Ca­sos de hi­per­ten­são au­men­tam na ca­pi­tal

PRO­VÍN­CIA DE LU­AN­DA Mé­di­ca aler­ta pa­ra a exis­tên­cia de do­en­tes com me­nos de de­zoi­to anos

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

Na ci­da­de de Lu­an­da, oi­to em ca­da 15 pes­so­as, en­tre jo­vens e adul­tos que pro­cu­ram ser­vi­ços mé­di­cos são hi­per­ten­sas, re­ve­lou, quar­ta-fei­ra, a mé­di­ca de clí­ni­ca ge­ral Bren­da Aze­ve­do, do Hos­pi­tal do Pren­da.

A mé­di­ca, que fa­la­va à An­gop, por oca­sião do Dia Mun­di­al da Hi­per­ten­são, as­si­na­la­do quar­ta-fei­ra, ma­ni­fes­tou a sua pre­o­cu­pa­ção ain­da mais quan­do nas con­sul­tas apa­re­cem do­en­tes com ní­veis hi­per­ten­si­vos mui­to al­tos.

A tí­tu­lo de exem­plo, a mé­di­ca acen­tu­ou que há pes­so­as com 18 anos ou me­nos que che­gam aos hos­pi­tais, pa­ra a pri­mei­ra con­sul­ta, em que a ten­são ar­te­ri­al atin­ge en­tre 130 e 90 mi­lí­me­tros por mer­cú­rio, o que, na opi­nião da mé­di­ca, já é um mo­ti­vo de aler­ta.

Os fac­to­res pa­ra o sur­gi­men­to da hi­per­ten­são es­tão li­ga­dos aos maus há­bi­tos ali­men­ta­res, ao uso ex­ces­si­vo de be­bi­das al­coó­li­cas e ao ta­ba­gis­mo, as­so­ci­a­dos à fal­ta de exer­cí­ci­os fí­si­cos, aler­tou a mé­di­ca.

A hi­per­ten­são ar­te­ri­al, de­fi­niu a mé­di­ca, é uma do­en­ça cró­ni­ca de­ter­mi­na­da por ele­va­dos ní­veis de pres­são san­guí­nea nas ar­té­ri­as, o que faz com que o co­ra­ção exer­ça um es­for­ço mai­or do que o nor­mal pa­ra fa­zer cir­cu­lar o san­gue atra­vés dos va­sos san­guí­ne­os.

A mé­di­ca su­bli­nhou que a hi­per­ten­são po­de le­var a uma atro­fia do mús­cu­lo do co­ra­ção, cau­san­do ar­rit­mia car­día­ca.

“Em mé­dia, uma pes­soa com hi­per­ten­são não con­tro­la­da, po­de ver o seu es­ta­do de saú­de agra­var-se da­qui a 15 anos”, aler­tou a mé­di­ca que re­co­men­dou o con­tro­lo re­gu­lar da ten­são ar­te­ri­al. Es­pe­ci­a­lis­tas acon­se­lham a prá­ti­ca de exer­cí­ci­os pe­lo me­nos du­ran­te 30 mi­nu­tos, três ve­zes por semana. Além dis­so, be­ber ál­co­ol em quan­ti­da­de mo­de­ra­da traz be­ne­fí­ci­os car­di­o­vas­cu­la­res.

Da­dos glo­bais

A hi­per­ten­são cau­sa anu­al­men­te a mor­te de 9,4 mi­lhões de pes­so­as no mun­do e é res­pon­sá­vel por 45 por cen­to dos ata­ques car­día­cos e 51 por cen­to dos der­ra­mes ce­re­brais, apon­ta um le­van­ta­men­to di­vul­ga­do, no ano pas­sa­do, pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de. A mai­o­ria dos ca­sos ocor­re em paí­ses emer­gen­tes ou em de­sen­vol­vi­men­to. Cer­ca de 80 por cen­to das mor­tes cau­sa­das por pro­ble­mas car­día­cos ocor­re­ram nes­sas re­giões. O mai­or ín­di­ce de ca­sos no mun­do vem de Áfri­ca, com 46 por cen­to das ocor­rên­ci­as.

A ex­pli­ca­ção é que, nos paí­ses de­sen­vol­vi­dos, os sis­te­mas de saú­de de­tec­tam ce­do a do­en­ça e po­dem tra­tá-la, já que têm re­cur­sos pa­ra is­to. A mai­o­ria dos hi­per­ten­sos não sen­te na­da. O pro­ble­ma não dá si­nais nem sin­to­mas de que já es­tá ins­ta­la­do no or­ga­nis­mo.

Al­guns in­di­ví­du­os, po­rém, têm ton­tu­ra, vis­ta em­ba­ça­da, pal­pi­ta­ção e dor de ca­be­ça, além de zum­bi­do no ou­vi­do e vi­são de pon­tos bri­lhan­tes. O ex­ces­so de sal aju­da a re­ter lí­qui­dos e au­men­ta o vo­lu­me e a pres­são san­guí­nea. O san­gue bom­be­a­do com mais for­ça agri­de o re­ves­ti­men­to dos va­sos, pro­vo­ca pe­que­nas ci­ca­tri­zes e con­tri­bui pa­ra o en­tu­pi­men­to das ar­té­ri­as. As con­sequên­ci­as da hi­per­ten­são nos di­ver­sos ór­gãos es­tão re­la­ci­o­na­das prin­ci­pal­men­te com a le­são dos va­sos e a so­bre­car­ga pa­ra o fun­ci­o­na­men­to de­les.

Per­der pe­so é a for­ma mais efec­ti­va de bai­xar a pres­são sem usar re­mé­di­os. Fa­zer exer­cí­ci­os tam­bém aju­da no con­tro­lo da hi­per­ten­são e me­lho­ra o ní­vel de co­les­te­rol e o ín­di­ce gli­cé­mi­co.

EDU­AR­DO PE­DRO|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Es­pe­ci­a­lis­tas acon­se­lham o con­tro­lo re­gu­lar da ten­são ar­te­ri­al e uma ali­men­ta­ção equi­li­bra­da pa­ra ga­ran­tir uma vi­da sau­dá­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.