Con­fli­tos e cri­an­ças ór­fãs

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Áfri­ca tem si­do mar­ca­da por vá­ri­os con­fli­tos, uns mais gra­ves do que ou­tros, es­tan­do to­dos a cau­sar mui­to so­fri­men­to a po­pu­la­ções de um con­ti­nen­te cu­jos po­vos de­se­jam vi­ver de­fi­ni­ti­va­men­te em paz. A paz é um bem in­dis­pen­sá­vel pa­ra que os afri­ca­nos pos­sam fa­zer as su­as vi­das num am­bi­en­te que lhes pro­por­ci­o­ne a pos­si­bi­li­da­de de tra­ba­lha­rem pa­ra o seu sus­ten­to e pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to dos seus paí­ses.

Há in­fe­liz­men­te mui­tas fa­mí­li­as afri­ca­nas que, de­vi­do a con­fli­tos ar­ma­dos, vi­vem em si­tu­a­ções de­gra­dan­tes, não ten­do a pos­si­bi­li­da­de de le­var uma vida nor­mal nas su­as pró­pri­as ter­ras. É do­lo­ro­so pa­ra mui­tas fa­mí­li­as afri­ca­nas te­rem de dei­xar os seus la­res pa­ra se re­fu­gi­a­rem nou­tros paí­ses, pa­ra ga­ran­ti­rem a sua se­gu­ran­ça e pa­ra con­se­gui­rem ter uma vida dig­na.

O con­ti­nen­te afri­ca­no al­ber­ga um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de re­fu­gi­a­dos e des­lo­ca­dos, e nem sem­pre há re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra aten­der às ne­ces­si­da­des de pes­so­as que na­da têm, pois dei­xa­ram tu­do nos la­res em que vi­vi­am e si­tu­a­dos nos seus paí­ses de ori­gem.

A vi­o­lên­cia em Áfri­ca é re­cor­ren­te e não se sa­be qu­an­do que se vai po­der pôr fim a es­te ci­clo in­fer­nal de so­fri­men­to de mi­lhões de afri­ca­nos que fo­gem das gu­er­ras. É im­por­tan­te que os di­ri­gen­tes afri­ca­nos to­mem cons­ci­ên­cia de que se tem de fa­zer al­gu­ma coi­sa pa­ra se aca­bar com a vi­o­lên­cia em Áfri­ca, que é con­si­de­ra­da ho­je co­mo o con­ti­nen­te das gran­des opor­tu­ni­da­des, em vir­tu­de das su­as po­ten­ci­a­li­da­des eco­nó­mi­cas e hu­ma­nas.

A ins­ta­bi­li­da­de per­ma­nen­te em al­gu­mas re­giões de Áfri­ca de­ve pre­o­cu­par to­dos os afri­ca­nos que amam a paz e o pro­gres­so da hu­ma­ni­da­de. Os po­lí­ti­cos afri­ca­nos de­vem tra­ba­lhar ar­du­a­men­te pa­ra que as con­tra­di­ções que exis­tem no terreno da com­pe­ti­ção po­lí­ti­ca pa­ra a con­quis­ta ou ma­nu­ten­ção do po­der não se trans­for­mem em con­fli­tos ar­ma­dos in­ter­mi­ná­veis, pois is­so só pre­ju­di­ca os po­vos de Áfri­ca.

Tem de ha­ver a cul­tu­ra de re­so­lu­ção dos pro­ble­mas de for­ma pa­cí­fi­ca, res­pei­tan­do-se as re­gras de­mo­crá­ti­cas pre­vi­a­men­te es­ta­be­le­ci­das. Se to­dos res­pei­tar­mos as re­gras do jo­go de­mo­crá­ti­co, evi­ta­re­mos pro­ble­mas gra­ves nas nos­sas so­ci­e­da­des.

Os po­lí­ti­cos, no po­der ou fo­ra de­le, têm res­pon­sa­bi­li­da­des acres­ci­das, de­ven­do ser eles a dar o exem­plo, no sen­ti­do de mos­tra­rem que cum­prem es­cru­pu­lo­sa­men­te as leis. Nin­guém es­tá aci­ma das leis. De­ve ha­ver per­ma­nen­te res­pei­to pe­los ins­tru­men­tos le­gais que são apro­va­dos pe­los ór­gãos de so­be­ra­nia, em par­ti­cu­lar pe­los par­la­men­tos que re­pre­sen­tam o po­vo so­be­ra­no.

De­ve ser con­de­na­do ve­e­men­te­men­te o re­cur­so à vi­o­lên­cia por par­te de in­di­ví­du­os que que­rem che­gar ao po­der à mar­gem dos pro­ces­sos de­mo­crá­ti­cos, vi­o­lan­do as cons­ti­tui­ções e leis. Não é pos­sí­vel ha­ver es­ta­bi­li­da­de em Áfri­ca se não hou­ver a cul­tu­ra do res­pei­to das leis.

Há dados se­gun­do os quais, nas du­as úl­ti­mas dé­ca­das, mais de qua­tro mi­lhões de pes­so­as per­de­ram pe­lo me­nos um dos pais na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, de­vi­do ao ci­clo con­ti­nu­a­do de vi­o­lên­cia. Há ain­da in­for­ma­ções de que mais de 26 mi­lhões de ór­fãos vi­vem na Áfri­ca Oci­den­tal e Cen­tral. Tra­ta-se de dados que de­vem me­re­cer a re­fle­xão de to­dos os afri­ca­nos, em par­ti­cu­lar dos po­lí­ti­cos que es­tão no po­der ou que têm a pre­ten­são de go­ver­nar.

Mui­tas das cri­an­ças ór­fãs da RDC cres­ce­ram em ce­ná­ri­os de con­fron­tos ali­men­ta­dos por con­fli­tos ét­ni­cos e pe­la lu­ta pe­los re­cur­sos mi­ne­rais va­li­o­sos. Es­sas cri­an­ças são for­ça­das a cui­dar de si mes­mas e dos seus ir­mãos mais no­vos, sen­do vul­ne­rá­veis ao re­cru­ta­men­to de gru­pos ar­ma­dos.

Es­tas si­tu­a­ções em que vi­vem as cri­an­ças que são ví­ti­mas de con­fli­tos ar­ma­dos de­vem ser de­nun­ci­a­das pa­ra que a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal to­me de­las co­nhe­ci­men­to e to­me as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra sal­var pes­so­as vul­ne­rá­veis. Pe­las cri­an­ças que so­frem em áre­as de con­fli­to ar­ma­do tu­do de­ve ser fei­to, a fim de as re­ti­rar de si­tu­a­ções que põem em pe­ri­go as su­as vi­das e o seu de­sen­vol­vi­men­to.

Há em Áfri­ca in­di­ví­du­os de­su­ma­nos que não se im­por­tam de cau­sar so­fri­men­to a cri­an­ças. É pre­ci­so tra­var es­tes gru­pos que só sa­bem vi­ver da ins­ta­bi­li­da­de no con­ti­nen­te. Es­tes gru­pos ar­ma­dos não que­rem vi­ver em paí­ses es­tá­veis. Eles fa­zem da ins­ta­bi­li­da­de um meio pa­ra en­ri­que­cer. Os es­ta­dis­tas afri­ca­nos de­vem con­ti­nu­ar a en­vi­dar es­for­ços pa­ra que a paz che­gue o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel a to­da a Áfri­ca. Sa­be-se que não é ta­re­fa fá­cil res­ta­be­le­cer a se­gu­ran­ça em to­do o con­ti­nen­te, mas as di­fi­cul­da­des que o pro­ces­so de pa­ci­fi­ca­ção im­pli­ca não nos de­ve im­pe­dir de ir­mos em bus­ca das so­lu­ções que pos­sam pro­por­ci­o­nar uma paz du­ra­dou­ra em Áfri­ca.

So­mos afri­ca­nos e Áfri­ca é a nos­sa ter­ra. Te­mos nós, afri­ca­nos, de a de­fen­der dos ini­mi­gos que a que­rem trans­for­mar num ca­os. O nos­so con­ti­nen­te tem po­ten­ci­a­li­da­des que po­dem con­tri­buir pa­ra o bem-es­tar de to­dos os po­vos de Áfri­ca. Va­mos to­dos lu­tar uni­dos pa­ra que o nos­so con­ti­nen­te es­te­ja li­vre de con­fli­tos ar­ma­dos e pa­ra que não ha­ja mais cri­an­ças sem la­res e sem pais.

No­vo ano lec­ti­vo

Es­pe­ro que no pró­xi­mo ano lec­ti­vo te­nha­mos me­lho­res es­co­las pri­má­ri­as, não só ao ní­vel das in­fra­es­tru­tu­ras, mas tam­bém no que res­pei­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.