In­cen­ti­vo à Bo­eing con­si­de­ra­do ile­gal

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

Al­gu­mas das sub­ven­ções da­das pe­las au­to­ri­da­des nor­te-ame­ri­ca­nas ao cons­tru­tor de aviões Bo­eing são ile­gais e não es­tão de acor­do com as re­gras da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC).

A de­ci­são foi to­ma­da na se­gun­da­fei­ra por um tri­bu­nal de pe­ri­tos da OMC en­car­re­gue de ana­li­sar o li­tí­gio co­mer­ci­al que opõe a União Eu­ro­peia (UE) e os Es­ta­dos Uni­dos.

De acor­do com a de­ci­são di­vul­ga­da se­gun­da-fei­ra, uma par­te das aju­das fis­cais con­ce­di­das pe­lo es­ta­do de Washing­ton e des­ti­na­das ao fa­bri­co do no­vo avião de lon­go cur­so 777 X são sub­ven­ções “in­ter­di­tas” ao abri­go das re­gras da OMC.

Os Es­ta­dos Uni­dos têm 90 dias para ac­tu­ar em con­for­mi­da­de com a de­ci­são mas a Bo­eing já in­di­cou que “pro­va­vel­men­te” vão re­cor­rer. Para a co­mis­sá­ria eu­ro­peia do Co­mér­cio, Ce­ci­lia Malms­tro­em, “a de­ci­são da OMC é uma im­por­tan­te vi­tó­ria para a UE e a sua in­dús­tria ae­ro­náu­ti­ca”.

Num co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do em Bru­xe­las, a Co­mis­são re­a­fir­ma que a de­ci­são nor­te-ame­ri­ca­na de No­vem­bro de 2013 de alar­gar as isen­ções fis­cais à Bo­eing até 2040 “con­tra­ria an­te­ri­o­res de­ci­sões” da or­ga­ni­za­ção. O va­lor das sub­ven­ções proi­bi­das as­cen­de a 5.700 mi­lhões de dó­la­res. A OMC tem si­do pal­co de uma dis­pu­ta, há mais de dez anos, en­tre a Bo­eing e a Air­bus, atra­vés dos Es­ta­dos Uni­dos e UE.

A Re­de An­go­la de Em­pre­en­de­do­ris­mo, um pro­jec­to de âm­bi­to na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, or­ga­ni­za­da em co­o­pe­ra­ti­va para de­sen­vol­ver a pla­ta­for­ma co­mer­ci­al, abre uma bol­sa de ne­gó­ci­os no pró­xi­mo dia 14 de De­zem­bro, anun­ci­ou on­tem, em Lu­an­da, o pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção.

Du­rel Vi­lhe­te dis­se que o cer­ta­me tem co­mo ob­jec­ti­vo apoi­ar os jo­vens a po­rem em exe­cu­ção os seus pro­jec­tos fu­tu­ros, com a aju­da de ban­cos e ou­tras em­pre­sas com ex­pe­ri­ên­cia com­pro­va­da no mer­ca­do. O pro­jec­to vi­sa de­sen­vol­ver o es­pí­ri­to de par­ti­lha de ser­vi­ços, para fo­men­tar o de­sen­vol­vi­men­to da co­mu­ni­da­de ci­vil e cris­tã, e pro­mo­ver o in­ter­câm­bio, in­ter-aju­da dos ser­vi­ços pro­fis­si­o­nais nas co­mu­ni­da­des. A ini­ci­a­ti­va em­pre­sa­ri­al foi con­ce­bi­do para au­xi­li­ar os pro­gra­mas do Es­ta­do, na pro­mo­ção do em­pre­en­de­do­ris­mo para jo­vens a ní­vel lo­cal. Du­rel Vi­lhe­te dis­se que a Pla­ta­for­ma Co­mer­ci­al de ges­tão e ne­gó­ci­os exis­te nas pro­vín­ci­as de Ma­lan­je, Hu­am­bo, Cu­an­do Cu­ban­go, Ca­bin­da e Uí­ge, on­de já fo­ram in­di­ca­dos de­le­ga­dos para a for­ma­ção dos nú­cle­os. A ní­vel In­ter­na­ci­o­nal, a Re­de An­go­la tem re­pre­sen­ta­ção na Suí­ça, Ale­ma­nha e Bél­gi­ca.

“Exis­tem em­pre­en­de­do­res e pro­fis­si­o­nais de ne­gó­ci­os com di­fi­cul­da­de na im­ple­men­ta­ção do seu ne­gó­cio ou pro­jec­to, por is­so, es­ta­mos aqui, para au­xi­li­ar e re­sol­ver as gran­des di­fi­cul­da­des que os im­pe­dem de exe­cu­tar as gran­des, pe­que­nas e me­di­as em­pre­sas”, re­fe­riu. A bol­sa é de ca­rác­ter in­clu­si­vo e é cons­ti­tuí­da por 12 nú­cle­os e dois mil mem­bros. A Re­de Eco­nó­mi­ca de De­sen­vol­vi­men­to dos Em­pre­en­de­do­res e Pro­fis­si­o­nais (RE­DE. AN­GO­LA), ex­ten­si­va a pe­que­nas, mi­cro em­pre­sas e em­pre­en­de­do­res li­be­rais para pos­si­bi­li­tar no de­sen­vol­vi­men­to dos seus os pro­jec­tos, é um pro­jec­to im­ple­men­ta­do para jo­vens que quei­ram ex­pan­dir o seu ne­gó­cio.

Os em­pre­en­de­do­res e pro­fis­si­o­nais de ne­gó­ci­os que quei­ram as­so­ci­ar-se à ini­ci­a­ti­va de­vem ins­cre­ver-se em nú­cle­os or­ga­ni­za­dos por mei­os das as­so­ci­a­ções ci­vis, re­li­gi­o­sas e co­mis­são de mo­ra­do­res, no Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga, na agência da Mar­tal-Te­le­com.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.