Van quer mai­or va­lo­ri­za­ção das ar­tes

Jornal de Angola - - CULTURA -

O ar­tis­ta plás­ti­co Francisco VanDú­nem “Van” des­ta­cou on­tem, em Lu­an­da, a ne­ces­si­da­de de im­pul­si­o­nar-se, ca­da vez mais, as ar­tes plás­ti­cas, so­bre­tu­do no âm­bi­to da cir­cu­la­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção des­te pro­du­to cul­tu­ral.

Em entrevista à An­gop so­bre o es­ta­do ac­tu­al das ar­tes plás­ti­cas no país, Van adi­an­tou que em An­go­la exis­tem pou­cos co­lec­ci­o­na­do­res de ar­te, des­ta­can­do-se o fac­to de a mai­or par­te das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das te­rem as su­as paredes ca­ren­tes de pe­ças de ar­te.

“Nos ho­téis e nos ser­vi­ços si­mi­la­res, re­gis­ta-se a mes­ma coi­sa. Os es­pa­ços pú­bli­cos, co­mo os lar­gos, os jar­dins, os ae­ro­por­tos, as gran­des edi­fi­ca­ções de en­ge­nha­ria e ar­qui­tec­tu­ra, sal­vo mui­to ra­ras ex­cep­ções, não in­te­gram as ar­tes plás­ti­cas no seu pa­tri­mó­nio. As­pec­to que con­tras­ta com o gran­de ful­gor ar­tís­ti­co que se re­gis­ta nos úl­ti­mos anos”, re­for­çou.

De acor­do com o ar­tis­ta, es­ta si­tu­a­ção não se deve à fal­ta de obras de cri­a­do­res an­go­la­nos no mer­ca­do, ten­do em con­ta que há um gran­de vo­lu­me de pro­du­ção de ar­te, do qual se po­de ex­trair mui­tas pe­ças de qua­li­da­de.

“Os ate­li­ers in­di­vi­du­ais dos ar­tis­tas es­tão re­ple­tos de ob­jec­tos de ar­te. Es­te con­tras­te, em cer­ta me­di­da po­de ini­bir os fa­ze­do­res de ar­te a pro­du­zi­rem fu­tu­ros tra­ba­lhos”, en­fa­ti­zou.

Re­la­ti­va­men­te ao mo­men­to ac­tu­al do mer­ca­do das ar­tes plás­ti­cas, Van dis­se que se co­me­ça a ve­ri­fi­car um au­men­to pe­lo in­te­res­se na cultura an­go­la­na, ape­sar dos ga­nhos e das per­das cau­sa­das pe­la glo­ba­li­za­ção.

“Fa­la-se mais no te­ma da cultura. Mas al­gu­mas ques­tões ain­da mui­to im­por­tan­tes con­ti­nu­am a ser qua­se ta­bus. Co­mo são os ca­sos das apren­di­za­gens e uti­li­za­ção das lín­guas na­ci­o­nais nos mei­os ci­ta­di­nos; a tra­du­ção e pu­bli­ca­ção do re­per­tó­rio de can­ções em lín­guas na­ci­o­nais, que são au­tên­ti­cas obras de ar­te dei­xa­das à sua sor­te; a in­du­men­tá­ria tí­pi­ca ou tra­di­ci­o­nal, a dis­se­mi­na­ção de es­co­las de ar­te pe­lo país, tal co­mo dos cen­tros cul­tu­rais e ga­le­ri­as de ar­te”, as­se­ve­rou.

De acor­do com Van, há um gru­po de jo­vens mui­to in­te­res­sa­dos em re­flec­tir e pra­ti­car as­sun­tos em to­das as es­fe­ras artísticas e is­so vai fa­zer, nos pró­xi­mos tem­pos, ca­ta­pul­tar os avan­ços cul­tu­rais do país.

“No meu en­ten­der, os jo­vens de­ve­ri­am ser mais in­cen­ti­va­dos pe­lo gos­to das ar­tes, se criás­se­mos es­co­las ele­men­ta­res (bá­si­cas) de ar­te. Por­que, quan­do se é cri­an­ça é o mo­men­to em que se des­pon­ta a vo­ca­ção (ta­len­to) para as ar­tes e se­ria, exac­ta­men­te, nes­se mo­men­to que se de­ve­ria cri­ar as con­di­ções para ab­sor­ver aque­las cri­an­ças ta­len­to­sas. De­pois do en­si­no pri­má­rio, no pri­mei­ro ci­clo do en­si­no se­cun­dá­rio, de­ve­ria ha­ver cur­sos bá­si­cos de ar­te, em re­gi­me de en­si­no in­te­gra­do”, fri­sou Van.

O ar­tis­ta plás­ti­co as­se­ve­rou que o acon­te­ce é que as de­bi­li­da­des do en­si­no de ar­te vêm do en­si­no pri­má­rio, por­que a mai­or par­te dos do­cen­tes não tem pre­pa­ra­ção ar­tís­ti­ca, con­ti­nu­am no I ci­clo do en­si­no se­cun­dá­rio, por­tan­to, to­da a sua in­fân­cia e a pu­ber­da­de é afec­ta­da e só em ple­na ado­les­cên­cia na dé­ci­ma clas­se é que al­guns têm a sor­te de in­gres­sar na úni­ca es­co­la mé­dia de ar­tes.

Francisco Van-Dú­nem “Van” é au­tor de di­ver­sas obras, sen­do que as su­as co­lec­ções já es­ti­ve­ram pre­sen­tes em vá­ri­as sa­las na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais.

PAULINO DAMIÃO

Ar­tis­tas plás­ti­co (à es­quer­da) garante exis­tir em An­go­la pou­cos co­lec­ci­o­na­do­res de ar­te e que os jo­vens cri­a­do­res de­vem mais ser in­cen­ti­va­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.