O Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Há ain­da no país mui­tos an­go­la­nos sem Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de, o que di­fi­cul­ta a vi­da de mui­tos ci­da­dãos que que­rem re­sol­ver pro­ble­mas de di­ver­sa na­tu­re­za. Mui­tas são as ra­zões por que ain­da há mui­tos an­go­la­nos sem bi­lhe­te de iden­ti­da­de, ten­do o Es­ta­do or­ga­ni­za­do me­ca­nis­mos ex­pe­di­tos para que to­dos os ci­da­dãos pos­sam tra­tar aque­le im­por­tan­te do­cu­men­to de iden­ti­fi­ca­ção.

O Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de é de tal im­por­tân­cia, que para um ci­da­dão re­sol­ver uma sé­rie de pro­ble­mas tem de exi­bi-lo em mui­tas cir­cuns­tân­ci­as, par­ti­cu­lar­men­te pe­ran­te ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca. Num país co­mo o nos­so em que há uma eco­no­mia de mer­ca­do, em que há li­vre ini­ci­a­ti­va eco­nó­mi­ca e em­pre­sa­ri­al, é im­por­tan­te que os ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca li­ga­dos ao ser­vi­ços de iden­ti­fi­ca­ção te­nham uma di­nâ­mi­ca ca­paz de cor­res­pon­der à de­man­da dos ci­da­dãos de do­cu­men­tos in­dis­pen­sá­veis para a re­a­li­za­ção de ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas que po­dem con­tri­buir para o bem es­tar de to­dos nós.

Ho­je são mui­tas cen­te­nas de an­go­la­nos que en­ve­re­dam pe­la vi­da em­pre­sa­ri­al, e faz sen­ti­do que te­nha­mos uma Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca à al­tu­ra das exi­gên­ci­as da­que­les que que­rem, por exem­plo, cri­ar em­pre­sas. To­dos nós sa­be­mos da im­por­tân­cia des­tes agen­tes eco­nó­mi­cos que são as em­pre­sas, so­bre­tu­do num país co­mo o nos­so que pre­ci­sa de re­lan­çar o seu te­ci­do em­pre­sa­ri­al para ter uma ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va di­ver­si­fi­ca­da e con­tí­nua.

É bom sa­ber que a si­tu­a­ção da emis­são de bi­lhe­tes de iden­ti­da­de es­tá re­gu­la­ri­za­da, o que se vai tra­du­zir num au­men­to de an­go­la­nos com es­te do­cu­men­to de su­ma im­por­tân­cia para as su­as vi­das. Rui Man­guei­ra, mi­nis­tro da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, dis­se pe­ran­te de­pu­ta­dos que “ti­ve­mos di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras re­la­ti­va­men­te à ges­tão do pro­ces­so de emis­são de bi­lhe­tes, mas a si­tu­a­ção já es­tá re­sol­vi­da”.

É de fac­to uma boa no­tí­cia es­ta que o mi­nis­tro Rui Man­guei­ra deu aos de­pu­ta­dos, es­pe­ran­do-se que o pro­ces­so de emis­são de bi­lhe­tes de iden­ti­da­de não co­nhe­ça mais des­con­ti­nui­da­des, a fim de que to­dos os an­go­la­nos, de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, pos­sam exi­bir um do­cu­men­to que iden­ti­fi­ca os ci­da­dãos na­ci­o­nais. É boa a ideia anun­ci­a­da pe­lo mi­nis­tro da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos de se cri­ar em ca­da mu­ni­cí­pio um pos­to de emis­são de Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de, des­con­ges­ti­o­nan­do-se as­sim os ser­vi­ços que têm de emi­tir es­se do­cu­men­to. A ce­le­ri­da­de e a sim­pli­fi­ca­ção dos pro­ce­di­men­tos de­vem na ver­da­de ser uma pri­o­ri­da­de dos nos­sos ser­vi­ços pú­bli­cos. AAd­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, ao pros­se­guir o bem-es­tar das pes­so­as, deve pre­o­cu­par-se tam­bém em pro­cu­rar os me­ca­nis­mos que per­mi­tam que es­tas se­jam bem ser­vi­das.

Deve-se com­ba­ter prá­ti­cas que vi­sem com­pli­car os ci­da­dãos que re­cor­rem aos ser­vi­ços da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, para re­sol­ver os seus pro­ble­mas. Aque­le que tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de pra­ti­car um ac­to para re­sol­ver um pro­ble­ma des­te ou da­que­le ci­da­dão deve fa­zê-lo no es­tri­to cum­pri­men­to da lei, na pers­pec­ti­va sem­pre de de­fen­der o in­te­res­se pú­bli­co.

Os ser­vi­do­res do Es­ta­do exis­tem para re­sol­ver os pro­ble­mas das pes­so­as, e não para “in­fer­ni­zar” as su­as vi­das co­mo por ve­zes acon­te­ce. O pro­ces­so de cons­tru­ção do pro­gres­so do país exi­ge que ha­ja no Es­ta­do ser­vi­do­res que te­nham, não só ele­va­da com­pe­tên­cia téc­ni­ca, mas tam­bém al­to sen­ti­do de justiça e em­pe­nho efec­ti­vo em ser­vir a co­mu­ni­da­de.

Os mem­bros da co­mu­ni­da­de de­vem ser tra­ta­dos com mui­to res­pei­to pe­la Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, que tem o de­ver de pro­cu­rar so­lu­ções para mui­tos dos seus pro­ble­mas. Os ser­vi­ços da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca de­vem es­tar ca­da vez mais pró­xi­mos da co­mu­ni­da­de, para que co­nhe­çam os seus re­ais pro­ble­mas e pro­cu­rem os me­ca­nis­mos apro­pri­a­dos para os re­sol­ver. Um ser­vi­dor do Es­ta­do não deve fi­car alheio aos pro­ble­mas que tem de su­pe­rar, para sa­tis­fa­zer vá­ri­as ne­ces­si­da­des da co­mu­ni­da­de.

Os gui­chés de re­cla­ma­ção de­vem con­ti­nu­ar a exis­tir nos di­ver­sos de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais para que os ser­vi­do­res do Es­ta­do se aper­ce­bam das pre­o­cu­pa­ções dos ci­da­dãos. Es­tes têm o di­rei­to de exi­gir um ser­vi­ço pú­bli­co de ex­ce­lên­cia. Os gui­chés de re­cla­ma­ções não de­vem fi­car nos de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais ape­nas para cri­ar a im­pres­são de que há pre­o­cu­pa­ção de se re­co­lhe­rem as crí­ti­cas dos ci­da­dãos. Es­tas crí­ti­cas de­vem ser li­das e ti­das em con­ta, de­ven­do ha­ver con­sequên­ci­as, no ca­so de ser ne­ces­sá­rio me­lho­rar o que es­tá mal. O país deve avan­çar cons­tan­te­men­te tam­bém ao ní­vel da nos­sa Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, que deve pos­suir uma má­qui­na ca­paz de, com efi­ci­ên­cia, tra­tar dos ca­sos que lhe são sub­me­ti­dos. Os nos­sos ser­vi­ços pú­bli­cos pre­ci­sam de qua­dros que es­te­jam per­ma­nen­te­men­te dis­po­ní­veis para aju­dar a cons­truir uma so­ci­e­da­de em que as ins­ti­tui­ções fun­ci­o­nem, no in­te­res­se da co­lec­ti­vi­da­de.

A emis­são do Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de é uma das gran­des ta­re­fas de um de­par­ta­men­to mi­nis­te­ri­al re­le­van­te, o Mi­nis­té­rio da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos. Os qua­dros des­te Mi­nis­té­rio de­vem ter cons­ci­ên­cia da im­por­tân­cia da sua mis­são, no que diz res­pei­to à emis­são de um do­cu­men­to que é mui­tas ve­zes o pon­to de par­ti­da para a re­so­lu­ção de vá­ri­os pro­ble­mas na vi­da de mui­tos ci­da­dãos, nas re­la­ções en­tre si e com o Es­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.