Ele­va­das ta­xas a car­ros de lu­xo

Ope­ra­do­res do co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal con­tam com um no­vo ins­tru­men­to de po­lí­ti­ca fis­cal

Jornal de Angola - - PORTADA - AR­MAN­DO ES­TRE­LA |

Os veí­cu­los au­to­mó­veis de lu­xo pas­sam a ter ta­xas agra­va­das aci­ma de 80 por cen­to, na Pauta Aduaneira – Ver­são 2017, con­for­me a ci­lin­dra­da e ou­tros cri­té­ri­os de clas­si­fi­ca­ção pau­tal e de tri­bu­ta­ção, as­sen­tes no prin­cí­pio de “quan­to mai­or for a ci­lin­dra­da, mais al­ta se­rá a ta­xa”. O pro­jec­to de Pauta Aduaneira, que de­ve ser re­me­ti­do à apre­ci­a­ção do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças no fi­nal des­te mês, de­sa­gra­va as ta­xas na en­tra­da, saí­da e trân­si­to de ca­dá­ve­res.

Os veí­cu­los au­to­mó­veis de lu­xo pas­sam a ter ta­xas agra­va­das aci­ma de 80 por cen­to, na Pauta Aduaneira – Ver­são 2017, con­for­me a ci­lin­dra­da e ou­tros cri­té­ri­os de clas­si­fi­ca­ção pau­tal e de tri­bu­ta­ção, as­sen­tes no prin­cí­pio de “quan­to mai­or for a ci­lin­dra­da, mais al­ta se­rá a ta­xa”.

As prin­ci­pais al­te­ra­ções à Pauta Aduaneira – Ver­são 2012 de­vem ser acen­tu­a­das no ca­pí­tu­lo 87, que pers­pec­ti­va na ver­são 2017 a ex­clu­são do cri­té­rio de clas­si­fi­ca­ção pau­tal e de tri­bu­ta­ção dos au­to­mó­veis pe­lo ti­po, co­mo é o ca­so dos Veí­cu­los Uti­li­tá­ri­os Des­por­ti­vos (SUV). Os veí­cu­los au­to­mó­veis im­por­ta­dos pa­ra An­go­la pas­sam a ser clas­si­fi­ca­dos pe­la ci­lin­dra­da e ta­xa­ção gra­du­al, no âm­bi­to do no­vo pro­jec­to da Pauta Aduaneira.

O che­fe de De­par­ta­men­to de Ta­ri­fas e Co­mér­cio da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT), San­tos Mus­sa­mo, re­fe­riu a es­se res­pei­to que o cri­té­rio de clas­si­fi­ca­ção das vi­a­tu­ras na Pauta Aduaneira - Ver­são 2012, ain­da em vi­gor, é fei­ta pe­lo prin­cí­pio “lu­xo”, uma de­sig­na­ção atri­buí­da aos veí­cu­los uti­li­tá­ri­os des­por­ti­vos, vul­gar­men­te co­nhe­ci­dos por “je­ep”.

In­ci­dên­ci­as

Es­te cri­té­rio de “veí­cu­los de lu­xo” cons­ti­tui um dos ele­men­tos de mai­or con­tes­ta­ção, pe­las di­ver­sas in­ter­pre­ta­ções do con­cei­to “lu­xo”, tan­to por par­te dos des­pa­chan­tes, da As­so­ci­a­ção dos Con­ces­si­o­ná­ri­os de Equi­pa­men­tos de Trans­por­te Ro­do­viá­rio e Ou­tros (ACETRO), co­mo dos pró­pri­os uten­tes. Por is­so, e pa­ra mi­ni­mi­zar os efei­tos se­cun­dá­ri­os, a pró­xi­ma ver­são da pauta vai ex­cluir o cri­té­rio, clas­si­fi­can­do ape­nas os veí­cu­los ape­nas pe­la sua ci­lin­dra­da.

Es­se cri­té­rio de clas­si­fi­ca­ção de veí­cu­los pe­la ci­lin­dra­da e ta­xa­ção gra­du­al já foi ana­li­sa­do e dis­cu­ti­do com a Câ­ma­ra dos Des­pa­chan­tes de An­go­la, a ACETRO e com to­das as di­rec­ções re­gi­o­nais tri­bu­tá­ri­as,

Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria con­for­ma os me­ca­nis­mos le­gais pa­ra a ac­tu­a­li­za­ção da le­gis­la­ção que in­cen­ti­va a pro­du­ção na­ci­o­nal

ten­do as par­tes con­cor­da­do a apli­ca­ção úni­ca do no­vo pro­ce­di­men­to de tri­bu­ta­ção aduaneira.

Ca­dá­ve­res isen­ta­dos de tu­do

A en­tra­da, saí­da e trân­si­to de ca­dá­ve­res nas zo­nas fron­tei­ri­ças fi­cam na pauta Aduaneira - Ver­são 2017 isen­tos de apre­sen­ta­ção da de­cla­ra­ção aduaneira, do im­pos­to de di­rei­tos de im­por­ta­ção e das de­mais im­po­si­ções adu­a­nei­ras. O pa­ga­men­to do im­pos­to de se­lo e das ta­xas de­vi­das pe­la pres­ta­ção de ser­vi­ço a ca­dá­ve­res tam­bém fi­cam anu­la­dos.

Ain­da as­sim, fo­ram in­tro­du­zi­dos me­ca­nis­mos que de­vem tor­nar cé­le­re o de­sal­fan­de­ga­men­to de ca­dá­ve­res jun­to dos pos­tos fron­tei­ri­ços e ae­ro­por­tuá­ri­os do país.

A ac­tu­al pro­pos­ta da Pauta Aduaneira isen­ta de im­pos­tos um to­tal de 86 mer­ca­do­ri­as, de um to­tal de 400 có­di­gos que es­tão isen­tos de di­rei­tos de im­por­ta­ção (DI) e do im­pos­to de con­su­mo (IC). En­tre as vá­ri­as isen­ções de di­rei­tos de im­por­ta­ção e de im­pos­to de con­su­mo, cons­tam to­dos os equi­pa­men­tos pa­ra o sec­tor da agri­cul­tu­ra. A ac­tu­al pro­pos­ta da pauta isen­ta ain­da o cen­teio e o tri­go pa­ra se­men­tei­ra.

No qua­dro das al­te­ra­ções fei­tas ao fu­tu­ro ins­tru­men­to de po­lí­ti­ca fis­cal, o ca­pí­tu­lo 98, que tra­ta de mer­ca­do­ri­as im­por­ta­das pa­ra fins es­pe­cí­fi­cos, co­mo isen­ções à im­por­ta­ção de bens que con­cor­rem com a pro­du­ção na­ci­o­nal, co­mo a ces­ta bá­si­ca, foi eli­mi­na­do. De acor­do com a AGT, es­te ca­pí­tu­lo foi eli­mi­na­do da Pauta Aduaneira Ver­são 2017 pa­ra sal­va­guar­dar a re­co­lha de da­dos es­ta­tís­ti­cos e o apu­ra­men­to do va­lor não ar­re­ca­da­do com as isen­ções con­ce­di­das. San­tos Mus­sa­mo fun­da­men­tou que a ins­ti­tui­ção tem di­fi­cul­da­des nes­te âm­bi­to, mas ad­mi­te que a mes­ma não vai dei­xar de con­ce­der isen­ções às mer­ca­do­ri­as, so­bre­tu­do da ces­ta bá­si­ca.

Os re­cur­sos mi­ne­rais ex­por­ta­dos sem trans­for­ma­ção (mi­né­rio em bru­to) es­tão su­jei­tos ao pa­ga­men­to de di­rei­tos adu­a­nei­ros na ex­por­ta­ção e de emo­lu­men­tos ge­rais adu­a­nei­ros cal­cu­la­dos a ta­xas que va­ri­am en­tre cin­co e um por cen­to so­bre o va­lor adu­a­nei­ro da mer­ca­do­ria.

A ex­por­ta­ção de mer­ca­do­ri­as im­por­ta­das de­fi­ni­ti­va­men­te (mer­ca­do­ri­as na­ci­o­na­li­za­das), com ex­cep­ção dos bens ali­men­ta­res, cu­ja ex­por­ta­ção é proi­bi­da nos ter­mos do Ar­ti­go 88.º dos Ins­tru­men­tos Pre­li­mi­na­res da Pauta, fi­ca su­jei­ta a uma ta­xa de 20 por cen­to (di­rei­tos adu­a­nei­ros) e um por cen­to (emo­lu­men­tos ge­rais).

Ma­dei­ra em to­ro

A ma­dei­ra em to­ro não trans­for­ma­da fi­ca proi­bi­da de ser ex­por­ta­da, nos ter­mos do Ar­ti­go 91.º das Ins­tru­ções Pre­li­mi­na­res da Pauta. No qua­dro dos re­gi­mes e pro­ce­di­men­tos adu­a­nei­ros, a pauta em aná­li­se avan­ça tam­bém me­ca­nis­mos que po­dem tor­nar mais cé­le­re a ca­deia da lo­gís­ti­ca na­ci­o­nal.

A pauta vai dis­por do re­gi­me adu­a­nei­ro pré­vio, um ins­tru­men­to que já exis­te no or­de­na­men­to ju­rí­di­co ac­tu­al, que pos­si­bi­li­ta o de­sal­fan­de­ga­men­to an­tes da mer­ca­do­ria che­gar no país. Ac­tu­al­men­te res­tri­to, es­te pro­ce­di­men­to con­for­ma um con­jun­to li­mi­ta­do de mer­ca­do­ri­as, que de­ve ser aber­to pa­ra to­das as mer­ca­do­ri­as.

O pro­gra­ma de aus­cul­ta­ção pú­bli­ca da Pauta Aduaneira-Ver­são 2017, ac­tu­a­li­za­da com ba­se no Sis­te­ma Har­mo­ni­za­do da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al das Al­fân­de­gas (OMA), foi lan­ça­do na ter­ça-fei­ra, em Lu­an­da, pe­la Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria.

O ad­mi­nis­tra­dor da AGT, Her­me­ne­gil­do Gas­par, con­fir­mou que a ins­ti­tui­ção de­ve con­sul­tar até ao fi­nal des­te mês os seus prin­ci­pais par­cei­ros e ou­tros ope­ra­do­res da ca­deia do co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal. “Ti­ve­mos o cui­da­do de olhar pa­ra uma sé­rie de ques­tões, pa­ra o in­cen­ti­vo da pro­du­ção in­ter­na e, pa­ra o efei­to, va­mos pro­por ao Exe­cu­ti­vo a di­mi­nui­ção de al­gu­mas ta­xas e o agra­va­men­to de ou­tras”, avan­çou.

Com 133 ar­ti­gos, além de al­guns ca­pí­tu­los, a ver­são téc­ni­ca fi­nal da Pauta Aduaneira 2017, de­ve ser re­me­ti­da em bre­ve à con­si­de­ra­ção do mi­nis­tro das Fi­nan­ças, pa­ra cum­pri­men­to dos trâ­mi­tes le­gais que, ne­ces­sa­ri­a­men­te, sub­me­te à aná­li­se do Con­se­lho de Mi­nis­tros e des­te pa­ra a As­sem­bleia Na­ci­o­nal, pa­ra apro­va­ção. “Es­ta­mos no ano das elei­ções e não sa­be­mos ao cer­to a da­ta da apro­va­ção fi­nal da Pauta Aduaneira 2017”, pre­ci­sou Her­me­ne­gil­do Gas­par, ao sus­ten­tar que a ins­ti­tui­ção já ter­mi­nou o pro­ces­so de re­vi­são dos as­pec­tos téc­ni­cos do do­cu­men­to.

Her­me­ne­gil­do Gas­par rei­te­rou que es­te ins­tru­men­to in­cen­ti­va a pro­du­ção na­ci­o­nal nos mais va­ri­a­dos as­pec­tos da eco­no­mia na­ci­o­nal.

Com có­di­gos pau­tais e de­sig­na­ção de mer­ca­do­ri­as, a mes­ma pro­pos­ta apre­sen­ta o de­sa­gra­va­men­to de ou­tras mer­ca­do­ri­as, pa­ra a evi­tar o con­tra­ban­do, pois, em de­ter­mi­na­das mer­ca­do­ri­as, co­mo é o ca­so dos per­fu­mes, o au­men­to da car­ga fis­cal pa­ra mais de 80 por cen­to re­du­ziu o nú­me­ro de de­cla­ra­ções, não ten­do di­mi­nuí­do a ofer­ta no mer­ca­do.

Ini­bir a ten­dên­cia do au­men­to da con­tra­fac­ção, uma vez que o agra­va­men­to das ta­xas de de­ter­mi­na­das mer­ca­do­ri­as cau­sou o au­men­to da im­por­ta­ção de mer­ca­do­ri­as si­mi­la­res con­tra­fei­tas, a bai­xo cus­to de aqui­si­ção, é ou­tro fac­tor que le­va ao de­sa­gra­va­men­to de ta­xas no no­vo do­cu­men­to.

KINDALA MA­NU­EL|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.