Cró­ni­ca de Luis Al­ber­to Fer­rei­ra

Jornal de Angola - - PORTADA - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |

Henry Kis­sin­ger, que con­du­ziu o pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no Ri­chard Ni­xon até ao res­so­nan­te de­sas­tre do Wa­ter­ga­te, ti­nha idei­as es­tra­nhas so­bre a re­a­li­da­de. Em seu en­ten­der, ha­ve­ria du­as re­a­li­da­des. A me­lhor das qu­ais, a se­gun­da: a re­a­li­da­de que ca­da qual cons­trói. De fac­to, Kis­sin­ger cons­truiu re­a­li­da­des ca­tas­tró­fi­cas, não pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos mas pa­ra o Vi­et­na­me, o Chi­le, a Ar­gen­ti­na e ou­tros paí­ses. As con­di­ções da Fran­ça de Em­ma­nu­el Ma­cron dão que pen­sar – por­que se es­tá pe­ran­te uma re­a­li­da­de no­va. A par­tir da con­di­ção do no­vo pre­si­den­te, é pos­sí­vel cons­truir, pa­ra as ex­pec­ta­ti­vas fran­ce­sas e in­ter­na­ci­o­nais, um nú­me­ro in­fin­dá­vel de ce­ná­ri­os. O dí­na­mo da no­va re­a­li­da­de fran­ce­sa tem uma re­la­ção di­rec­ta com o per­so­na­lis­mo – e o “cen­tris­mo”– de Em­ma­nu­el Ma­cron. E es­sa re­a­li­da­de, de iní­cio fei­ta de in­cóg­ni­tas, co­me­ça a tra­du­zir­se no so­bres­sal­to ori­gi­na­do por mu­dan­ças to­ni­tru­an­tes no co­ra­ção da po­lí­ti­ca vi­gen­te em Fran­ça. Se­gun­do Em­ma­nu­el Ma­cron, a Fran­ça não en­con­tra­ria res­pos­tas pa­ra os de­sa­fi­os do sé­cu­lo XXI “com os mes­mos ho­mens e as mes­mas idei­as”. A as­ser­ti­va, in­te­res­san­te, foi pro­fe­ri­da em No­vem­bro do ano pas­sa­do, es­ta­va-se no lan­ça­men­to da sua can­di­da­tu­ra pre­si­den­ci­al. Dá-se a cir­cuns­tân­cia de Ma­cron ter si­do mi­nis­tro da Eco­no­mia se­guin­do, não te­nha­mos dú­vi­das, as “idei­as” ou di­rec­tri­zes do seu pre­si­den­te, Fran­çois Hol­lan­de. Um dos “mes­mos ho­mens”. Oriun­do de car­go des­ta­ca­do no ban­co Roths­child – ao sair ha­via ga­nho 2,4 mi­lhões de eu­ros – o pre­si­den­te Ma­cron não su­ge­ria o per­fil de quem, even­tu­al por­ta­dor de “no­vas idei­as”, pu­des­se pro­jec­tar-se co­mo si­nó­ni­mo de uma mu­dan­ça ra­di­cal no sis­te­ma po­lí­ti­co fran­cês ins­ta­la­do. Ou co­mo al­guém de­di­ca­do àque­les que se­ri­am as prin­ci­pais ví­ti­mas do “ra­di­ca­lis­mo” da se­nho­ra Le Pen. Acer­ca da qual co­me­teu Ma­cron uma gra­ve im­pru­dên­cia: ao ter-lhe atri­buí­do vín­cu­los fas­cis­tas com a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. (Ma­ri­ne Le Pen nas­ceu em 1968). Se Ma­cron “viu den­tro do po­der” – pa­la­vras su­as – “a va­cui­da­de do nos­so sis­te­ma po­lí­ti­co”, ele te­ria de de­sem­ba­ra­çar-se, sem he­si­ta­ções, da co­la­gem os­ten­si­va e pou­co dig­na de Ma­nu­el Valls, ex­pri­mei­ro-mi­nis­tro “so­ci­a­lis­ta” de Hol­lan­de e um dos “mes­mos ho­mens” sem ti­rar nem pôr. Valls é o au­tor de um dos co­men­tá­ri­os mais la­men­tá­veis acer­ca do ter­ro­ris­mo. Não sen­do mui­to cla­ros os con­tor­nos e ob­jec­ti­vos da Fran­ça nos ale­ga­dos bom­bar­de­a­men­tos de po­si­ções do ISIS, ou Es­ta­do Is­lâ­mi­co, dis­se ele em No­vem­bro de 2016: “Es­ta é uma guer­ra. Uma guer­ra em to­da a acep­ção do ter­mo. A Fran­ça não bom­bar­de­ou nun­ca Ba­char el As­sad, pre­si­den­te sí­rio. Tem uma po­si­ção pri­vi­le­gi­a­da pa­ra fa­lar com to­dos por­que não es­tá na re­gião por ra­zões eco­nó­mi­cas”. Há nis­to uma boa do­se de ci­nis­mo e in­ver­da­de. Os par­cei­ros eu­ro­peus, Ro­ma e Ber­lim em par­ti­cu­lar, não gos­ta­ram. “Fa­lar com to­dos” soa a sar­cas­mo in­fe­liz: por­que o mes­mo ex­pri­mei­ro-mi­nis­tro de Hol­lan­de lo­go di­ria que, na Sí­ria, “a so­lu­ção po­lí­ti­ca não pas­sa por El As­sad”. Mas o que mais im­por­ta é o ful­mi­nan­te re­po­si­ci­o­na­men­to do pre­si­den­te fran­cês. Em­ma­nu­el Ma­cron ro­de­ou com sub­ti­le­za qua­se pi­e­do­sa a pre­ten­são de Valls, in­te­res­sa­do em fi­gu­rar nas lis­tas do par­ti­do rom­pe­dor do “sis­te­ma”, o Re­pú­bli­ca em Mar­cha, quan­do se re­a­li­za­rem as elei­ções le­gis­la­ti­vas mar­ca­das pa­ra 11 e 18 de Ju­nho: o RM não apre­sen­ta­rá can­di­da­tos na cir­cuns­cri­ção de Ma­nue Valls. E lo­go tra­tou, o pre­si­den­te, de lan­çar a re­vo­lu­ção­po­lí­ti­ca e par­la­men­tar que mo­di­fi­ca­rá por com­ple­to a As­sem­bleia Na­ci­o­nal: re­cor­ren­do ao ar­gu­men­to ban­dei­ran­te da mu­dan­ça, ele re­cru­tou qua­tro cen­te­nas de can­di­da­tos ao Par­la­men­to vin­dos do in­te­ri­or da so­ci­e­da­de ci­vil. A avas­sa­la­do­ra mai­o­ria, pes­so­as que ja­mais co­nhe­ce­ram tal vi­vên­cia: 214 mu­lhe­res e 214 va­rões. Dos 428 can­di­da­tos, ape­nas 24 são ho­je de­pu­ta­dos. (AAs­sem­bleia fran­ce­sa con­tem­pla 577 lu­ga­res). A Fran­ça vai, pois, co­nhe­cer no­vas pes­so­as com “jei­to pa­ra a po­lí­ti­ca”.

O es­tre­me­ção re­gi­men­tal fez so­ar mui­tos aler­tas. En­tre os fu­tu­ros no­vos can­di­da­tos a mé­dia de ida­des é de 46 anos, con­tras­tan­te com a mé­dia dos 60 pa­ra ci­ma na as­sem­bleia que em bre­ve se des­pe­de. Ma­cron, evi­dên­cia, de­se­ja uma mai­o­ria par­la­men­tar que lhe per­mi­ta apli­car em Fran­ça o “pro­gra­ma” que tem na ca­be­ça: o mun­do la­bo­ral, a edu­ca­ção e a pro­bi­da­de da vi­da pú­bli­ca. O es­tre­me­ção te­rá ou­tras con­sequên­ci­as na es­fe­ra dos car­gos sis­té­mi­cos. Cen­te­nas de po­lí­ti­cos an­co­ra­dos na “nor­ma­li­da­de” du­ran­te dé­ca­das, se­rão ju­bi­la­dos. Três de­les a “exer­cer” des­de 1978! E aca­ba­rão as mais exor­bi­tan­tes for­mas de des­pe­sis­mo à cus­ta do Es­ta­do. Si­tu­a­ções co­mo es­ta: ven­ci­men­tos de 7.000 eu­ros, mais 5.700 eu­ros pa­ra “alo­ja­men­to” e re­fei­ções, e ou­tros 9.500 eu­ros pa­ra o de­pu­ta­do dis­tri­buir por as­sis­ten­tes ou au­xi­li­a­res. Es­tes úl­ti­mos, em ge­ral, fi­lhos, so­bri­nhos ou pri­mos seus. Tam­bém pa­ra ex­pur­gar: os 150 mi­lhões de eu­ros anu­ais saí­dos do or­ça­men­to par­la­men­tar fran­cês pa­ra os de­pu­ta­dos dis­tri­buí­rem na ge­o­gra­fia que os ele­ge– em su­ma, “com­pra de vo­tos”. Com mi­nú­cia, e mui­to ci­en­te dos seus do­tes de se­du­tor de­ter­mi­na­do, es­pe­ra o jo­vem pre­si­den­te Ma­cron atrair, pa­ra o seu pro­jec­to, mui­tos “re­ci­cla­dos”. Gen­te do es­ta­te­la­doPar­ti­do So­ci­a­lis­ta e di­rei­tis­tas de ou­tra ge­ma, os que ago­ra se aglu­ti­nam, con­fu­sos e al­vo­ro­ça­dos, no Par­ti­do dos Re­pu­bli­ca­nos. Com a sua Lei de Mo­ra­li­za­ção da Vi­da Pú­bli­ca, Ma­cron mos­tra qu­e­rer fa­zer da vi­da na­ci­o­nal a pri­o­ri­da­de cen­tral. Mer­cê des­te ras­go, an­te a opi­nião pú­bli­ca em Fran­ça ele tor­na-se ir­re­sis­tí­vel. É um “pro­ble­ma” ou um “as­sun­to” dos fran­ce­ses. Fal­ta co­nhe­cer o que mais in­te­res­sa a afri­ca­nos, la­ti­no-ame­ri­ca­nos e asiá­ti­cos: a po­lí­ti­ca ex­te­ri­or de Ma­cron. Na União Eu­ro­peia, os pas­sos do no­vo pre­si­den­te te­rão de ser com­pa­tí­veis com a tal re­a­li­da­de acu­ti­lan­te: olhan­do pa­ra as re­cen­tes ci­fras da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca, ve­mos um cres­ci­men­to de 0,5 por cen­to. E o de­sem­pre­go de­ri­va em 10,2 por cen­to da po­pu­la­ção ac­ti­va sem tra­ba­lho. Na­da que isen­te ou­tras con­tas eu­ro­pei­as. Mas não é bom pa­ra a tran­qui­li­da­de de quem te­rá de sa­ber po­si­ci­o­nar a Fran­ça cá fo­ra – em fun­ção, va­mos lá, dos seus va­lo­res his­tó­ri­cos. Áfri­ca, Amé­ri­cas e Ásia es­pe­ram que Ma­cron fa­ça va­ler, no ex­te­ri­or, uma ver­da­dei­ra e fir­me “po­lí­ti­ca da Fran­ça”. A mu­dan­ça te­ria mais ecos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.