Co­mis­sá­ri­os apro­vam o cen­tro de es­cru­tí­nio

De­le­ga­ção da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral foi ve­ri­fi­car a efi­cá­cia dos mei­os e a pron­ti­dão do Cen­tro de Es­cru­tí­nio

Jornal de Angola - - PARTADA - Ade­li­na iná­cio

Os co­mis­sá­ri­os da CNE cons­ta­ta­ram on­tem que o sis­te­ma mon­ta­do no cen­tro de es­cru­tí­nio pa­ra a di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos elei­to­rais é cé­le­re e vai per­mi­tir a di­vul­ga­ção ime­di­a­ta dos re­sul­ta­dos pro­vi­só­ri­os. Os co­mis­sá­ri­os cer­ti­fi­ca­ram-se dos di­fe­ren­tes cri­té­ri­os que se­rão uti­li­za­dos.

Os co­mis­sá­ri­os da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE) cons­ta­ta­ram on­tem que o sis­te­ma mon­ta­do no cen­tro de es­cru­tí­nio pa­ra a di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos elei­to­rais é cé­le­re e vai per­mi­tir a di­vul­ga­ção ime­di­a­ta dos re­sul­ta­dos pro­vi­só­ri­os.

Os co­mis­sá­ri­os cer­ti­fi­ca­ram-se dos cri­té­ri­os re­la­ti­vos à se­gu­ran­ça, efi­ci­ên­cia e di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos elei­to­rais e da trans­mis­são e tratamento de dados.

“A pla­ta­for­ma téc­ni­ca es­ta­be­le­ci­da pa­ra a trans­mis­são das ac­tas sín­te­ses das as­sem­blei­as de vo­to que vão per­mi­tir de ime­di­a­to a di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos pro­vi­só­ri­os es­tão em con­for­mi­da­de com a Lei e vai per­mi­tir em tem­po útil cum­prir com os pra­zos es­ta­be­le­ci­dos na Lei”, dis­se a por­ta-voz da CNE, no fi­nal da visita.

A por­ta-voz da CNE, que fa­lou à im­pren­sa, de­pois dos co­mis­sá­ri­os as­sis­ti­rem o en­saio da so­lu­ção tec­no­ló­gi­ca do cen­tro de es­cru­tí­nio ins­ta­la­do no Cen­tro de Con­ven­ções de Ta­la­to­na, dis­se que com es­te exer­cí­cio, tes­te­mu­nha­do pe­los co­mis­sá­ri­os, de re­cep­ção das ac­tas sín­te­ses das as­sem­blei­as de vo­to a ní­vel de to­dos os mu­ni­cí­pi­os do país, “po­de­mos ava­li­ar que es­tá as­se­gu­ra­do o prin­ci­pio da ce­le­ri­da­de no tratamento e da efi­cá­cia que se de­ve dar às ac­tas sín­te­ses das as­sem­blei­as de vo­to.

Jú­lia Ferreira fa­lou tam­bém da pu­bli­ca­ção dos re­sul­ta­dos elei­to­rais e sus­ten­tou que a Lei or­gâ­ni­ca so­bre as Elei­ções Ge­rais de­fen­de que a sua pu­bli­ca­ção de­ve ser fei­ta 15 di­as de­pois da ac­ta das elei­ções ge­rais.

Já nos cen­tros de es­cru­tí­nio pro­vin­ci­ais , a por­ta­voz dis­se que o tratamento re­fe­ren­te ao apu­ra­men­to pro­vin­ci­al de­ve ser fei­to no pra­zo de até se­te di­as de­pois da da­ta das elei­ções ge­rais.

Jú­lia Ferreira ex­pli­cou que no cen­tro de es­cru­tí­nio fo­ram cri­a­das vá­ri­as áre­as pa­ra a re­cep­ção das ac­tas sín­te­ses. Foi cri­a­do, por exem­plo, o cen­tro de gra­va­ção das ac­tas cons­ti­tuí­do por duas pla­ta­for­mas que vão per­mi­tir a in­ser­ção dos dados exis­ten­tes nas re­fe­ri­das ac­tas sín­te­ses.

As ac­tas sín­te­ses têm co­mo ob­jec­ti­vo fun­da­men­tal o es­cru­tí­nio pro­vi­só­rio dos re­sul­ta­dos elei­to­rais. Jú­lia Ferreira sa­li­en­tou que nas si­tu­a­ções em que se de­tec­tam de­ter­mi­na­das ir­re­gu­la­ri­da­des nas ac­tas sín­te­ses, es­tas de­vem ser tra­ta­das nos cen­tros de gra­va­ção.

Ca­so es­sas es­tas ac­tas não se­jam tra­ta­das nem su­pe­ra­das a ní­vel do cen­tro de gra­va­ção, são trans­fe­ri­das pa­ra a área de ve­ri­fi­ca­ção, on­de é fei­ta uma aná­li­se mais pro­fun­da e de­ta­lha­da pa­ra se afe­rir so­bre even­tu­ais ir­re­gu­la­ri­da­des de­tec­ta­das nos cen­tros de gra­va­ção, sa­li­en­tou. Jú­lia Ferreira acres­cen­tou que nas si­tu­a­ções ain­da em que es­sas ir­re­gu­la­ri­da­de não são re­sol­vi­das a ní­vel da área de ve­ri­fi­ca­ção , elas são trans­mi­ti­das pa­ra o cen­tro de in­ci­dên­cia, que tem a mis­são fun­da­men­tal de dar tratamento a to­das as ir­re­gu­la­ri­da­des ve­ri­fi­ca­das no pro­ces­so de trans­mis­são das ac­tas.

Ca­so ain­da as ir­re­gu­la­ri­da­des não fo­rem re­sol­vi­das na área de ve­ri­fi­ca­ção, en­tão a ac­ta é ar­qui­va­da. “Sig­ni­fi­ca que to­dos os dados cons­tan­tes na ac­ta sín­te­se das as­sem­blei­as de vo­to, além da gra­va­ção di­gi­tal, que se­rá fei­ta nos dois cen­tros de gra­va­ção, se­rão tam­bém ar­qui­va­das em for­ma­to fí­si­co, pa­ra even­tu­ais si­tu­a­ções de au­di­to­ria”, dis­se.

No cen­tro de es­cru­tí­nio es­tá mon­ta­da tam­bém uma sala pa­ra o pro­ces­sa­men­to de dados, re­cep­ção de fax, área de apoio aos ope­ra­do­res lo­gís­ti­cos e ou­tra sala de di­gi­ta­li­za­ção das ac­tas sín­te­ses das as­sem­blei­as de vo­to. O cen­tro tem ain­da mon­ta­dos vá­ri­os mo­ni­to­res on­de os téc­ni­cos acom­pa­nham a pro­du­ção diá­ria “on­li­ne” das ac­ti­vi­da­des re­la­ci­o­na­das ao pro­ces­so elei­to­ral.

Na vés­pe­ra a ple­ná­ria da CNE des­car­tou a con­ta­gem dos votos nos mu­ni­cí­pi­os e de­ci­diu que a con­ta­gem vai ser fei­ta na Me­sa de Vo­to, on­de ca­da par­ti­do tem um re­pre­sen­tan­te. De acor­do com a por­ta-voz da CNE, a con­ta­gem é fei­ta pe­lo pre­si­den­te da As­sem­bleia de Vo­to, que de­pois ela­bo­ra uma ac­ta as­si­na­da por to­dos os de­le­ga­dos de lis­ta. A có­pia da ac­ta é en­tre­gue a ca­da um dos seis re­pre­sen­tan­tes das for­ma­ções po­lí­ti­cas con­cor­ren­tes.

No cen­tro de es­cru­tí­nio fo­ram cri­a­das vá­ri­as áre­as pa­ra a re­cep­ção das ac­tas sín­te­ses, que têm co­mo ob­jec­ti­vo fun­da­men­tal o es­cru­tí­nio pro­vi­só­rio dos re­sul­ta­dos elei­to­rais

SANTOS PE­DRO | EDIÇÕES NOVEMBRO Os co­mis­sá­ri­os elei­to­rais fo­ram ao Cen­tro de Es­cru­tí­nio

SANTOS PE­DRO | EDIÇÕES NOVEMBRO Co­mis­sá­ri­os elei­to­rais fi­ca­ram sa­tis­fei­tos com as con­di­ções cri­a­das no Cen­tro de Es­cru­tí­nio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.