Dra­ma fa­mi­li­ar le­va­do ao te­a­tro

HO­RI­ZON­TE NJINGA MBANDE Con­fli­tos en­tre so­gra e gen­ro ana­li­sa­dos em pal­co

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL ALBANO |

A com­pa­nhia de te­a­tro Ho­ri­zon­te Njinga Mbande apre­sen­ta ho­je, às 20h30, no au­di­tó­rio da es­co­la ho­mó­ni­ma, em Lu­an­da o es­pec­tá­cu­lo “A so­gra”, pa­ra co­me­mo­rar o Dia In­ter­na­ci­o­nal da Fa­mí­lia, as­si­na­la­do, na se­gun­da-fei­ra.

O es­pec­tá­cu­lo de te­a­tro vol­ta a ser exi­bi­do amanhã e do­min­go, no mes­mo lo­cal e com a mes­ma obra, em du­as ses­sões, às 19h45 e às 21h30. A pe­ça re­tra­ta a his­tó­ria de Pau­la ca­sa­da com Mau­ro, que tem de atu­rar a so­gra que o acha um in­com­pe­ten­te.

Du­ran­te apro­xi­ma­da­men­te uma ho­ra, os es­pec­ta­do­res vão as­sis­tir as pe­ri­pé­ci­as da re­la­ção con­tur­ba­da en­tre o gen­ro e a so­gra, que pre­ten­dem des­fa­zer-se um do ou­tro. Jo­sé Ga­li­a­no, um dos mem­bros do gru­po, dis­se, on­tem ao Jor­nal de An­go­la, que a pe­ça pro­cu­ra abor­dar um re­la­ci­o­na­men­to à ba­se do in­te­res­se por coi­sas ma­te­ri­ais, on­de a so­gra nun­ca acei­tou a op­ção da fi­lha, por se ter ca­sa­do com um jo­vem hu­mil­de e de pou­cas pos­si­bi­li­da­des fi­nan­cei­ras.

Ex­pli­ca que o gru­po pre­ten­de com a pe­ça, re­flec­tir so­bre o pro­ble­ma do ma­te­ri­a­lis­mo que vai con­quis­tan­do o seu es­pa­ço, par­ti­cu­lar­men­te nas so­ci­e­da­des con­ver­sa­do­ras, re­me­ten­do os bons há­bi­tos e cos­tu­mes a se­gun­do pla­no.

As es­co­lhas, re­fe­riu, são pa­ra ser res­pei­ta­das, ra­zão pe­la qual o Ho­ri­zon­te Njinga Mbande quer mos­trar ser im­por­tan­te con­ti­nu­ar­mos a res­ga­tar o es­pí­ri­to de com­pa­nhei­ris­mo, cor­di­a­li­da­de e, es­sen­ci­al­men­te, pri­mar sem­pre pe­la so­li­da­ri­e­da­de en­tre os ho­mens. “Pro­cu­ra­mos adap­tar a pe­ça um pou­co so­bre a re­a­li­da­de an­go­la­na, por for­ma a aju­dar os es­pec­ta­do­res a com­pre­en­de­rem o pa­pel so­ci­al e cul­tu­ral da fa­mí­lia nu­ma de­ter­mi­na­da co­mu­ni­da­de.”

O gru­po, ex­pli­cou, já tem um vas­to re­per­tó­rio com­pos­to por dra­mas e co­mé­di­as, no qual des­ta­cam­se pe­ças que pro­cu­ram ana­li­sar não ape­nas o quo­ti­di­a­no, mas uma fun­ção pe­da­gó­gi­ca, no sen­ti­do de con­tri­buir pa­ra a mu­dan­ça de com­por­ta­men­to en­tre os an­go­la­nos, par­ti­cu­lar­men­te en­tre os lu­an­den­ses.

As pe­ças “Ca­sa­do sem ca­sa”, “In­so­je o so­nho”, “O ca­sal”, “O al­fai­a­te”, “A so­gra”, “Gi­pa­lo, a do­en­ça da trai­ção”, “O pa­dras­to” e “O tri­bu­nal dos so­nhos”, des­ta­cou, são um pou­co o re­fle­xo da­qui­lo que tem si­do o pa­pel in­ter­ven­ti­vo do gru­po na sen­si­bi­li­za­ção dos ci­da­dãos.

O Con­jun­to Nza­ji é ho­me­na­ge­a­do ho­je, às 21h00, na III Tri­e­nal de Lu­an­da, no pal­co Ngo­la do Pa­lá­cio de Fer­ro. O Duo Ca­nho­to, que é um dos mar­cos da can­ção de in­ter­ven­ção de­pois da In­de­pen­dên­cia, in­ter­pre­ta as can­ções do Con­jun­to Nja­zi, uma das prin­ci­pais re­fe­rên­ci­as da can­ção re­vo­lu­ci­o­ná­ria du­ran­te a lu­ta de li­ber­ta­ção an­ti­co­lo­ni­al.

Pa­ra es­ta ho­me­na­gem, An­te­ro Ekui­kui e Gui­lher­me Mau­rí­cio dão voz às can­ções “Ka­pu­tu”, “Ufo­lo”, “Di­tu­mi­nu”, “Etu tua anan­go­la”, “Mo­nan­gam­bé”, “Dr. Ne­to”, “De­ba”, “Mo­ne­tu ua kas­su­le” e “MPLA in nvu­lu­zi”. O duo é acom­pa­nha­do pe­los ins­tru­men­tis­tas Teddy N´sin­gui (gui­tar­ra so­lo), Da­lú Ro­ger (per­cus­são), Mi­as Ga­lhe­ta (gui­tar­ra bai­xo), e Ju­ju Lu­to­ma (te­cla­do).

Nza­ji, no­me em quim­bun­do que sig­ni­fi­ca faís­ca, foi bap­ti­za­do por Pe­dro de Cas­tro Van-Du­nén “Loy”, se­gun­do Ma­ria Mam­bo Ca­fé. O Con­jun­to Nza­ji sur­giu em 1964, na Ci­da­de de Mos­co­vo, du­ran­te o pe­río­do da lu­ta con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês. Li­de­ra­do por Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos “Jo­es” (com­po­si­ção, voz e gui­tar­ra), Bri­to So­zi­nho (voz e com­po­si­ção), Pe­dro de Cas­tro VanDú­nem “Loy” (voz e com­po­si­ção), Má­rio San­ti­a­go (gui­tar­ra), Faís­ca (gui­tar­ra), Fer­nan­do Cas­tro Pai­va (ngo­ma) e Fer­nan­do As­sis (pi­a­no), co­mo vo­ca­lis­tas Ma­ria Mam­bo Ca­fé, Ana Wil­son, Amé­lia Min­gas e Bi­guá.

A for­ma­ção con­quis­ta os guer­ri­lhei­ros e na­ci­o­na­lis­tas, pe­la divulgação das can­ções de for­te te­or re­vo­lu­ci­o­ná­rio no Pro­gra­ma An­go­la Com­ba­ten­te. De sa­li­en­tar que es­te gru­po vem na sequên­cia dos “Kim­ban­das do Rit­mo”, cri­a­do em 1959 e a sua pri­mei­ra de­sig­na­ção “Der­re­pen­te”.

O dis­co ini­ci­al­men­te gra­va­do e lan­ça­do em 1964 na en­tão URSS, foi re­e­di­ta­do em 1988 com o tí­tu­lo “Des­ti­nos” pe­la “Ma­ki­nu”, edi­to­ra afec­ta ao mú­si­co Te­ta Lan­do.

Por sua vez, o Duo Ca­nho­to, cons­ti­tuí­do por An­te­ro Ekui­kui e Gui­lher­me Mau­rí­cio, te­ve a sua ori­gem na bri­ga­da ar­tís­ti­ca das ex­tin­tas TGFA (Tro­pas de Guar­da Fron­tei­ras de An­go­la) de­no­mi­na­da “26 de Agos­to”. O Duo ac­tua pe­la ter­cei­ra vez na Tri­e­nal, a pri­mei­ra acon­te­ceu na ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra do Pa­lá­cio de Fer­ro a 16 de Ja­nei­ro de 2016 e no Fes­ti­val ZWA.

|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Gru­po mos­tra com a exi­bi­ção do es­pec­tá­cu­lo ser im­por­tan­te con­ti­nu­ar­mos a res­ga­tar o es­pí­ri­to de com­pa­nhei­ris­mo nas fa­mí­li­as an­go­la­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.