Aces­so fá­cil às se­men­tes

Acor­do re­cen­te com o Rei­no de Mar­ro­cos per­mi­te im­por­tar se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes a pre­ços mais aces­sí­veis. As pró­xi­mas cam­pa­nhas agrí­co­las es­tão as­se­gu­ra­das. Mas o gran­de ob­jec­ti­vo é ge­rar ca­pa­ci­da­de pa­ra pro­du­zir in­ter­na­men­te

Jornal de Angola - - PORTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA | FRAN­CIS­CO LOPES|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO|HU­AM­BO VIGAS DA PURIFICAÇÃO|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Agri­cul­tu­ra tem um pe­so im­por­tan­te na eco­no­mia na­ci­o­nal, fru­to de vá­ri­os in­ves­ti­men­tos fei­tos ao lon­go de anos, quer pe­lo sec­tor pú­bli­co quer pe­lo sec­tor pri­va­do. Mas só te­rá o im­pac­to de­se­ja­do quan­do a me­ca­ni­za­ção agrí­co­la tor­nar-se re­gra e não ex­cep­ção e o aces­so às se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes for fá­cil e a bai­xo cus­to.

Num en­con­tro que man­te­ve es­ta semana com agri­cul­to­res da pro­vín­cia do Hu­am­bo, pa­ra es­cla­re­ci­men­tos so­bre a pró­xi­ma cam­pa­nha agrí­co­la, o mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra, Mar­cos Nhun­ga, vol­tou a fa­lar da ne­ces­si­da­de da me­ca­ni­za­ção e do aces­so às se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes, co­mo fac­to­res es­sen­ci­ais pa­ra que o sec­tor as­su­ma o lu­gar que se pre­ten­de na eco­no­mia e na vi­da na­ci­o­nal.

Afi­nal quão lon­ge es­ta­mos da ma­te­ri­a­li­za­ção de um já ve­lho slo­gan que di­zia: “a Agri­cul­tu­ra é a ba­se e a In­dús­tria o fac­tor de­ci­si­vo”? De­fen­de Mar­cos Nhun­ga, que a Agri­cul­tu­ra tem sim um pe­so im­por­tan­te na eco­no­mia na­ci­o­nal, fru­to de vá­ri­os in­ves­ti­men­tos fei­tos ao lon­go de anos, quer pe­lo sec­tor pú­bli­co quer pe­lo sec­tor pri­va­do. Mas é pre­ci­so fa­zer mui­to mais. E o go­ver­nan­te in­sis­te que a Agri­cul­tu­ra só te­rá o im­pac­to de­se­ja­do quan­do a me­ca­ni­za­ção agrí­co­la tor­nar-se re­gra e não ex­cep­ção e o aces­so às se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes for fá­cil e a bai­xo cus­to.

Em re­la­ção ao pri­mei­ro, Mar­cos Nhun­ga con­si­de­ra fun­da­men­tal que o tra­ba­lho no cam­po pos­sa ser fei­to com trac­to­res e não com en­xa­das e ca­ta­nas, co­mo acon­te­ce em cer­ca de 98 por cen­to dos ter­re­nos. Em con­tra­pon­to, é re­du­zi­do o re­cur­so à me­ca­ni­za­ção nos cer­ca de cin­co mi­lhões de hec­ta­res de cul­ti­vo. Cons­ta que ape­nas dois por cen­to dos hec­ta­res de cul­ti­vo do país são pre­pa­ra­dos com re­cur­so à me­ca­ni­za­ção e à trac­ção ani­mal.

O en­con­tro do Hu­am­bo vi­sou ali­nhar idei­as so­bre os pro­ce­di­men­tos pa­ra a cam­pa­nha agrí­co­la 2017/2018, mas aca­bou por ser mais uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra fa­lar da pro­ble­má­ti­ca das se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes pa­ra os pro­du­to­res agrí­co­las, mais pre­ci­sa­men­te do acor­do as­si­na­do em Abril com o Rei­no de Mar­ro­cos pa­ra o for­ne­ci­men­to, a par­tir de Maio de fer­ti­li­zan­tes, a pre­ços mais aces­sí­veis.

Tra­ta-se, na verdade de uma so­lu­ção al­ter­na­ti­va, pois co­mo faz ques­tão de as­si­na­lar Mar­cos Nhun­ga, o gran­de ob­jec­ti­vo do Exe­cu­ti­vo é cri­ar in­ter­na­men­te ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes, re­du­zin­do gra­du­al­men­te a ne­ces­si­da­de de re­cur­so à im­por­ta­ção.

O al­to cus­to das se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes é con­si­de­ra­do um fac­tor es­tran­gu­la­dor da ac­ti­vi­da­de agrí­co­la, de­vi­do aos al­tos pre­ços do qui­lo quan­do che­ga às mãos dos agri­cul­to­res. Ho­je, lem­bra o mi­nis­tro, as coi­sas “já me­lho­ra­ram bas­tan­te, mas que­re­mos evo­luir ain­da mais”. O sa­co de 50 qui­lo­gra­mas já che­gou a cus­tar 35 mil kwan­zas, o equi­va­len­te a USD 150, quan­do no ex­te­ri­or cus­ta 12 a 15 dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos.

No en­con­tro com os pro­du­to­res do Hu­am­bo, o mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra não es­con­deu a sa­tis­fa­ção pe­lo fac­to de ho­je, o pre­ço do sa­co de 50 qui­lo­gra­mas ron­dar os 5 e os 7 mil kwan­zas. A ex­pec­ta­ti­va, as­si­na­la Mar­cos Nhun­ga, é que des­ça ain­da mais. E a pro­vín­cia do Hu­am­bo, com to­do o po­ten­ci­al que tem pa­ra a pro­du­ção agrí­co­la, tem ga­ran­ti­do o for­ne­ci­men­to de se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes pa­ra a pró­xi­ma cam­pa­nha agrí­co­la.

O pró­prio mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra deu a boa-no­va ao go­ver­na­dor da pro­vín­cia do Hu­am­bo, que a trans­mi­tiu aos pro­du­to­res du­ran­te o en­con­tro. João Baptista Kus­su­mua anun­ci­ou 20 mil to­ne­la­das de adu­bos pa­ra pró­xi­ma cam­pa­nha. Cin­co mil to­ne­la­das já se en­con­tram em ar­ma­zéns no Hu­am­bo.

Par­ce­ria es­tra­té­gi­ca

A es­co­lha do Rei­no de Mar­ro­cos co­mo par­cei­ro pa­ra a ten­tar so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma da fal­ta de se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes re­sul­ta da cons­ta­ta­ção de que se tra­ta, de fac­to, de um dos co­los­sos em Áfri­ca nes­sa ma­té­ria, e que um acor­do, co­mo efec­ti­va­men­te che­gou a acon­te­cer, be­ne­fi­ci­a­ria das bo­as re­la­ções que os dois paí­ses man­têm há dé­ca­das.

An­go­la e Mar­ro­cos têm acor­do de co­o­pe­ra­ção no sec­tor agrí­co­la e é com ba­se nes­se acor­do que de­pois de apro­va­da a Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de pa­ra o Au­men­to da Ofer­ta de Fer­ti­li­zan­tes, que Mar­cos Nhun­ga re­a­li­zou uma vi­si­ta de tra­ba­lho a Ra­bat. Com as au­to­ri­da­des lo­cais, de­sig­na­da­men­te a ní­vel do Go­ver­no e do Gru­po Mar­ro­qui­no de Fos­fa­tos, Mar­cos Nhun­ga pô­de ana­li­sar e dis­cu­tir mo­da­li­da­des prá­ti­cas de for­ne­ci­men­to de fer­ti­li­zan­tes com­pos­tos pa­ra An­go­la.

Ge­rar ca­pa­ci­da­de

Mar­cos Nhun­ga tem di­to, lem­bran­do sem­pre as me­tas de­fi­ni­das pe­lo Exe­cu­ti­vo pa­ra o sec­tor que di­ri­ge, que o país po­de dei­xar de im­por­tar se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes, e é com ba­se nes­sa vi­são que es­tão a ser fei­tos con­tac­tos pa­ra a trans­fe­rên­cia de know how e de in­dús­tri­as.

Re­cen­te­men­te, nu­ma en­tre­vis­ta que con­ce­deu à Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la, o mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra apon­tou pa­ra 2019-2020 co­mo ho­ri­zon­te tem­po­ral pa­ra cons­tru­ção de uma uni­da­de fa­bril de fer­ti­li­zan­tes no país, lem­bran­do que um “em­pre­en­di­men­to des­ta na­tu­re­za nun­ca é fei­to do dia pa­ra noi­te”. São co­nhe­ci­das as pre­ten­sões do Go­ver­no de ti­rar pro­vei­to da Cen­tral de Ci­clo Com­bi­na­do do Soyo, vi­a­bi­li­zan­do ra­pi­da­men­te o apro­vei­ta­men­to dos fos­fa­tos ali ge­ra­dos pa­ra uma in­dús­tria de fer­ti­li­zan­tes, ten­do em con­ta o au­men­to da pro­du­ção agrí­co­la e com is­so a ne­ces­si­da­de ca­da vez mai­or de fer­ti­li­zan­tes.

Se­gu­ran­ça ali­men­tar

Mar­cos Nhun­ga con­si­de­ra o aces­so às se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes a bai­xo cus­to uma pré-con­di­ção da se­gu­ran­ça ali­men­tar. O mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra en­ten­de que An­go­la es­tá a tra­ba­lhar pa­ra re­sol­ver a si­tu­a­ção da se­gu­ran­ça ali­men­tar no pró­xi­mo ci­clo go­ver­na­ti­vo, quan­do os pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes de pro­du­ção de fer­ti­li­zan­tes e se­men­tes, es­ti­ve­rem a fun­ci­o­nar efec­ti­va­men­te.

Além das se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes, o go­ver­nan­te fa­la da fal­ta de trac­to­res, sis­te­mas de re­ga e com­bus­tí­veis co­mo fac­to­res que con­cor­rem pa­ra a pro­du­ção em gran­de es­ca­la se tor­ne re­a­li­da­de em An­go­la e, por es­sa via, a se­gu­ran­ça ali­men­tar.

Es­ta­do im­por­ta­dor

Gros­so mo­do, tem si­do o Es­ta­do o prin­ci­pal for­ne­ce­dor e tam­bém im­por­ta­dor de se­men­tes e fer­ti­li­zan­tes. A cri­se eco­nó­mi­ca pri­vou o

DR

Mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra Mar­cos Nhun­ga

Go­ver­na­dor João Baptista Kus­su­mua

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.