Ci­clis­ta Bru­no Araú­jo se­gue pe­da­la­das do pai

Ex-ci­clis­ta do Ben­fi­ca de Lu­an­da re­pre­sen­ta Si­ca­sal Cons­tan­ti­no de Por­tu­gal

Jornal de Angola - - PORTADA - TE­RE­SA LUÍS |*

Ser atle­ta pro­fis­si­o­nal, con­quis­tar me­da­lhas no pró­xi­mo Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no e apren­der pa­ra en­si­nar os co­le­gas em An­go­la são as me­tas de­fi­ni­das por Bru­no Araú­jo, ci­clis­ta da equi­pa Sub-23 da Si­ca­sal Cons­tan­ti­no de Por­tu­gal.

De fé­ri­as em Lu­an­da, o ci­clis­ta par­ti­ci­pa em al­gu­mas pro­vas pa­ra ga­nhar con­sis­tên­cia e me­lho­rar a for­ma fí­si­ca. Pres­tes a re­gres­sar a Por­tu­gal, Bru­no Araú­jo afir­mou que es­tá psi­co­lo­gi­ca­men­te mais mo­ti­va­do e pron­to a de­fen­der a ban­dei­ra na­ci­o­nal, ca­so se­ja con­vo­ca­do pa­ra de­ter­mi­na­das com­pe­ti­ções.

Em en­tre­vis­ta con­ce­di­da ao Jor­nal de An­go­la, o fi­lho do an­ti­go ci­clis­ta Jus­ti­a­no Araú­jo ex­pli­cou que ape­sar da au­sên­cia no úl­ti­mo Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal dei­xou bons in­di­ca­do­res na pro­va que dis­pu­tou em Mar­ro­cos, on­de ocu­pou o ter­cei­ro lu­gar do pó­dio em ju­ni­o­res, no con­tra-re­ló­gio por equi­pas.

Bru­no Araú­jo ter­mi­nou o con­tra­re­ló­gio in­di­vi­du­al no sé­ti­mo lu­gar, clas­si­fi­ca­ção re­pe­ti­da na ca­te­go­ria de eli­te, en­quan­to na pro­va de fun­do fi­cou no quin­to pos­to: “Na Áfri­ca sub­sa­ri­a­na so­mos a se­gun­da me­lhor equi­pa, de­pois do Ru­an­da. Os ru­an­de­ses têm uma gran­de se­lec­ção, por­que in­ves­tem mui­to e são or­ga­ni­za­dos. Mas va­mos me­lho­rar. O Mis­to de Lu­an­da e a Jair Trans­por­tes têm atle­tas mui­to bons, cu­ja mé­dia de ida­de ron­da os 23 anos. Com tra­ba­lho, tam­bém po­de­mos con­quis­tar me­da­lhas”.

Quan­to à mas­si­fi­ca­ção no país, o atle­ta da Si­ca­sal Cons­tan­ti­no dis­se que al­gu­mas pes­so­as vêem as bi­ci­cle­tas co­mo ob­jec­to pa­ra pas­seio. Já ten­tou mui­tas ve­zes con­vi­dar ou­tros jo­vens, mas sem su­ces­so. Par­te da ju­ven­tu­de es­tá mais in­cli­na­da pa­ra com­por­ta­men­tos me­nos cor­rec­tos, dis­se. “Não gos­tam de pra­ti­car des­por­to. Pre­fe­rem es­tar na be­be­dei­ra e dro­gas. Se não fos­se o ci­clis­mo, ho­je es­ta­ria na mes­ma si­tu­a­ção. A fa­mí­lia é mui­to im­por­tan­te. Há se­nho­res a trei­nar aqui na cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, mas não tra­zem os fi­lhos. De­di­co mui­to tem­po ao ci­clis­mo. É pre­ci­so ser re­gra­do, dor­mir e co­mer a ho­ras e des­can­sar o ne­ces­sá­rio.”

Ape­sar das con­tra­ri­e­da­des, o ci­clis­ta de­fen­de que hou­ve evo­lu­ção na mo­da­li­da­de em An­go­la des­de 2013, fru­to do in­ves­ti­men­to e o em­pe­nho da Fe­de­ra­ção. Re­la­ti­va­men­te ao ní­vel com­pe­ti­ti­vo, iden­ti­fi­cou pou­cas di­fe­ren­ças en­tre An­go­la e Por­tu­gal.

“A re­a­li­za­ção da Vol­ta a An­go­la foi um êxi­to. Uma das me­lho­res or­ga­ni­za­ções. Se ti­ver­mos in­ves­ti­men­to con­tí­nuo, va­mos re­gis­tar um pro­gres­so igual ou mai­or. Em Por­tu­gal as pro­vas são mais di­fí­ceis. Os atle­tas se­ni­o­res es­tão qua­se to­dos no mes­mo pa­ta­mar.”

O pla­no de trei­no de Bru­no Araú­jo va­ria en­tre qua­tro a cin­co ho­ras diá­ri­as, sen­do o mais cur­to de uma ho­ra e meia. “Es­tou cem por cen­to de­di­ca­do ao ci­clis­mo. O mai­or sa­cri­fí­cio é es­tar dis­tan­te da fa­mí­lia. Às ve­zes fa­ço ví­deo-cha­ma­da. A mi­nha ir­mã mais no­va co­me­ça a cho­rar de sau­da­de. É mui­to di­fí­cil.”

Bru­no fri­sou ain­da que fa­zer par­te de uma fa­mí­lia de ci­clis­tas é ou­tro fac­tor de mo­ti­va­ção e res­pon­sa­bi­li­da­de acres­ci­da. O pai e o tio Car­los Araú­jo fo­ram ci­clis­tas de ex­ce­lên­cia. “Eles me en­si­nam até ho­je. Te­nho de dar o meu me­lhor e pre­ser­var o no­me da fa­mí­lia.”

Le­o­nel Araú­jo (cam­peão na­ci­o­nal de BTT) e Dá­rio An­tó­nio (Mis­to de Lu­an­da) são atle­tas que de­vi­am es­tar na Eu­ro­pa, de mo­do a me­lho­rar fi­si­ca­men­te, re­fe­re. “Se­ria bom, por cau­sa dos es­tá­gi­os.”

Jus­ti­ni­a­no Araú­jo e o es­lo­va­co Pe­ter Sa­gan são as re­fe­rên­ci­as no ci­clis­mo de Bru­no, que se con­si­de­ra um atle­ta pre­pa­ra­do a do­mi­nar to­das as áre­as da mo­da­li­da­de. “Não sou tre­pa­dor. Con­si­go su­bir, sprin­tar e ro­lar. Sou com­ple­to.”

CONTREIRAS PIPAS|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Fi­lho de Jus­ti­ni­a­no Araú­jo pro­cu­ra per­pe­tu­ar o no­me da fa­mí­lia no to­po do ci­clis­mo na­ci­o­nal com bo­as pres­ta­ções em Por­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.