Mi­lha­res de elei­to­res fo­ram on­tem às ur­nas

Quar­tas elei­ções des­de a In­de­pen­dên­cia de­cor­re­ram sem in­ci­den­tes

Jornal de Angola - - MUNDO -

Mi­lha­res de ti­mo­ren­ses fo­ram on­tem às ur­nas pa­ra es­co­lher o no­vo Pre­si­den­te do país nas quar­tas elei­ções des­de a In­de­pen­dên­cia al­can­ça­da em 2002, e nas quais o an­ti­go guer­ri­lhei­ro Fran­cis­co Gu­ter­res é apon­ta­do co­mo fa­vo­ri­to.

Mais de 740 mil pes­so­as fo­ram cha­ma­das a vo­tar nu­ma jor­na­da que de­cor­reu sem in­ci­den­tes e que in­cluiu me­sas de vo­to em Darwin e Syd­ney (Aus­trá­lia) e Lisboa pa­ra 1,3 mil ti­mo­ren­ses re­si­den­tes no ex­te­ri­or do país.

A co­mis­são elei­to­ral ti­mo­ren­se pre­vê anun­ci­ar en­tre ama­nhã e sex­ta-fei­ra o re­sul­ta­do do plei­to, que se ne­ces­sá­rio vai ter uma se­gun­da vo­la re­a­li­za­da em 20 de Abril.

Fran­cis­co Gu­ter­res, co­nhe­ci­do co­mo “Lu Olo”, par­te co­mo fa­vo­ri­to pa­ra a vitória na ter­cei­ra oca­sião que con­cor­re à Pre­si­dên­cia de Ti­mor Les­te, após ser der­ro­ta­do em 2007 por Jo­sé Ra­mos Hor­ta e em 2012 pe­lo ac­tu­al Che­fe do Es­ta­do, Jo­sé Ma­ría Vas­con­ce­los, mais co­nhe­ci­do co­mo “Taur Ma­tam Ru­ak”.

O can­di­da­to da Frente Re­vo­lu­ci­o­ná­ria pe­la In­de­pen­dên­cia do Ti­morLes­te (Fre­ti­lin) con­ta com o apoio do Con­gres­so Na­ci­o­nal pa­ra a Re­cons­tru­ção do Ti­mor (CNRT), o par­ti­do do ca­ris­má­ti­co an­ti­go lí­der guer­ri­lhei­ro, an­ti­go Pre­si­den­te de Ti­mor Les­te e igual­men­te ex-pri­mei­ro-mi­nis­tro Xa­na­na Gus­mão.

As du­as for­ma­ções, sur­gi­das do mo­vi­men­to ar­ma­do de re­sis­tên­cia à ocu­pa­ção in­do­né­sia, al­can­ça­ram em 2015 um acor­do de go­ver­no com a re­nún­cia de Xa­na­na Gus­mão a li­de­rar o go­ver­no e a sua subs­ti­tui­ção por Rui Araú­jo, do en­tão par­ti­do opo­si­tor Fre­ti­lin.

O prin­ci­pal ad­ver­sá­rio de Fran­cis­co Gu­ter­res é o ac­tu­al mi­nis­tro da Edu­ca­ção e As­sun­tos Sociais, António de Con­cei­ção, do Par­ti­do De­mo­cra­ta, que já go­ver­na­va em co­a­li­zão com o CNRT an­tes da en­tra­da do Fre­ti­lin no Exe­cu­ti­vo.

O no­vo Pre­si­den­te de Ti­mor Les­te to­ma pos­se em 20 de Maio, da­ta em ex­pi­ra o man­da­to de Jo­sé Ma­ria Vas­con­ce­los “Taur Ma­tam Ru­ak”, e que coin­ci­de com o 15° ani­ver­sá­rio da in­de­pen­dên­cia do país.

A es­co­lha do no­vo Pre­si­den­te, car­go com pou­cos po­de­res exe­cu­ti­vos mas com po­der de ve­to de ini­ci­a­ti­vas le­gis­la­ti­vas, é se­gui­da de elei­ções pa­ra es­co­lher o no­vo par­la­men­to, que acon­te­cem em Ju­lho.

Es­pe­ra-se que Jo­sé Ma­ría Vas­con­ce­los, que não ten­tou a re­e­lei­ção, se­ja can­di­da­to a pri­mei­ro-mi­nis­tro nas elei­ções le­gis­la­ti­vas, após fa­zer uma ali­an­ça com o Par­ti­do da Li­ber­ta­ção do Po­vo, fun­da­do em 2015 pe­lo co­mis­sá­rio an­ti-cor­rup­ção, Adérito So­a­res. As elei­ções presidenciais são as pri­mei­ras na an­ti­ga co­ló­nia por­tu­gue­sa após a re­ti­ra­da em 2012 do con­tin­gen­te da ONU que foi des­do­bra­do em 2006 após uma cri­se que pôs o país à bei­ra da gu­er­ra ci­vil.

Ti­mor Les­te, cu­jas elei­ções fo­ram sem­pre con­si­de­ra­das li­vres e jus­tas pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, con­so­li­dou des­de en­tão o seu sis­te­ma mul­ti­par­ti­dá­rio que ren­deu o reconhecimento de di­ver­sos or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais.

Dí­li mantém uma dis­pu­ta com a Aus­trá­lia pe­lo ex­plo­ra­ção da ja­zi­da de Gre­a­ter Sun­ri­se, uma re­ser­va es­ti­ma­da de 255 bi­lhões de me­tros cú­bi­cos de gás e 300 mi­lhões de bar­ris de gás e pe­tró­leo ava­li­a­dos em 40,2 mil mi­lhões de dó­la­res, 30 ve­zes o PIB de Ti­mor Les­te.

Ti­mor Les­te quer re­de­fi­nir a fron­tei­ra ma­rí­ti­ma com a Aus­trá­lia, acu­sa­da de ter es­pi­a­do as con­ver­sas do Go­ver­no ti­mo­ren­se da épo­ca du­ran­te as ne­go­ci­a­ções que le­va­ram ao acor­do de 2004 pa­ra a ex­plo­ra­ção con­jun­ta das ja­zi­das pa­ra fa­vo­re­cer o con­sór­cio aus­tra­li­a­no li­de­ra­do pe­la Wo­od­si­de Pe­tro­leum.

A co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal reconheceu a In­de­pen­dên­cia do Ti­mor-Les­te, que con­ta com 1,2 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, em 20 de Maio de 2002. Es­te reconhecimento foi fi­to após três anos de ad­mi­nis­tra­ção da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das, de­pois de 24 anos de ocu­pa­ção pe­la In­do­né­sia e de sé­cu­los de do­mí­nio co­lo­ni­al por­tu­guês.

VA­LEN­TI­NO DARIEL SOUSA|AFP

Fran­cis­co Gu­ter­res par­te co­mo fa­vo­ri­to na ter­cei­ra oca­sião que con­cor­re à Che­fia do Es­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.