Im­pac­to das re­des so­ci­ais nas cam­pa­nhas elei­to­rais

Jornal de Angola - - PORTADA - ANA PAU­LO |

O im­pac­to das re­des so­ci­ais nas cam­pa­nhas elei­to­rais foi o te­ma de uma ví­deo-con­fe­rên­cia pro­mo­vi­da na quar­ta-fei­ra pe­la em­bai­xa­da dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca (EUA) em An­go­la, com o ob­jec­ti­vo de apoi­ar o pro­ces­so elei­to­ral no país.

Di­a­na Owen, es­pe­ci­a­lis­ta nor­te­a­me­ri­ca­na em Ci­ên­ci­as Po­lí­ti­cas, fa­lou so­bre o pa­pel que as re­des so­ci­ais jo­ga­ram nas úl­ti­mas elei­ções nos EUA, so­bre­tu­do na atrac­ção de elei­to­res, na sua mai­o­ria jo­vens.

“A co­mu­ni­ca­ção so­ci­al é uma das prin­ci­pais es­tra­té­gi­as que atrai a clas­se ju­ve­nil, pois ela vi­sa di­vul­gar um mai­or nú­me­ro de in­for­ma­ções pos­sí­veis que mui­tas ve­zes não cons­tam das es­tra­té­gi­as dos can­di­da­tos”, su­bli­nhou.

Di­a­na Owen afir­mou que, no ano pas­sa­do, cer­ca de 65 por cen­to dos elei­to­res nor­te-ame­ri­ca­nos acom­pa­nha­ram as cam­pa­nhas elei­to­rais com a uti­li­za­ção das re­des so­ci­ais. Cer­ca de 16 mi­lhões ace­de­ram aos “si­tes” de no­tí­ci­as na In­ter­net da cam­pa­nha de Do­nald Trump, en­quan­to 11 mi­lhões acom­pa­nha­ram os de Hil­lary Clin­ton.

A es­pe­ci­a­lis­ta ex­pli­cou que a gran­de di­fe­ren­ça dos can­di­da­tos na al­tu­ra é que Hil­lary Clin­ton não uti­li­zou as prin­ci­pais es­tra­té­gi­as que vi­sa­vam a uti­li­za­ção das re­des so­ci­ais por par­te dos elei­to­res. Já o Pre­si­den­te elei­to, Do­nald Trump, uti­li­zou o Twit­ter co­mo prin­ci­pal fo­co es­ta­té­gi­co na sua cam­pa­nha elei­to­ral. “Ti­ve­mos um gran­de sal­to sig­ni­fi­ca­ti­vo com a uti­li­za­ção das re­des so­ci­ais du­ran­te a can­di­da­tu­ra do ac­tu­al Pre­si­den­te Do­nald Trump, por­que hou­ve cen­te­nas de pes­so­as en­vol­vi­das na divulgação de ima­gens e men­sa­gens, o que re­sul­tou na sua vi­tó­ria”, su­bli­nhou.

Se­gun­do Di­a­na Owen, cer­ca de 200 mi­lhões de nor­te-ame­ri­ca­nos ace­dem ao Fa­ce­bo­ok men­sal­men­te e 40 por cen­to de­les ti­nham aces­so à in­for­ma­ção so­bre as elei­ções. Em 2008, dis­se, tam­bém hou­ve uma gran­de re­vo­lu­ção na cam­pa­nha elei­to­ral do Pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma. Es­tes re­sul­ta­dos, re­fe­riu, de­ve­ram-se tam­bém à uti­li­za­ção das re­des so­ci­ais, co­mo o Fa­ce­bo­ok, Twi­ter e ou­tras, pa­ra a an­ga­ri­a­ção de fun­dos. De­vi­do a es­ta es­tra­té­gia po­lí­ti­ca, Ba­rack Oba­ma du­pli­cou o es­for­ço na uti­li­za­ção das re­des so­ci­ais du­ran­te o seu se­gun­do man­da­to, con­tra­ri­a­men­te ao seu ad­ver­sá­rio, que não uti­li­zou os mes­mos mei­os de in­for­ma­ção.

A se­cre­tá­ria de Im­pren­sa, Cul­tu­ra e Edu­ca­ção da Em­bai­xa­da dos EUA em An­go­la, Na­o­mi Mat­tos, con­si­de­ra tam­bém que a ju­ven­tu­de é a ca­ma­da mais en­ga­ja­da na In­ter­net, so­bre­tu­do nas re­des so­ci­ais. Lo­go, é uma gran­de opor­tu­ni­da­de pa­ra al­can­çar a mai­o­ria do elei­to­ra­do an­go­la­no atra­vés das no­vas tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção. “O Mun­do es­tá ca­da vez mais glo­ba­li­za­do. A In­ter­net for­çou a so­ci­e­da­de a cri­ar pla­nos es­tra­té­gi­cos di­fe­ren­ci­a­dos com re­cur­so a fer­ra­men­tas mais mo­der­nas, pa­ra se al­can­ça­rem os re­sul­ta­dos pre­ten­di­dos”, fri­sou a di­plo­ma­ta.

Na ví­deo-con­fe­rên­cia par­ti­ci­pa­ram re­pre­sen­tan­tes dos par­ti­dos UNITA, PRS, FNLA e Blo­co De­mo­crá­ti­co. O as­ses­sor de im­pren­sa do gru­po par­la­men­tar da UNITA, Ema­nu­el Bi­an­co, dis­se que a ví­deo-con­fe­rên­cia vai re­for­çar ain­da mais a cam­pa­nha elei­to­ral, não só do seu par­ti­do, mas tam­bém de ou­tras for­ma­ções po­lí­ti­cas. A UNITA, dis­se, sem­pre apos­tou no uso das re­des so­ci­ais e com o de­sen­vol­vi­men­to das no­vas tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção e co­mu­ni­ca­ção, o par­ti­do vai atrair mais elei­to­res.

Jo­a­quim Ma­nu­el, re­pre­sen­tan­te da FNLA, dis­se que o seu par­ti­do tam­bém usa as re­des so­ci­ais pa­ra trans­mi­tir as su­as po­lí­ti­cas e pro­gra­mas de go­ver­na­ção.

“Pas­san­do in­for­ma­ções di­a­ri­a­men­te no jor­nal di­gi­tal ‘Li­ber­da­de e Ter­ra’ ou atra­vés do Fa­ce­bo­ok, es­ta­mos en­ga­ja­dos so­bre­tu­do na me­lho­ria das ques­tões téc­ni­cas do le­ma, na pos­tu­ra do can­di­da­to e o pro­jec­to de so­ci­e­da­de”, fri­sou. Ma­nu­el Ri­baia, do PRS, dis­se que as re­des so­ci­ais sem­pre fo­ram “fer­ra­men­tas” que aju­da­ram na cam­pa­nha elei­to­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.