Fu­tu­ro con­ti­nua por de­fi­nir na Gui­né-Bis­sau

Par­ti­do ven­ce­dor das le­gis­la­ti­vas acu­sa o Che­fe de Es­ta­do de es­tar por trás da cri­se po­lí­ti­ca

Jornal de Angola - - MUNDO - PI­MEN­TA KAJOCOLO |*

Um pri­mei­ro-mi­nis­tro no­me­a­do e, ao que pa­re­ce, em ple­no exer­cí­cio das su­as fun­ções e um Go­ver­no por for­mar re­pre­sen­tam o ac­tu­al ce­ná­rio po­lí­ti­co que con­ti­nua a pre­va­le­cer na Gui­néBis­sau. As “dis­fun­ci­o­na­li­da­des cog­ni­ti­vas” con­ti­nu­am na or­dem do dia, au­men­tan­do as dú­vi­das e in­cer­te­zas em re­la­ção ao fu­tu­ro.

Ape­sar da en­tra­da em gran­de do ac­tu­al che­fe do Exe­cu­ti­vo, que mar­cou o iní­cio das su­as fun­ções, com dois ac­tos de in­ques­ti­o­ná­vel va­lia, o que re­pre­sen­tou, sem som­bra de dú­vi­das, o fim da gre­ve que há cer­ca de seis me­ses pa­ra­li­sou os sec­to­res da saú­de e da edu­ca­ção, es­tas ac­ções po­dem, en­tre­tan­to, não sig­ni­fi­car o fim da “odis­seia”.

Po­dem, sim, ter-lhe va­li­do al­guns pon­tos, mas não os su­fi­ci­en­tes para ul­tra­pas­sar os gran­des de­sa­fi­os que tem pe­la fren­te, on­de o fo­co pas­sa por con­ven­cer os seus ad­ver­sá­ri­os, com o PAIGC à ca­be­ça, em re­la­ção à jus­te­za da sua no­me­a­ção.

Con­sequên­cia das dú­vi­das que per­sis­tem em re­la­ção à no­me­a­ção do pri­mei­ro-mi­nis­tro, a Co­mis­são Per­ma­nen­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal Po­pu­lar (ANP) or­de­nou a sus­pen­são da pri­mei­ra ses­são or­di­ná­ria da no­na le­gis­la­tu­ra, até que se con­clua o pro­ces­so de im­ple­men­ta­ção dos pri­mei­ros três pon­tos do acor­do de Co­na­cri.

A in­ten­ção é “per­mi­tir que ha­ja o des­blo­queio de­fi­ni­ti­vo do fun­ci­o­na­men­to do ple­ná­rio, cu­ja agenda é de­fi­ni­da pe­los ins­tru­men­tos que re­sul­tem da exe­cu­ção efec­ti­va dos pon­tos em re­fe­rên­cia”.

O Acor­do de Co­na­cri

Dos três pon­tos pre­vis­tos no acor­do de Co­na­cri, o pri­mei­ro de­fi­ne a ide­a­li­za­ção de um pro­ces­so con­sen­su­al para a es­co­lha de um pri­mei­ro-mi­nis­tro que se­ja da con­fi­an­ça do Pre­si­den­te da República, para exer­cer as su­as fun­ções até às elei­ções le­gis­la­ti­vas de 2018. O se­gun­do es­ta­be­le­ce a for­ma­ção de um go­ver­no in­clu­si­vo, com um or­ga­no­gra­ma ne­go­ci­a­do de for­ma con­sen­su­al, en­tre os par­ti­dos po­lí­ti­cos re­pre­sen­ta­dos na ANP. Pre­vê ain­da a di­vi­são pro­por­ci­o­nal dos car­gos, de acor­do com a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de que ca­da uma das for­ças po­lí­ti­ca tem no Par­la­men­to, ao pas­so que o úl­ti­mo es­ta­be­le­ce a pos­si­bi­li­da­de de se no­me­ar, para o Go­ver­no in­clu­si­vo, per­so­na­li­da­des in­de­pen­den­tes e da so­ci­e­da­de ci­vil.

O PAIGC con­si­de­ra a no­me­a­ção do pri­mei­ro-mi­nis­tro pre­nhe de ir­re­gu­la­ri­da­des, que, na prá­ti­ca, vi­o­lam os acor­dos de Co­na­cri, so­bre­tu­do no seu pon­to 1, que de­fi­ne as mo­da­li­da­des para a no­me­a­ção do che­fe do Exe­cu­ti­vo e con­si­de­ra a no­me­a­ção uma ten­ta­ti­va do Pre­si­den­te Má­rio Vaz de “im­plan­tar a di­ta­du­ra” no país.

Po­si­ção do PAIGC

O par­ti­do mai­o­ri­tá­rio na Gui­néBis­sau e o Mo­vi­men­to para a Mu­dan­ça (MD) clas­si­fi­cam a in­di­ca­ção do pri­mei­ro-mi­nis­tro co­mo um as­sun­to que fi­cou re­sol­vi­do na Ci­mei­ra de Co­na­cri, mas que, no en­tan­to, pe­cou por não es­tar subs­cri­to no acor­do, o que, por si só, au­men­tam as dú­vi­das em re­la­ção ao as­sun­to.

Por sua vez, o par­ti­do União para Mu­dan­ça (UM) de­mar­cou-se do pró­xi­mo Go­ver­no da Gui­né-Bis­sau, a ser li­de­ra­do por Uma­ro Sis­so­co Em­ba­ló, por con­si­de­rar que a no­me­a­ção des­te é uma de­ci­são uni­la­te­ral do Pre­si­den­te gui­ne­en­se, anun­ci­ou em co­mu­ni­ca­do.

A for­ça po­lí­ti­ca, que con­ta com um de­pu­ta­do no Par­la­men­to, en­ten­de que o Che­fe do Es­ta­do, Jo­sé Má­rio Vaz, “rom­peu em de­fi­ni­ti­vo” o acor­do de Co­na­cri, - me­di­a­do pe­la co­mu­ni­da­de Oes­te Afri­ca­na, com vis­ta à busca de um con­sen­so na Gui­né-Bis­sau - ao no­me­ar Sis­so­co Em­ba­ló para pri­mei­ro-mi­nis­tro.

Por for­ça das dú­vi­das que pai­ram em re­la­ção ao as­sun­to, o Pre­si­den­te da ANP, Ci­pri­a­no Cas­sa­má, ins­tou o me­di­a­dor da cri­se po­lí­ti­ca no país, o Pre­si­den­te da Gui­né-Co­na­cri, no sen­ti­do de es­cla­re­cer quem de fac­to foi es­co­lhi­do de for­ma con­sen­su­al para ser pri­mei­ro-mi­nis­tro em Bis­sau. As de­cla­ra­ções, de acor­do com fon­tes po­lí­ti­cas em Bis­sau, al­te­ra­ram, de al­gu­ma for­ma, o sen­ti­do das pri­mei­ras que pro­fe­riu em Da­kar, on­de se en­con­tra­va em vis­ta de tra­ba­lho. Ho­ras de­pois de to­mar pos­se, o pri­mei­ro-mi­nis­tro gui­ne­en­se des­lo­cou-se ao Se­ne­gal para in­for­mar ao Pre­si­den­te Macky Sall so­bre os úl­ti­mos de­sen­vol­vi­men­tos da si­tu­a­ção na Gui­né.

No fi­nal do en­con­tro, os dois di­ri­gen­tes ma­ni­fes­ta­ram-se op­ti­mis­tas em re­la­ção ao des­fe­cho do pro­ces­so em cur­so. O con­tras­te nas de­cla­ra­ções de Ci­pri­a­no Cas­sa­má aca­bou por le­van­tar al­gum “ciú­me”, so­bre­tu­do nas hos­tes do PAIGC, par­ti­do do qual é mem­bro, que en­ca­rou o ges­to co­mo uma pre­ten­sa vi­ra­gem à es­quer­da do Pre­si­den­te da ANP.

Es­te ti­po de ac­ções é ti­do co­mo mui­to co­mum na Gui­né-Bis­sau, quan­do em cau­sa es­ti­ver a lu­ta por um car­go po­lí­ti­co ou pe­la sua ma­nu­ten­ção. As ca­lú­ni­as, in­tri­gas pes­so­ais e a tro­ca de in­for­ma­ções, com acu­sa­ções pe­lo meio, re­pre­sen­tam as ar­mas uti­li­za­das, quan­do es­tão em jo­go os in­te­res­ses pes­so­ais de uma ou mais pes­so­as, na sua mai­o­ria li­ga­das ao po­der ou aos par­ti­dos po­lí­ti­cos.

Nes­tes ca­sos, os “tro­ca­di­lhos” aca­bam por cons­ti­tuir ver­da­dei­ros mo­tes para ou­tras ocor­rên­ci­as, co­mo a ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca cró­ni­ca que en­fren­ta o país e que não ra­ras ve­zes aca­bam em gol­pes de es­ta­do.

A is­so as­so­cia-se a tro­ca de mi­mos en­tre as du­as das prin­ci­pais for­ças po­lí­ti­cas do país, co­mo aliás acon­te­ce ac­tu­al­men­te en­tre o PAIGC e o PRS, que acu­sou o pri­mei­ro de es­tar a re­cru­tar e ali­ci­ar a clas­se cas­tren­se para sub­ver­ter a or­dem cons­ti­tu­ci­o­nal no país.

O PAIGC des­men­tiu a no­tí­cia, con­si­de­ran­do o co­mu­ni­ca­do dos re­no­va­do­res um ab­so­lu­to desespero por não es­ta­rem a en­con­trar saí­das para a “em­bru­lha­da” em que se en­vol­ve­ram ao se ali­a­rem aos 15 de­pu­ta­dos ex­pul­sos do PAIGC e ao Pre­si­den­te da República, “que re­flec­te um ac­to de to­tal ig­no­rân­cia, fal­ta de éti­ca e sen­ti­do po­lí­ti­co”.

Fon­tes po­lí­ti­cas con­si­de­ram es­ses de­sar­ran­jos po­lí­ti­cos co­mo al­gu­mas das prin­ci­pais cau­sas do pro­ble­ma na Gui­né-Bis­sau, ali­men­ta­dos por in­te­res­ses a vá­ri­os ní­veis, tan­tos na­ci­o­nais co­mo ex­ter­nos, em ope­ra­ções que en­vol­vem avul­ta­das so­mas em di­nhei­ro e com­pra de cons­ci­ên­ci­as.

As fon­tes da cri­se

Um gru­po de au­to­ri­da­des ecle­siás­ti­cas da Gui­né-Bis­sau que se en­vol­veu nu­ma mis­são de re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal de to­dos os gui­ne­en­ses con­si­de­ra­ra a ape­tên­cia pe­lo po­der, o en­ri­que­ci­men­to fá­cil e a cor­rup­ção co­mo uma das prin­ci­pais fon­tes da cri­se no país.

Ao re­a­gir aos úl­ti­mos acon­te­ci­men­tos que se re­gis­tam na Gui­néBis­sau, o ex-Pre­si­den­te ca­bo-ver­di­a­no Pe­dro Pi­res afir­mou-se an­gus­ti­a­do com a si­tu­a­ção, com a no­me­a­ção, pe­lo Che­fe de Es­ta­do, de um no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro, para li­de­rar o quin­to Go­ver­no em dois anos.

Al­guns dias an­tes da as­si­na­tu­ra dos acor­dos de Co­na­cri, o Pre­si­den­te Má­rio Vaz pro­mo­veu o che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das à mais al­ta dis­tin­ção mi­li­tar. Bi­a­guê Na N'tan foi pro­mo­vi­do ao grau mi­li­tar de Ge­ne­ral de Di­vi­são, a mais al­ta dis­tin­ção a ní­vel das For­ças Ar­ma­das do país. Com es­ta pro­mo­ção, fei­ta du­ran­te o Con­se­lho Su­pe­ri­or da De­fe­sa Na­ci­o­nal, o ge­ne­ral de di­vi­são, Bi­a­guê Na N'tan é ago­ra a se­gun­da fi­gu­ra na his­tó­ria do país, de­pois do fi­na­do Pre­si­den­te Ni­no Vi­ei­ra. Ou­tros qua­tro ofi­ci­ais das For­ças Ar­ma­das e da Ar­ma­da fo­ram igual­men­te pro­mo­vi­dos aos graus de bri­ga­dei­ro-ge­ne­ral, con­tra al­mi­ran­te e co­mo­do­ro.

Nes­ta con­for­mi­da­de, o vi­ce-che­fe do Es­ta­do-Mai­or, co­ro­nel Ste­ve Las­sa­na Mas­saly foi pro­mo­vi­do ao grau de bri­ga­dei­ro-ge­ne­ral, en­quan­to o co­mis­sá­rio po­lí­ti­co do Es­ta­do Mai­orGe­ne­ral das For­ças Ar­ma­das, co­ro­nel Al­ber­ti­no An­tó­nio Cu­ma, pas­sou para bri­ga­dei­ro- ge­ne­ral. Na Ma­ri­nha, o che­fe de Es­ta­do-Mai­or, Car­los Al­ber­to Man­dunghal, pas­sou de Co­mo­do­ro a Con­tra Al­mi­ran­te e o seu ad­jun­to, Ar­man­do Si­ga, su­biu de ca­pi­tão-de-fra­ga­ta a Co­mo­do­ro.

Fa­lan­do em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, re­a­li­za­da após a ce­ri­mó­nia de pro­mo­ção, o che­fe de Es­ta­doMai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das, Bi­a­guê Na N'tan, re­a­fir­mou a to­tal sub­mis­são das au­to­ri­da­des cas­tren­ses ao po­der po­lí­ti­co.

“É im­por­tan­te que as For­ças Ar­ma­das da Gui­né-Bis­sau vol­tem a par­ti­ci­par nas mis­sões in­ter­na­ci­o­nais de ma­nu­ten­ção de paz”, de­fen­deu o ago­ra Ge­ne­ral de Di­vi­são.

Fu­ga para fren­te

Nu­ma cam­pa­nha que es­tá a ser vis­ta co­mo ver­da­dei­ra fu­ga para fren­te, para tor­nar viá­vel a sua per­ma­nên­cia no car­go, o no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro da Gui­né-Bis­sau, Uma­ro Mokh­tar Sis­so­co Em­ba­ló, apres­sou-se a cus­te­ar, em no­me do Exe­cu­ti­vo que di­ri­ge, os gas­tos com a par­ti­ci­pa­ção da se­lec­ção na­ci­o­nal de fu­te­bol no Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções CAN-Ga­bão 2017.

O anún­cio foi fei­to na pas­sa­da se­gun­da-fei­ra pe­lo pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção de Fu­te­bol da Gui­né-Bis­sau, à saí­da de um en­con­tro com o no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro.

Se­gun­do Ma­nu­el Iré­nio Nas­ci­men­to Lo­pes (Ma­ne­li­nho), o che­fe do Exe­cu­ti­vo ga­ran­tiu o apoio to­tal do seu Go­ver­no à cobertura das des­pe­sas da par­ti­ci­pa­ção dos “Djur­tus” no tor­neio afri­ca­no de fu­te­bol, dis­po­ni­bi­li­zan­do “um ou dois aviões” para a trans­por­ta­ção dos adep­tos gui­ne­en­ses que vão apoi­ar a se­lec­ção na­ci­o­nal, uma ac­ção que, para ana­lis­tas po­lí­ti­cos, re­pre­sen­ta um es­for­ço do pri­mei­ro-mi­nis­tro para ten­tar “ta­par o sol com a pe­nei­ra”.

AFP

So­ci­e­da­de ci­vil gui­ne­en­se ape­la ao res­pei­to es­cru­pu­lo­so dos com­pro­mis­sos po­lí­ti­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.