Na­mí­bia li­vre e in­de­pen­den­te

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SÉ RI­BEI­RO |

À meia-noi­te do dia 21 de Mar­ço de 1990, no Windho­ek Sport Sta­dium, Sa­mu­el Da­ni­el Sha­fi­ishu­na, mais co­nhe­ci­do por Sam Nu­jo­ma, evo­can­do o Ar­ti­go 30º da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca da Na­mí­bia, pe­ran­te o Se­cre­tá­ri­o­ge­ral da ONU, Ja­vi­er Pe­rez de Cu­el­lar, re­pre­sen­tan­tes de 147 paí­ses, in­cluin­do 20 Che­fes de Es­ta­do e 30.000 es­pec­ta­do­res que lo­ta­vam o es­tá­dio, pres­tou ju­ra­men­to co­mo 1º Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca da Na­mí­bia.

Di­an­te de to­dos, o lí­der da SWAPO disse: “Eu, Sam Nu­jo­ma, ju­ro que me es­for­ça­rei ao má­xi­mo pa­ra apoi­ar, pro­te­ger e de­fen­der a Lei Su­pre­ma, a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca da Na­mí­bia; Ju­ro obe­de­cer, exe­cu­tar e ad­mi­nis­trar fi­el­men­te as leis da Re­pú­bli­ca da Na­mí­bia; Ju­ro pro­te­ger a in­de­pen­dên­cia, a so­be­ra­nia, a in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al e os re­cur­sos ma­te­ri­ais e es­pi­ri­tu­ais da Re­pú­bli­ca da Na­mí­bia; E ju­ro que me es­for­ça­rei ao má­xi­mo pa­ra ga­ran­tir a jus­ti­ça pa­ra to­dos os ha­bi­tan­tes da Re­pú­bli­ca da Na­mí­bia”.

Em se­gui­da, Nu­jo­ma pro­cla­mou a in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia num dis­cur­so car­re­ga­do de emo­ção. A da­da al­tu­ra, ele disse: “Te­nho o pra­zer de de­cla­rar que es­ta­mos aqui reu­ni­dos ho­je, não pa­ra apro­var ou­tra re­so­lu­ção, mas pa­ra ce­le­brar o ama­nhe­cer de uma no­va era nes­ta ter­ra e pro­cla­mar ao mun­do que uma no­va es­tre­la sur­giu no con­ti­nen­te afri­ca­no. A úl­ti­ma co­ló­nia de África es­tá, a par­tir des­ta ho­ra, li­vre... Em con­clu­são, de­cla­ro, em no­me do nos­so po­vo, que a Na­mí­bia é pa­ra sem­pre li­vre, so­be­ra­na e in­de­pen­den­te”.

Há pre­ci­sa­men­te 27 anos a Na­mí­bia tor­nou-se fi­nal­men­te in­de­pen­den­te, um país au­to­de­ter­mi­na­do e so­be­ra­no. O po­vo na­mi­bi­a­no es­ta­va, en­fim, li­vre.

Mas pa­ra aí che­gar, houve um an­tes. Os na­mi­bi­a­nos en­fren­ta­ram 31 anos de ocu­pa­ção ger­mâ­ni­ca e 75 anos de do­mí­nio sul-afri­ca­no. O do­mí­nio estrangeiro foi mar­ca­do pe­la vi­o­lên­cia e pe­la ex­plo­ra­ção, pe­la vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos mais bá­si­cos e pe­la pri­va­ção da li­ber­da­de in­di­vi­du­al. O po­vo na­mi­bi­a­no e a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal res­pon­de­ram com uma lu­ta dig­na pe­lo diá­lo­go e o en­ten­di­men­to, que só foi en­ten­di­da pe­lo re­gi­me de “apartheid” e seus ali­a­dos quan­do so­fre­ram uma pe­sa­da der­ro­ta mi­li­tar no Cuito Cuanavale, in­fli­gi­da pe­los he­rói­cos com­ba­ten­tes das FAPLA, e acei­ta­ram de­vol­ver aqui­lo que não lhes per­ten­cia.

As­sim nas­ceu um país li­vre em África.

O dia 21 de Mar­ço de 1990 foi o úl­ti­mo ca­pí­tu­lo do “day after” dos Acor­dos de No­va Ior­que e dos 15 me­ses que le­va­ram à In­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia. Des­de o ac­to com o se­lo de ren­di­ção, as­si­na­do pe­los go­ver­nan­tes do “apartheid” a 22 de De­zem­bro de 1988 na ci­da­de que nun­ca dor­me, houve mui­tos es­for­ços mais, na are­na po­lí­ti­co-di­plo­má­ti­ca, pa­ra for­çar a África do Sul a res­pei­tar os acor­dos as­si­na­dos.

Pa­ra a Na­mí­bia, Mar­ço de 1990 foi um mês inol­vi­dá­vel que dei­xou me­mó­ri­as na vi­da dos na­mi­bi­a­nos e de to­dos aque­les que con­tri­buí­ram pa­ra a in­de­pen­dên­cia da úl­ti­ma co­ló­nia do con­ti­nen­te afri­ca­no. Ain­da ho­je, os des­cen­den­tes dos na­mi­bi­a­nos que re­si­dem em An­go­la en­con­tra­ram nos re­la­tos do Jor­nal de An­go­la a ver­da­de his­tó­ri­ca Vin­te se­te anos atrás Sam Nu­jo­ma pro­cla­mou a in­de­pen­dên­cia da Re­pú­bli­ca da Na­mí­bia que o mun­do, in­cluin­do a Es­quer­da cúm­pli­ce do “apartheid”, ac­tu­al­men­te tra­ves­ti­da de De­mo­crá­ti­ca, ten­tou es­con­der-lhes.

Re­gres­so ao pas­sa­do

Re­cu­e­mos 24 anos e en­ten­da­mos os me­an­dros por que pas­sou a Na­mí­bia. Per­ce­ba­mos em que la­do estiveram uns e ou­tros.

A 26 de Agos­to de 1966, nu­ma al­tu­ra em que o re­gi­me sul-afri­ca­no ti­nha in­ten­si­fi­ca­do as me­di­das re­pres­si­vas nos seus ter­ri­tó­ri­os, uma for­ça de pá­ra-que­dis­tas e po­lí­ci­as sul-afri­ca­nos ata­cou a ba­se mi­li­tar da SWAPO em On­gu­lum­bashe (Ovam­bo­lân­dia). Es­ta foi a ac­ção que mar­cou o iní­cio da lu­ta ar­ma­da pe­la in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia.

Nes­ta al­tu­ra, a África do Sul es­ta­va ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te di­vi­di­da em qua­tro pro­vín­ci­as: Ca­pe of Go­od Ho­pe, Na­tal, Oran­ge Free Sta­te e Trans­val. O Su­do­es­te Afri­ca­no (Na­mí­bia) era con­si­de­ra­do a “quin­ta pro­vín­cia”, pe­lo que se su­jei­ta­va igual­men­te às leis se­gre­ga­ci­o­nis­tas vi­gen­tes no ter­ri­tó­rio sul-afri­ca­no.

De­pois dos con­fron­tos de 1966, a SWAPO teve sé­ri­as di­fi­cul­da­des pa­ra se mo­vi­men­tar den­tro do seu ter­ri­tó­rio. Em fun­ção des­sa si­tu­a­ção co­me­çou a es­ta­be­le­cer ba­ses mi­li­ta­res no estrangeiro. Cri­ou as­sim cam­pos de trei­no de guer­ri­lha em paí­ses afri­ca­nos, na Tan­zâ­nia e na Zâm­bia. No en­tan­to, co­mo con­fir­ma Le­o­pold Scholtz, na sua obra “The Bat­tle of Cuito Cuanavale – Cold War An­go­lan Fi­na­le, 1987-1988”, tendo as su­as ba­ses mi­li­ta­res na Tan­zâ­nia e na Zâm­bia, pa­ra che­gar ao Su­do­es­te Afri­ca­no a SWAPO ti­nha de pas­sar por An­go­la, ain­da uma co­ló­nia por­tu­gue­sa, o que, em cer­ta me­di­da, li­mi­ta­va o impacto das su­as ac­ções guer­ri­lhei­ras.

Quan­do An­go­la al­can­çou a in­de­pen­dên­cia, a 11 de No­vem­bro de 1975, a lu­ta da SWAPO deu um sal­to qua­li­ta­ti­vo, uma vez que o po­vo an­go­la­no nun­ca dei­xou de de­mons­trar solidariedade pa­ra com a lu­ta dos ou­tros po­vos afri­ca­nos. Co­mo fi­cou pro­va­do a 10 de De­zem­bro de 1978, du­ran­te as ce­le­bra­ções do 22º ani­ver­sá­rio do MPLA, que con­tou com a pre­sen­ça de Sam Nu­jo­ma, pre­si­den­te da SWAPO, e de Joshua Nko­mo, pre­si­den­te da Frente Pa­trió­ti­ca do Zim­babwe, quan­do o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar de An­go­la, Dr. António Agos­ti­nho Ne­to, pro­fe­riu a cé­le­bre pro­fe­cia: “Na Na­mí­bia, no Zim­babwe e na África do Sul es­tá a con­ti­nu­a­ção da nos­sa lu­ta”.

Por­tan­to, a in­de­pen­dên­cia de An­go­la me­lho­rou dras­ti­ca­men­te a po­si­ção es­tra­té­gi­ca da SWAPO e o impacto foi ime­di­a­to, co­mo con­fir­ma Le­o­pold Scholtz: “A par­tir daí, os re­bel­des (SWAPO) po­di­am es­ta­be­le­cer ba­ses se­gu­ras jus­ta­men­te do ou­tro la­do da fron­tei­ra, na vi­zi­nha An­go­la, fac­tor ti­do fre­quen­te­men­te co­mo um pré-re­qui­si­to pa­ra que uma gu­er­ra de guer­ri­lha se­ja bem-su­ce­di­da. E, de fac­to, em pou­co tem­po, os gru­pos da SWAPO en­xa­me­a­ram to­do o nor­te do Su­do­es­te Afri­ca­no, cri­an­do mui­tas di­fi­cul­da­des às SADF”.

Mas qua­tro anos de­pois da in­de­pen­dên­cia an­go­la­na, em Se­tem­bro de 1979, o Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to mor­re. Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos as­su­me a pre­si­dên­cia em 21 de Se­tem­bro de 1979. Tendo si­do mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res do pri­mei­ro Go­ver­no da An­go­la in­de­pen­den­te, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos par­ti­lha­va as mes­mas con­vic­ções de Ne­to. Is­so fi­cou bem de­mons­tra­do no seu dis­cur­so pro­fe­ri­do no ae­ro­por­to de Ndo­la (Zâm­bia), a 14 de Ou­tu­bro de 1979: “Nós, na nos­sa re­gião, na África Aus­tral, te­mos os pro­ble­mas da li­ber­ta­ção na­ci­o­nal da Na­mí­bia, do Zim­babwe e da África do Sul. E não dei­xa­re­mos de se­guir os en­si­na­men­tos do Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to. Con­ti­nu­a­re­mos a pres­tar a nos­sa aju­da, o nos­so apoio ma­te­ri­al a es­tes po­vos opri­mi­dos... E por is­so mes­mo ma­ni­fes­ta­mos, mais uma vez, a nos­sa ami­za­de e solidariedade pa­ra com os com­ba­ten­tes da Na­mí­bia, do Zim­babwe e da África do Sul e pa­ra com os Paí­ses da Li­nha da Frente, que têm sa­bi­do apoi­ar sem re­ser­vas os com­ba­ten­tes da li­ber­da­de”.

Es­ta ati­tu­de so­li­dá­ria e hu­ma­nis­ta de An­go­la fez de­sen­ca­de­ar a ira no Go­ver­no sul-afri­ca­no. A má­qui­na de gu­er­ra do re­gi­me de “apartheid”, as SADF, pu­se­ram em prática a es­tra­té­gia de Ofen­si­va To­tal (To­tal Ons­laught) con­tra os Paí­ses da Li­nha da Frente, tendo co­mo prin­ci­pal di­rec­ção An­go­la, já so­fri­da com to­do o pe­so da “pa­cí­fi­ca” Re­vo­lu­ção dos Cra­vos em Por­tu­gal. O ob­jec­ti­vo prin­ci­pal da Ofen­si­va To­tal era ocu­par ter­ri­tó­ri­os e en­tre­gar a sua ad­mi­nis­tra­ção à UNITA, cri­an­do as­sim uma zo­na tam­pão em to­da a par­te sul de An­go­la.

As ope­ra­ções das SADF

As SADF lan­ça­ram en­tão uma sé­rie de ope­ra­ções trans­fron­tei­ri­ças pa­ra de­sen­co­ra­jar a po­si­ção de An­go­la e com o pre­tex­to de ten­tar en­fra­que­cer o Pe­o­ple Li­be­ra­ti­on Army of Na­mí­bia (PLAN), bra­ço ar­ma­do da SWAPO que ha­via es­ta­be­le­ci­do ba­ses no ter­ri­tó­rio an­go­la­no. Eu pró­prio, ain­da jo­vem re­pór­ter, vi com os meus olhos as pri­mei­ras ac­ções des­trui­do­ras dos ra­cis­tas sul-afri­ca­nos con­tra um com­ple­xo re­si­den­ci­al que o co­mis­sá­rio pro­vin­ci­al Ary da Cos­ta co­me­çou a er­guer no Cu­ne­ne. A par­tir daí, foi um man­to de des­trui­ção.

En­tre 1978 e 1984 su­ce­de­ram-se as se­guin­tes ope­ra­ções mi­li­ta­res con­tra An­go­la e con­tra Mo­çam­bi­que:

4 de Maio de 1978. As SADF ata­ca­ram o cam­po de re­fu­gi­a­dos de Cas­sin­ga e as de­le­ga­ções da SWAPO em Che­te­que­ra e Dom­bon­do­la, no sul de An­go­la. Des­fe­cho: O mas­sa­cre teve re­per­cus­são in­ter­na­ci­o­nal e le­vou a ONU a apro­var a re­so­lu­ção 435/78;

em Mar­ço de 1979. As SADF ata­ca­ram as ba­ses mi­li­ta­res do PLAN em Sin­jem­be­le e

Ope­ra­ção Rein­de­er, Ope­ra­ção Sa­fra­an,

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.