Pre­si­den­te Do­nald Trump en­tre a es­pa­da e a pa­re­de

TEN­SÃO PO­LÍ­TI­CA NOS ES­TA­DOS UNI­DOS DA AMÉ­RI­CA In­ves­ti­ga­ções so­bre as li­ga­ções à Rús­sia ame­a­çam an­te­ci­par o fim do man­da­to do re­pu­bli­ca­no

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AN­TÓ­NIO PI­MEN­TA |

De­pois de vá­ri­as po­lé­mi­cas em que es­te­ve en­vol­vi­do des­de que se tor­nou in­qui­li­no da Ca­sa Bran­ca, o Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, Do­nald Trump, vol­tou a me­re­cer des­ta­ques de pri­mei­ra pá­gi­na na im­pren­sa ame­ri­ca­na e in­ter­na­ci­o­nal, com acu­sa­ções de ter pe­di­do a Ja­mes Co­mey, a quem de­mi­tiu re­cen­te­men­te do car­go de di­rec­tor do FBI, pa­ra dei­xar cair as in­ves­ti­ga­ções so­bre as li­ga­ções en­tre Mi­cha­el Flynn e a Rús­sia.

Mas o in­qui­li­no da Ca­sa Bran­ca des­men­te es­tas in­for­ma­ções e afir­ma que ne­nhum po­lí­ti­co, na his­tó­ria, foi tra­ta­do tão mal e tão in­jus­ta­men­te. “Não po­dem dei­xar que vos dei­tem abai­xo, não po­dem dei­xar que os crí­ti­cos se co­lo­quem à fren­te dos vos­sos so­nhos”, dis­se Trump quan­do as­sis­tia à ce­ri­mó­nia de ini­ci­a­ção dos no­vos mem­bros da Guar­da Cos­tei­ra.

Mas é na de­mis­são do di­rec­tor da Po­lí­cia Fe­de­ral nor­te-ame­ri­ca­na (FBI) Ja­mes Co­mey que re­si­de ac­tu­al­men­te a gran­de po­lé­mi­ca na Ca­sa Bran­ca e as in­for­ma­ções re­ve­la­das so­bre uma su­pos­ta in­ter­fe­rên­cia de Trump nu­ma in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal re­la­ci­o­na­da com o seu con­se­lhei­ro de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal Mi­cha­el Flynn.

Do­nald Trump te­rá pe­di­do ao ex­di­rec­tor do FBI, Ja­mes Co­mey, pa­ra en­cer­rar a in­ves­ti­ga­ção a Mi­cha­el Flynn, que foi as­ses­sor do Pre­si­den­te pa­ra a Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal du­ran­te cer­ca de um mês.

O pe­di­do de Trump, se­gun­do re­la­tos da im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal, te­rá ocor­ri­do em Fe­ve­rei­ro pas­sa­do, no de­cur­so de uma reu­nião en­tre Co­mey e o Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no, re­a­li­za­da na Sa­la Oval.

A con­ver­sa en­tre Trump e Co­mey, re­fe­rem as fon­tes, te­rá co­me­ça­do com o Pre­si­den­te dos EUA a con­de­nar as fu­gas de in­for­ma­ção pa­ra os me­dia, di­zen­do ao an­ti­go di­rec­tor do FBI que es­te de­via pôr em con­si­de­ra­ção a hi­pó­te­se de pren­der jor­na­lis­tas que pu­bli­cas­sem in­for­ma­ção clas­si­fi­ca­da.

No re­la­tó­rio que es­cre­veu so­bre a reu­nião, lo­go após o en­con­tro, o di­rec­tor do FBI ci­ta uma pas­sa­gem do Pre­si­den­te Trump na qual o acon­se­lha a dei­xar pas­sar a in­ves­ti­ga­ção que le­va­va a ca­bo em re­la­ção ao ex-as­ses­sor do Pre­si­den­te. “Es­pe­ro que pos­sa dei­xar is­to [in­ves­ti­ga­ção a Flynn] pas­sar”, dis­se Trump a Co­mey.

Ana­lis­tas de­fen­dem que ca­so se con­fir­mem es­sas afir­ma­ções, o pe­di­do de Trump po­de mes­mo con­fir­mar que o Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no ten­tou in­flu­en­ci­ar o tra­ba­lho do De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça e do FBI, que in­ves­ti­ga­vam pos­sí­veis li­ga­ções en­tre a cam­pa­nha de Trump e per­so­na­li­da­des rus­sas.

A mes­ma pu­bli­ca­ção re­ve­la que Ja­mes Co­mey es­cre­veu o me­mo­ran­do, que de­ta­lha a con­ver­sa com Trump, ime­di­a­ta­men­te após a reu­nião, que ocor­reu um dia após Flynn se ter de­mi­ti­do. Flynn pe­diu a de­mis­são de­pois de ter ad­mi­ti­do que men­tiu ao Vi­ce-Pre­si­den­te, Mi­ke Pen­ce, so­bre a na­tu­re­za das su­as con­ver­sas com o em­bai­xa­dor rus­so.

O me­mo­ran­do fa­rá par­te de uma es­pé­cie de ar­qui­vo que o ex-di­rec­tor do FBI es­ta­va a cri­ar, de­vi­do ao que pen­sa­va ser uma in­ter­fe­rên­cia cla­ra do Pre­si­den­te nu­ma in­ves­ti­ga­ção que es­ta­va a de­cor­rer.

O “The New York Ti­mes” ex­pli­ca que as no­tas de um agen­te do FBI são ti­das com mui­to cre­dí­veis, em tri­bu­nal, co­mo evi­dên­cia de con­ver­sas e de­cla­ra­ções. “Ele é um bom ho­mem. Dei­xe is­to”, te­rá di­to Trump a Co­mey, que se te­rá li­mi­ta­do a con­cor­dar com a pri­mei­ra par­te. “Con­cor­do que é um bom ho­mem”, te­rá di­to o ex-di­rec­tor do FBI.

A Ca­sa Bran­ca já ne­gou a ver­são do me­mo­ran­do de Ja­mes Co­mey. Já o FBI re­cu­sou co­men­tar o ca­so.

Es­ta­va anun­ci­a­da pa­ra on­tem, na Ca­sa Bran­ca, uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa de Ja­mes Co­mey, pre­vis­ta pa­ra as 21h00 (ho­ra de An­go­la).

Trump em maus len­çóis

A sua su­pos­ta in­ter­fe­rên­cia no ca­so aca­bou por dei­xar o Pre­si­den­te Trump em po­si­ção pou­co van­ta­jo­sa, co­lo­can­do-o no cen­tro de uma po­lé­mi­ca que cir­cu­la nos cor­re­do­res das ins­ti­tui­ções po­lí­ti­cas de Washing­ton e nos “me­dia” ame­ri­ca­nos e in­ter­na­ci­o­nais, e on­de a pa­la­vra “im­pe­a­ch­ment” es­tá a ser re­fe­ren­ci­a­da com mui­ta in­sis­tên­cia.

Di­ga-se em abo­no da verdade, as su­pos­tas li­ga­ções do Pre­si­den­te Trump a Mos­co­vo, aca­bou por cri­ar um ver­da­dei­ro tur­bi­lhão na Ca­sa Bran­ca. Em fun­ção dis­so, o De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça nor­te-ame­ri­ca­no no­me­ou o an­ti­go di­rec­tor do FBI Ro­bert Mu­el­ler co­mo pro­cu­ra­dor es­pe­ci­al pa­ra su­per­vi­si­o­nar a in­ves­ti­ga­ção fe­de­ral às ale­ga­das li­ga­ções rus­sas nas elei­ções pre­si­den­ci­ais dos EUA, que de­cor­re­ram em No­vem­bro do ano pas­sa­do.

Des­de a elei­ção de Do­nald Trump em No­vem­bro de 2017, são re­cor­ren­tes nos Es­ta­dos Uni­dos e a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal as in­for­ma­ções que ates­tam uma pre­ten­sa vin­cu­la­ção do Pre­si­den­te Trump à Rus­sia que lhe te­ria fa­ci­li­ta­do a vi­tó­ria nas elei­cões. Des­de a cor­ri­da pa­ra as pre­si­den­ci­ais que Do­nald Trump vem sen­do acu­sa­do de man­ter la­ços ín­ti­mos com o Krem­lin e de ser fã do Pre­si­den­te da Rús­sia, Vla­di­mir Pu­tin.

As au­to­ri­da­des nor­te-ame­ri­ca­nas acre­di­tam que o Go­ver­no rus­so te­ria in­ter­fe­ri­do nas elei­ções dos Es­ta­dos Uni­dos, no ano pas­sa­do, pa­ra fa­vo­re­cer o po­lí­ti­co re­pu­bli­ca­no, ata­can­do, por meio de hac­kers, a can­di­da­ta de­mo­cra­ta, Hil­lary Clin­ton. Es­sas sus­pei­tas es­tão ser in­ves­ti­ga­das, mas, até ao mo­men­to, ne­nhu­ma pro­va foi en­con­tra­da.

Cri­se com a Co­reia do Nor­te

Com a cri­se na Co­reia do Nor­te e mes­mo na Sí­ria ain­da por se re­sol­ver, as coi­sas se com­pli­ca­ram ain­da mais pa­ra Do­nald Trump, com a exo­ne­ra­ção do di­rec­tor do FBI.

Com es­sa me­xi­da al­guns le­gis­la­do­res ame­ri­ca­nos acu­sa­ram Trump de obs­tru­ção à jus­ti­ça de­vi­do a re­ve­la­ções que dão con­ta que o Pre­si­den­te te­rá pe­di­do a Co­mey pa­ra ter­mi­nar as in­ves­ti­ga­ções so­bre Flynn.

Após a de­mis­são de Co­mey, na semana pas­sa­da, os de­mo­cra­tas no Con­gres­so já ti­nham ma­ni­fes­ta­do a sua pre­o­cu­pa­ção fa­ce uma even­tu­al e gra­ve in­ge­rên­cia de Trump.

A obs­tru­ção

A fi­gu­ra da obs­tru­ção à jus­ti­ça é uma ques­tão de­li­ca­da, tan­to cri­mi­nal­men­te co­mo po­li­ti­ca­men­te. Mas mes­mo as­sim, vá­ri­os cons­ti­tu­ci­o­na­lis­tas, ci­ta­dos pe­la agên­cia no­ti­ci­o­sa nor­te-ame­ri­ca­na As­so­ci­a­ted Press, ad­mi­tem que po­de ser di­fí­cil pro­var que o Pre­si­den­te ul­tra­pas­sou o li­mi­te.

“O Pre­si­den­te po­de ale­gar que es­ta­va a abor­dar a ques­tão por pre­o­cu­pa­ção com um co­la­bo­ra­dor de lon­ga da­ta [Flynn]”, afir­mou o pro­fes­sor de Di­rei­to da Ge­or­ge Washing­ton Uni­ver­sity, Jo­nathan Tur­ley, ad­mi­tin­do que Trump po­de ter vá­ri­as li­nhas de de­fe­sa e que tal si­tu­a­ção po­de­rá não ser su­fi­ci­en­te pa­ra um pro­ces­so de des­ti­tui­ção.

Mas ao se con­fir­ma­rem co­mo cer­tas as de­nún­ci­as con­tra Trump a fa­ze­rem fé de que su­pos­ta­men­te te­ria for­ne­ci­do in­for­ma­ções clas­si­fi­ca­das ao che­fe da di­plo­ma­cia rus­sa, Ser­guei La­vrov, so­bre o gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI), du­ran­te uma reu­nião re­a­li­za­da re­cen­te­men­te na Ca­sa Bran­ca, is­so po­de agra­var a si­tu­a­ção do Che­fe de Es­ta­do ame­ri­ca­no, que de­fen­dem al­guns ana­lis­tas lo­cais, en­con­tra-se ac­tu­al­men­te en­tre a es­pa­da e a pa­re­de e com gran­des de­sa­fi­os pe­la fren­te pa­ra man­ter o seu man­da­to de qua­tro anos.

De qual­quer for­ma, cons­ti­tui já um da­do as­sen­te que o as­sun­to re­pre­sen­ta na ac­tu­a­li­da­de um dos mais quen­tes da agen­da po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na e que in­ten­si­fi­cou a pres­são con­tra Trump, com mi­lha­res de ci­da­dãos a exi­gi­rem a sua des­ti­tui­ção. O con­gres­sis­ta Al Gre­en fez es­ta semana um du­ro dis­cur­so na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos a pe­dir o “im­pe­a­ch­ment” de Do­nald Trump.” Eu me le­van­to ho­je, se­nhor pre­si­den­te da Câ­ma­ra, pa­ra pe­dir o “im­pe­a­ch­ment” do Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca por obs­tru­ção à Jus­ti­ça”, afir­mou Gre­en.

Mais de um mi­lhão de pes­so­as ti­nha as­si­na­do até on­tem à tar­de uma pe­ti­ção “on­li­ne” a fa­vor da des­ti­tui­ção de Do­nald Trump. A cam­pa­nha “Im­pe­a­ch Trump Now”, li­de­ra­da pe­la Free Spe­e­ch For Pe­o­ple (or­ga­ni­za­ção apar­ti­dá­ria e sem fins lu­cra­ti­vos), reu­nia às 17h17 (ho­ra de An­go­la) 1.004.145 as­si­na­tu­ras.

“Des­de que as­su­miu o ga­bi­ne­te, o Pre­si­den­te Do­nald Trump tem vi­o­la­do sis­te­ma­ti­ca­men­te a Cons­ti­tui­ção dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca. O Pre­si­den­te não es­tá aci­ma da lei. Não per­mi­ti­re­mos que o Pre­si­den­te Trump be­ne­fi­cie da Pre­si­dên­cia à cus­ta da nos­sa de­mo­cra­cia”, lê-se num tex­to in­tro­du­tó­rio, que in­di­ca que mais de 950 mil pes­so­as se jun­ta­ram à cam­pa­nha nos pri­mei­ros 110 di­as da Ad­mi­nis­tra­ção Trump.

Mas um al­to fun­ci­o­ná­rio da Ca­sa Bran­ca mi­ni­mi­zou a im­por­tân­cia das acu­sa­ções que pe­sam so­bre Trump, afir­man­do: “O que te­mos são no­tas so­bre um Pre­si­den­te que faz per­gun­tas al­ta­men­te im­pró­pri­as a um di­rec­tor do FBI. (...) Is­to se­ria mui­to pou­co con­sis­ten­te pa­ra um pro­ces­so de des­ti­tui­ção.”

O pre­si­den­te do Co­mi­té de Su­per­vi­são da Câ­ma­ra dos Re­pre­sen­tan­tes, ci­ta­do pe­la Reu­ters, o con­gres­sis­ta re­pu­bli­ca­no Ja­son Chaf­fetz, exi­giu que o FBI en­tre­gue to­dos “os me­mo­ran­dos, no­tas, re­su­mos e gra­va­ções” que de­ta­lhem con­ver­sas en­tre Do­nald Trump e o an­ti­go di­rec­tor do FBI Ja­mes Co­mey. O pe­di­do foi par­ti­lha­do in­te­gral­men­te na con­ta no Twit­ter da­que­la co­mis­são do Con­gres­so.

Pa­ra o con­gres­sis­ta re­pu­bli­ca­no, os do­cu­men­tos são ne­ces­sá­ri­os pa­ra per­ce­ber se o Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no ten­tou in­flu­en­ci­ar ou obs­truir as in­ves­ti­ga­ções do FBI a pos­sí­veis li­ga­ções en­tre mem­bros da cam­pa­nha de Trump e o Go­ver­no rus­so.

Ou­tros do­cu­men­tos va­za­dos atra­vés da im­pren­sa ame­ri­ca­na dão con­ta de um ou­tro do­cu­men­to que ates­ta que a Rús­sia tem in­for­ma­ções com­pro­me­te­do­ras so­bre Trump.

O re­la­tó­rio le­va­do a pú­bli­co no iní­cio do ano pe­la CNN, re­ve­la “ac­ti­vi­da­des se­xu­ais per­ver­ti­das” re­a­li­za­das pe­lo Pre­si­den­te a quem acu­sam ain­da de ter re­ce­bi­do in­for­ma­ções de es­pi­o­na­gem do Krem­lin e que o ser­vi­ço de in­te­li­gên­cia rus­so vem “apoi­an­do e aju­dan­do” há vá­ri­os anos o lí­der re­pu­bli­ca­no, in­cluin­do com in­for­ma­ções pes­so­ais e fi­nan­cei­ras com­pro­me­te­do­ras.

Son­da­gens so­bre im­pe­a­ch­ment

Uma son­da­gem da Pu­blic Po­licy Pol­ling, pu­bli­ca­da na ter­ça-fei­ra, re­ve­lou que 48 por cen­to dos nor­te­a­me­ri­ca­nos que­rem que se ini­cie um pro­ces­so de des­ti­tui­ção con­tra Trump. Es­ta per­cen­ta­gem su­pe­ra os 41 por cen­to dos nor­te-ame­ri­ca­nos que es­tão con­tra um “im­pe­a­ch­ment” de Trump, pro­ces­so que só foi ini­ci­a­do em du­as oca­siões na his­tó­ria nor­te-ame­ri­ca­na.

O Con­gres­so dos Es­ta­dos Uni­dos ini­ci­ou, mas nun­ca fi­na­li­zou, o pro­ces­so de des­ti­tui­ção dos Pre­si­den­tes An­drew John­son (18291837) e Bill Clin­ton (1993-2001). A pos­si­bi­li­da­de de um “im­pe­a­ch­ment” for­çou a de­mis­são do Pre­si­den­te Ri­chard Ni­xon em 1974.

A mes­ma son­da­gem in­di­cou que ape­nas 43 por cen­to dos in­qui­ri­dos con­si­de­ra que Trump vai con­se­guir ter­mi­nar os qua­tro anos de man­da­to. Es­ta son­da­gem foi re­a­li­za­da com uma amos­tra de 692 adul­tos en­tre 12 e 14 de Maio (de­pois da de­mis­são de Ja­mes Co­mey) e tem uma mar­gem de er­ro de 3,7 por cen­to.

O pro­ces­so de “im­pe­a­ch­ment” po­de ser ini­ci­a­do por uma mai­o­ria sim­ples da Câ­ma­ra dos Re­pre­sen­tan­tes (câ­ma­ra bai­xa do Con­gres­so), mas o pro­ces­so (o jul­ga­men­to po­lí­ti­co) vai ser con­du­zi­do pe­lo Se­na­do (câ­ma­ra al­ta) com o pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal a pre­si­dir as au­di­ên­ci­as.

Pa­ra de­cla­rar cul­pa­do um Pre­si­den­te, e des­ti­tui-lo do po­der, são ne­ces­sá­ri­os dois ter­ços (67) dos vo­tos da câ­ma­ra al­ta, al­go que nun­ca acon­te­ceu. A des­ti­tui­ção es­tá pre­vis­ta, de acor­do com a Cons­ti­tui­ção nor­te­a­me­ri­ca­na, em ca­sos de “trai­ção, cor­rup­ção ou to­dos ou­tros cri­mes e de­li­tos mai­o­res”.

OLIVIER DOULIERY |AFP

Che­fe de Es­ta­do es­tá no cen­tro das aten­ções na im­pren­sa nor­te-ame­ri­a­ca­na e es­tran­gei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.