Re­a­bi­li­ta­ção de nó ro­do­viá­rio ace­le­ra vi­a­gem pa­ra Cu­nhin­ga

Tra­ba­lho con­sis­te na re­cons­tru­ção ge­ral da es­tra­da e na co­lo­ca­ção de pa­vi­men­to de be­tão

Jornal de Angola - - PORTADA - JO­SÉ CHA­VES |

A re­a­bi­li­ta­ção do tro­ço en­tre Cuito e Cu­nhin­ga, nu­ma dis­tân­cia de 30 qui­ló­me­tros, fa­ci­li­ta a cir­cu­la­ção rodoviária, en­cur­tan­do o tem­po de vi­a­gem, de seis ho­ras pa­ra ape­nas 25 mi­nu­tos.

As obras de re­a­bi­li­ta­ção do tro­ço es­tão em fa­se de con­clu­são e per­mi­tem que a cir­cu­la­ção rodoviária se­ja mais flui­da. O Jor­nal de An­go­la per­cor­reu os 30 qui­ló­me­tros e cons­ta­tou que os tra­ba­lhos de­cor­rem de for­ma ace­le­ra­da, es­tan­do par­te do tro­ço a re­ce­ber as­fal­to, fal­tan­do ape­nas pou­cos qui­ló­me­tros pa­ra atin­gir a se­de pro­vin­ci­al.

As obras es­tão a car­go da em­pre­sa de cons­tru­ção de es­tra­das Pla­na­sul. Os tra­ba­lhos con­sis­tem na re­cons­tru­ção ge­ral da es­tra­da, co­lo­ca­ção de pa­vi­men­to de be­tão be­tu­mi­no­so, apli­ca­ção de pas­sa­gens hi­dráu­li­cas pa­ra es­co­a­men­to da água das chu­vas e cons­tru­ção de uma pas­sa­gem de ní­vel na en­tra­da da vi­la.

O tro­ço de 30 qui­ló­me­tros de es­tra­da faz par­te de um ei­xo con­si­de­ra­do fun­da­men­tal pa­ra o es­co­a­men­to dos pro­du­tos agro­pe­cuá­ri­os do cam­po pa­ra a ci­da­de.

O pro­jec­to com­pre­en­de a re­a­bi­li­ta­ção do pa­vi­men­to, ter­ra­ple­na­gem, as­fal­ta­gem, re­pa­ra­ção e alar­ga­men­to de es­tru­tu­ras de dre­na­gem, com me­lho­ria na si­na­li­za­ção ver­ti­cal e ho­ri­zon­tal. Se­ve­ri­no Sa­tu­la, mo­to­ris­ta de uma em­pre­sa pri­va­da de trans­por­te de pas­sa­gei­ros, afir­mou que a re­a­bi­li­ta­ção do tro­ço fa­ci­li­ta o trân­si­to e vai di­mi­nuir os aci­den­tes. Pa­ra ele, a no­va es­tra­da vai aju­dar não só os au­to­mo­bi­lis­tas mas tam­bém os ci­da­dãos que vi­vem en­tre Cuito e Cu­nhin­ga.

“Ho­je, com a re­a­bi­li­ta­ção da via, já vi­a­ja­mos à von­ta­de, ao con­trá­rio do que acon­te­cia an­te­ri­or­men­te, uma vez que de­vi­do ao mau es­ta­do da es­tra­da tí­nha­mos mui­tos pro­ble­mas com as nos­sas vi­a­tu­ras”, ex­pli­cou, pa­ra re­co­nhe­cer o em­pe­nho do Exe­cu­ti­vo na re­a­bi­li­ta­ção e cons­tru­ção de no­vas es­tra­das, que vão li­gar to­do o país.

Bar­to­lo­meu Do­min­gos Lon­da­ca, ou­tro ca­mi­o­nis­ta, que faz com re­gu­la­ri­da­de o tra­jec­to Cuito-Cun­jeCu­nhin­ga, diz es­tar sa­tis­fei­to com a obra de re­a­bi­li­ta­ção do tro­ço, por ser, nes­te mo­men­to, a via que mai­or se­gu­ran­ça ofe­re­ce aos veí­cu­los li­gei­ros e pe­sa­dos.

Re­a­bi­li­ta­ção da es­tra­da

Ce­les­ti­na Can­go­lo­go­lo, jo­vem ne­go­ci­an­te no mer­ca­do do Chis­sin­do, pe­diu às em­pre­sas en­car­re­ga­das da obra pa­ra ace­le­ra­rem o pro­ces­so de re­cons­tru­ção do tro­ço e afir­mou acre­di­tar que, com a es­tra­da re­a­bi­li­ta­da, o pre­ço da vi­a­gem pos­sa ser re­du­zi­do, uma vez que os ta­xis­tas dei­xam de ter a des­cul­pa de co­brar mui­to por cau­sa do mau es­ta­do da via. “Se o pre­ço vai bai­xar ou não de­pen­de dos pró­pri­os ta­xis­tas, mas acho que têm de bai­xar”, ex­pli­cou Ce­les­ti­na Can­go­lo­go­lo.

Os cam­po­ne­ses e cri­a­do­res de ga­do das al­dei­as pró­xi­mas da es­tra­da elo­gi­a­ram as au­to­ri­da­des pe­la re­a­bi­li­ta­ção da es­tra­da, que vai facilitar o aces­so à se­de da pro­vín­cia e im­pul­si­o­nar os in­te­res­sa­dos em com­prar os pro­du­tos do cam­po.

MA­RIA AU­GUS­TA|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Tro­ço de 30 qui­ló­me­tros de es­tra­da faz par­te de um ei­xo con­si­de­ra­do fun­da­men­tal pa­ra o es­co­a­men­to dos pro­du­tos agro­pe­cuá­ri­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.