CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AR­MÉ­NIO LU­CAS | BENVINDO LUÍS | FILOMENA AL­FRE­DO |

Cri­se e ne­gó­ci­os

A cri­se que afec­ta mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas tem fei­to com que mui­tos ci­da­dãos pro­cu­rem mei­os pa­ra au­men­ta­rem os seus ren­di­men­tos. Co­nhe­ço pes­so­as que tra­ba­lham na fun­ção pú­bli­ca e que abri­ram ne­gó­ci­os di­ver­sos nas su­as re­si­dên­ci­as, pa­ra po­de­rem fa­zer fa­ce ao ele­va­do cus­to de vi­da.

Há an­go­la­nos que es­tão, por exem­plo, a abrir can­ti­nas e pa­da­ri­as pa­ra que pos­sam ter ren­di­men­tos pa­ra pa­gar, por exem­plo, as pro­pi­nas dos seus fi­lhos que es­tão em uni­ver­si­da­des. Há ca­sos de en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção que têm mais de dois fi­lhos a es­tu­dar no en­si­no su­pe­ri­or, mas o sa­lá­rio que au­fe­rem co­mo fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos não é su­fi­ci­en­te pa­ra pa­gar pro­pi­nas e acu­dir a ou­tras des­pe­sas.

É bom que ha­ja an­go­la­nos a cri­ar mui­tos ne­gó­ci­os, por­que is­so aju­da a ge­rar pos­tos de tra­ba­lho. A vi­da ho­je não es­tá fá­cil, so­bre­tu­do pa­ra os ci­da­dãos que de­pen­dem ex­clu­si­va­men­te do sa­lá­rio.

Mui­tos an­go­la­nos que­rem con­tor­nar as di­fi­cul­da­des de­cor­ren­tes da cri­se e vão-se aper­ce­ben­do de que va­le a pe­na cri­ar ne­gó­ci­os pa­ra au­men­tar os seus ren­di­men­tos. Sin­to­me sa­tis­fei­to quan­do ve­jo com­pa­tri­o­tas meus a abri­rem pa­da­ri­as, ham­bur­ga­ri­as e can­ti­nas.

Es­tes pe­que­mos ne­gó­ci­os cri­am mui­tos pos­tos de tra­ba­lho que po­dem ab­sor­ver mui­tos jo­vens de­sem­pre­ga­dos. Gos­ta­ria que as ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as apoi­as­sem es­tes pe­que­nos em­pre­en­de­do­res, pa­ra ter­mos me­nos po­bre­za no país. Ad­mi­ro to­dos os an­go­la­nos que se es­for­çam pa­ra as­se­gu­rar uma vi­da dig­na pa­ra os seus fa­mi­li­a­res. Há mui­tos an­go­la­nos que tra­ba­lham ar­du­a­men­te. É pre­ci­so apoi­ar to­dos os que con­tri­bu­em pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia.

O CAN Sub-17

A Se­lec­ção Na­ci­o­nal de Fu­te­bol de Sub-17 es­tá no CAN da ca­te­go­ria que se re­a­li­za no Ga­bão. Es­pe­ro que os nos­sos jo­vens fu­te­bo­lis­tas te­nham uma boa pres­ta­ção na re­fe­ri­da com­pe­ti­ção. De­ve­mos to­dos nós, an­go­la­nos, apoi­ar a nos­sa se­lec­ção de sub -17 e a sua equi­pa téc­ni­ca. Que se pres­tem os apoi­os ne­ces­sá­ri­os à nos­sa jo­vem se­lec­ção, pa­ra que ela se sin­ta mo­ti­va­da e con­si­ga bons re­sul­ta­dos.

É de lou­var o tra­ba­lho que foi fei­to no pas­sa­do pa­ra a se­lec­ção de sub-17 con­se­guir a qua­li­fi­ca­ção pa­ra o CAN do Ga­bão. Ago­ra é ho­ra de apos­tar-se nos jo­vens que no Ga­bão es­tão a jo­gar com as me­lho­res se­lec­ções do con­ti­nen­te na re­fe­ri­da ca­te­go­ria.

Pen­so que os apoi­os às nos­sas se­lec­ções de­vem ser da­dos opor­tu­na­men­te, ou se­ja, no mo­men­to em que eles são ne­ces­sá­ri­os. Te­mos de pro­gra­mar sem­pre bem a pre­pa­ra­ção das nos­sas se­lec­ções na­ci­o­nais, pa­ra evi­tar­mos de­sai­res. Os an­go­la­nos que­rem que as nos­sas se­lec­ções na­ci­o­nais de fu­te­bol, em par­ti­cu­lar a de hon­ras, co­me­cem a al­can­çar bons re­sul­ta­dos na al­ta com­pe­ti­ção.

Que ha­ja pois or­ga­ni­za­ção pa­ra que An­go­la pos­sa pra­ti­car um fu­te­bol de ele­va­do ní­vel.

O tu­ris­mo

An­go­la tem tu­do pa­ra ser uma po­tên­cia em ter­mos de tu­ris­mo. A na­tu­re­za deu-nos be­le­zas na­tu­rais enor­mes e ca­be-nos a nós, an­go­la­nos, tra­ba­lhar pa­ra que elas se­jam po­ten­ci­a­das, de mo­do a que o tu­ris­mo em An­go­la con­tri­bua con­si­de­ra­vel­men­te pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia.

O tu­ris­mo po­de ter um pe­so im­por­tan­te no pro­du­to in­ter­no bru­to e é bom que os nos­sos agen­tes eco­nó­mi­cos pri­va­dos (em­pre­sá­ri­os) apro­vei­tem as opor­tu­ni­da­des que há a ní­vel da in­dús­tria tu­rís­ti­ca. A in­dús­tria tu­rís­ti­ca no país tem fu­tu­ro. Im­por­ta que os nos­sos em­pre­sá­ri­os te­nham vi­são e avan­cem pa­ra pro­jec­tos que di­na­mi­zem a ac­ti­vi­da­de tu­rís­ti­ca. Acre­di­to que mui­tos em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos po­dem aju­dar a de­sen­vol­ver o tu­ris­mo em An­go­la. Não de­ve­mos, en­tre­tan­to, dei­xar de apren­der com ou­tros paí­ses do mun­do que es­tão mais avan­ça­dos do que nós, a ní­vel da in­dús­tria tu­rís­ti­ca. A di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia de­ve pas­sar pe­lo de­sen­vol­vi­men­to do tu­ris­mo. Sei que há um pla­no de de­sen­vol­vi­men­to do tu­ris­mo em An­go­la, con­ce­bi­do pe­lo Es­ta­do. Que es­te pla­no se con­cre­ti­ze e en­vol­va to­dos os an­go­la­nos que es­tão re­al­men­te in­te­res­sa­dos em fa­zer cres­cer a eco­no­mia do país.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.