Paí­ses ri­cos e paí­ses po­bres

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FI­LI­PE ZAU |* * Ph. D em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção e Mes­tre em Re­la­ções In­ter­cul­tu­rais

Con­si­de­rar que um país é ri­co ou po­bre em fun­ção da sua mai­or ou me­nor po­ten­ci­a­li­da­de em ma­té­ri­as-pri­mas e não em fun­ção do de­sen­vol­vi­men­to dos seus re­cur­sos hu­ma­nos é, sem dú­vi­da al­gu­ma, um equí­vo­co de enor­me di­men­são. Por ana­lo­gia, que po­bre se­ria a Suí­ça, pra­ti­ca­men­te sem ma­té­ri­as­pri­mas, que ape­sar de não ter ca­cau pro­duz o me­lhor cho­co­la­te do mun­do.

O IDH é uma me­di­da com­pa­ra­ti­va, usa­da para clas­si­fi­car os paí­ses de acor­do com o seu Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no, se­pa­ran­do, as­sim, os de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no mui­to al­to – paí­ses de­sen­vol­vi­dos – dos que têm um de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no mé­dio – paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to – e dos que têm um de­sen­vol­vi­men­to bai­xo – paí­ses sub­de­sen­vol­vi­dos ou “paí­ses do ter­cei­ro mun­do”. A es­ta­tís­ti­ca é fei­ta a par­tir dos se­guin­tes in­di­ca­do­res, re­co­lhi­dos a ní­vel na­ci­o­nal: Ex­pec­ta­ti­va de vi­da ao nas­cer, Edu­ca­ção e PIB per ca­pi­ta (um in­di­ca­dor do pa­drão de vi­da).

Se­gun­do se pen­sa, o ter­mo “Ter­cei­ro Mun­do” foi pe­la pri­mei­ra vez uti­li­za­do pe­lo de­mó­gra­fo fran­cês Al­fred Sauvy que, tan­to quan­to se sa­be, se ins­pi­rou no tí­tu­lo da bro­chu­ra do po­lí­ti­co gau­lês Em­ma­nu­el J. Si­eyès – Qu’est-ce que le ti­ers état? (1789) – ao pre­ten­der re­fe­ren­ci­ar um nú­me­ro re­le­van­te de paí­ses e po­vos mar­gi­na­li­za­dos no sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal do pós-gu­er­ra.

Ho­je, es­tes paí­ses e po­vos, ape­nas de­no­mi­na­dos por paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to ou paí­ses po­bres (já que a de­no­mi­na­ção paí­ses do Ter­cei­ro Mun­do e paí­ses sub­de­sen­vol­vi­dos caiu em de­su­so) fo­ram ca­rac­te­ri­za­dos por Fou­ras­tié e Vi­mont co­mo sen­do paí­ses (ou sim­ples­men­te na­ções) cu­jos po­vos apre­sen­tam: ele­va­do ín­di­ce de na­ta­li­da­de e de mor­ta­li­da­de, com bai­xa es­pe­ran­ça de vi­da e um mo­dus vi­ven­di in­tui­ti­vo, tra­di­ci­o­na­lis­ta e sem ini­ci­a­ti­va em­pre­sa­ri­al; re­gem-se por es­tru­tu­ras po­lí­ti­cas ar­cai­cas, sem clas­se mé­dia e com for­te dis­cri­mi­na­ção das mu­lhe­res; bai­xa es­co­la­ri­za­ção e fal­ta de re­cur­sos hu­ma­nos, ele­va­do de­sem­pre­go e su­bem­pre­go; fra­co ín­di­ce de in­ves­ti­men­to, pro­du­ti­vi­da­de, au­to­con­su­mo, ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra e pou­pan­ça agrá­ria; de­pen­den­tes do es­tran­gei­ro para on­de ex­por­tam a mai­or par­te das su­as ma­té­ri­as-pri­mas.

Ape­sar do enor­me po­ten­ci­al em ma­té­ri­as-pri­mas, as ra­zões da po­bre­za, co­mo acon­te­ce ho­je na mai­o­ria dos paí­ses sub­sa­a­ri­a­nos, têm cau­sas in­ter­nas, mas, tam­bém ex­ter­nas, por mui­to que doa às an­ti­gas po­tên­ci­as co­lo­ni­ais.

Jo­sé Car­los Ve­nân­cio, Pro­fes­sor Ca­te­drá­ti­co da Uni­ver­si­da­de da Bei­ra In­te­ri­or, é pe­remp­tó­rio em afir­mar que, se a cri­se do Es­ta­do em Áfri­ca é, in­du­bi­ta­vel­men­te, o la­do mais vi­sí­vel do sub­de­sen­vol­vi­men­to ob­ser­va­do nes­te con­ti­nen­te, uma boa par­te da res­pon­sa­bi­li­da­de des­sa cri­se deve ser atri­buí­da ao Es­ta­do co­lo­ni­al. “Aos go­ver­nan­tes afri­ca­nos, às eli­tes pós-co­lo­ni­ais, ape­nas se po­de apon­tar, nes­tas cir­cuns­tân­ci­as, a fal­ta de von­ta­de ou a in­ca­pa­ci­da­de de al­te­rar es­ta or­dem de coi­sas.”

O fim do trá­fi­co ne­grei­ro foi ofi­ci­al­men­te de­cre­ta­do, em 1836. A abo­li­ção da es­cra­va­tu­ra, sem que os “li­ber­tos” dei­xas­sem de tra­ba­lhar para os seus an­ti­gos pro­pri­e­tá­ri­os, ocor­reu ape­nas, em 1869. O fim da Lei do In­di­ge­na­to, em Se­tem­bro de 1961, na sequên­cia do iní­cio da lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, a 4 de Fe­ve­rei­ro des­se ano.

Com ba­se em cri­té­ri­os de “ra­ça”, a ad­mi­nis­tra­ção co­lo­ni­al impôs um mo­de­lo de apren­di­za­gem para o tra­ba­lho, as­sen­te nu­ma re­du­zi­da es­co­la­ri­za­ção, de mo­do a im­por, por um la­do, uma mai­or do­mi­na­ção e su­bor­di­na­ção dos cha­ma­dos “in­dí­ge­nas” e, por ou­tro, uma mai­or ca­pi­ta­li­za­ção dos seus in­te­res­ses co­lo­ni­ais. An­go­la, para a ad­mi­nis­tra­ção por­tu­gue­sa, era, se­gun­do Mar­tins dos San­tos, uma co­ló­nia que in­te­res­sa­va, so­bre­tu­do, co­mo “mi­na da es­cra­va­ria” a ser uti­li­za­da em ou­tros pon­tos ge­o­grá­fi­cos. Nes­te con­tex­to, eram pou­co re­le­van­tes as pre­o­cu­pa­ções de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, con­tra­ri­a­men­te ao que ocor­reu, por exem­plo, “no Bra­sil, des­de sem­pre tra­ta­do co­mo país de co­lo­ni­za­ção eu­ro­peia e fon­te pro­du­to­ra de bens agrí­co­las e mi­nei­ros.”

Se­gun­do Ge­rald Ben­der, Nor­ton de Matos, al­to-co­mis­sá­rio (1912-1915) e, pos­te­ri­or­men­te, go­ver­na­dor-ge­ral de An­go­la (1921-1923), te­mia que a in­fe­ri­o­ri­da­de dos afri­ca­nos, pu­des­se di­fi­cul­tar a efi­cá­cia da co­lo­ni­za­ção por­tu­gue­sa, se o Go­ver­no, du­ran­te um sé­cu­lo, pe­lo me­nos, não co­lo­cas­se os “(…) mai­o­res obs­tá­cu­los à fu­são da ra­ça bran­ca com as ra­ças in­dí­ge­nas de An­go­la.” Daí ter clas­si­fi­ca­do a po­pu­la­ção an­go­la­na, em cin­co ca­te­go­ri­as: “os sil­ví­co­las ain­da não in­flu­en­ci­a­dos pe­lo vi­ver pró­prio dos bran­cos, com os seus cos­tu­mes pró­pri­os; os eu­ro­peus que se em­bru­te­ce­ram em con­tac­to com os au­tóc­to­nes e adop­ta­ram cos­tu­mes e há­bi­tos cor­res­pon­den­tes; os na­ti­vos as­si­mi­la­dos, mas sem ocu­pa­ção útil, re­si­den­tes nos su­búr­bi­os das ci­da­des, co­nhe­ci­dos pe­la de­sig­na­ção de cal­ci­nhas, na lin­gua­gem cor­ren­te; os na­tu­rais que adop­ta­ram cos­tu­mes ci­vi­li­za­dos, in­te­gran­do-se na vi­da so­ci­al em mol­des eu­ro­peus; os bran­cos que for­ma­vam o nú­cleo ori­en­ta­dor por ex­ce­lên­cia, pro­mo­tor da ele­va­ção cul­tu­ral, eco­nó­mi­ca e so­ci­al”.

Es­ta di­vi­são por gru­pos da so­ci­e­da­de an­go­la­na é co­men­ta­da por Mar­tins dos San­tos, da se­guin­te for­ma: “Ven­do as coi­sas com olhos do nos­so tempo e ob­ser­van­do-as sob o pris­ma da justiça e do bom sen­so, te­mos que pôr re­ser­vas à ori­en­ta­ção da­da ao es­ta­be­le­ci­men­to e fun­ci­o­na­men­to das es­co­las-ofi­ci­nas, que eram se­gre­ga­ci­o­nis­tas, con­tra o sen­tir ge­ral por­tu­guês, pe­lo me­nos na ex­pres­são ofi­ci­al, que se apre­sen­ta­va fa­vo­rá­vel à in­te­gra­ção. Se aque­la ori­en­ta­ção per­sis­tis­se e fos­se re­for­ça­da, An­go­la te­ria so­fri­do os in­con­ve­ni­en­tes de uma men­ta­li­da­de que se apro­xi­ma­ria do apartheid ”.

De acor­do com o vo­lu­me III de “Memória e tra­ba­lhos da mi­nha vi­da” da au­to­ria do pró­prio Nor­ton de Matos, “(…) es­ta era tam­bém a for­ma mais fá­cil de os man­ter su­bor­di­na­dos, ames­tra­dos e na­tu­ral­men­te in­ca­pa­zes de ga­nha­rem cons­ci­ên­cia da sua si­tu­a­ção. Por is­so a apo­lo­gia das es­co­las-ofi­ci­nas co­mo ga­ran­tia da pre­ven­ção con­tra even­tu­ais de­sor­dens, le­van­ta­men­tos, e co­mo meio de ca­pi­ta­li­zar o in­dí­ge­na.”

Che­gou a ge­ne­ra­li­zar-se a ideia de que um ope­rá­rio le­tra­do se in­te­res­sa­va me­nos pe­lo seu ofí­cio do que um anal­fa­be­to, pois quem sabia ler ape­nas as­pi­ra­va a ser fun­ci­o­ná­rio ou es­cre­ven­te. Pen­sa­va-se tam­bém, se ha­ve­ria con­ve­ni­ên­cia em pro­vo­car a con­cor­rên­cia do téc­ni­co “in­dí­ge­na” fa­ce ao ar­tis­ta me­câ­ni­co eu­ro­peu, “uma odi­o­sa for­ma de dis­cri­mi­na­ção, de­pri­men­te e de­gra­dan­te”.

A he­ran­ça de cer­ca de 85% de anal­fa­be­tos her­da­dos da ad­mi­nis­tra­ção co­lo­ni­al por­tu­gue­sa pe­sa até ho­je no es­ta­do de po­bre­za dos an­go­la­nos, que, para além de um bai­xo sen­ti­do de au­to­es­ti­ma que lhes foi im­pos­to, sou­be­ram er­guer-se e ho­je, para tristeza de mui­ta gen­te, tam­bém sa­bem atre­ver-se.

Há quem afir­me que, em 41 anos de in­de­pen­dên­cia, “o país é ri­co e tem 20 mi­lhões de po­bres” o que es­ta­tis­ti­ca­men­te es­tá lon­ge de es­tar ac­tu­a­li­za­do. Per­gun­to-me, en­tão, co­mo em 400 anos de ad­mi­nis­tra­ção co­lo­ni­al por­tu­gue­sa, a ex-po­tên­cia co­lo­ni­za­do­ra, que, para além das su­as pos­ses­sões em Áfri­ca, te­ve ain­da o Bra­sil, Goa, Da­mão, Diu e Ti­mor, é um país de pe­ri­fe­ria na Eu­ro­pa? Diz o ro­to ao nu…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.