ta­do, uma vez mais, de uma agres­são do re­gi­me ra­cis­ta sul-afri­ca­no. O Go­ver­no exi­biu pro­vas fí­si­cas e ma­te­ri­ais, no­me­a­da­men­te, o pé re­cu­pe­ra­do de um dos ope­ra­ci­o­nais sul-afri­ca­nos, fi­os de ca­be­lo que in­di­ca­vam ser de uma pes­soa bran­ca e loi­ra, além de oi­to mi­nas re­cu­pe­ra­das, ar­mas e um caderno, fac­tos que ates­ta­vam efec­ti­va­men­te a pre­sen­ça de tro­pas sul-afri­ca­nas na­que­la par­te do so­lo an­go­la­no. De re­al­çar que o caderno con­ti­nha plan­tas da re­fi­na­ria e ano­ta­ções em in­glês e em afri­ka­ans.

Ape­sar dos fac­tos apre­sen­ta­dos pe­lo Go­ver­no de An­go­la, a UNITA ain­da ten­tou for­jar uma ver­são que jus­ti­fi­cas­se que a ope­ra­ção ti­nha si­do de­sen­ca­de­a­da pe­los seus guer­ri­lhei­ros. Mas a jo­ga­da me­diá­ti­ca du­rou pou­co. A apre­sen­ta­ção, pe­las au­to­ri­da­des an­go­la­nas, atra­vés da te­le­vi­são, de um in­di­ví­duo sul-afri­ca­no bran­co e loi­ro, foi um gol­pe de­mo­li­dor, tan­to para a UNITA co­mo para os sul-afri­ca­nos, res­pon­sá­veis pe­los pre­juí­zos cau­sa­dos à eco­no­mia an­go­la­na.

Fi­cou eli­mi­na­da de­fi­ni­ti­va­men­te to­da e qual­quer pre­ten­são de que a Ope­ra­ção Kers­lig ha­via si­do re­a­li­za­da pe­las tro­pas da UNITA.

DR

DR

Tro­pas es­pe­ci­ais da Áfri­ca do Sul es­ti­ve­ram bas­tan­te ac­ti­vas para sa­bo­tar al­guns dos prin­ci­pais ob­jec­ti­vos eco­nó­mi­cos de An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.